Mostrando postagens com marcador Notícias. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Notícias. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 28 de outubro de 2020

Atividade sobre o gênero NOTÍCIA - Caso George Floyd

 Caso George Floyd: morte de homem negro filmado com policial branco 
com joelhos em seu pescoço causa indignação nos EUA

FBI investiga morte em Minneapolis; vídeo filmado por testemunha mostra George Floyd,
de 40 anos, imobilizado no chão, dizendo "não consigo respirar", enquanto 
policial mantém joelho sobre seu pescoço.


A morte de um homem negro em Minnesota, nos Estados Unidos, causou uma onda de indignação depois da divulgação de um vídeo que mostra um policial branco ajoelhado no pescoço dele. Nas imagens, colhidas na segunda-feira (25), o homem identificado como George Floyd, de 40 anos, reclama e diz repetidamente: "Não consigo respirar". Pouco depois, ele parece não se mexer, antes de ser colocado em uma maca e transferido para uma ambulância. O episódio lembra o que aconteceu com Eric Garner, um negro que morreu ao ser preso em 2014 em Nova York. Garner repetiu "Não consigo respirar" 11 vezes. 

O que aconteceu? 

A policia local disse em comunicado que Floyd morreu "após um incidente médico durante uma interação policial". A polícia estava respondendo a uma chamada dizendo que um homem tentava usar cartões falsos em uma loja de conveniência. Dois policiais localizaram o suspeito em um veículo. Segundo eles, ele "parecia estar intoxicado". Eles ordenaram que saísse do veículo, mas o homem resistiu, segundo a versão da polícia. "Os policiais conseguiram algemar o suspeito e notaram que ele parecia estar sofrendo de problemas médicos", acrescentou o comunicado.

No vídeo de 10 minutos filmado por uma testemunha, um policial mantém Floyd no chão, que, a certa altura, diz: "Não me mate". Testemunhas pedem ao policial que tire o joelho do pescoço do homem, observando que ele não estava se mexendo. Alguns dizem que "seu nariz está sangrando", enquanto outro pede: "Saia do pescoço dele". 

A polícia disse que nenhuma arma foi usada durante o episódio e que as imagens das câmeras foram enviadas para o Departamento de Execução Penal de Minnesota, que também iniciou uma investigação

Em declarações à imprensa norte-americana na terça-feira, a chefe da polícia de Minneapolis, Medaria Arradondo, disse que a polícia de uso da força "para colocar alguém sob controle" será revisada. O FBI não comentou o caso.   

 https://g1.globo.com/mundo/noticia/2020/05

01) A que gênero pertence o texto acima? Qual o seu objetivo?

02) Que fato está sendo noticiado? 

03) Qual a causa da morte de George Floyd? 

04) "Segundo eles, ele parecia estar intoxicado" (terceiro parágrafo). Qual o significado da expressão em destaque? 

05) De acordo com o terceiro parágrafo, por que a polícia foi chamada? 

06) Segundo o texto, esta é a primeira vez que um caso desse acontece? Explique:

07) No vídeo de 10 minutos filmado por uma testemunha, um policial mantém Floyd no chão, que, a certa altura, diz: "Não me mate" (quarto parágrafo). Por que foram utilizadas as aspas nesse trecho? 

08) Que proposta de intervenção você daria para o problema de abuso apontado na notícia? 

09) Diga a que classe gramatical pertence cada uma das palavras destacadas no texto: 

(Atividade feita em parceria com a querida amiga Cristiane Guntensperger)

sábado, 10 de outubro de 2020

Atividade sobre o texto "Poeta é preso em flagrante sorriso", de Sérgio Vaz

 Poeta é preso em flagrante sorriso

Neste sábado pela manhã, a tropa de elite do mal-humor, fortemente armada, conseguiu prender o poeta Augusto, 44, que estava sorrindo, sem autorização, deliberadamente em mais uma manhã terrivelmente ensolarada. Acusado de idiota, o poeta foi enquadrado na lei número 777, denominada "Tristeza não tem fim" e imediatamente levado ao Departamento das Caras Amarradas, no Centro das Mágoas, em São Paulo. 
O Poeta Augusto tinha acabado de acordar e saiu para uma pequena caminhada, cheio de alegria, conforme testemunhas, e começou a sorrir para todos que estavam em sentido contrário, literalmente. Foi aí que foi abordado por uma viatura que fazia ronda no local. 
Antes de fugir trocou olhares sem maldades com a tropa do mal-humor e saiu em disparada pela Rua Esperança. Depois da perseguição com troca de insultos, não por parte do poeta, ele foi preso em flagrante, ainda com duas ou três risadas que iria usar mais tarde. 
Ao ser interrogado, Augusto não entregou quem lhe havia fornecido a alegria, e ainda revelou, de forma risonha e irônica, que ele era o dono da boca. 
O mal-humor confirmou sua prisão temporária por 30 dias, e que no final da tarde o poeta será transferido para o presídio de solidão máxima, enquanto aguarda o julgamento. O Secretário Geral das mesquinharias, Coronel José Bicudo Guerra, 98, informou em entrevista coletiva que o governo vai investir pesado na luta contra o bom-humor, e que dentro de dois ou três anos vai erradicar a alegria do país. 

Da redação: vira-lata das ruas 

(Sérgio Vaz)

01) A que gênero textual o texto parece pertencer, num primeiro olhar? Que características indicaram isso?

02) A que gênero ele, de fato, pertence? Por quê? 

03) Qual foi a infração cometida? Por quem? 

04) Copie do texto uma passagem que revela forte CENSURA: 

05) Circule os advérbios utilizados no primeiro parágrafo e diga que efeito eles fornecem ao texto: 

06) Justifique as aspas presentes no texto: 

07) O que substitui a "droga"? Que elementos lhe apontaram isso? Transcreva-os: 

08) Analise os substantivos próprios utilizados no texto e diga a que conclusão você chegou: 

09) Que punições e penas foram citadas no texto? O que você pensa a respeito disso? 

10) Qual seria a "pena máxima"? Você acha que isso pode ser verossímel em nosso país? 

11) Que mensagem o texto transmite? Comente: 

12) De que parte do texto você mais gostou? Por quê? 

13) Escolha no Google uma imagem para acompanhar o texto (ou pode desenhar): 

(Texto indicado pela minha querida amiga Ana Cristina Pontes)

quarta-feira, 30 de setembro de 2020

Atividade em homenagem ao grande cartunista Quino

Quem me conhece sabe o quão apaixonada eu sou pelo Quino e especialmente pela Mafalda e suas tirinhas impagáveis! Ela, assim como o Calvin e o Armandinho, são os que mais estão presentes em minhas provas e atividades! Como eles conseguem concentrar reflexão, leveza e humor de uma maneira tão ímpar... e eficaz! Essa minha paixão também contagiou o meu filho Miguel! 

Hoje o Quino se despediu, infelizmente, aos 88 anos de idade, e, como homenagem, preparei esta atividade e espero que gostem! E para ele muita luz e muita gratidão! Eternizado através de tantos trabalhos maravilhosos! E ainda juntando o Maurício de Sousa, que é outro grande ídolo que eu tenho! 

Maurício de Sousa faz declaração emocionante sobre morte de Quino, criador de Mafalda



Criador da Turma da Mõnica relembrou encontro com cartunista argentino em 2015

Maurício de Sousa, criador da Turma da Mônica, fez uma declaração on-line sobre a morte de Quino, cartunista responsável pelas tirinhas de Mafalda. O falecimento do argentino foi revelado nesta quarta, 30, pelo editor dele, Daniel Divinsky. 
"O amigo Quino está agora desenhando pelo universo com aqueles traços lindos e com um humor certeiro como sempre fez", escreveu Sousa. "Criou sua Mafalda, hoje de todos nós, no mesmo ano em que eu criei a Mônica, em 1963. Por isso, nos tornamos irmãos latino-americanos para desbravar o mundo dos quadrinhos". 


Maurício compartilhou, também, uma foto ao lado de Quino, um desenho da Mônica oferecendo o Sansão para Mafalda está na mesa entre os dois. "Estive com ele em 2015, em Buenos Aires, no Centro Cultural Brasil-Argentina, onde o presenteei com uma Mônica ao lado da Mafalda na comemoração dos 50 anos das duas personagens. Uma pessoa dócil e um dos maiores desenhistas de humor de todos os tempos. Quino vive agora mais forte dentro de nós", concluiu o desenhista. 


01) A que gênero pertence o texto acima? Que características deram pistas?

02) Qual a função do título? E do subtítulo?

03) Copie do texto dois apostos, explicando qual a função dos mesmos:

04) Justifique as aspas utilizadas no texto: 

05) O que o Maurício de Sousa e o Quino têm em comum? Explique:

06) Podemos afirmar que a Mafalda e a Mônica são uma espécie de irmãs? Por quê?

07) O que as duas personagens têm em comum? O que têm de diferente? 

08) Crie uma fala para cada uma das personagens no desenho feito por Maurício de Sousa:

09) Elabore um diálogo entre as duas personagens, considerando o momento de despedida do Quino hoje: 

10) Que importância teve o presente dado pela Mônica à Mafalda? Por quê? 

11) Se a Mônica ofertou à Mafalda o Sansão, que presente dariam a ela o Cascão, o Cebolinha e a Magali? 

12) Que mensagem o texto transmite? Comente:

13) Pelas falas de Maurício de Sousa se percebe algum tipo de rivalidade entre os dois? Justifique sua resposta com uma passagem do texto: 


14) Que implícito é importante para que se possa entender o pensamento da Mafalda, na imagem acima? Comente: 

sexta-feira, 7 de agosto de 2020

Atividade sobre RACISMO - Motoboy X Porco albino

Texto 01: 


Texto 02: 



Motoboy é alvo de ofensas racistas: "Você nunca vai ter nada", diz agressor

O vídeo de um ato de discriminação viralizou na internet nesta sexta-feira (7). As imagens feitas por um morador de um condomínio residencial de alto padrão em Valinhos (a 79 km de São Paulo) mostram um homem branco xingando e humilhando um entregador de aplicativo negro por causa de um atraso na entrega. O caso aconteceu em 31 de julho, mas só repercutiu após a mãe de Matheus Pires, 19, publicar as imagens nas redes sociais na noite desta quinta-feira (6). Um boletim de ocorrência para investigar o crime de injúria racial foi aberto na delegacia da cidade, e o agressor, o contabilista Mateus Abreu Almeida Prado Couto, até agora não prestou depoimento. A punição prevista para esse tipo de crime é o pagamento de multa ou reclusão de 1 a 6 meses. [...]


Texto 03:

Postura de motoboy vítima de racismo emociona e ele ganha 100 mil seguidores

O motoboy Matheus Pires foi humilhado por um cliente em um condomínio de luxo Valinhos, na região de Campinas, no interior de São paulo, enquanto fazia uma entrega. 
As imagens gravadas e postadas nas redes sociais mostram preconceito e racismo do homem, enquanto Mateus fazia entrega de alimentos. 
O homem chama o rapaz de analfabeto e diz: "você tem inveja disso aqui... dessas famílias e você tem inveja disso aqui [passa a mão sobre a pela branca]. Você nunca vai ter". 
A calma de Matheus durante toda a discussão conquistou o coração de seguidores nas redes sociais e até o início da tarde desta sexta, 8, o perfil do motoboy no Instagram já tinha mais de 100 mil seguidores.
Ele também recebeu apoio e carinho. 
O último post dele teve mais de 14 mil comentários, entre eles de famosos. "Parabéns Matheus por ser um homem de bem", escreveu um deles. 
Os seguidores também subiram a hastag #SomosTodosMatheus, em apoio ao jovem entregador. 
Matheus chamou a polícia e prestou queixa por racismo. 
O caso está sendo investigado. O nome do cliente ainda não foi divulgado. 


Texto 04:



01) O que os textos têm em comum? Justifique sua resposta:

02) A que gênero textual cada um deles pertence, respectivamente?

03) Por que motivo o entregador foi insultado? O que você pensa a respeito disso?

04) Como o motoboy reagiu a tais ofensas? Como você reagiria no lugar dele?

05) Você acha que a mãe do motoboy fez bem ao compartilhar o vídeo nas redes sociais? Justifique sua resposta: 

06) O que você acha da hastag utilizada? Que campanha ela levanta? Qual a importância dela? 

07) O que o primeiro texto denuncia? Justifique sua resposta: 

08) A que o agressor é comparado nela? O que você pensa a esse respeito? 

09) Existe algum contraste em como o motoboy e o agressor foram retratados? Por quê?

10) Em "Você tem inveja disso aqui!", a que se refere o AQUI?

11) No texto 04, nota-se que o autor fez uso da chamada intertextualidade. Explique-a:

12) Que elementos não-verbais deram essa pista?

13) Agora especula-se que o pai do agressor teria avisado à polícia que o filho tem laudo de esquizofrenia. Você acha que muda alguma coisa se essa informação for verdadeira? Comente: 

(Agradecimento à colega Luciene Gomes pela primeira imagem
e à amiga Else Portilho pelos dois textos sugeridos! )

sexta-feira, 31 de julho de 2020

Atividade sobre o gênero NOTÍCIA - "Menino morde pit bull..."


Menino morde pit bull após ser atacado em Sabará

Ele brincava no quintal da casa do tio quando o cão, 
que estava preso, avançou e mordeu seu braço.

SÃO PAULO - Um garoto de 11 anos mordeu um pit bull, após ser atacado pelo animal, na terça-feira, 22, em Sabará, na região metropolitana de Belo Horizonte, segundo informações do Corpo de Bombeiros. 
Ele brincava no quintal da casa do tio quando o cão, que estava preso a uma corrente, avançou e mordeu seu braço. De acordo com o depoimento do menino, ele apertou o pescoço do cachorro e deu a mordida para se defender. 
Um dos dentes do garoto chegou a quebrar e ficar preso ao animal, segundo os bombeiros. Testemunhas conseguiram separar o cão do menino, que foi levado para o Hospital João XXIII. Ele foi medicado e levou cerca de sete pontos no braço. Em seguida, foi liberado. O cachorro foi encaminhado ao Centro de Zoonoses da cidade, onde ficará sob observação. 

(Estado de São Paulo)

01) Qual a finalidade do texto acima? Ela foi alcançada? 

02) Qual o assunto da notícia? Justifique sua resposta: 

03) Onde o fato aconteceu? 

04) O que ele tem de incomum? O que você pensa sobre isso?

05) O que você faria no lugar do menino? Comente:

06) Responda às principais informações que precisam constar em uma notícia:

a) O quê?
b) Onde?
c) Quando?
d) Como?
e) Por quê?

07) Que palavra aparece em itálico no texto? Por quê?

08) Elabore uma espécie de diálogo entre o menino e o cachorro, tempos depois do ocorrido: 

quinta-feira, 30 de julho de 2020

Atividade sobre o editorial "Tragédia evitável"


Tragédia evitável

É evidente o despreparo das autoridades brasileiras no combate aos desastres ambientais causados pelo fogo, como demonstra o grave incêndio dos últimos dias no Jardim Botânico de Brasília. Mais de 80% da reserva foram atingidos, incluindo matas ciliares. Dramas similares ocorrem, simultaneamente, nos estados do Centro-Oeste e no sul da Amazônia, e não há nada que os bombeiros possam fazer diante das dimensões do problema. Sobram disposição e coragem para enfrentar as chamas, mas faltam equipamentos eficientes para atuar no cenário florestal. Agindo em locais de difícil acesso, os homens lutam contra a natureza com pás, galhos verdes, bombas de águas portáteis e a ajuda ocasional de um helicóptero de pequeno porte, meios insuficientes diante de imensos desafios encontrados.
Os incêndios são tragédias anunciadas. O fogo, em grande parte das vezes causado por raios, é parte indissolúvel do ecossistema do cerrado no período da seca. Infelizmente, muitas vezes a causa não é natural. Queimadas para aberturas de novas frentes agrícolas fogem ao controle, e os resultados são trágicos, como em Roraima, no ano de 1998, quando 40 mil quilômetros quadrados foram destruídos, incluindo-se nesse total florestas primárias, savanas, campinas e ambientes florestais já transformados para agricultura e pecuária.
As soluções são conhecidas e acessíveis, embora todas as esferas governamentais, municipal, estadual e federal, insistam em desconhecê-las. A principal delas seria a criação de uma frota de aviões-bombeiros, como as mantidas pelos governos norte-americano, russo e dos países europeus e asiáticos. O custo inicial de aquisição pode ser alto, mas os benefícios, com a proteção do patrimônio vegetal e animal, se estendem ao longo dos anos, amortizando rapidamente o investimento. Mais: a utilidade dos aviões-bombeiros não se limita ao ambiente rural. Eles são imprescindíveis no combate ao fogo em ambientes urbanos de difícil acesso, como favelas, podendo preservar dezenas de vidas numa emergência.
Em alguns países, como no Japão, funciona uma parceria entre a Defesa Civil e militares. Aviões de transporte de carga são adquiridos pelas autoridades civis e entregues para uso da força aérea. Em caso de necessidade, tanques para a dispersão de líquido são instalados rapidamente. Em pouco menos de quatro horas o aparelho está pronto para despejar toneladas de água gelatinizada sobre os focos principais de incêndio. Noutras nações, a França é um exemplo, a Defesa Civil opera pequenas forças aéreas especializadas no combate a incêndios florestais, equipadas com hidraviões capazes de captar água de rios, lagos e represas. A maior vantagem nesse caso é a rapidez com que entram em operação.
É importante destacar que o território brasileiro abriga a maior diversidade biológica em ecossistemas, que vão de florestas tropicais úmidas a ambientes semi-áridos. Protegê-la é tarefa de Estado. Perder 80% da superfície de uma reserva ecológica é trágico, principalmente quando existe uma solução viável para o problema. As autoridades precisam apenas implementá-la.

(O NORTE - João Pessoa)


01) Justifique o título do editorial acima:

02) Copie do texto dois fatos e duas opiniões:

03) Explique por que o verbo em destaque no começo do texto encontra-se no plural:

04) Que ideia é transmitida pela conjunção que se encontra em negrito no texto?

05) Qual o problema levantado no texto? O que você pensa sobre isso?

06) Qual a solução dada pelo editorial? Você acha que é válida? Comente:

Homem põe fogo no próprio carro e causa incêndio em reserva no RJ

Um homem foi preso ontem na cidade de Petrópolis, no Rio de Janeiro, sob suspeita de atear fogo no próprio carro para conseguir o dinheiro do seguro do veículo, tendo causado um incêndio  de grandes proporções em uma reserva local. [...] 



07) O que a notícia acima revela? Comente sobre isso:

08) De que forma ela dialoga com o edtorial? Explique: 

Atividade sobre o episódio da Naja

Texto 01:

Cobra naja apreendida em Brasília ganha perfil no Instagram e memes bombam

Desde que picou o estudante de veterinária Pedro Henrique Santos Krambeck Lehmkul, de 22 anos, e foi capturada em Brasília (DF), a cobra naja, criada ilegalmente pelo universitário, virou manchete dos principais veículos no Brasil. Com a popularidade em alta, a serpente também ganhou memes e teve ao menos cinco páginas criadas no Instagram. O UOL conversou com o proprietário do @najaofcial, que tem mais de 27 mil seguidores e bateu dois milhões de impressões em três dias. 

(Rafael Godinho)


Texto 02:


Estudante picado por naja é preso no DF por suspeita de crime ambiental 

O estudante de veterinária Pedro Henrique Krambeck, picado por uma cobra naja no início de julho, foi preso pela Polícia Civil do Distrito Federal na manhã desta quarta-feira (29). O jovem, de 22 anos, é suspeito de crime ambiental e de tentar atrapalhar as investigações. 


Texto 03:


Texto 04: 


Texto 05: 


Texto 06: 


Texto 07: O manifesto da Naja


Cansadíssima!
Ee que escapo de números circenses equivocados no Egito. 
Me livro de ser figurante em clip do É O TCHAM. 
Sobrevivo às diversas investidas dos perversos que querem nos transformar em sapato e bolsa. 
Mas... Sou esculachada, ensacada, traficada, encaixotada... e um playboy, que fez isso tudo comigo, resolve me usar como se eu fosse um bracelete cafona nas Casas Turuna. 
Piquei ele. 
Ah... sinto muito. Piquei mesmo. E piquei pouco. 
Gente... Eu estava finíssima catando umas preás subsaarianas em Luxor, não mexia com ninguém. Fui parar numa rua em Brasília. Em Brasíliaaaaaaaaaaa. Um monte de cobra engravatada se dando bem naquele lugar e eu defenestrada num pote, que nem uma macarronese esquecida depois de um almoço de domingo. 
Can sa da.
Agora vou pro Butantã aturar um monte de Surucucus magoadas, Pítons sem assunto, cascavéis implicantes... E por quê? Porque um "amante de animais exóticos" achou por bem que eu ficaria mais feliz em seu apartamento fedendo a Dove Man Care
Compra um hipopótamo, minha gente. Hipopótamo é fofo, né? 
Vai nessa. Passa pasta de amendoim na testa e enfia a cabeça na boca de um hipopótamo, amores. Que fogo no rabo é esse de querer assunto com cobra? A gente é quase surda e não enxerga muito bem. Deixa a gente em paz. Não curtimos humanos. Não rola. A única doida que puxou assunto com vocês foi a equivocada, puxa fogo, egóica que arrumou quizumba com Eva lá no Éden, mas a bicha tava incorporada pelo Satã do Hortifruti que tava querendo publicidade pra maçã, produto novo. Cobra nenhuma quer amizade com ser humano. Aceitem isso. Que ego doido. Que saco. 
Que fixação fálica. 
Sabe... exausta. 
Butantã... Olha o meu destino: um laboratório. Acham que curtimos viver em tupperware, acham que sonhamos em ser usadas pra fazer soro... Tudo porque um sem luz "ama cobras". 
Pohan... E olha só: COBRA NÃO: NAJA. DONA NAJA E FAZENDO A EGÍPCIA, MUITO MELHOR DO QUE TRAFICANTE DE ANIMAIS. 
Alguém me passa o zap da COVID? Grata. 

(André Gabeh Carvalho)

01) O que todos os textos têm em comum? Comente:

02) Qual o assunto presente em todos eles? Justifique sua resposta:

03) Por que você acha que a Naja caiu no gosto do povo e viralizou nas redes sociais? 

04) Quem você acha que oferece mais perigo: a Naja ou o Pedro Henrique? Por quê? 

05) Comente a intenção do meme presente no texto 03: 

06) Responda por que a cobra deveria ter empatia e por que ela não deveria ter:

07) Há uma ambiguidade no texto 04? Justifique sua resposta: 

08) No que reside o humor no texto 05? Explique:

09) O texto 06 se refere a que notícia atual? O que você pensa a respeito disso? 

10) Por que existem algumas palavras em itálico no texto 07? 

11) Copie deste último texto uma passagem carregada de humor: 

12) O que seria "um monte de cobra engravatada"? Que crítica encontra-se ali presente? 

13) Transcreva do texto uma comparação, mencionando que efeito ela causou a ele:

14) Circule no texto os vocativos, dizendo o que a presença deles causa ao texto:

15) Localize no texto fortes marcas de oralidade:

16) Por que razão a Naja desejaria o contato de Zap da Covid? 

17) De que texto você mais gostou? Por quê? 

(Atividade feita em parceria com a querida amiga Ana Cristina Pontes)

sábado, 6 de junho de 2020

Atividade sobre o gênero NOTÍCIA - O caso do menino Miguel


"Patroa fazia as unhas quando Miguel caiu do nono andar e morreu", diz tia do menino 

Segundo Lourdes Cristina, tia do menino Miguel Otávio Santana da Silva, de 5 anos, a primeira-dama de Tamandaré, Sari Gaspar Corte Real, esposa do prefeito Sérgio Hacker, estava fazendo as unhas quando o menino caiu do nono andar de um prédio no Centro do Recife, na terça-feira, dia 2. 
"O menino começou a chorar. Só que ela (a patroa) não ligou para chamar a mãe de volta, nem nada. Infelizmente, aconteceu o que aconteceu [...] Estava a patroa e uma pessoa trabalhando, fazendo a unha dela", disse em entrevista ao G1. 
Sari chegou a ser presa em flagrante, mas pagou fiança de R$ 20 mil e acabou sendo liberada na delegacia. Ela irá responder ao processo em liberdade. Ela é acusada de homicídio culposo pela morte da criança, que passava o dia com a mãe, a doméstica Mirtes Renata, no apartamento dos empregadores, localizado no Recife.
A polícia informou que tudo indica que Miguel sofreu o acidente quando procurava pela mãe, que tinha saído para passear com o cachorro dos patrões. A perícia apontou que ele caiu de uma altura de 35 metros. 
Na coletiva, o policial afirmou que a moradora teve participação no caso. De acordo com ele, a dona do apartamento e patroa da mãe de Miguel "era a responsável legal pela guarda momentânea dele".
Mãe de Miguel desabafou para a imprensa: "Se fosse eu, meu rosto estaria estampado, como já vi vários casos na televisão. Meu nome estaria estampado e meu rosto estaria em todas as médias. Mas o dela não pode estar na mídia, não pode ser divulgado", disse Mirtes à Globo. 
"Ela confiava os filhos dela a mim e a minha mãe. No momento em que confiei meu filho a ela, infelizmente ela não teve paciência para cuidar, para tirar (do elevador). Eu sei, eu não nego para ninguém: meu filho era uma criança um pouco teimosa, queria ser dono de si e tudo mais. Mas assim, é criança. Era criança."


01) Qual o objetivo da notícia acima?

02) Você acha que ela foi imparcial ou tendenciosa? Justifique sua resposta:

03) O que você achou da foto utilizada? Comente:

04) Você acha que Sari teve ou não culpa? Justifique sua resposta:

05) Você acha justo ela responder em liberdade? Acha certa haver fiança? Por quê?

06) O que o desabafo da mãe revela, com relação às diferenças entre ela e a patroa? Posicione-se sobre esse caso:

07) Justifique os usos das aspas no texto: 

08) Você acha que vem ou não ao caso o fato de o Miguel ser "um pouco teimoso"? Por quê?

09) O que você teria feito no lugar de Sari, quando ele entrou no elevador? 

10) Como você agiria se estivesse no lugar da mãe do menino? Explique: 


11) Que crítica social a charge acima faz? Justifique sua resposta:

12) Com que parte da notícia a charge mais dialoga? Transcreva-a:

13) Podemos afirmar que há intertextualidade entre a notícia e a charge? Por quê? 



14) Com que passagem da notícia a charge acima mais dialoga? Copie:

15) O que se percebe pela fala da patroa? Isso é comum de acontecer? O que você pensa a respeito? 

16) O que tal charge denuncia? Comente: 


17) O que a charge acima despertou em você? Justifique sua resposta: 

18) Com que parte da notícia a charge acima dialoga mais fortemente? Localize-a: 

(Charges enviadas pelas amigas Valéria Alves e Nalva Kássia!)

quarta-feira, 13 de maio de 2020

Atividade sobre o texto "Desistência, de Maria Dinorah, e uma notícia

Texto 01: Desistência 

O menino Tonho
mexendo no lixo
achou um sonho
e pôs-se a sonhar.

Com queijo de nuvens,
bolachas de estrela,
pastéis de luar.

O sonho era duro
e estava mofado.
E ele desistiu
de sonhar acordado.

(Maria Dinorah)

Texto 02: Pessoas e urubus disputam restos 

Em Belford Roxo, onde deveria existir a rodovia estadual RJ-040, urubus e gente disputam os detritos espalhados por um trator, sobre as margens de um riacho e de um mangue à beira da estrada. O mau cheiro é uma constante e a miséria é compreendida no pedido de Sebastião Mangueira, o Tião, que sobrevive dos restos produzidos, aos borbotões, pela sociedade de consumo. "Queria provar um pedaço de panetone. Nesta época do ano vejo um monte dessas caixas, mas nenhuma delas traz um pedacinho que seja. Deve ser muito bom", sonha o trabalhador, de 63 anos. 

(Jornal do Brasil)

01) O que os dois textos têm em comum?

02) No que eles diferem com relação à forma? Explique:

03) A que gênero textual eles pertencem, respectivamente?

04) Qual dele faz uso da linguagem chamada literária? Por quê? 

05) Qual a intenção de cada texto? 

06) Qual dos dois textos você considera mais objetivo? Justifique sua resposta:

07) Qual dos dois textos mexeu mais com a sua emoção? Por quê? 

08) A palavra destacada no texto 01 encontra-se no sentido denotativo ou conotativo? Explique seu raciocínio:

09) Justifique as aspas utilizadas no texto 02: 

10) Por que o Tião acha que panetone é gostoso? Você acha que ele tem ou não razão? 

sexta-feira, 24 de abril de 2020

Atividade sobre o texto "A vida em leilão", de Moacyr Scliar

A vida em leilão

Ele queria livrar-se do seu passado e organizou a venda, 
que deu certo, mas doía-lhe deixar tudo para trás

Um britânico que decidiu recomeçar do zero após uma separação amorosa já atraiu lances de quase R$ 1,2 milhão depois de colocar "toda a vida" à venda no site de leilões eBay. Ian Usher, 44, que emigrou para a Austrália seis anos atrás, está vendendo sua casa, seu trabalho em uma loja e até seus amigos no país. O "estilo de vida" de Usher foi colocado à venda e atraiu uma centena de interessados dispostos a pagar até 1,8 milhão de dólares australianos. O vencedor levará a casa de três dormitórios de Usher e tudo o que ela contém: carro, moto, jet-ski, móveis. Além disso, terá direito a passar por um período de testes na loja de tapetes onde Usher trabalha. Usher também apresentará o vencedor aos seus amigos. "No dia em que tudo for vendido e resolvido, quero sair pela porta da frente com minha carteira em um bolso e meu passaporte no outro, nada mais", ele disse. "Minha ideia é ir para o aeroporto, perguntar para onde vai o próximo voo disponível, embarcar e ver para onde a vida me leva a partir daí". 
(Folha Online)

O LEILÃO FOI UM SUCESSO, e rapidamente ele conseguiu vender aquilo que chamava de seu "estilo de vida" para um anônimo comprador, que pagou à vista, mediante depósito bancário,mas que surpreendentemente não se apresentou, nem para se candidatar ao emprego na loja de tapetes nem para conhecer os amigos. O que a ele não importava. Tudo o que queria era voltar para a Inglaterra e esquecer a Marilyn. 
Marilyn. Quando a conhecera -- logo após a sua chegada à Austrália -- tivera a certeza de que havia encontrado o grande amor de sua vida. Para começar, a moça era linda, de uma beleza absolutamente deslumbrante. E era viva, inteligente, culta, esportiva: tudo aquilo que um homem como ele esperava de uma mulher. No começo era o paraíso: tudo era bom, a convivência, os passeios, o sexo. 
Infelizmente, porém, começaram a surgir os problemas. De família rica e influente, Marilyn tinha algo de autoritário. Queria organizar o que chamava de "estilo de vida" dele, e que não lhe agradava: a casa onde morava, os móveis que havia escolhido, o carro que dirigia; e fazia restrições até ao jet-ski que ele pilotava. Era uma briga atrás da outra e por fim romperam. Desconsolado, ele decidiu partir; queria livrar-se por completo de seu passado, e daí o original leilão que fizera e que acabara dando certo, coisa que, para sua surpresa, não o deixara alegre, ao contrário, doía-lhe deixar a sua vida para trás. 
Agora estava ali, no avião para Londres. Já estava na hora da decolagem e aparentemente todos os passageiros tinham embarcado -- só restava um assento vazio, e ficava, justamente ao lado do dele. 
Foi então que ela entrou, a Marilyn. Linda como sempre, ou melhor , mais linda do que nunca. Sentou-se ao lado dele, abriu a bolsa, mostrou o documento que lhe dava direito a todas as coisas dele e ao emprego. Fora ela, claro, a anônima vencedora do leilão. Sorrindo, disse: -- Sim, eu quero o seu estilo de vida. Mas também quero o dono do estilo de vida, concorda?
Foi só o tempo de desembarcarem, correndo. A vida os esperava. 
(Moacyr Scliar)

01) Justifique o título dado ao texto acima:

02) O texto constitui-se de duas partes. A que gênero textual pertence cada uma? O que distingue uma da outra?

03) Indique os elementos básicos que compõem a primeira parte do texto:

04) Em que momento do fato relatado na notícia o autor começa a ficcionar?

05) Com que intenção o autor faz um flashback no segundo e terceiro parágrafos?

06) Em que consiste o conflito da história de Ian e Marilyn?

07) Como se caracterizam os personagens?

08) Que papel tem a caracterização dos personagens no desenvolvimento do texto ficcional?

09) Como se resolve o conflito?

10) O desfecho da história de Ian e Marilyn realmente aconteceu? Justifique sua resposta:

11) Que mensagem o texto transmite? 

terça-feira, 21 de abril de 2020

Atividade sobre notícia e crônica "Repelindo o carteiro", de Moacyr Scliar

Texto 01: Correios lançam campanha para evitar ataques de cães a carteiros


Os Correios lançaram uma campanha neste mês de setembro para diminuir o ataque de cães a carteiros nos Estados com a maior frequência desses acidentes: Rio Grande do Sul, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Piauí, São Paulo e Paraná, além do Distrito Federal.
As residências com cachorros terão de adaptar as caixas de correios para poder continuar a receber as correspondências. Isto porque, embora os ataques de cães a carteiros venham diminuindo nos últimos anos (de 2005 a 2007 o número de ocorrências reduziu cerca de 13%), esse tipo de acidente está em terceiro lugar no ranking de acidentes de trabalho nos Correios, segundo a empresa. 
De acordo com os Correios, uma das principais causas do ataque dos cachorros é a falta ou a instalação inadequada de caixas de correspondências. Com essa situação, o carteiro é obrigado a entrar nas áreas das residências para fazer a entrega.
Os locais de risco estão sendo mapeados pelos próprios carteiros. As casas sem caixa de correspondências ou com o recipiente mal posicionado serão orientadas a corrigir o problema para evitar a exposição do carteiro ao risco de um ataque do cachorro. Os moradores terão um prazo para se adequar, segundo os Correios.
A caixa pode ser de qualquer material, mas tem de atender os requisitos mínimos para preservar a integridade das correspondências. Além de proteger as cartas da chuva e evitar que elas sejam destruídas pelo cão, a caixa facilita a entrega pelo carteiro.
Segundo os Correios, as caixas terão de ter as seguintes medidas: 36 centímetros de profundidade, 27 centímetros de largura, 16 centímetros de altura e abertura de 25 centímetros de largura por dois centímetros de altura. A caixa deve ser instalada entre 1,20 metro e 1,60 metro do piso, com a abertura voltada para a rua. As medidas visam também fazer caber revistas e jornais. 
Em caso de dúvida, o morador deve procurar a unidade dos Correios mais próxima. A campanha se estende até janeiro de 2009.
(Folha de São Paulo) 

01) A que gênero textual pertence o texto acima? 

02) Que características lhe deram essa pista? 

03) Qual é o problema apresentado no texto? Qual a principal causa? 

04) Qual foi a solução encontrada para resolvê-lo? O que você achou dessa campanha? 

05) Em que estados esse problema mais costumava ocorrer? 

06) Que palavra do texto encontra-se em itálico? Por quê? 

07) Quais as vantagens de se possuir uma caixa de correio? Cite-as: 

08) Localize no texto:

a) dois numerais, classificando-os:
b) um substantivo derivado:
c) um advérbio de intensidade:

Texto 02: Repelindo o carteiro

Tenho, sim, um cão feroz que ameaça o carteiro;
na verdade, eu o comprei com essa finalidade

Correios lançam campanha para preservar os carteiros dos ataques de cães

SENHOR CHEFE DOS CORREIOS: dirijo-me a V.S. por causa do aviso que recebi de V.S. intimando-me a tomar medidas para evitar que o meu cão pitbull ameace o carteiro que atende a minha rua. Reconheço que a advertência é procedente. 
Eu poderia, senhor chefe dos Correios, inventar uma desculpa: por exemplo, que o cão é inofensivo, e que as supostas ameaças correm por conta da paranoia do seu funcionário. Mas sinto-me na obrigação de falar a verdade. Tenho, sim, um cão feroz. E ele ameaça o carteiro.
Na verdade, eu o comprei exatamente com essa finalidade: ameaçar o carteiro. Posso explicar. Nunca fiz muita questão de receber correspondência; E só propaganda ou então, pior, são contas a pagar: luz, aluguel, telefone. Coisa no mínimo desagradável. Mas eu não iria brigar com o carteiro por causa disso; até comentava com ele, numa boa, a quantidade de dinheiro que tinha de gastar a cada mês.
Foi então que começaram a chegar as cartas anônimas. E aí a coisa mudou. Sou um homem de certa idade, um cinquentão. Casei-me tarde, com uma moça bem mais jovem do que eu e muito bonita. Casamos por amor, e nesses três anos temos sido muito felizes. Até a chegada das cartas.
Ah, que cartas são essas, senhor chefe dos Correios, que cartas. São escritas por alguém, um homem que garante ter um caso com a minha mulher. [...] Nunca desconfiei de minha esposa, senhor chefe dos Correios.
Para mim, ela é rigorosamente fiel. Mas as cartas eram tão convincentes que fiquei abalado e acabei falando-lhe a respeito. A coitada ficou desesperada, teve uma verdadeira crise de nervos. Jurou que aquilo era mentira, e que as cartas só podiam ser obra de um louco ou de algum inimigo que, sem saber, tínhamos arranjado.
Eu acredito nela, senhor chefe dos Correios. Tenho todos os motivos para acreditar nela. Mas cada vez que chegava uma carta as suspeitas voltavam a  me assaltar. Decidi falar com o carteiro. Expliquei o que estava acontecendo e pedi que destruísse as tais cartas. [...]
O carteiro mostrou-se muito compreensivo e gentil; disse, porém, que tinha de cumprir com sua obrigação que é a de entregar a correspondência. Sugeriu que eu próprio rasgasse as cartas sem ler. Mas isso seria inútil, senhor chefe dos Correios. Só de olhar o envelope já fico doente de fúria. Tomei então duas providências. 
Em primeiro lugar, todas as minhas despesas são agora debitadas na conta bancária, de modo que já não preciso receber as contas de luz e as outras. E comprei o pitbull. Exatamente para que o carteiro não entregue mais as tais cartas. Agora, o senhor quer que eu contenha o cão.
O cão eu posso conter, senhor chefe dos Correios. Mas como conter o ciúme e a raiva? Hein, senhor chefe dos Correios? Por favor, me responda. Mas não por carta. Use o telefone. 

(Moacyr Scliar)

09) A que gênero pertence cada texto, respectivamente?

10) Circule no texto todos os vocativos, explicando que efeito tem a repetição deles:

11) Que palavra aparece em itálico no texto e por quê?

12) Copie do texto uma passagem carregada de ironia, explicando seu raciocínio:

13) Por que o narrador comprou um cachorro? O que você achou de ele falar a verdade?

14) Que fato quebrou o clima de felicidade do casal? O que você pensa sobre isso?

15) O que tal fato tem a ver com o pobre do carteiro?

16) O que você faria no lugar do narrador, sinceramente?

17) O que achou da sugestão dada pelo carteiro? Ela tinha algum fundamento?

18) Afinal, você acha que as cartas anônimas relatavam ou não a verdade? Por quê?

19) Que mensagem a crônica transmite? Comente:

20) Localize no texto:

a) dois pronomes possessivos:
b) um advérbio de negação:
c) três advérbios de tempo:
d) dois advérbios de intensidade:
e) dois adjetivos:
f) um numeral:

segunda-feira, 6 de abril de 2020

Atividade sobre notícia antiga: "Supermercados"

Supermercados 

Vender comida é uma ciência: os supermercados sabem aplicá-la 
e mudar hábitos antigos. Eles vão agora para os bairros pobres.

Nos bairros mais ricos das grandes cidades nasceram e cresceram os supermercados. Instalaram-se em amplos salões, muito limpos e iluminados por luz fluorescente, construíram-se pátios de estacionamento, desenvolveram-se tanto que acham necessário entrar agora nos bairros pobres e nas cidades médias e pequenas. E estão vencendo um problema que havia no passado: os fregueses eram tímidos e pareciam ter vergonha de enfrentar a sofisticação do ambiente. Os proprietários de um supermercado em Campo Grande, subúrbio do Rio, notaram, logo após a inauguração, que os moradores do lugar olhavam desconfiados para a roleta da porta de entrada. Era preciso pagar ingresso? A roleta foi eliminada e os mais corajosos começaram a penetrar na loja enorme, com prateleiras montadas à altura média da mulher brasileira -- por volta de 1,60 metro --, onde a disposição dos artigos em embalagens modernas e atraentes é cuidadosamente planejada. Muitos, porém, ficavam parados diante dos balcões, encantados com o suave fundo musical, esperando que alguém viesse servi-los. 
("Veja" - São Paulo - 1968)

01) Há registros de que os supermercados surgiram em 1953 no nosso país e a notícia acima foi publicada em 1968, ou seja, eles já existiam há 15 anos. Apesar disso, que comportamento do consumidor ainda causava surpresa?

02) Que tese presente nessa informação é desmentida pela matéria? Justifique com uma passagem do texto:

03) De quem seria a pergunta destacada no texto? 

04) Sabemos que os supermercados são organizados de modo a levar o consumidor a comprar por impulso. Que informação do texto comprova esse fato?

05) Justifique o comportamento dos consumidores, que "ficavam parados diante dos balcões, encantados com o suave fundo musical, esperando que alguém viesse servi-los":

06) Essa matéria representaria um marco na história desse tipo de comércio? Por quê?

07) Com que intenção esse texto foi produzido?

08) Esse texto é jornalístico e relata fatos do cotidiano das pessoas comuns. Você diria que ele é uma crônica? Justifique sua resposta: 

sexta-feira, 13 de março de 2020

Atividade sobre a crônica "Gato família", de Moacyr Scliar

Um gato de estimação fez parte, durante cinco meses, da lista de beneficiários do Bolsa Família, em Antônio João (300 km de Campo Grande), um dos municípios mais pobres de Mato Grosso do Sul. O animal, chamado Billy, foi inscrito com nome, sobrenome e data de nascimento por seu dono, Eurico Siqueira da Rosa, coordenador local do programa do governo. Billy tinha número de identificação social, cartão magnético e vinha recebendo R$ 20,00 mensais do Governo Federal como complementação de renda. A fraude foi descoberta durante a visita de um agente de saúde à casa do suposto beneficiário, em novembro passado. Recebido pela mulher do coordenador, o agente quis saber por qual motivo a criança Billy Flores da Rosa não havia sido levada para fazer a medição e a pesagem, exigidas para os cadastrados no programa. A mulher estranhou a pergunta: "Mas o único Billy aqui é o meu gatinho". O agente relatou o diálogo à prefeitura, que abriu sindicância. 

(Folha de São Paulo - 24 de janeiro de 2009)

Gato Família

"SENHOR coordenador do Bolsa Família. Quem lhe escreve esta é, naturalmente, uma pessoa, o meu dono. Melhor dizendo: o senhor o rotularia de "dono", poque ele é uma pessoa e eu sou um gato -- e gatos, ao menos segundo os humanos, costumam ter donos. Na verdade, eu o considero mais um aliado, um amigo que me compreende profundamente. Podemos nos comunicar sem que eu emita sequer um miado. Ele lê os meus pensamentos, senhor coordenador, e a partir daí escreveu esta carta. Que é uma carta de protesto, senhor coordenador. Estou profundamente magoado com o fato de ter sido excluído do Bolsa Família, através do qual recebia a mísera quantia de R$ 20,00 mensais que, como o senhor pode verificar em qualquer pet shop, não paga a mais barata das rações. A alegação para isso é óbvia: o senhor dirá que eu não poderia estar nesse programa governamental, porque sou um gato. 
O que não passa de uma grande injustiça; Eu era considerado, senhor coordenador, um membro da família. Meu dono e sua esposa tinham por mim o maior carinho, carinho este que eu retribuía. Ah, sim, e prestava serviços também. Naquela casa, senhor coordenador, jamais entrou um rato. Ratos sim poderia ser excluídos do Bolsa Família, afinal, são bichos asquerosos, que dão grandes prejuízos. Mas um gato, senhor coordenador! Gatos sempre foram estimados pela humanidade e até imortalizados em livros, em desenhos animados. Pense no Gato de Botas, senhor coordenador, aquele felino bem humorado, tão humano que chegava a se vestir com apuro (as botas que o digam). Pense no espirituoso Garfield. Pense até no Tom -- sim, no Tom, eterna vítima do pérfido Jerry. Pense na simbologia do gato, senhor coordenador. Vocês, humanos, dizem que temos sete vidas, e isso reflete a admiração que vocês têm por nossa vitalidade e resistência.
E agora o detalhe mais importante. Faço, sim, jus ao Bolsa Família. Pela simples razão de que tenho família. Uma só, não. Várias. Como aqueles marinheiros que têm uma namorada em cada porto, eu tinha uma gata (gata mesmo, não é metáfora) em cada telhado desta cidade, e olhe que não são poucos os telhados por aqui. A cada uma das minhas gatas dei carinho, dei afeto e dei gatinhos. Gatinhos que fazem a felicidade de centenas de pessoas. Se a minha Bolsa Família fosse calculada em função das famílias que gerei, o orçamento federal inteiro não seria suficiente para me pagar. Pense nisso, senhor coordenador. E receba meus cordiais miados."
(Moacyr Scliar)

 01) Justifique o título dado à crônica:

02) Podemos dizer que o texto é uma carta ou foi usada alguma máscara textual? Explique seu raciocínio: 

03) Como o Billy faz uma descrição do seu dono? E como o agente de saúde descreveria essa mesma pessoa? Por quê? 

04) Circule no texto todos os vocativos, dizendo sua importância para o contexto: 

05) Copie do texto uma passagem carregada de ironia, explicando:

06) Localize na crônica um trecho repleto de humor, justificando sua escolha:

07) O que você achou da atitude do dono do gato? Como ele conduziu o cadastro de Billy, para que ninguém suspeitasse? 

08) Que mensagem o texto transmite?

09) Explique a intertextualidade existente entre a notícia e a crônica:

10) Escolha uma notícia de jornal para, em seguida, também escrever uma crônica sobre ela:

terça-feira, 10 de março de 2020

Atividade com tirinha da Mafalda - Notícias de jornal


01) No primeiro quadrinho, o pai de Mafalda está lendo uma notícia no jornal. Nela aparecem as palavras "goleiro", "árbitro" e "falta". Por conta dessas palavras você já pode inferir o assunto geral da notícia. Qual? 

02) Por que o pai de Mafalda ficou tão furioso com a notícia que estava lendo? 

03) Por que Mafalda foi ler o jornal, logo depois que seu pai o jogou no chão? 

04) Que notícia Mafalda pensou que fizera seu pai ficar furioso? O que você pensa a respeito disso?

05) Mafalda e seu pai leram os mesmos assuntos no jornal? Explique:

06) Você, sinceramente, se aproximaria mais do gosto de Mafalda ou do pai dela? Por quê? 

07) O que o pai de Mafalda parece estar sentindo no último quadrinho? 

08) Por que ele está sentindo isso? 

09) Que crítica a tirinha faz? O que você pensa a esse respeito? 

10) O que você responderia à Mafalda, no lugar do pai dela? 

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2020

Atividade sobre a notícia "Largatixas têm direito de circular pelas paredes"


"Lagartixas têm direito de circular pelas paredes", decide Justiça de SC

"Era só o que faltava: exigir que o autor ficasse caçando lagartixas pelas paredes de fora
 ao invés de se refrescar no interior de sua casa", diz a decisão.

Em uma decisão inusitada, a Justiça de Santa Catarina condenou a Komlog Importadora a indenizar em R$ 664 uma consumidora de Florianópolis que teve o aparelho de ar-condicionado queimado após contato com uma lagartixa. Para a Justiça, "as lagartixas têm direito de circular pelas paredes, área que legitimamente lhes pertence, portanto é dever do fabricante proteger os aparelhos". 
A decisão, unânime, foi da primeira Turma de Recursos do Tribunal de Justiça da Capital de Santa Catarina (responsável pelo julgamento de recursos contra decisões dos Juizados Especiais, também conhecidos como Pequenas Causas), que manteve a decisão de primeira instância. Não cabe recurso. 
A importadora também foi condenada a pagar R$ 1.500 em honorários advocatícios e ressarcir o consumidor dos custos que teve com o processo. 
De acordo com a decisão, "todo mundo sabe que as lagartixas andam pelas paredes à procura de mosquitos e outros pequenos insetos que constituem sua dieta alimentar. Todo mundo sabe disso e certamente também os engenheiros que projetam esses motores, que sabidamente se instalam do lado de fora da residência, área que legitimamente pertence às lagartixas". 

Consumidor não pode ficar "caçando lagartixas pelas paredes"

A importadora tentou convencer os juízes de que a culpa pelo incidente era do consumidor, que, por descuido, permitiu o acesso da lagartixa ao aparelho, o que "provocou a morte do pequeno réptil". 
Tal alegação não foi aceita pelo relator do caso, o juiz Alexandre Morais da Rosa, que ainda concluiu que restou "demonstrada a fragilidade do equipamento, já que sofreu dano pelo contato com um animal tão diminuto".
A partir deste raciocínio, concluiu que "tem toda a razão o consumidor se a ré (empresa de importação) não se preocupou em lacrar o motor externo do split, agiu evidentemente com culpa, pois era só o que faltava: exigir que o autor ficasse caçando lagartixas pelas paredes de fora ao invés de se refrescar no interior de sua casa".

(Rogério Barbosa - Uol Economia)

01) Qual é a manchete?

02) Qual é o fato noticiado?

03) Onde aconteceu?

04) Quem são os envolvidos no fato noticiado?

05) O que há de curioso na notícia lida?

06) Podemos dizer que essa é uma notícia inusitada? Ela parece verdadeira ou falsa? Por quê? 

07) A manchete da notícia antecipa o resultado do processo judicial? Explique:

08) O que você achou da decisão do juiz? Justifique sua resposta:

09) Qual foi o objetivo dessa notícia? 

10) Com que finalidade as aspas foram utilizadas no texto?

11) O que é uma decisão unânime? O que isso significa? Ela se torna mais ou menos confiável? 

12) Qual é a fonte de publicação da notícia lida? 

terça-feira, 15 de outubro de 2019

Atividade sobre o texto "A triste história de uma galinha preta", de Moacyr Scliar


Estudantes jogam galinha preta contra Marta Suplicy

A prefeita Marta Suplicy (PT) foi surpreendida por uma galinha preta durante evento de comemoração dos 100 anos do Centro Acadêmico XI de Agosto, na Faculdade de Direito do Largo São Francisco, centro de São Paulo.
Durante o evento, um estudante jogou a galinha viva contra Marta. A ave não chegou a atingi-la, mas a prefeita mostrou-se irritada. No final do evento, Marta -- candidata à reeleição -- disse que a manifestação foi organizada pelo PSDB. (...)

(Folha de São Paulo -- 11 de agosto de 2003)

A triste história de uma galinha preta

Era uma galinha preta, e era uma galinha triste. Triste porque galinha, claro -- estamos falando de ave nervosas cujo cacarejo traduz uma instabilidade emocional desconhecida na espécie humana --, mas triste sobretudo porque preta. Se vivesse só entre galináceos, a galinha não se importaria com sua cor, ainda que esta contrastasse com as multicoloridas penas de suas colegas; mas, criada no meio de humanos, a pobre sabia do estigma que carregava. Preta, tinha seu destino traçado: mais cedo ou mais tarde seria sacrificada naquele ritual conhecido como despacho. 
A certeza dessa morte perturbava profundamente a pobre criatura. Diferente de suas colegas, resucsava-se a botar ovos: e quando lhe perguntavam por que rejeitava a maternidade, respondia que não queria deixar pintinhos órfãos no mundo. Pela mesma razão, fugia de galos; um deles mostrava-se até apaixonado e fazia-lhe propostas, mas a galinha as recusava: quem está condenada, dizia, não pode entregar-se ao amor. 
A galinha preta não sabia o que o futuro lhe reservava.
Um dia, mãos vigorosas agarraram-na. Pronto, pensou, chegou a minha hora. Achou que ia ser levada a uma encruzilhada qualquer, para o tão temido sacrifício; em vez disso, trasportaram-na até um recinto que estava cheio de jovens. Uma senhora discursava ali e a galinha, aturdida, já se perguntava o que iria acontecer quando, de súbito, jogaram-na contra a oradora. 
Foi um momento de glória, de inesperada glória. Por um instante, dezenas de olhos acompanharam sua trajetória; no curto trajeto entre a mão contestadora e a figura feminina que, para muitos ali, encarnava o poder, a galinha era o foco de todas as atenções. Outras bateriam as asas, outras cacarejariam de susto; não a galinha preta. Inesperadamente transformada em projétil, ela só esperava estar à altura do papel que a história lhe designara. 
O alvo não foi atingido, a galinha caiu no chão, estabeleceu-se a maior confusão, com gente correndo de um lado para outro. Ela refugiu-se em um canto e ali ficou, até que caiu a noite. Tudo calmo, tudo quieto, saiu do esconderijo e dirigiu-se para a rua. Era outra galinha: orgulhosa, im´´avida, avançava sem temor, gozando a glória recém-adquirida. 
Pela calçada vinham caminhando dois homens, pobres, esfarrapados. A galinha mirou-os, altaneira. Esperava que se afastassem, que lhe abrissem respeitosamente caminho. Não foi isso que aconteceu. Os dois se olharam e, como que agindo de comum acordo, jogaram-se sobre a galinha. 
E aí, como diria Clarice Lispector, mataram-na, comeram-na, e passaram-se anos. 

(Moacyr Scliar)

01) Justifique o título dado ao texto:

02) O que o texto tem a ver com a notícia? Comente:

03) Identifique no texto as características da galinha-personagem:

04) A descrição que o texto faz da galinha pode ser aplicada a todas as galinhas? Explique:

05) Qual a diferença entre a notícia e o texto? Qual o objetivo de ambos? É o mesmo? Comente:

06) Pensando no objetivo do jornal de manter o leitor atualizado em relação às notícias que ocorrem no mundo, a data da notícia faz diferença? Por quê? 

07) No caso do conto, a data da publicação faz alguma diferença no que diz respeito à função que o texto pretende desempenhar junto ao leitor? Explique:

08) O que você achou do desfecho do texto? Foi esperado? Por quê?

09) Que mensagem o texto transmite? Comente:

10) Qual texto é literário e qual é não literário? Explique seu raciocínio:

quarta-feira, 25 de setembro de 2019

Atividade sobre Notícia - Geração de lixo

Geração de lixo em 2010 foi seis vezes superior ao crescimento da população

O Brasil produziu 60,9 milhões de toneladas de resíduos sólidos urbanos em 2010, quantia 6,8 % superior ao registrado em 2009 e seis vezes superior ao índice de crescimento populacional urbano apurado no mesmo período. 
Os dados, divulgados nesta terça (26), são do "Panorama dos Resíduos Sólidos", estudo feito pela Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe). O levantamento aponta que a média do lixo gerado por pessoa no país foi de 378 quilos (Kg), montante 5,3 % superior ao de 2009 (359 kg). 
Mesmo com o aumento da geração de resíduos, o crescimento da coleta de lixo apresentou crescimento expressivo, superior à geração. Em 2010, dos 60,8 milhões de toneladas geradas, 54,1 milhões de toneladas foram coletadas, quantidade 7,7 % superior à de 2009.
O levantamento identifica ainda uma melhora na destinação final dos resíduos sólidos urbanos: 57,6% do total coletado teve destinação adequada, sendo encaminhado a aterros sanitários, ante um índice de 56,8 % no ano de 2009. 
Mesmo assim, a quantidade de resíduos encaminhados a lixões ainda permanece alta. "Quase 23 milhões de toneladas de resíduos seguiram para os lixões, em comparação a 21 milhões de toneladas em 2009", afirmou o diretor executivo da Abrelpe, Carlos Silva Filho. 
Em relação à reciclagem, o estudo mostra tendência de crescimento, mas em ritmo menor ao da geração de lixo. Em 2010, 57,6% dos municípios brasileiros afirmaram ter iniciativas de coleta seletiva, ante 56,6% em 2009. "É importante considerar que, em muitos casos, as iniciativas resumem-se à disponibilização de pontos de entrega voluntária", ressaltou o diretor. 

(www.diariodepernambuco.com.br)

01) A notícia compara o crescimento da geração de lixo ao crescimento da população urbana, isto é, das pessoas que moram na cidade. 

a) De acordo com o texto, quanto cresceu a produção de lixo e quanto cresceu a população no mesmo período? O que isso revela? 

b) Além dessa comparação, que outra é feita que permite ao leitor ter a dimensão do aumento do lixo em 2010?

02) Qual foi a média de lixo, em quilogramas, gerada por um brasileiro em 2010? Você supõe que tenha se mentido próximo ou distante dessa média?

03) A coleta de lixo em 2010 cresceu na mesma proporção que o lixo? Explique:

04) Observe a passagem em negrito na notícia e responda:

a) Você acha que o envio dessa quantidade de resíduos para os lixões é preocupante? Por quê?

b) O que você pensa sobre o aumento na porcentagem de lixo reciclado em  2010: ele mostra que o Brasil investiu o suficiente nisso? Explique:

c) A disponibilização de pontos de entrega voluntária nos municípios por si só pode ser considerada uma boa iniciativa? 

05) Que fonte a notícia cita para dar legitimidade aos números apresentados? 

06) Quem foi entrevistado para comentar os dados? Por que provavelmente essa pessoa foi escolhida?

07) Como as falas dessa pessoa estão marcadas, para que o leitor possa percebê-las? 

08) De 2010 para cá, você acha que essa questão abordada na notícia melhorou, piorou ou continua na mesma? Justifique sua resposta: 

09) Localize na notícia:

a) um substantivo próprio:
b) um numeral, classificando-o:
c) um advérbio de tempo: 
d) dois adjetivos:
e) três substantivos comuns: