Mostrando postagens com marcador Paródia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Paródia. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 2 de setembro de 2020

Atividade sobre paródias de "Canção do Exílio"

Canção do exílio 

Minha terra tem macieiras da Califórnia 
Onde cantam gaturanos de Veneza.
Os poetas da minha terra
São pretos que vivem em torres de ametista, 
Os sargentos do exército são monistas, cubistas, 
Ou filósofos são polacos vendendo a prestações. 
A gente não pode dormir 
Com os oradores e os pernilongos.
Os sururus em família têm por testemunha a Gioconda.
Eu morro sufocado em terra estrangeira.
Nossas flores são mais bonitas
Nossas frutas mais gostosas
Mas custam cem mil-réis a dúzia. 
Ai quem me dera chupar uma carambola de verdade
E ouvir um sabiá com certidão de idade!

(Murilo Mendes) 

01) Que famoso poema serviu de base para o texto acima? 

02) Observe atentamente os dois primeiros versos do poema e responda: essa terra é o Brasil? Justifique sua resposta: 

03) O sentimento de exílio desse poema é o mesmo do seu texto-base? Comente:

04) Há nesse poema, escrito no século XX, a mesma exaltação da terra brasileira? Por quê? 

05) Que crítica social o texto faz? Explique bem: 

06) Quem é a Gioconda? O que ela tem a ver com o contexto? 

07) Explique os dois últimos versos do poema, dizendo que tipo de sentimento eles revelam: 

Canção do exílio facilitada

Lá? 
Ah! 
Sabiá...
Papá...
Mamá...
Sofá...
Sinhá...
Cá? 
Bah!

(José Paulo Paes)

08) Justifique o título dado ao poema acima: 

09) Como você interpreta as interjeições "Ah!" e "Bah!"? 

10) As palavras "lá" e "cá" não estabelecem mais uma relação espacial e sim temporal. Justifique essa afirmação: 

11) Explique o emprego das reticências presentes no poema: 

12) Que palavras dão pistas de que o poema se refere ao texto de Gonçalves Dias? 

Canto de regresso à pátria

Minha terra tem palmares
Onde gorjeia o mar
Os passarinhos daqui 
Não cantam como os de lá. 

Minha terra tem mais rosas
E quase que mais amores
Minha terra tem mais ouro 
Minha terra tem mais terra

Ouro terra amor e rosas
Eu quero tudo de lá
Não permita Deus que eu morra
Sem que eu volte para lá. 

Não permita Deus que eu morra
Sem que volte pra São Paulo 
Sem que veja a Rua 15
E o progresso de São Paulo. 

(Oswald de Andrade) 

13) Justifique o título dado ao poema: 

14) O que significa o primeiro verso dele? 

15) Que palavra do poema-base foi substituída neste? Com que intenção? 

16) Copie do texto um verso que caracteriza bastante o Modernismo, explicando bem: 

17) Que visão do Brasil transmite o poeta do século XX? 

segunda-feira, 29 de junho de 2020

Atividade sobre a música "Fogueira de São João", de Luiz Gonzaga


Fogueira de São João

Na fogueira de São João 
Eu quero brincar
Quero soltar meu balão
E foguinhos queimar

Seu Januário,
Venha ser o meu parceiro
Não esqueça da sanfona
Para animar o terreiro 

Traga a famia
Que nós tem muito prazer 
De dançar com suas fia
Té o dia amanhecer 

(Luiz Gonzaga)

01) Justifique o título dado à música:

02) Quem é Seu Januário?

03) Reescreva todo o texto adequando-o à norma culta da Língua:

04) Que mensagem a canção transmite? Comente:

05) Utilize essa música para criar uma paródia sobre algum tema atual:

terça-feira, 16 de junho de 2020

Atividade sobre a paródia "E agora, Zizi?", de Zizi Cassemiro


E agora, Zizi?

E agora, Zizi? 
Você escorregou,
Um tombo levou,
O braço quebrou,
Tudo complicou .
E agora, Zizi?

Trabalho parou, 
Doutor atestou,
Dois meses sem aula,
Que preço custou! 
E agora, Zizi?

Não pode escrever,
Está limitada,
Não faz quase nada,
Sem pressa ficou
Não tem que correr
De um canto pra outro,
Pois no seu relógio,
O tempo parou. 
E agora, Zizi?

Ideias e planos 
Estão bem guardados,
Foram engavetados,
Não dá pra perder.
Vai ter que treinar
Sua paciência,
Até sua rotina
Se estabelecer. 

Aproveite o tempo
Que é seu aliado,
E deixe de lado
Tanta inquietação. 
Aguarde que, em breve,
Gesso retirado
Braço consertado
Pronta para a ação.

(Zizi Cassemiro - 19/03/2020)

01) Justifique o título presente na poesia acima: 

02) Por que ele é interrogativo? O que ele sugere? 

03) Circule no texto o vocativo:

04) Quem é o eu lírico do poema? Caracterize-o utilizando cinco adjetivos: 

05) Quantas estrofes e quantos versos compõem o texto?

06) O que expressa o verso destacado na segunda estrofe?

07) Você acha que paciência, de fato, se treina? Posicione-se sobre isso:

08) De acordo com as informações do poema, como é a personalidade da Zizi?

09) É possível saber qual a profissão da protagonista? Justifique sua resposta:

10) Que mensagem o texto transmite? Comente:

11) O poema dialoga com um famoso poema de Carlos Drummond de Andrade. Qual? Em que se assemelham e se diferenciam?

12) Você acredita que a Zizi poderia ter evitado o incidente que ocorreu com ela? Justifique sua resposta:

13) Copie uma passagem do texto que revela um olhar sobre o trabalho, mencionando se foi um olhar positivo ou negativo:

14) Como ficaram os sentimentos de Zizi depois do ocorrido? Como chegou a essa conclusão?

15) Os conselhos do eu lírico foram expressados através de verbos no modo imperativo. Encontre dois exemplos e transcreva-os:

16) Transforme o poema em um relato pessoal, evitando perdas:

17) Localize no texto:

a) um advérbio de negação:
b) um numeral:
c) dois substantivos comuns:
d) um pronome de tratamento:
e) um pronome possessivo:
f) duas marcas de oralidade:

(Atividade feita deliciosamente em parceria da autora: Zizi Cassemiro)

quarta-feira, 10 de junho de 2020

Atividade sobre a paródia "E agora, Miguel?", de Educar Sempre


E agora, Miguel? 

A porta abriu
O choro parou
O botão ela apertou
A porta fechou
O elevador subiu...
E agora, Miguel? 

Você que é sem nome
Sem voz
E que agora protesta:
"Quero minha mãe..."
E agora, Miguel?

A porta abriu
O menino olhou
Mas não saiu
A porta fechou
E agora, Miguel?

O elevador subiu
A porta abriu
O menino saiu
Um grito ecoou! 
Uma vida silenciou

O dia não veio
A noite esfriou
Não veio a utopia
Lágrima rolou
E tudo acabou
E tudo... silenciou
E agora, Miguel? 

Sua doce palavra
Seu meigo sorriso
Seus sonhos
Sua infância
Sua inocência 
Seu amor
E agora, Miguel? 

Com braços abertos
Quer dar o abraço
Mas não houve o encontro
Porém entoamos sua voz:
Se você morreu?
Você não morre
Você é guerreiro
Você marcha, Miguel! 
E nós?
Marcharemos contigo nessa luta! 

(Educar Sempre) 

01) Justifique o título dado ao texto acima:

02) A que caso recente presente na mídia a poesia se refere?

03) Copie do texto duas antíteses, explicando seu raciocínio:

04) A quem se refere o pronome "ela", em destaque na primeira estrofe do texto?

05) Circule no texto os vocativos:

06) Justifique o uso das aspas no texto:

07) Qual é o "protesto" do menino Miguel, de cinco anos? 

08) O que a passagem "sem nome, sem voz" revela? 

09) Transcreva da poesia a passagem que mais revela que o menino morreu:

10) O que significa o verso "Você não morre", situado na última estrofe do poema? 

11) Por que podemos afirmar que Miguel "marcha"? O que isso revela? 

12) Copie do texto uma passagem que revela desejo de coletividade, de empatia: 

13) O texto em questão dialoga com um outro texto, de Carlos Drummond de Andrade. Pesquise-o e aponte semelhanças e diferenças entre eles: 

14) Que mensagem o texto transmite? Comente:

domingo, 17 de maio de 2020

Atividade sobre a música "Fica em casa", de Hotelo


Fica em casa 

Fica em casa!
Lava a mão 
Pode ser com álcool em gel
Mas é melhor sabão!

Fica em casa!
É a recomendação
Aquieta esse seu facho 
E lava de novo essa mão  

Ai que saudades do vovô e da vovó
Mas é que em tempos de Corona 
É melhor eu ficar só
Me deu vontade de abraçar meu amiguinho
Mas é que em tempos de Corona
É só com o cotovelinho

A gente sabe que o assunto é bem sério
Mas no fim não tem mistério
Você tem que se cuidar
Força pro mundo, empatia e esperança
Todos juntos nesta dança
Que a gente vai superar...

Fica em casa!
Lava a mão 
Pode ser com álcool em gel
Mas é melhor sabão!

Fica em casa!
É a recomendação
Aquieta esse seu facho 
E lava de novo essa mão

(Hotelo) 

01) Justifique o título dado à música:

02) Qual o objetivo da referida canção?

03) Qual o principal conselho dado na música? O que você, sinceramente, pensa sobre isso?

04) Por que o sabão seria melhor do que o famoso álcool gel?

05) O que significa a expressão popular "aquieta esse seu facho"? Qual poderia substituí-la, de maneira mais formal, sem causar prejuízo à letra de música?  

06) Copie do texto palavras antônimas:

07) Justifique a passagem que se encontra em negrito na canção, dizendo qual cumprimento foi substituído e o porquê: 

08) Transcreva da canção um trecho que mostra a importância do ato de lavar as mãos: 

09) Por que o autor teria escolhido citar justamente os avós e não outros familiares? 

10) Segundo a música, o que é preciso haver no mundo para que possamos superar essa pandemia? O que você pensa a respeito disso?

11) Explique a importância dos verbos no modo imperativo, citando alguns exemplos retirados do texto:

12) Copie da canção fortes marcas de oralidade, mencionando o efeito causado pelo uso das mesmas:

13) Que mensagem a música transmite? Comente: 

14) Você encontra-se otimista ou pessimista com relação ao Coronavírus em sua cidade? Justifique sua resposta:

15) Transforme tal canção em uma HQ (História em Quadrinhos), sem abrir mão de nenhum detalhe:

16) Você vai transformar essa música em um panfleto ou folheto:

17) Tente fazer uma paródia dessa música e grave um vídeo bem divertido!

(Música indicada pela minha querida amiga Cristina Barata)

domingo, 29 de março de 2020

Atividade sobre a música "Lava a mão", com Palavra Cantada


Lava a mão

Uma 
Lava outra, lava uma (mão)
Lava outra, lava uma (mão)
Lava outra mão, lava uma mão
Lava outra mão
Lava uma 

Depois de brincar no chão de areia a tarde inteira
Antes de comer, beber, lamber, pegar na mamadeira
Lava uma (mão), lava outra (mão)
Lava uma, lava outra (mão)
Lava uma

A doença vai embora junto com a sujeira
Vermes, bactérias, mando embora embaixo da torneira
Água uma, água outra
Água uma (mão), água outra
Água uma (mão) 

Na segunda, terça, quarta, quinta e sexta-feira
Na beira da pia, tanque, bica, bacia, banheira
Lava uma mão, mão, mão, mão
Água uma mão, lava outra mão
Lava uma mão 
Lava outra, lava uma

(Arnaldo Antunes) 

01) Justifique o título dado à canção:

02) Circule na música todos os substantivos:

03) Copie da canção o verso que mais traz ações, grifando os verbos:

04) Localize na música uma passagem que mostra que esse cuidado de lavar as mãos tem que ser com tamanha frequência:

05) Transcreva do texto os mais variados tipos de lugares para se lavar as mãos: 

06) Qual a importância de se lavar bem as mãos?

07) Você acha que essa prática de lavar as mãos ganhou mais força nesta época de Coronavírus? Justifique sua resposta: 

08) Por que você acha que houve a substituição do verbo "lavar" pelo verbo "aguar"? Qual tem um sentido mais expressivo? Por quê? 

09) Que mensagem a música transmite? Comente:

10) Agora você deverá criar uma paródia usando essa canção como base para prevenir contra o Coronavírus! Capriche! 

(Música sugerida pela querida colega de grupo: Ana Costa)

Atividade sobre a música "Sopa", com Palavra Cantada


Sopa

Que que tem na sopa do neném?
Que que tem na sopa do neném?
Será que tem espinafre?
Será que tem tomate?
Será que tem feijão?
Será que tem agrião? 
É um, é dois, é três...

Que que tem na sopa do neném?
Que que tem na sopa do neném?
Será que tem farinha?
Será que tem balinha?
Será que tem macarrão?
Será que tem caminhão?
É um, é dois, é três...

Que que tem na sopa do neném?
Que que tem na sopa do neném?
Será que tem rabanete?
Será que tem sorvete?
Será que tem berinjela?
Será que tem panela?
É um, é dois, é três...

Que que tem na sopa do neném?
Que que tem na sopa do neném?
Será que tem mandioca?
Será que tem minhoca?
Será que tem jacaré?
Será que tem chulé?
É um, é dois, é três... 

Que que tem na sopa do neném?
Que que tem na sopa do neném?
Será que tem alho-poró?
Será que tem sabão em pó?
Será que tem repolho?
Será que tem piolho?
É um, é dois, é três...

Que que tem na sopa do neném?
Que que tem na sopa do neném? 
Será que tem caqui?
Será que tem javali?
Será que tem palmito?
Será que tem pirulito?
É um, é dois, é três... 

(Palavra Cantada)

01) Justifique o título dado à canção, aproveitando para sugerir um outro:

02) Copie da música todos os ingredientes que você acha que combinam com uma sopa:

03) Agora copie apenas os ingredientes que você estranhou ter em uma sopa:

04) O que fez a canção ser engraçada? Explique:

05) Com o que as crianças estavam preocupadas na hora de dizerem as palavras? Justifique sua resposta: 

06) Que classe de palavras mais apareceu na canção?

07) Qual o objetivo da passagem destacada no texto? Por que ela se repete em todas as estrofes?

08) Além dessa passagem, que outra também aparece com frequência na canção? Que efeito ela causa ao contexto?

09) Que mensagem a música transmite? Comente:

10) Qual a importância das frases interrogativas para o contexto?

11) Quantas estrofes e quantos versos compõem a música? 

12) Agora a sua função é transformar o texto no gênero RECEITA, com as duas partes que a compõem: ingredientes e modo de fazer: 

13) Você deverá ilustrar em uma folha A4 (ou na metade dela) a sopa com todos os ingredientes dentro! Capriche! Seja criativo: 

14) Que outros ingredientes engraçados você acrescentaria à sopa? Aproveite para criar mais uma estrofe para a canção:

15) Que tal produzir uma paródia usando essa música como base e com o tema "Que que tem na televisão?"?!? Estou curiosa para ver!!! 

quarta-feira, 18 de março de 2020

Atividade sobre a música "O dia em que a Terra parou", de Raul Seixas


O dia em que a Terra parou

Essa noite eu tive um sonho 
De sonhador
Maluco que sou, eu sonhei
Com o dia em que a Terra parou
Com o dia em que a Terra parou

Foi assim
No dia em que todas as pessoas 
Do planeta inteiro
Resolveram que ninguém ia sair de casa
Como se fosse combinado em todo o planeta
Naquele dia, ninguém saiu de casa, ninguém, ninguém

O empregado não saiu pro seu trabalho
Pois sabia que o patrão também não tava lá
Dona de casa não saiu pra comprar pão
Pois sabia que o padeiro também não tava lá 
E o guarda não saiu pra prender
Pois sabia que o ladrão também não tava lá 
E o ladrão não saiu pra roubar
Pois sabia que não ia ter onde gastar

No dia em que a Terra parou
No dia em que a Terra parou
No dia em que a Terra parou
No dia em que a Terra parou

E nas igrejas nem um sino a badalar
Pois sabiam que os fiéis também não tavam lá
E os fiéis não saíram pra rezar
Pois sabiam que o padre também não tava lá
E o aluno não saiu para estudar
Pois sabia que o professor também não tava lá
E o professor não saiu para lecionar
Pois sabia que não tinha mais nada pra ensinar

No dia em que a Terra parou
No dia em que a Terra parou
No dia em que a Terra parou
No dia em que a Terra parou

O comandante não saiu para o quartel
Pois sabia que o soldado também não tava lá 
E o soldado não saiu pra ir pra guerra
Pois sabia que o inimigo também não tava lá
E o paciente não saiu pra se tratar
Pois sabia que o doutor também não tava lá 
E o doutor não saiu pra medicar
Pois sabia que não tinha mais doença pra curar

No dia em que a Terra parou
No dia em que a Terra parou
No dia em que a Terra parou
No dia em que a Terra parou

Essa noite eu tive um sonho 
De sonhador 
Maluco que sou, acordei.

No dia em que a Terra parou
No dia em que a Terra parou
No dia em que a Terra parou
No dia em que a Terra parou

(Raul Seixas e Cláudio Roberto)


01) Justifique o título dado à música:

02) Observe que na canção há relação de dependência entre tudo e todos. Copie uma passagem em que, para você, isso fica mais nítido, explicando: 

03) O que significa a passagem "um sonho de sonhador"? Explique-a:

04) Copie do texto marcas de oralidade:

05) Que mensagem a canção transmite? Comente:

06) Que sentimento a música despertou em você? Justifique sua resposta:  

07) Que crítica social encontra-se presente nessa letra de música? Comente: 

08) Que profissões foram citadas na canção e suas respectivas classes sociais? Que análise você faz sobre isso? 

09) Há alguma diferença entre esse isolamento das pessoas retratadas na música e o de hoje, por conta do Coronavírus? Explique:

10) A música foi composta em 1977, então por que você imagina que as pessoas não saíram de casa?  Por que todas teriam parado? Levante hipóteses:

11) Na sua opinião, Raul era um louco sonhador, um profeta ou escreveu sem pensar em nada? Justifique sua resposta:

12) O trecho "também não tava lá" é repetido várias vezes na letra da canção. Com que objetivo?

13) O foco narrativo está em primeira ou em terceira pessoa? Justifique com elementos do texto:

14) Explique os dois sentidos possíveis para a passagem "acordei", mencionando qual desses sentidos agrada mais você e combina mais com a ideia da canção:

15) Qual o tempo verbal que predomina na letra da música? O que isso representa?

16) Identifique um articulador textual que dá ideia de explicação e se repete em vários versos:

17) Qual o significado de PANDEMIA e que relação essa palavra teria com a música?

18) O que você tem feito para se proteger e proteger os que estão à sua volta desse novo vírus?

19) Escreva mais uma estrofe para a canção, seguindo a mesma ideia de seus compositores:

20) Transforme essa letra em uma notícia de jornal com suas características peculiares:

21) Veja um excelente exemplo de paródia, para, em seguida, você criar a sua:



Corona a Terra parou

Bem que eu disse que esse dia iria chegar
Maluco que eu sou, avisei

Corona a Terra parou
Corona a Terra parou
Corona a Terra parou

Foi assim:
No dia em que todas as pessoas do planeta inteiro
Precisaram ficar confinadas em casa 
Porque todos combinaram, 
Em todo planeta,
Que isso seria importante para o nosso próprio bem
Pro nosso próprio bem

Mas não é férias
É melhor tomar cuidado
Não seja o bundão que vai atrapalhar
Fique em casa,
Lave bem a sua mão
Lave até cair os dedos

E não vem me abraçar
E se tu acha que nada
Quando apertar a mão,
É melhor sair pra lá
A prevenção é a chance de parar 
Essa epidemia 
E muitas vidas vai poupar

Corona a Terra parou
Corona a Terra parou
Corona a Terra parou
Corona a Terra parou

Não vá na igreja, nem em eventos e baladas
Porque gente aglomerada
Isso só vai piorar
Não compre muito pra comida não faltar
Compre só o necessário
Vamos economizar

E o aluno não saia pra estudar
Porque sua instituição também tem que parar
E por favor não vamos se aglomerar
Quanto mais colaborar, 
Mais rápido isso vai passar

Corona a Terra parou
Corona a Terra parou
Corona a Terra parou
Corona a Terra parou

O ignorante ainda não se convenceu
Que a nossa melhor saída
Vai ser colaborar
Não terão leitos em hospitais pra todo mundo 
Se não fizermos o mínimo
Pra isso não espalhar
não vai poder se curar
Se a todos infectar
É impossível a todos atender
E o doutor não vai poder medicar
Pois não terá estrutura para todos tratar

Corona a Terra parou
Corona a Terra parou
Corona a Terra parou
Corona a Terra parou

(Não Famoso) 

(Atividade feita em parceria com as amigas Vânia Oliveira,
Aparecida CarvalhoNadiolan Ribeiro e Zizi Cassemiro)

sexta-feira, 13 de março de 2020

Atividade sobre anúncio publicitário - "Leite Moça e Carmem Miranda"

Leia o anúncio do Leite Moça a seguir, publicado na revista feminina "Nova", em janeiro de 2001: 


01) O anúncio publicitário acima faz referência a quem? Quem seria essa "Moça"?

02) Que recursos não-verbais foram usados para fazer referência s essa pessoa?

03) Que povo brasileiro costuma usar um turbante na cabeça?

04) Explique o trecho verbal "O que é que essa Moça tem? Tem o que ninguém tem":

05) Por que há frutas sobre a lata? Que frutas?

06) Por que o autor ao fazer esta propaganda relacionou o produto a esta imagem?

07) Esse anúncio teria o mesmo efeito no leitor se fosse publicado na revista "Quatro Rodas"? Por quê? 

08) Você sabe quem é a personalidade abaixo? Pesquise um pouco sobre ela e faça um breve resumo:


09) Observe atentamente as caricaturas abaixo e diga de qual delas você mais gostou, mencionando, claro, o porquê da sua escolha: 




10) Quando um texto dialoga com o outro fazendo uma crítica, um deboche, dizemos que há um tipo de intertextualidade chamado PARÓDIA; e quando dialoga com outro apenas fazendo uma reescrita, dizemos que é PARÁFRASE. Leia com muita atenção a letra de música a seguir, dizendo de que forma ela dialoga com o anúncio e com as caricaturas: 

O que que a baiana tem?

Tem torço de seda, tem! 
Tem brincos de ouro, tem! 
Corrente de ouro tem!
Tem pano-da-costa, tem!
Tem passa rebata, tem! 
Pulseira de ouro, tem! 
Tem saia engomada, tem! 
Sandália enfeitada, tem! 
Tem graça como ninguém
Como ela requebra bem! 

(Carmem Miranda) 

sexta-feira, 26 de julho de 2019

Atividade sobre "Pasárgada", de Manuel Bandeira e Millôr Fernandes

Texto 01: Vou-me embora pra Pasárgada

Vou-me embora pra Pasárgada
Lá sou amigo do rei

Lá tenho a mulher que eu quero

Na cama que escolherei 
Vou-me embora pra Pasárgada

Vou-me embora pra Pasárgada

Aqui eu não sou feliz

Lá a existência é uma aventura
De tal modo inconseqüente
Que Joana a Louca de Espanha
Rainha e falsa demente
Vem a ser contraparente
Da nora que nunca tive


E como farei ginástica
Andarei de bicicleta

Montarei em burro brabo

Subirei no pau-de-sebo
Tomarei banhos de mar!
E quando estiver cansado
Deito na beira do rio
Mando chamar a mãe-d'água
Pra me contar as histórias
Que no tempo de eu menino
Rosa vinha me contar
Vou-me embora pra Pasárgada


Em Pasárgada tem tudo
É outra civilização

Tem um processo seguro

De impedir a concepção
Tem telefone automático
Tem alcalóide à vontade
Tem prostitutas bonitas
Para a gente namorar


E quando eu estiver mais triste
Mas triste de não ter jeito

Quando de noite me der

Vontade de me matar
— Lá sou amigo do rei —
Terei a mulher que eu quero
Na cama que escolherei
Vou-me embora pra Pasárgada


(Manuel Bandeira)

01) Sabendo que Pasárgada é o nome de uma cidade da antiga Pérsia, responda: 

a) A que se referem os advérbios de lugar "lá" e "aqui"? 
b) Por que ocorre, no poema, a repetição enfática do verso "Vou-me embora pra Pasárgada"?

02) Caracterize Pasárgada, evidenciando seus aspectos positivos rem relação a:

a) amizades e amores:
b) diversões e esportes:
c) progresso:

03) Se existe o desejo de ir para Pasárgada, fica implícita a ideia de que "aqui" o eu lírico não tem o que encontrará naquela cidade. Como é a realidade de onde ele se encontra?

04) Pasárgada é real? Justifique sua resposta:

05) A viagem a Pasárgada vai alterar os sentimentos do eu lírico? Justifique, considerando em especial o fim do poema: 

06) Existe alguma relação semântica entre o conteúdo do poema e o uso reiterado de verbos no futuro? Explique bem: 

07) Mesmo sendo modernista, o texto lembra o estilo romântico ou o realista? Por quê? 

08) Que verso atenua a hierarquia entre o poeta e o rei, eliminando as diferenças convencionalmente repressoras?

Texto 02:  Vou-me embora de Pasárgada

Vou-me embora de Pasárgada
Sou inimigo do rei
Não tenho nada que eu quero
Não tenho e nunca terei
Vou-me embora de Pasárgada
Aqui eu não sou feliz
A existência é tão dura
As elites tão senis
Que Joana, a louca da Espanha,
Ainda é mais coerente
Do que os donos do país.

A gente só faz ginástica
Nos velhos trens da central
Se quer comer todo dia
A polícia baixa o pau
E como já estou cansado
Sem esperança num país
Em que tudo nos revolta
Já comprei ida sem volta
Pra outro qualquer lugar
Aqui não quero ficar,
Vou-me embora de Pasárgada.

Pasárgada já não tem nada
Nem mesmo recordação
Nem a fome a doença
Impedem a concepção
Telefone não telefona
A droga é falsificada
E prostitutas aidéticas
Se fingem de namoradas.

E se hoje acordei alegre
Não pensem que eu vou ficar
Nosso presente já era
Nosso passado já foi.
Dou boiada pra ir embora
Pra ficar só dou um boi
Sou inimigo do rei
Não tenho nada na vida
Não tenho e nunca terei
Vou-me embora de Pasárgada.

(Millôr Fernandes)

09) Aponte as principais diferenças e semelhanças entre os dois textos lidos:

10) É possível identificar o país representado no segundo texto? Justifique com uma ou mais passagens dele:

11) A primeira estrofe fala sobre rei, elites, donos do país; a segunda, sobre a polícia e a economia; a terceira, sobre a realidade cotidiana. Há pontos positivos destacados?

12) O eu lírito tem perspectiva de um futuro melhor? Por quê?

13) A intertextualidade entre os dois textos aponta para uma paródia? Justifique sua resposta:

14) De que texto você mais gostou? Por quê? 

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Atividade sobre a música "Loka" - Simone & Simaria


Loka

Cadê você, que ninguém viu? 
Desapareceu, do nada sumiu
Tá por tentando esquecer
O cara safado que te fez sofrer

Cadê você? Onde se escondeu?
Por que sofre se ele não te mereceu?
Insiste em ficar em cima desse muro
Espera a mudança em quem não tem futuro

Deixa esse cara de lado
Você apenas escolheu o cara errado
Sofre no presente por causa do seu passado
Do que adianta chorar pelo leite derramado?

Põe aquela roupa e o batom
Entra no carro, amiga, aumenta o som

E bota uma moda boa
Vamos curtir a noite de patroa
Azarar uns boys, beijar na boca
Aproveitar a noite, ficar louca

Esquece ele e fica louca, louca, louca...

(Simone & Simaria)

01) Observe que, na música, há duas grafias para a palavra "louca". Qual seria a justificativa para isso? Explique seu raciocínio: 

02) A música emprega a linguagem formal ou informal? Justifique sua resposta, incluindo passagens do texto:

03) Qual a importância dos verbos no modo imperativo para o contexto apresentado?

04) Podemos afirmar que há traços do Romantismo, do Realismo ou de ambos no texto? Justifique sua resposta: 

05) A quem a música se dirige? Comente:

06) Que conselhos são dados? O que você pensa sobre eles? 

07) Há algum estrangeirismo no texto? Se sim, qual? O que isso revela?

08) Copie do texto um exemplo de vocativo, explicando o emprego do mesmo: 

09) Qual o significado da palavra em destaque no texto? Você costuma usá-la nesse sentido ou em outro? Qual? Comente:

10) Que mensagem o texto lhe transmitiu?

11) Você agora vai se colocar no lugar de quem recebeu os conselhos dados e, de forma romântica, vai tentar responder a esse recado, sem deixar passar nenhum detalhe: 

12) Diga a que classe gramatical pertence cada palavra destacada no texto:

13) Agora observe a paródia que fizeram em cima do clipe original e diga o que você achou, respondendo, principalmente, qual foi o objetivo dela, se isso foi ou não atingido e se achou engraçada ou ofensiva (justificando seu ponto de vista):


Gorda

Cadê você? Já desistiu?
Na academia, você sumiu.
Tá por aí tentando emagrecer, 
mas não consegue parar de comer.

Cadê você que não emagreceu?
E essa dieta que não procedeu?
Insiste em alimentando esse bucho,
Sai dessa vida que não tem futuro...

Deixa a gordura de lado
Você apenas escolheu o cardápio errado
Buchada de bode, isso é coisa do passado
Acho melhor te aconselhar
Ovo com frango desfiado

Baixe essa bola e mude o tom
Sou uma gordinha charmosa
Igual a Marrom
E me traga a comida boa
Que eu vou viver minha vida de patroa
Porque sou eu que mando na minha boca 
Eu sou feliz assim, eu sou é gooooorda! 

Pois traga essa comida boa
Que ela vive vida de patroa
Pois ela é quem manda na sua boca
Ela é feliz assim sendo gorda! 

Esqueça a dieta e fica gorda! Gorda! Gorda!
A Marília Mendonça também é gorda! Gorda! Gorda! 
Maiara e Maraísa também é gorda! Gorda! Gorda!
A Simone da Simaria também é gorda! Gorda! Gorda!

(Tirulipa)

14) Vale a pena fazer de tudo para ficar magra e corresponder aos padrões de beleza da sociedade, ainda que infeliz? Comente: 

quarta-feira, 7 de maio de 2014

Atividade sobre a fábula "O cão e seu reflexo", de Esopo

O cão e seu reflexo

Um cão estava se sentindo muito orgulhoso de si mesmo. Achara um enorme pedaço de carne e o levava na boca, pretendendo devorá-lo em paz em algum lugar. 
Ele chegou a um curso d´água e começou a cruzar a estreita ponte que o levava para o outro lado. De repente, parou e olhou para baixo. Na superfície da água, viu seu próprio reflexo brilhando.
O cão não se deu conta de estar olhando para si mesmo. Julgou estar vendo outro cão com um pedaço de carne na boca.
"Ôpa! Aquele pedaço de carne é maior do que o meu", pensou ele. "Vou pegá-lo e correr". 
Dito e feito. Largou seu pedaço de carne para pegar o que estava na boca do outro cão. Naturalmente, seu pedaço caiu n´água e foi parar bem no fundo, deixando-o sem nada. 

MORAL: Quem tudo quer tudo perde. 
(Esopo)

01) Justifique o título do texto acima, dizendo que outro você daria:

02) Por que o texto é uma fábula? 

03) Justifique o emprego do verbo destacado logo no começo do texto: 

04)  Retire do texto um adjetivo, mencionando a que substantivo ele se refere:

05) Localize na fábula uma interjeição, dizendo o que ela expressa: 

06) Que mensagem o texto lhe transmitiu? Você concorda com a moral apresentada? Comente:

07) Tente fazer uma paródia da fábula, seja acrescentando novas personagens, o que mudaria na ação do cão, mudando a moral... Mãos à obra! Sei que pode! 

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Atividade sobre a música "Eu vezes eu", dos Titãs


Eu vezes eu

Rafaela tá trancada há dois dias no banheiro
enquanto sua mãe
toma Prozac, enche a cara
e dorme o dia inteiro
Parece muito, mas podia ser...

Carolina pinta as unhas roídas de vermelho
Em vez de estudar
fica fazendo poses
nua no espelho
Parece estranho, mas podia ser...

O que você faz quando
ninguém te fazendo
ou que você queria fazer
se ninguém pudesse te ver?

Gabriela e a namorada se divertem no escuro e o seu pai
acha tudo que ele faz
errado e sem futuro
É complicado, mas podia ser...

Mariana gosta de beijar outras meninas
de vez em quando beijar meninos
só pra não cair numa rotina
É diferente, mas podia ser...

(Titãs)

01) Justifique o título da canção:

02) Copie do texto exemplos de oralidade:

03) Localize no texto 4 (quatro) substantivos próprios:

04) Responda à pergunta feita na terceira estrofe:

05) Que mensagem a música lhe transmitiu? Comente:

06) De que personagem do texto você gostou mais? Por quê? 

07) Que conselho você daria a cada uma dessas personagens? 

08) Diga a que classe gramatical pertence cada palavra nele destacada:

09) Faça uma comparação com a música original e esta paródia abaixo:


segunda-feira, 27 de junho de 2011

Atividade sobre o texto "O patinho realmente feio", de Jon Scieszka


O patinho realmente feio

Era uma vez uma mamãe pata e um papai pato que tinham sete bebês patinhos. Seis eram patinhos normais. O sétimo, porém, era um patinho realmente feio.
Todo mundo dizia: "Mas que bando de patinhos tão bonitinhos... todos, menos aquele ali. Puxa, mas como ele é feio!"
O patinho realmente feio ouvia o que as pessoas diziam, mas nem ligava. Sabia que um dia iria crescer e provavelmente virar um cisne, muito maior e mais bonito do que qualquer outra ave do lago.
Bem, só que no fim ele era apenas um patinho realmente feio. E, quando cresceu, tornou-se apenas um pato grande realmente muito feio.
(Jon Scieszka)

01) Com que história conhecidíssima o texto acima dialoga? Tente resumi-la da forma como você a conhece:

02) Que tipo de narrador nós temos no texto acima? Justifique:

03) Explique por que tal classificação justifica a falta de ligação dele com a personagem:

04) Além de dialogar com a narrativa de Andersen, há dentro da própria narrativa acima um outro momento de diálogo com o conto clássico. Qual?

05) Esse dado lhe parece aumentar ou diminuir a decepção final? Por quê?

06) Qual foi a única novidade que o crescimento trouxe para o patinho?

07) Por que temos no texto lido uma paródia e não uma paráfrase? Explique:

08) Agora tente reescrever o texto como se o patinho realmente feio fosse o narrador:

09) Você agora deverá fazer uma paráfrase sobre o texto lido:

10) E que tal você criar a SUA paródia sobre o conto clássico do patinho feio? Capriche!  

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Atividade sobre o texto "O Sermão da Montanha - Versão para educadores!"


O Sermão da Montanha - Versão para educadores

Naquele tempo, Jesus subiu a um monte seguido pela multidão e, sentado sobre uma grande pedra, deixou que os seus discípulos e seguidores se aproximassem.
Ele os preparava para serem os educadores capazes de transmitir a lição da Boa Nova a todos os homens.
Tomando a palavra, disse-lhes: - "Em verdade, em verdade vos digo: Felizes os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus. Felizes os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados. Felizes os misericordiosos, porque eles..."
Pedro o interrompeu: - Mestre, vamos ter que saber isso de cor?
André perguntou: - É pra copiar no caderno?
Filipe lamentou-se: - Esqueci meu papiro!
Bartolomeu quis saber: - Vai cair na prova?
João levantou a mão: - Posso ir ao banheiro?
Judas Iscariotes resmungou: - O que é que a gente vai ganhar com isso?
Judas Tadeu defendeu-se: - Foi o outro Judas que perguntou!
Tomé questionou: - Tem uma fórmula pra provar que isso tá certo?
Tiago Maior indagou: - Vai valer nota?
Tiago Menor reclamou: - Não ouvi nada, com esse grandão na minha frente.
Simão Zelote gritou, nervoso: - Mas porque é que não dá logo a resposta e pronto!?
Mateus queixou-se: - Eu não entendi nada, ninguém entendeu nada!
Um dos fariseus, que nunca tinha estado diante de uma multidão nem ensinado nada a ninguém, tomou a palavra e dirigiu-se a Jesus, dizendo:
- Isso que o senhor está fazendo é uma aula? Onde está o seu plano de curso e a avaliação diagnóstica? Quais são os objetivos gerais e específicos? Quais são as suas estratégias para recuperação dos conhecimentos prévios?
Caifás emendou:
- Fez uma programação que inclua os temas transversais e atividades integradoras com outras disciplinas? E os espaços para incluir os parâmetros curriculares gerais? Elaborou os conteúdos conceituais, processuais e atitudinais?
Pilatos, sentado lá no fundão, disse a Jesus:
- Quero ver as avaliações da Provinha Brasil, da Prova Brasil e demais testes e reservo-me o direito de, ao final, aumentar as notas dos seus discípulos para que se cumpram as promessas do Imperador de um ensino de qualidade. Nem pensar em números e estatísticas que coloquem em dúvida a eficácia do nosso projeto. E vê lá se não vai reprovar alguém! Lembre-se que você ainda não é professor efetivo...
Jesus deu um suspiro profundo, pensou em ir à sinagoga e pedir aposentadoria proporcional aos trinta e três anos. Mas, tendo em vista o fator previdenciário e a regra dos 95, desistiu. Pensou em pegar um empréstimo consignado com Zaqueu, voltar pra Nazaré e montar uma padaria...
Mas olhou de novo a multidão. Eram como ovelhas sem pastor... Seu coração de educador se enterneceu e Ele continuou... como nós sempre continuamos...

(Autor desconhecido)


01) Justifique o título dado ao texto:

02) Em que reside o humor no texto? Explique: 

03) Quais são as personagens envolvidas? Cite-as: 

04) Que fala você achou mais engraçada? Por quê? 

05) O que a fala de cada personagem tem a ver com cada um? 

06) Circule no texto o(s) vocativo(s): 

07) Que mensagem o texto transmite? Comente: 

(Texto enviado pela minha querida colega de trabalho: Izidra Moraes