Mostrando postagens com marcador Modernismo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Modernismo. Mostrar todas as postagens

sábado, 12 de setembro de 2020

Atividade sobre a música "Brasil com P", de GOG


Brasil com P 

Pesquisa publicada prova
Preferencialmente preto
Pobre prostituta pra polícia prender
Pare, pense: por quê?
Prossigo
Pelas periferias praticam perversidades parceiros
PM,s
Pelos palanques políticos prometem prometem
Pura palhaçada
Proveito próprio
Praias programas piscinas palmas
Pra periferia
Pânico pólvora pa pa pa 
Primeira página
Preço pago
Pescoço peitos pulmões perfurados
Parece pouco
Pedro Paulo
Profissão pedreiro
Passatempo predileto: pandeiro
Pandeiro parceiro
Preso portando pó passou pelos piores pesadelos
Presídio porões problemas pessoais
Psicológicos perdeu parceiro passado presente
Pais parentes principais pertences
PC
Político privilegiado preso
Parecia piada
Pagou propina pro plantão policial
Passou pela porta principal
Posso parecer psicopata
Pivô pra perseguição
Prevejo populares portando pistolas
Pronunciando palavrões
Promotores públicos pedindo prisões
Pecado! 
Pena prisão perpétua
Palavras pronunciadas
Pelo poeta Periferia
Pelo presente pronunciamento pedimos punição para peixes pequenos poderosos
Pesos pesados
Pedimos principalmente paixão pela pátria prostituída pelos portugueses
Prevenimos! 
Posição parcial poderá provocar
Protesto paralisações piquetes
Pressão popular
Preocupados?
Promovemos passeatas pacíficas
Palestra panfletamos
Passamos perseguições
Perigos por praças palcos
Protestávamos por que privatizaram portos pedágios
Proibido! 
Policiais petulantes pressionavam
Pancadas pauladas pontapés
Pangarés pisoteando postulavam prêmios 
Pura pilantragem! 
Padres pastores promoveram procissões pedindo piedade paciência pra população 
Parábolas profecias prometiam pétalas paraíso
Predominou predador
Paramos pensamos profundamente 
Por que pobre pesa plástico papel papelão pelo pingado pela passagem pelo pão?
Por que proliferam pragas pelo país? 
Por que presidente, por quê?
Predominou predador. 
Por quê? 

(GOG)

01) Justifique o título dado ao poema acima:

02) De que maneira ele foi construído? O que achou desse método?

03) Sobre o que fala o poema? O que você pensa a respeito disso?

04) Que pesquisa publicada foi essa, mencionada na canção?

05) Quem são os alvos preferidos dos policiais? O que isso revela?

06) Que tipo de sentimento o eu lírico sente com relação aos PM's? Por quê?

07) Ao generalizar alguns grupos, como, por exemplo, os PM's, também não é discriminar? Justifique sua resposta: 

08) Justifique o emprego dos porquês destacados no final do texto:

09) O que os políticos prometem? São atitudes comuns? Comprove com uma passagem do texto:

10) Copie do texto uma onomatopeia, dizendo a que ela se refere:

11) Circule no poema um vocativo, explicando por que foi mais difícil reconhecê-lo:

12) O que quer dizer quando se afirma que para a periferia resta a primeira página?

13) A que fato histórico se faz menção no texto? Comprove com uma passagem do mesmo:

14) Transcreva do texto marcas de oralidade:

15) O que aconteceu com Pedro Paulo? Você acha que ele existe ou é uma figura inventada?

16) Um político e um pedreiro são presos. Quais as diferenças narradas no desenrolar das duas histórias? 

17) Quem é o "Poeta Periferia"? Ele existe? 

18) Quem é o PC? Ele existe ou foi inventado? 

19) O que quer dizer quando se pede punição para peixes pequenos e poderosos pesos pesados? Qual a sua opinião sobre isso? 

20) O que significa, nesse caso, "posição parcial"? 

21) Você sentiu falta de algumas pontuações? Comente, dizendo como você pontuaria:

22) Localize no poema uma passagem que remete à violência:

23) Há alguma crítica quanto à religião no texto? Justifique sua resposta:

24) Quais são as formas de protesto adotados pelo povo mencionadas na música?

25) Há uma ironia aos PM's? Comprove com uma passagem do texto:

26) O que significa o verso "Predominou predador"?

27) Existem desvios gramaticais no rap? Explique bem:

28) Que mensagem o texto transmite? Comente:

29) O que o rap denuncia? Justifique sua resposta, com algumas passagens do texto:

30) Por que esse texto lembra o Modernismo? Explique bem:

31) Produza um texto semelhante ao analisado, escolhendo uma outra letra qualquer:

quarta-feira, 19 de agosto de 2020

Atividade sobre o poema "contranarciso", de Paulo Leminski

contranarciso

em mim 
eu vejo o outro 
e outro
e outro
enfim dezenas
trens passando 
vagões cheios de gente
centenas

o outro
que há em mim
é você 
você  
e você

assim como
eu estou em você
eu estou nele
em nós
e só quando 
estamos em nós
estamos em paz
mesmo que estejamos a sós

(Paulo Leminski)

01) Justifique o título dado ao poema acima:

02) Quantos versos e quantas estrofes possui o poema? 

03) Você sabe quem é Narciso? Comente: 

04) Explique as repetições presentes no texto, mencionando que efeito elas causam: 

05) Que mensagem o poema transmite? Comente: 

06) Aponte características modernistas no texto, explicando-as: 

07) Você concorda que "só quando estamos em nós estamos em paz"? Justifique sua resposta: 

sábado, 1 de agosto de 2020

Atividade sobre o texto "Ladainha", de Cassiano Ricardo

Ladainha

Por que o raciocínio,
Os músculos, os ossos?
A automação, ócio dourado,
O cérebro eletrônico, o músculo
Mecânico
Mais fáceis que um sorriso.

Por que o coração?
O metal não tornará o homem
Mais cordial,
Dando-lhe um ritmo extra-
corporal?

Por que levantar o braço
Para colher o fruto?
A máquina o fará por nós.
Por que labutar no campo, na cidade?
A máquina o fará por nós.
Por que pensar, imaginar? 
A máquina o fará por nós. 
Por que fazer um poema?
A máquina o fará por nós. 
Por que subir a escada de Jacó?
A máquina o fará por nós. 

Ó, máquina, orai por nós! 

(Cassiano Ricardo)

01) Justifique o título dado ao poema acima:

02) O poema é construído em cima de uma constante oposição. Qual?

03) Segundo o texto, o "coração de metal" pode trazer duas vantagens ao Homem. Quais são elas?

04) Copie do poema atividades relacionadas ao plano:

a) intelectual?
b) artístico?
c) religioso?
d) físico?

05) A expressão "escada de Jacó" refere-se a uma passagem bíblica em que Jacó sonhava estar subindo até Deus por uma escada sustentada por anjos. O que simboliza, no texto, essa referência bíblica? 

06) Sabendo que "ladainha" é um tipo de oração ou prece que se caracteriza pela enumeração de sequências de invocações curtas e repetidas, responda:

a) Quais os dois versos que caracterizam esse poema como ladainha?
b) Qual o verso que, repetido várias vezes, funciona como estribilho do poema? 

07) Diante do endeusamento, o poeta vislumbra perspectivas positivas ou negativas para o homem? Comprove sua resposta:

08) A máquina vem assumindo na sociedade atual um papel cada vez mais importante. É claro que isso traz vantagens e desvantagens. Escreva um parágrafo dissertativo-argumentativo registrando os aspectos que você julha mais significativos e responda o que a máquina representa para você: 

09) Explique a função das interrogativas no texto:

10) Justifique o emprego do porquê destacado no começo do poema:

11) Retire do texto um par de antítese, justificando sua resposta:

12) Copie do poema versos que trazem ironia:

13) Que característica modernista encontra-se presente no poema? Explique:

14) No poema, o eu-lírico se vale de um recurso característico da poesia concreta: a fragmentação de palavras. Onde isso ocorre no poema? 

15) Que mensagem o texto transmite? Comente:

16) Que crítica o poema faz? Explique seu raciocínio:

(Atividade feita em parceria com a colega de grupo: Ana Voig)

terça-feira, 23 de junho de 2020

Atividade sobre o funk "Bunda Lê Lê", de Adriana Calcanhoto e Dennis DJ


Bunda Lê Lê

É o funk da quarentena!
É o funk da quarentena!

O que que faz na quarentena?
Na quarentena o que que faz?
O que que faz na quarentena?
Na quarentena o que que faz?

Senta, senta, senta
Senta, senta, senta
Senta a bunda
Senta a bunda
Senta a bunda
Senta a bunda
Senta a bunda
E estuda! 

Senta a bunda 
E estuda
Senta a bunda
E estuda
Senta a bunda
E lê, lê
Senta a bunda
E vai à luta
E vai à luta
Senta a bunda e vai...

(Adriana Calcanhoto e Dennis DJ)


01) Justifique o título da música, mencionando se a letra combina ou não com ele:

02) Explique a repetição do verbo "senta", considerando o contexto da música e das letras de funk de um modo geral: 

03) O que esse verbo no modo imperativo indica?

04) A passagem "senta a bunda" quebra o que se espera dos funks atuais ou reforça a ideia neles presentes? Por quê? 

05) Há algum diálogo entre a canção e o poema "No meio do caminho", de Carlos Drummond de Andrade? Explique bem:

06) Na segunda estrofe, o que a inversão da frase pode estar querendo representar, considerando o contexto? Justifique sua resposta: 

07) Há alguma quebra de expectativa na letra de música? Se sim, qual? Explique-a:

08) Você conhece algum funk que aconselhe a estudar? Justifique sua resposta: 

09) Que passagem faz uma apologia à leitura? É comum haver esse tipo de apelo nas letras habituais de funk? 

10) Observe os autores da música e pesquise um pouco sobre o estilo musical de cada um. Eles parecem combinar ou destoar?  Justifique sua resposta:

11) Houve algum estranhamento ao ouvir a música e ao assistir ao clipe? Comente:

12) Explique as reticências utilizadas no final da canção:

13) O que seria um "funk da quarentena"? O que ele tem de diferente dos demais? Por que isso seria justificável?

14) A junção dos dois cantores revela algum propósito? Como relacionar isso à quarentena em si? 

15) Que mensagem a canção transmite? Comente:

16) Você acredita que o atual período de isolamento social favorece o sentar para estudar e ler? Justifique sua resposta: 

17) Em outra situação, o poder se aglomerar justificaria o outro sentido do verbo "sentar"? Explique seu ponto de vista:  

18) O que significa a expressão "vai à luta"? Você costuma usá-la? 

19) Que aspecto da letra tradicional do funk é mantido? Por quê? 

20) Aproveite para responder: "O que que se faz na quarentena?" Você tem feito algo diferente e que te surpreenderia se a época fosse outra? 

21) De que maneira podemos associar a música à proposta do Modernismo? Explique: 

(Música indicada pela amiga Ana Cristina Pontes  
e atividade feita em parceria com a amiga Marisa Silveira)

sexta-feira, 27 de março de 2020

Atividade sobre o poema "Drumondana", de Alice Ruiz

Drumondana

e agora, maria?
o amor acabou
a filha casou
o filho mudou
teu homem foi pra vida
que tudo cria
a fantasia

que você sonhou
apagou
à luz do dia
e agora, maria?
vai com as outras
vai viver
com a hipocondria

(Alice Ruiz)

01) Justifique o título dado ao poema:

02) Circule no texto um vocativo:

03) Que mensagem o texto transmite?

04) Qual foi o objetivo da autora com esse poema? 

05) Encontre no texto uma anáfora, explicando sua função: 

06) O poema faz referência ao de Drummond. Que pistas nos permitem tirar essa conclusão?

07) Além da intertextualidade com o texto drummondiano, há uma outra em "maria vai com as outras". Que sentido essa intertextualidade acrescenta ao texto? 

08) Que características modernistas encontram-se presentes no poema? Comente: 

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2020

Atividade sobre a música "Sonho de Carnaval", de Chico Buarque de Holanda


Sonho de carnaval

Carnaval, desengano...
Deixei a dor em casa me esperando
E brinquei e gritei e fui vestido de rei.
Quarta-feira sempre desce o pano.

           Carnaval, desengano...
           Essa morena me deixou sonhando, 
           Mão na mão, pé no chão
           E hoje nem lembra não.
          
                       Era uma canção, um só cordão
                       E uma vontade
                       De tomar a mão 
                       De cada irmão pela cidade.

                               No carnaval, esperança
                               Que gente longe viva na lembrança
                               Que gente triste possa entrar na dança,
                               Que gente grande saiba ser criança.

(Chico Buarque de Holanda)

01) Justifique o título dado à canção:

02) O que significa a expressão "desce o pano"?

03) Qual era a vontade do eu lírico?

04) No Carnaval há esperança de quê?

05) Para o eu lírico o que é sonho e o que é realidade?

06) A esperança do eu lírico se concretiza? Justifique sua resposta:

07) O que a formatação do texto tem a ver com a temática dele e com o estilo literário chamado Modernismo? 

08) Copie da música um exemplo de polissíndeto, explicando seu raciocínio:

09) Que mensagem a canção transmite?

terça-feira, 19 de novembro de 2019

Atividade sobre a obra "O lavrador de café", de Cândido Portinari (1934)


01) Justifique o título empregado na obra de arte acima, aproveitando para sugerir um outro:

02) Por que os braços e as pernas parecem maiores e mais fortes do que o restante do corpo?

03) O que a árvore cortada acrescenta à paisagem?

04) Que possível horizonte atrai a atenção do trabalhador?

05) No que ele poderia estar pensando naquele momento?

06) Utilize cinco adjetivos para caracterizar a personagem presente na obra:

07) Faça uma rápida descrição objetiva e outra subjetiva da obra, e depois compare-as:

08) Que sensações e impressões a obra lhe transmite?

09) O que o contraste de cores existente entre os solos e a vegetação sugere?

10) Que crítica Portinari provavelmente gostaria de fazer com tal obra?

11) Essa obra pode ser considerada atual? Ou algo mudou em termos de preconceito racial? Comente:

12) Utilize o personagem do quadro para uma pequena narrativa em que ele seja o protagonista:

(Participação especial das amigas Márcia Matos, Miria Fontenelle,
Nalva Kássia, Cristina Barata e Sandra Vitezi

quarta-feira, 23 de outubro de 2019

Atividade sobre a música "Miss Vitamina", dos Vingadores do Brega


Miss Vitamina

Assim dizendo ela
Assim dizendo ela
Ela diz que foi a musa da Brasília Amarela
Assim dizendo ela
Assim dizendo ela
Ela diz que foi a musa da Brasília Amarela

A mina reclama que não é brega
Mas não para, não sossega
Roda a baiana, só vive em confusão
Nos anos 70, foi pro Rio de Janeiro,
Em pleno fevereiro
Na praia de Ipanema
Diz que foi "Miss Verão"

Se mudou para São Paulo
E andou pelas esquinas
Entrou na publicidade
Foi "Miss Vitamina"
E conheceu o Dinho
Dos Mamonas Assassinas
Que lhe fez um filho
E lhe compôs essa canção

(Vingadores do Brega) 

01) Justifique o título da música:

02) O que a passagem "Assim dizendo ela" revela?

03) Copie da música versos que fazem intertextualidade com outros textos, explicando seu raciocínio:

04) Explique o que significa a expressão "rodar a baiana":

05) Compare a expressão "Miss Vitamina" com "Miss Verão", tentando apontar semelhanças e diferenças: 

06) Que crítica a música faz? A quem? Por quê? Comente:

07) Explique o uso das aspas:

08) Que mensagem a canção transmitiu?

09) Podemos associar, de alguma maneira, tal música às propostas do Modernismo? Por quê?

(Agradecimento especial à colega Vanderleia Marques, que me indicou tal música!) 

sexta-feira, 26 de julho de 2019

Atividade sobre "Pasárgada", de Manuel Bandeira e Millôr Fernandes

Texto 01: Vou-me embora pra Pasárgada

Vou-me embora pra Pasárgada
Lá sou amigo do rei

Lá tenho a mulher que eu quero

Na cama que escolherei 
Vou-me embora pra Pasárgada

Vou-me embora pra Pasárgada

Aqui eu não sou feliz

Lá a existência é uma aventura
De tal modo inconseqüente
Que Joana a Louca de Espanha
Rainha e falsa demente
Vem a ser contraparente
Da nora que nunca tive


E como farei ginástica
Andarei de bicicleta

Montarei em burro brabo

Subirei no pau-de-sebo
Tomarei banhos de mar!
E quando estiver cansado
Deito na beira do rio
Mando chamar a mãe-d'água
Pra me contar as histórias
Que no tempo de eu menino
Rosa vinha me contar
Vou-me embora pra Pasárgada


Em Pasárgada tem tudo
É outra civilização

Tem um processo seguro

De impedir a concepção
Tem telefone automático
Tem alcalóide à vontade
Tem prostitutas bonitas
Para a gente namorar


E quando eu estiver mais triste
Mas triste de não ter jeito

Quando de noite me der

Vontade de me matar
— Lá sou amigo do rei —
Terei a mulher que eu quero
Na cama que escolherei
Vou-me embora pra Pasárgada


(Manuel Bandeira)

01) Sabendo que Pasárgada é o nome de uma cidade da antiga Pérsia, responda: 

a) A que se referem os advérbios de lugar "lá" e "aqui"? 
b) Por que ocorre, no poema, a repetição enfática do verso "Vou-me embora pra Pasárgada"?

02) Caracterize Pasárgada, evidenciando seus aspectos positivos rem relação a:

a) amizades e amores:
b) diversões e esportes:
c) progresso:

03) Se existe o desejo de ir para Pasárgada, fica implícita a ideia de que "aqui" o eu lírico não tem o que encontrará naquela cidade. Como é a realidade de onde ele se encontra?

04) Pasárgada é real? Justifique sua resposta:

05) A viagem a Pasárgada vai alterar os sentimentos do eu lírico? Justifique, considerando em especial o fim do poema: 

06) Existe alguma relação semântica entre o conteúdo do poema e o uso reiterado de verbos no futuro? Explique bem: 

07) Mesmo sendo modernista, o texto lembra o estilo romântico ou o realista? Por quê? 

08) Que verso atenua a hierarquia entre o poeta e o rei, eliminando as diferenças convencionalmente repressoras?

Texto 02:  Vou-me embora de Pasárgada

Vou-me embora de Pasárgada
Sou inimigo do rei
Não tenho nada que eu quero
Não tenho e nunca terei
Vou-me embora de Pasárgada
Aqui eu não sou feliz
A existência é tão dura
As elites tão senis
Que Joana, a louca da Espanha,
Ainda é mais coerente
Do que os donos do país.

A gente só faz ginástica
Nos velhos trens da central
Se quer comer todo dia
A polícia baixa o pau
E como já estou cansado
Sem esperança num país
Em que tudo nos revolta
Já comprei ida sem volta
Pra outro qualquer lugar
Aqui não quero ficar,
Vou-me embora de Pasárgada.

Pasárgada já não tem nada
Nem mesmo recordação
Nem a fome a doença
Impedem a concepção
Telefone não telefona
A droga é falsificada
E prostitutas aidéticas
Se fingem de namoradas.

E se hoje acordei alegre
Não pensem que eu vou ficar
Nosso presente já era
Nosso passado já foi.
Dou boiada pra ir embora
Pra ficar só dou um boi
Sou inimigo do rei
Não tenho nada na vida
Não tenho e nunca terei
Vou-me embora de Pasárgada.

(Millôr Fernandes)

09) Aponte as principais diferenças e semelhanças entre os dois textos lidos:

10) É possível identificar o país representado no segundo texto? Justifique com uma ou mais passagens dele:

11) A primeira estrofe fala sobre rei, elites, donos do país; a segunda, sobre a polícia e a economia; a terceira, sobre a realidade cotidiana. Há pontos positivos destacados?

12) O eu lírito tem perspectiva de um futuro melhor? Por quê?

13) A intertextualidade entre os dois textos aponta para uma paródia? Justifique sua resposta:

14) De que texto você mais gostou? Por quê? 

terça-feira, 16 de julho de 2019

Atividade sobre a poesia "Profundamente", de Manuel Bandeira

Profundamente

Quando ontem adormeci
Na noite de São João
Havia alegria e rumor
Estrondos de bombas luzes de Bengala
Vozes, cantigas e risos
Ao pé das fogueiras acesas.

No meio da noite despertei
Não ouvi mais vozes nem risos
Apenas balões
Passavam, errantes
Silenciosamente
Apenas de vez em quando
O ruído de um bonde
Cortava o silêncio
Como um túnel.
Onde estavam os que há pouco
Dançavam
Cantavam
E riam
Ao pé das fogueiras acesas?

-- Estavam todos dormindo
Estavam todos deitados
Dormindo 
Profundamente.

Quando eu tinha seis anos
Não pude ver o fim da festa de São João
Porque adormeci

Hoje não ouço mais as vozes daquele tempo
Minha avó
Meu avô
Totônio Rodrigues
Tomásia
Rosa
Onde estão todos eles?
-- Estão todos dormindo
Estão todos deitados
Dormindo
Profundamente.

(Manuel Bandeira)

01) Justifique o título dado à poesia acima:

02) Quantas estrofes possui o texto? E quantos versos?

03) Divida o texto em duas partes: passado e presente. Onde começa uma e termina outra?

04) Copie do texto uma comparação, explicando-a:

05) Transcreva do texto 04 (quatro) substantivos próprios:

06) Circule no poema todos os advérbios, respectivamente, classificando-os:

07) Localize no texto um numeral, classificando-o:

08) Transcreva do poema dois pronomes que indicam posse:

09) Podemos afirmar que o verbo "dormir", no final do texto, tem sentido diferente desse mesmo verbo no começo? Justifique sua resposta:

10) Existe no texto algum eufemismo? Explique seu raciocínio:

11) Que recordações da infância o poema traz?

12) Identifique características do Modernismo presentes no texto:

13)  Localize no poema características de Manuel Bandeira:

14) Que mensagem o texto transmite? Comente:

quarta-feira, 10 de abril de 2019

Atividade sobre a obra "A Negra" (1923) - Tarsila do Amaral


01) O que você está vendo em tal obra de arte? Descreva as características principais dessa pessoa:

02) O que essa pessoa parece estar fazendo? Como é a sua posição?

03) Como ela parece se sentir? Onde ela se encontra?

04) Como são as cores da pintura? O que isso revela? Explique:

05) Há uma relação de proporcionalidade entre a cabeça e o corpo? Analise:

06) Compare essa obra com uma outra de Tarsila do Amaral, chamada "Abaporu", observando o que elas têm de diferente e de semelhante:

07) A imagem parece retratar uma cena nacional? Justifique sua resposta:

08) Que outro título você daria a essa obra?

09) Por que Tarsila teria optado por fazer uma negra com peito caído?

10) Que mensagem a obra lhe transmitiu e que sentimento ou emoção ela lhe despertou?

sábado, 6 de abril de 2019

Atividade sobre a obra "Vendedor de frutas" (1925) - Tarsila do Amaral



01) Justifique o título dado à obra de arte em questão:

02) Descreva toda a paisagem, usando o maior número possível de adjetivos:

03) Crie um nome para o protagonista, idade, sonhos, medos, qualidades, defeitos...

04) Que frutas estão presentes nessa obra? Enumere-as:

05) O que mais chamou a sua atenção nessa obra? Justifique sua resposta:

06) Que cores predominam nesse quadro? Você faria alguma mudança quanto a isso? Se sim, qual?

07) Que outro título você daria a essa obra de arte?

08) O que aparece em segundo plano, nessa obra? 

09) Que sentimento o personagem expressa? E que sentimento tal obra, como um todo, despertou em você?

10) Que características do Modernismo estão presentes na obra? E que características da Tarsila do Amaral? 

domingo, 24 de março de 2019

Atividade sobre Surrealismo / Modernismo

"Em uma ilha deserta, foi encontrada uma criatura bem estranha: uma árvore humanóide.
Sua cabeça é um triângulo com três olhos e seu cabelo é a copa de uma árvore. No meio das folhas, podemos ver vários tipos de frutas. A criatura não tem nariz, não tem boca, mas tem um grande bigode.

Do seu tronco saem seis braços em forma de galhos e na ponta de cada braço, um olho.

Ela estava dentro de um aquário."

Atividade óóóóótima para trabalhar Surrealismo e também dá para incrementar as aulas de Modernismo, pedindo para os alunos tentarem ser o mais nacionalistas possível, a exemplo de Tarsila do Amaral, colorindo com as cores da nossa bandeira, etc... O que acham?!? 

Aqui alguns exemplos beeeeeem interessantes... 













domingo, 17 de março de 2019

Atividade sobre a obra "Antropofagia" (1929) - Tarsila do Amaral



01) Tal obra de arte é a junção de outras duas obras de Tarsila do Amaral. Quais são elas?

02) Qual o objetivo de tal junção?

03) Por que tal obra foi tão importante para o Modernismo brasileiro?

04) Que cores predominam nessa obra? O que isso revela?

05) Que outro título você daria a essa obra? Por quê?

06) Que mensagem a obra de arte lhe transmitiu e que sentimento ou emoção ela despertou em você?

sexta-feira, 1 de março de 2019

Atividade sobre a obra "Operários" (1933) - Tarsila do Amaral



01) Em termos de origem étnica, os personagens representados parecem semelhantes ou diversos? O que isso pode indicar, levando-se em conta o título da obra? 

02) As chaminés ao fundo podem ser vistas como símbolos de quê?

03) Sabendo-se que o quadro é de 1933, ele revela alguma mudança na posição da mulher em nossa sociedade? Explique: 

04) Você consegue contar quantos rostos são? O que todos eles têm comum? O que isso revela? 

05) Que sentimento tal obra despertou em você? Justifique sua resposta:

06) O que a obra denuncia? Comente:

07) Dê um outro título para essa obra de arte:

08) Usando cola, tesoura e revistas, faça uma montagem tendo essa obra como base:

09) Faça um trabalho de releitura, caprichando ao máximo! Mãos à obra!

P.S.: Dá para fazer um trabalho bem legal de INTERTEXTUALIDADE com a obra em questão e com a música "Cidadão", com Zé Ramalho, presente AQUI, também com o texto "Operário em construção", de Vinícius de Moraes, que também faz parte AQUI do blog, e, ainda, com a música "Construção", do Chico Buarque, que também temos AQUI no blog! Recomendo! Experimente! 

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

Atividade sobre a obra "Segunda classe" (1922) - Tarsila do Amaral



01) O que você reparou primeiro na obra?

02) Quantas pessoas estão presentes nessa cena?

03) Numere cada uma dessas pessoas, dando-lhes um nome, sobrenome, idade, caraterísticas e possível grau de parentesco entre elas: 

04) Tratam-se de pessoas ricas ou pobres? Justifique sua resposta:

05) Que outro título você daria à obra em questão?

06) Que mensagem a obra lhe transmitiu e que sentimento ou emoção ela lhe despertou?

07) Como seria a obra oposta, denominada 'Primeira classe"? Tente desenhá-la! Mãos à obra!

terça-feira, 26 de setembro de 2017

Atividade sobre o texto "A flor e a náusea", de Carlos Drummond de Andrade


A flor e a náusea

Preso à minha classe e a algumas roupas,
Vou de branco pela rua cinzenta.
Melancolias, mercadorias espreitam-me.
Devo seguir até o enjoo?
Posso, sem armas, revoltar-me? 

Olhos sujos no relógio da torre:
Não, o tempo não chegou de completa justiça.
O tempo é ainda de fezes, maus poemas, alucinações e espera. 
O tempo pobre, o poeta pobre fundem-se no mesmo impasse. 

Em vão me tento explicar, os muros são surdos.
Sob a pele das palavras há cifras e códigos. 
O sol consola os doentes e não os renova. 
As coisas. Que tristes são as coisas, consideradas sem ênfase. 

Vomitar esse tédio sobre a cidade. 
Quarenta anos e nenhum problema resolvido, sequer colocado. 
Nenhuma carta escrita nem recebida.
Todos os homens voltam para casa. 
Estão menos livres, mas levam jornais e soletram o mundo,
Sabendo que o perdem.

Crimes da terra, como perdoá-los?
Tomei parte em muitos, outros escondi.
Alguns achei belos, foram publicados. 
Crimes suaves, que ajudam a viver. 
Ração diária de erro, distribuída em casa. 
Os ferozes padeiros do mal. 
Os ferozes leiteiros do mal. 

Pôr fogo em tudo, inclusive em mim. 
Ao menino de 1918 chamavam anarquista.
Porém meu ódio é o melhor de mim. 
Com ele me salvo e dou a poucos uma esperança mínima. 

Uma flor nasceu na rua!
Passem de longe, bondes, ônibus, rio de aço do tráfego.
Uma flor ainda desbotada ilude a polícia, rompe o asfalto.
Façam completo silêncio, paralisem os negócios,
Garanto que uma flor nasceu. 

Sua cor não se percebe.
Suas pétalas não se abrem.
Seu nome não está nos livros. É feia. 
Mas é realmente uma flor. 

Sento-me no chão da capital do país às cinco horas da tarde
E lentamente passo a mão nessa forma insegura. 
Do lado das montanhas, nuvens maciças avolumam-se.
Pequenos pontos brancos movem-se no mar, galinhas em pânico. 
É feia. Mas é uma flor. 
Furou o asfalto, o tédio, o nojo e o ódio. 

(Carlos Drummond de Andrade) 


01) Justifique o título dado ao texto acima:

02) Explique o verso destacado na primeira estrofe do poema: 

03) Responda, sinceramente, à pergunta feita nessa mesma estrofe:

04) O que seriam "olhos sujos", presente no primeiro verso da segunda estrofe? 

05) Que conotações podem assumir os substantivos FLOR e NÁUSEA no poema? 

06) Que sentimentos expressa o poeta com relação a si mesmo e com relação ao mundo? Justifique sua resposta com elementos do texto:

07) Quanto à linguagem e à forma, podemos dizer que o poema apresenta características típicas do Modernismo? Por quê? 

08) Explique a passagem "os muros são surdos":

09) O que se pode entender da passagem destacada na quinta estrofe? Comente: 

10) Interprete o verso em destaque na sexta estrofe: 

11) O que o poeta quis transmitir com o trecho destacado na última estrofe?

12) Que mensagem a poesia transmite? 

13) Copie do poema uma prosopopeia, explicando seu raciocínio:

14) Copie do texto dois substantivos derivados, dizendo de que primitivos eles surgiram: 

15) Localize no poema três adjetivos, mencionando a que palavras eles se referem: 

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Atividade sobre o texto "Catar feijão", de João Cabral de Melo Neto


Catar feijão

Catar feijão se limita com escrever: 
Jogam-se os grãos na água do alguidar
E as palavras na da folha de papel;
E depois, joga-se fora o que boiar.
Certo, toda palavra boiará no papel,
Água congelada, por chumbo seu verbo:
Pois para catar esse feijão, soprar nele, 
E jogar fora o leve e oco, palha e eco. 

Ora, nesse catar feijão, entra um risco:
O de entre os grãos pesados entre
Um grão qualquer, pedra ou indigesto,
Um grão imastigável, de quebrar dente.
Certo não, quando ao catar palavras:
A pedra dá à frase seu grão mais vivo:
Obstrui a leitura fluviante, flutual,
Açula a atenção, isca-a com o risco.

(João Cabral de Melo Neto)

01) Justifique o título dado ao poema acima:

02) O poema, de fato, fala sobre catar feijão, ao pé da letra? Justifique sua resposta:

03) "Catar" poderia ser substituída por que outras palavras, sem perda do sentido? 

04) De quantas estrofes e versos o poema é composto? 

05) Com que o ato de catar feijão é comparado? Faz algum sentido para você? Explique:

06) Que palavra é omitida no terceiro verso? 

07) Localize no texto outras construções em que palavras são omitidas, explicando:

08) Dentre as classes de palavras, por que o eu lírico referiu-se a VERBO? 

09) Que risco há no catar feijão? Comente: 

10) Como são os grãos de feijão considerados bons? Onde eles ficam durante a escolha? 

11) Como são as palavras consideradas boas? Como elas são obtidas? 

12) Que efeito foi conseguido com a presença das palavras "oco" e "eco" no mesmo verso?

13) As palavras destacadas no texto não são dicionarizadas. Que significado elas possuem no texto? Como elas podem ter sido criadas? 

14) Identifique o tema do poema e qual a função da linguagem que nele se destaca:

15) Que mensagem o texto transmite? Comente:

16) Que características parnasianas existem no poema? Explique: 

sábado, 5 de novembro de 2016

Atividade com o texto "Não há vagas", do Ferreira Gullar


Não há vagas

O preço do feijão
Não cabe no poema.
O preço do arroz
não cabe no poema
Não cabem no poema o gás
a luz o telefone
a sonegação
do leite
da carne
do açúcar
do pão.
O funcionário público 
não cabe no poema
com seu salário de fome
sua vida fechada 
em arquivos.
Como não cabe no poema
o operário
que esmerila seu dia de aço
e carvão
nas oficinas escuras
-- porque o poema, senhores, 
está fechado:
"não vagas"
cabe no poema
o homem sem estômago
a mulher de nuvens
a fruta sem preço.
O poema, senhores
não fede
nem cheira

(Ferreira Gullar)

01) Justifique o título do poema: 

02) Qual o assunto do texto? Comente:

03) Transcreva dele um vocativo, explicando a quem, de fato, ele se refere: 

04) Onde costuma aparecer a frase "Não há vagas" e com que objetivo?

05) O que seria um "homem sem estômago"? Explique:

06) Explique o que seria "a mulher de nuvens":

07) O que seria uma "fruta sem preço"? E por que ela se difere das outras?

08) O que significa a expressão "Não fede nem cheira"? Você costuma utilizá-la?

09) Resumidamente, o que caberia no poema? E o que não caberia?

10) Você percebe alguma ironia no texto? Justifique sua resposta:

11) Que mensagem o poema nos transmite? 

12) Qual é a crítica presente no texto e a quem ela é direcionada? Explique:

13) Que características do Modernismo encontram-se presentes no poema? Comente: 

14) Diga a que classe de palavras cada vocábulo em destaque pertence:  

terça-feira, 16 de agosto de 2016

Atividade sobre o texto "Erro de português", de Oswald de Andrade


Erro de português

Quando o português chegou
Debaixo duma bruta chuva
Vestiu o índio
Que pena! 
Fosse uma manhã de sol
O índio tinha despido
O português

(Oswald de Andrade)

01) Justifique o título dado ao texto, reforçando a dupla possibilidade de sentido a ele dado:

02) A que fato histórico se refere o primeiro verso do poema?

03) A que fato se refere metaforicamente o terceiro verso do poema?

04) Considerando os elementos colonizador (português) e colonizado (índio), que conotação assumem os verbos VESTIR e DESPIR? 

05) O poema traz à tona uma hipótese: inverter um fato ocorrido. que verso exprime a condição para que tal hipótese pudesse ter sido concretizada?

06) A escolha do verbo VESTIR para metaforizar a superposição cultural que ocorreu na colonização tem relação com o primeiro choque cultural retratado por Caminha em sua carta. De que choque se trata? 

07) No poema, o tempo meteorológico metaforiza a oposição entre português e índio. Que elemento da natureza simboliza cada povo?

08) Transcreva um verso do poema que expressa uma opinião do eu lírico a respeito da colonização portuguesa: 

09) Copie do poema um fato e uma opinião, aproveitando para diferenciá-los:

10) Que mensagem o texto transmite? Comente: