Mostrando postagens com marcador Intertextualidade. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Intertextualidade. Mostrar todas as postagens

domingo, 11 de outubro de 2020

Atividade sobre o texto "Sobras dos dias sem fim (prontas para a incineração)", de Zizi Cassemiro

Inspirada NESTE poema do Antônio Cândido, minha querida e talentosa amiga Zizi Cassemiro brincou com as palavras, falando de coisa séria, explorou a intertextualidade e pariu este texto sensacional aqui: 

Sobras dos dias sem fim 
(prontas para a incineração) 

Folhas secas sobre a grama,
ventos que sopram à noite, 
abrasamento do sol, 
suor em gotas de açoite.

Fake news que aterrorizam,
venenos vazam dos frascos,
flerte entre a fé e a política, 
lorotas, balbúrdias, fiascos. 

Conexão inconstante,
celulares já saturados, 
horas e horas on-line,
talentos enclausurados. 

Lives só para contar presença, 
câmera e mic desativados,
vídeos passam despercebidos, 
slides ignorados. 

Lágrimas escapam dos olhos,
lembranças com sabor saudade,
Privados amarrotados, 
de áudios, selfies à vontade. 

Paciência exaurida,
tolerância fatigada,
alegria aborrecida,
empatia molestada. 

Criatividade em baixa
na hora da culinária, 
rotina burla o apetite,
pratos com sobras diárias. 

Uma pilha de TEMPO insiste
em querer ser um aliado 
e reciclar o que sobra 
do presente e do passado. 

Será que sobras existem?
Ou é falha em meu olhar, 
que, embaçado pelo tédio, 
não sabe se reinventar? 

(Zizi Cassemiro - 02/10/20)

01) Justifique o título dado ao poema e seu subtítulo:

02) Transcreva do texto uma crítica às aulas on-line, aproveitando para dizer se você concorda ou não com ela: 

03) O que a autora denuncia no verso destacado no texto? O que você pensa a respeito disso? 

04) Copie do texto alguns estrangeirismos, dizendo o que a maioria deles tem em comum:

05) Que semelhanças entre o texto-base ele possui? E quais as diferenças? 

06) Responda, sinceramente, às perguntas finais feitas pela autora: 

07) Que lista de sobras você faria? Que tal começar agora?!?

08) Que mensagem o poema transmite? Comente: 

Atividade sobre o texto "Lista de supermercado com as coisas que acabaram", de Paulo Candido


 Lista de supermercado com as coisas que acabaram 
(Põe na lista o refil disto aí que acabou)

margarina, sexo, pão,
milho, ervilha, tesão,
veneno de barata
e um maço de 
compaixão.

cebola, carinho, cuidado,
batata, aventura 
e mamão.
alguma novidade, molho 
de macarrão,
uma urgência de fim de 
tarde,
um pacote de feijão,
um dente afiado de alho,
um gosto 
por confusão.

cerveja, vodka, whisky,
um bom pau de amarração,
um pedaço de alegria,
fralda de montão,
filé sem melancolia
e um extrato de paixão.
 
o detergente de mágoa,
o papel que absorve dor, 
uma água com aquele cheiro 
de um sentimento 
anterior.

sabão de lavar a alma, 
alvejante de coração,
o chá de manter a calma, 
o shampoo antidepressão.

leite de longa vida,
balinhas de erudição,
spray de curar ferida,
azeite, disposição.
se não for estourar o cartão 
faz um gesto de sedução
por fim o mais importante 
procure em toda seção
se não tiver dá um jeito 
pergunte em outro mercado 
no camelô, no interior
vai catar no meio do mato
mas não apareça de volta
sem amor de perdição.

(Paulo Candido - "A canção da borboleta ausente")

01) Justifique o título dado ao poema acima: 

02) Qual a importância do seu subtítulo? 

03) O texto, de fato, é uma lista de supermercado? Justifique sua resposta: 

04) Quantas estrofes e quantos versos compõem o poema? 

05) Crie três tabelas: uma contendo os itens que se pode comprar, os itens que não e os que são de itens inventados:

06) Faça uma análise comparativa entre as tabelas, dizendo a que conclusão você chegou: 

07) O autor faz um jogo de palavras enumerando itens objetivos e subjetivos. Há alguma relação entre esses itens? Comente: 

08) Como se pode caracterizar o eu lírico, de acordo com as informações fornecidas pelo texto? 

09) Há algum item que demonstre que ele está solitário? Justifique sua resposta: 

10) Como você interpreta o verso destacado no texto? 

11) Que mensagem o texto transmite? Comente: 

12) O que mais chamou a sua atenção no poema? Explique:

13) De que elementos da lista você está mais necessitando? Que outros você adicionaria? 

14) Qual item lhe despertou a maior curiosidade a ponto de querer que, de fato, existisse? Por quê? 

15) Que características modernistas aparecem no poema? Justifique sua resposta: 

16) Selecione um item inventado para ilustrar e criar uma propaganda bem criativa: 

P.S.: Vale muito a pena incrementar esta atividade utilizando esta outra AQUI, em cima de um texto da querida amiga Zizi Cassemiro, inspirado por este! Não deixe de conferir! 

(Poema indicado pela queridíssima Ana Cristina Pontes
atividade feita em parceria com a amiga Zizi Cassemiro)

quarta-feira, 7 de outubro de 2020

Atividade sobre o vídeo "Validação - O poder do elogio e da positividade" (15 min)


01) Por que o astral das pessoas muda quando elas vão validar o estacionamento? 

02) O que isso acaba gerando? Comente:

03) O que o protagonista tem de diferente? Existem muitas pessoas como ele? 

04) Por que ele acabou indo parar nas manchetes dos jornais? 

05) O que acontece quando ele vai tirar uma foto para renovar sua carteira de motorista? 

06) O que Victoria tem de diferente das demais pessoas? 

07) O que acabou acontecendo com ele? Por que razão? 

08) Por que ele não desistiu de Victoria  e insistiu por vários dias? 

09) O que ele queria, afinal, dela? Por que isso era tão difícil? 

10) Que nova profissão ele arrumou? Como? 

11) Quem ele acaba conhecendo por acaso ao tirar fotos? O que isso revela? 

12) O que ele nota, na sala de espera do dentista, com relação à foto de quem está ao seu lado? 

13) O que ele decide fazer e o que encontra?

14) Por que a Victoria havia sido demitida? 

15) Que mensagem o vídeo transmite? Comente: 

16) Você acha que elogios e positividade são capazes de alterar o dia e o humor das pessoas? Justifique sua resposta:

17) A validação pode mesmo curar as pessoas e suas dores e feridas? Explique seu ponto de vista: 

18) De 0 a 10, o quanto você tem sabido validar as pessoas? Por quê?



19) O que você achou de interessante no vídeo acima? Comente:

20) De que maneira ele comprova (ou nega) o primeiro vídeo? Explique: 

P.S.: Uma excelente atividade para ser trabalhada de forma intertextualizada com esse vídeo encontra-se AQUI! Não deixe de conferir! 

quinta-feira, 1 de outubro de 2020

Atividade sobre a música "Na minha história Rapunzel tem dread", de MC Soffia


Minha Rapunzel tem dread

Num conto de fadas a Rapunzel joga suas tranças
Na minha história, ela tem dread e é africana
Agora vou contar o meu conto para vocês
Como todas as histórias começa com "era uma vez"

Era uma vez uma princesa rastafari que nasceu no reino de Sabá
Na minha história quem disse que a bruxa é ?
Meninas unidas pode tudo mudar. 

Aqui inimiga não vai rolar
Ah, é, não vai rolar
Aqui inimiga não vai rolar

Na minha história a Rapunzel tem dread
Ela é negra e é rastafari 
Não precisa de um príncipe pra se salvar
Ela é empoderada e pode tudo conquistar

O seu cabelo dread tinha força e poder
Sua beleza africana não tinha o que dizer
Essa história eu inventei porque não vi princesa assim
Só me mostraram uma, aí isso não dá pra mim

Princesa Etiópia, esse nome eu batizei
País que desfruta tudo que eu pesquisei 
Estou muito feliz de ver a história acontecer
Crie uma princesa que pareça com você 

Crie uma princesa que pareça com você
Crie uma princesa que pareça com você

Aqui inimiga não vai rolar
Ah, é, não vai rolar
Aqui inimiga não vai rolar

(MC Soffia) 

01) Justifique o título dado à canção acima: 

02) Com que história famosa a música em questão dialoga? 

03) O que ela tem de diferente da tradicional? Por quê? 

04) Qual foi a única coisa que a autora manteve da história tradicional? 

05) Copie do texto o que seria um grave desvio para a norma culta, explicando bem: 

06) Transcreva do texto uma antítese, justificando sua escolha: 

07) Localize na canção fortes marcas de oralidade: 

08) O que representa o verso destacado no texto? 

09) Por que houve necessidade de se recorrer à invenção dessa história?

10) Qual a importância dos dreads para o contexto e caracterização da princesa? 

11) Que palavras do campo semântico das histórias tradicionais são mantidas no rap? 

12) Que dois tipos de preconceitos muito comuns em nossa sociedade são combatidos na música? Comprove com passagens do texto: 

13) Explique a escolha dos nomes Etiópia e Sabá para o contexto: 

14) Copie da canção um trecho que comprova a importância da chamada SORORIDADE:  

15) Que conselho é dado na música? A quem? Por quê? 

16) Transcreva da canção uma passagem que revela a importância da identificação, da representatividade na vida das pessoas: 

17) Justifique a importância da segunda passagem destacada no texto: 

18) Por que na nova história a bruxa não é má? Levante hipóteses: 

19) Qual foi provavelmente a princesa que mostraram à autora? Qual foi o problema? 

20) Que mensagem a música transmite? Comente: 

21) Que crítica social aparece fortemente na canção? Explique: 

22) Diga a que classe gramatical pertence cada uma das palavras sublinhadas no texto: 

quarta-feira, 2 de setembro de 2020

Atividade sobre paródias de "Canção do Exílio"

Canção do exílio 

Minha terra tem macieiras da Califórnia 
Onde cantam gaturanos de Veneza.
Os poetas da minha terra
São pretos que vivem em torres de ametista, 
Os sargentos do exército são monistas, cubistas, 
Ou filósofos são polacos vendendo a prestações. 
A gente não pode dormir 
Com os oradores e os pernilongos.
Os sururus em família têm por testemunha a Gioconda.
Eu morro sufocado em terra estrangeira.
Nossas flores são mais bonitas
Nossas frutas mais gostosas
Mas custam cem mil-réis a dúzia. 
Ai quem me dera chupar uma carambola de verdade
E ouvir um sabiá com certidão de idade!

(Murilo Mendes) 

01) Que famoso poema serviu de base para o texto acima? 

02) Observe atentamente os dois primeiros versos do poema e responda: essa terra é o Brasil? Justifique sua resposta: 

03) O sentimento de exílio desse poema é o mesmo do seu texto-base? Comente:

04) Há nesse poema, escrito no século XX, a mesma exaltação da terra brasileira? Por quê? 

05) Que crítica social o texto faz? Explique bem: 

06) Quem é a Gioconda? O que ela tem a ver com o contexto? 

07) Explique os dois últimos versos do poema, dizendo que tipo de sentimento eles revelam: 

Canção do exílio facilitada

Lá? 
Ah! 
Sabiá...
Papá...
Mamá...
Sofá...
Sinhá...
Cá? 
Bah!

(José Paulo Paes)

08) Justifique o título dado ao poema acima: 

09) Como você interpreta as interjeições "Ah!" e "Bah!"? 

10) As palavras "lá" e "cá" não estabelecem mais uma relação espacial e sim temporal. Justifique essa afirmação: 

11) Explique o emprego das reticências presentes no poema: 

12) Que palavras dão pistas de que o poema se refere ao texto de Gonçalves Dias? 

Canto de regresso à pátria

Minha terra tem palmares
Onde gorjeia o mar
Os passarinhos daqui 
Não cantam como os de lá. 

Minha terra tem mais rosas
E quase que mais amores
Minha terra tem mais ouro 
Minha terra tem mais terra

Ouro terra amor e rosas
Eu quero tudo de lá
Não permita Deus que eu morra
Sem que eu volte para lá. 

Não permita Deus que eu morra
Sem que volte pra São Paulo 
Sem que veja a Rua 15
E o progresso de São Paulo. 

(Oswald de Andrade) 

13) Justifique o título dado ao poema: 

14) O que significa o primeiro verso dele? 

15) Que palavra do poema-base foi substituída neste? Com que intenção? 

16) Copie do texto um verso que caracteriza bastante o Modernismo, explicando bem: 

17) Que visão do Brasil transmite o poeta do século XX? 

terça-feira, 1 de setembro de 2020

Atividade sobre o poema "Canção do Exílio", de Gonçalves Dias


Canção do exílio

Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o sabiá;
As aves, que aqui gorjeiam, 
Não gorjeiam como

Nosso céu tem mais estrelas,
Nossas várzeas têm mais flores,
Nossos bosques têm mais vida,
Nossa vida mais amores. 

Em cismar, sozinho, à noite,
Mais prazer encontro eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o sabiá.

Minha terra tem primores,
Que tais não encontro eu ;
Em cismar -- sozinho, à noite -- 
Mais prazer encontro eu lá.
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o sabiá.

Não permita Deus que eu morra,
Sem que eu volte pra lá.
Sem que desfrute os primores
Que não encontro por cá.
Sem qu´inda aviste as palmeiras
Onde canta o sabiá. 

(Gonçalves Dias)

01) Justifique o título dado ao poema:

02) O que se entende por exílio?

03) Quantos tipos de exílio existem? Diferencie-os:

04) Em nossa história, quando ocorreram muitos exílios forçados? O que você sabe sobre esse período?

05) Que características românticas estão presentes no poema? 

06) A que geração romântica ele pertence? Justifique sua resposta:

07) Cite um verso do poema que comprove a saudade do eu lírico da sua pátria: 

08) Há, no texto, uma antítese? Justifique sua resposta:

09) O que significam as palavras grifadas no texto? Como elas se classificam morfologicamente?

10) O que o poema tem a ver com o nacionalismo, patriotismo e com o processo de independência? 

11) Para exaltar os valores de sua pátria, o eu lírico subestima os de Portugal. Você acha isso correto? Explique o seu raciocínio:

12) Que versos do poema encontram-se presentes no Hino Nacional? 

13) Há um verso que funciona como uma espécie de refrão. Qual é ele? 

14) Que mensagem o texto transmite? Comente:


15) Por que há passagens na HQ que se encontram entre aspas?

16) Que relação ela possui com o poema de Gonçalves Dias? Explique:

17) Que crítica social a tirinha faz? Comente:


18) Justifique as aspas no segundo quadrinho:

19) Por que elas não foram usadas no primeiro quadrinho também?

20) Em que reside o humor no texto? Comente:

21) Que vocábulos estão envolvidos no processo de ruptura do texto-base? 

sábado, 29 de agosto de 2020

Atividade sobre "Confusão com o pacote de biscoitos"


O pacote de biscoitos 

Certo dia, uma moça aguardava seu voo na sala de embarque de um aeroporto. 
Como ela ainda tinha muitas horas pela frente, resolveu comprar um livro para passar o tempo. Também comprou um pacote de biscoitos. 
A moça escolheu uma poltrona na parte reservada do aeroporto, para que ali pudesse descansar e ler em paz. 
Ao lado dela sentou-se um homem. 
Assim que ela pegou o primeiro biscoito, o homem também pegou um. Ela ficou indignada, mas não disse nada. Pensou: Mas que cara de pau! Se eu tivesse coragem, lhe daria um soco bem no meio do olho, para ele nunca mais se esquecer. 
A cada biscoito que ela pegava, o homem tamém pegava um. A atitude dele era tão inacreditável e a deixava tão indignada que ela não conseguia reagir. 
Quando restava apenas um biscoito no pacote, ela pensou: O que será que esse abusado vai fazer agora?
Então o homem dividiu o último biscoito ao meio e deixou a outra metade para ela. A moça ficou irada, bufando de raiva. Contrariada, pegou o livro, suas coisas e dirigiu-se ao portão de embarque. 
Ao se instalar confortavelmente em seu assento, para seu espanto, deu com o seu pacote de biscoitos ainda intacto dentro da bolsa. Sentiu uma enorme vergonha, pois se alguém havia comido o biscoito de alguém tinha sido ela, e agora já não havia mais tempo para pedir desculpas. 
O homem havia dividido seus biscoitos com ela sem se sentir indignado, enquanto ela ficara extremamente transtornada.

(Autor Desconhecido)

01) De que forma o vídeo e o texto se relacionam? 

02) Os personagens presentes em um são os mesmos presentes em outro? Comente: 

03) Você acha que essa questão dos personagens foi melhor explorada no vídeo ou no texto? Por quê?

04) A situação vivida pelos personagens é igual? Justifique sua resposta:

05) O que a moça do texto pensou em fazer logo que o homem pegou o primeiro biscoito? 

06) E qual foi a atitude da senhora assim que o jovem pegou o biscoito? 

07) O que você faria no lugar delas? Comente: 

08) As atitudes revelam um pouco do caráter tanto da moça quanto da velhinha. Associe uma palavra que caracterize ambas: 

09) Agir precipitadamente, na maioria das vezes, nos causa transtorno ou nos deixa em situações embaraçosas. Você costuma agira assim, sem pensar? Explique:

10) O que você faria ao perceber o seu erro? 

11) O que a atitude de cada um dos personagens revela? Analise: 

12) Sugira um título que sirva para ambos os gêneros explorados: 

13) Qual é a mensagem extraída da leitura de ambos os textos? Comente: 

(Atividade feita em parceria com o colega Leandro Samuel)

quarta-feira, 12 de agosto de 2020

Atividade sobre "Princesas no divã da Girafa"

Imagem 01:




Imagem 02: 




Imagem 03: 


Imagem 04: 


Imagem 05: 




Imagem 06:  

Imagem 07: 



Imagem 08:  

01) Diga com qual história famosa cada uma das imagens dialoga, mencionando que "pistas" lhe levaram a essa conclusão:

02) O que há em comum entre todas elas? Comente: 

03) Posicione-se sobre as falas da girafa psicanalista: 

04) Por que o animal escolhido para essa função foi a girafa? Levante hipóteses:

05) Crie falas ou pensamentos para cada uma das princesas: 

06) Qual o melhor argumento utilizado pela psicanalista? Justifique sua resposta: 

07) Que reflexão pode ser realizada a partir da análise das imagens? 

08) Na história do Aladim e da Pequena Sereia, qual é o objetivo das perguntas realizadas pela girafa? 

09) Que argumento teve mais a ver com a nossa realidade da pandemia?

10) De maneira sucinta, respectivamente, explique que mudança ocorreria em cada história, se cada princesa tivesse um comportamento psicologicamente diferente e mais "saudável":

11) Qual o dignóstico para cada princesa analisada?

12) Qual delas parece ser mais problemática"? Por quê?

13) Qual delas parece ser menos problemática? Justifique sua resposta:

14) Escolha uma das imagens / histórias e produza um texto narrativo, com tal princesa devidamente "curada":

15) Produza um parágrafo dissertativo-argumentativo sobre o tema "A necessidade de se desconstruir o perfil das princesas na modernidade": 

(Atividade feita em parceria com a queridíssima Maiara Batista 
e imagens enviadas pela querida amiga Cristina Barata

terça-feira, 11 de agosto de 2020

Atividade sobre o paradidático "Haicais visuais", de Nelson Cruz


Estou encantada com esse livro paradidático indicado pela escola do meu filhote para este trimestre! Muito legal já apresentar para essa faixa etária não só o gênero HAICAI como também explorar intertextualidade e arte, associar linguagem verbal à não-verbal... treinar o olhar... 
Sobre ele, resolvi criar uma atividade! Simples, mas criei.

Sinopse: Com a beleza e a simplicidade do haicai, o humor da tirinha de jornal e a concisão de ambos, estes "Haicais visuais" trazem dez histórias curtas e silenciosas que nos convidam para uma viagem surpreendente na companhia do pintor de sonhos René Magritte, do King Kong das telas de cinema e da Alice do País das Maravilhas. 

01) Justifique o título dado ao livro:

02) Que outro título você daria a ele? 

03) Pesquise o que é um haicai e defina com suas próprias palavras: 

04) O que esses haicais do livro têm de diferente? Explique:

05) Você acha que uma imagem pode substituir um verso? Justifique sua resposta: 

06) Quais são as 10(dez)  histórias presentes no livro? 

07) De qual delas você mais gostou? Por quê?

08) Quantas imagens cada história possui? O que isso significa?

09) Aproveite para criar um pequeno texto narrativo sobre cada uma das histórias, explorando bem as imagens referentes a elas: 

10) Escolha uma história para criar um poema sobre ela, que deverá conter 03 estrofes e 12 versos! 

sábado, 8 de agosto de 2020

Atividade sobre a charge "A elite brasileira", de Ribs


01) Justifique o título dado à charge, aproveitando para sugerir um outro:

02) Que crítica social ela faz? Comente:

03) Quem são os quatro participantes nela presentes?

04) O que tais pessoas têm em comum?

05) De que maneira a linguagem verbal ajudou a entender determinados implícitos?

06) Há uma palavra escrita de forma errônea. Que palavra é essa? Você acha que foi intencional?

07) Se foi intencional, o que o autor pretendia mostrar?

08) Por que todos eles estariam brincando de roda? Que efeito isso causa?

09) Com base na charge, tente caracterizar a "elitea brasileira", segundo a visão do chargista: 

10) Você acha que as personagens presentes na charge representam mesmo a "elite brasileira"? Justifique sua resposta:

11) Pesquise uma notícia referente a cada um dos personagens presentes na charge: 

segunda-feira, 3 de agosto de 2020

Atividade sobre a obra de arte "Os amantes" (1928), de René Magritte

"Os amantes I"


"Os amantes II"


01) Justifique o título dado às obras acima, dizendo o que você achou deles em termo de criatividade:

02) O quadro lhe causa algum estranhamento? Comente:

03) Há nele elementos díspares, ou seja, que não combinam entre si? Justifique sua resposta:

04) Por que os dois rostos estariam cobertos? Levante hipóteses:

05) Compare as paisagens de fundo utilizadas em cada obra de arte. O que a diferença entre elas revela? O que elas inferem? 

06) Você acha que as imagens correspondem a um mesmo dia? Por quê?

07) Por que ambas as obras são consideradas surreais? Explique:

08) De qual das duas obras você gostou mais? Por quê?

09) Crie pensamento para cada personagem, nas duas situações:

10) Elabore um pequeno texto narrativo sobre cada uma das duas obras analisadas:

terça-feira, 28 de julho de 2020

Atividade sobre o cordel "Receita da fome", de Bráulio Bessa


Receita da fome

Eu procurei entender
Qual a receita da fome
Quais são seus ingredientes
A origem do seu nome
Entender também por quê 
Falta tanto o de comer
Se todo mundo é igual
Chega dá um calafrio
Saber que o prato vazio
É o prato principal

Do que é que ela é feita?
Se não tem gosto nem cor
Não cheira, nem fede a nada
E o nada é seu sabor?
Qual o endereço dela?
Se ela tá lá na favela
Ou nas brenhas do sertão
É companheira da morte
Mesmo assim não é mais forte
Do que um pedaço de pão.

Que rainha estranha é essa
Que só reina na miséria?
Que entra em milhões de lares
Sem sorrir, com a cara séria?
Que provoca dor e medo
E sem encostar um dedo
Causa em nós tantas feridas?
A maior ladra do mundo
Que nesse exato segundo
Roubou mais algumas vidas. 

Continuei sem saber
Do que é que a fome é feita
Mas vi que a desigualdade
Deixa ela satisfeita
Foi aí que eu percebi
Por isso que eu não a vi
Eu olhei pro lado errado
Ela tá em outro canto
Entendi que a dor e o pranto
Era só o seu resultado.

Eu achei seus ingredientes
Na origem da receita:
No egoísmo do homem
Na partilha que é mal feita
E mexendo um caldeirão
Eu vi a corrupção
Cozinhando a tal da fome
Temperando com vaidade
Misturando com maldade
Pro pobre que lhe consome.

Acrescentou na receita
Notas superfaturadas
Um quilo de desemprego
Trinta verbas desviadas
Rebolou num caldeirão
Vinte gramas de inflação
E trinta escolas fechadas

Sendo assim, se a fome é feita
De tudo que é do mal
É consertando a origem
Que a gente muda o final
Fiz uma conta ligeiro
Se juntar todo dinheiro
Dessa tal corrupção
Mata a fome em todo canto 
E ainda sobra outro tanto
Pra Saúde e Educação.

(Bráulio Bessa)

01) Justifique o título dado ao texto acima, explicando especialmente a que o vocábulo "receita" remete:

02) Quantas estrofes compõem o poema? E quantos versos há em cada?

03) Que "ingredientes" compõem a referida receita?

04) Interprete os versos destacados na primeira estrofe do poema:

05) Posicione-se sobre a passagem em destaque no final da segunda estrofe, argumentando bem:

06) Explique o trecho destacado na quarta estrofe:

07) Copie do poema marcas de oralidade, explicando sua importância para o contexto:

08) Existe no texto alguma construção que possa ser "mal vista" para os gramáticos conservadores? Justifique sua resposta: 

09) Que duas áreas problemáticas e abandonadas da nossa sociedade são citadas no poema? O que você pensa a respeito disso?

10) Pode-se afirmar que a Fome aparece personificada no poema? Justifique sua resposta e, se possível usando passagens do próprio texto: 

11) Você concorda com o olhar que o poeta caracterizou a fome? Justifique sua resposta:

12) A fome sendo "a maior ladra do mundo", o que ela pode roubar além da vida do ser humano? De que maneira? 

13) Segundo o olhar do poeta a respeito da fome, quais são as causas e as consequências? 

14) O que as frases interrogativas representam no contexto? Levante hipóteses e diga que carga emotiva ela acrescenta ao poema: 

15) Que sensação ou sentimento o poema provocou em você? Explique:

16) Enumere cinco formas possíveis de acabar com a fome no mundo:

17) Aproveite a descrição minuciosa do poeta a respeito da fome e tente desenhá-la:

18) Escreva cinco palavras que tenha alguma relação semântica com a palavra FOME (que ainda não constem no texto) e, se possível,  justifique essas escolhas: 

19) Que mensagem o texto transmite? Comente: 

20) Transforme o poema em uma receita que combata a fome: 

(Atividade feita em parceria com a minha queridíssima amiga Zizi Cassemiro)

P.S.: Recomendo trabalhar esta atividade com ESTA OUTRA AQUI, que estabelece uma linda relação de intertextualidade! 

segunda-feira, 27 de julho de 2020

Atividade sobre o texto "A casa que a fome mora", de Antônio Francisco T. de Mello


A casa que a fome mora

Eu de tanto ouvir falar
Dos danos que a fome faz,
Um dia eu saí atrás
Da casa que ela mora. 
Passei mais de uma hora
Rodando numa favela
Por gueto, beco e viela,
Mas voltei desanimado,
Aborrecido e cansado.
Sem ter visto o rosto dela.

Vi a cara da miséria
Zombando da humildade,
Vi a mão da caridade
Num gesto de um mendigo
Que dividiu o abrigo,
A cama e o travesseiro,
Com um velho companheiro
Que estava desempregado,
Vi da fome o resultado,
Mas dela nem o roteiro.

Vi num barraco de lona
Um fio de esperança,
Nos olhos de uma criança,
De um pai abandonado,
Primo carnal do pecado,
Irmão dos raios da lua,
Com as costas seminuas
Tatuadas de caliça,
Pedindo um pão de justiça
Do outro lado da rua. 

Vi o orgulho ferido
Nos braços da ilusão
Vi pedaços de perdão
Pelos iníquos quebrados,
Vi sonhos despedaçados
Partidos antes da hora,
Vi o amor indo embora,
Vi o tridente da dor,
Mas nem de longe via a cor
Da casa que a fome mora. 

Vi a gula pendurada
No peito da precisão
Vi a preguiça no chão
Sem ter força de vontade
Vi o caldo da verdade
Fervendo numa panela
Dizendo: "Aqui ninguém come!" 
Ouvi os gritos da fome,
Mas não vi a boca dela. 

Passei a noite acordado 
Sem saber o que fazer,
Louco, louco pra saber
Onde a fome residia
E por que naquele dia
Ela não foi na favela?
E qual o segredo dela,
Quando queria pisava,
Amolecia e matava
E ninguém matava ela? 

No outro dia eu saio
De novo à procura dela, 
Mas não naquela favela,
Fui procurar num sobrado
Que tinha do outro lado
Onde morava um sultão.
Quando eu pulei o portão
Eu vi a fome deitada
Em uma rede estirada
No alpendre da mansão.

Eu pensava que a fome
Fosse magricela e feia,
Mas era uma sereia
De corpo espetacular
E quem iria culpar
Aquela linda princesa
De tirar o pão da mesa
Dos subúrbios da cidade
Ou pisar sem piedade
Numa criança indefesa?

Engoli três vezes nada 
E perguntei: O seu nome?
Respondeu-me: Sou a fome
Que assola a humanidade,
Ataco vila e cidade,
Deixo o campo morimbundo,
Eu não descanso um segundo
Atrofiando e matando,
Me escondendo e zombando 
Dos governantes do mundo. 

Me alimento das obras
Que são superfaturadas,
Das verbas que são guiadas
Pros bolsos dos marajás
E me escondo por trás
Da fumaça do canhão,
Dos supérfluos da mansão,
Na soma dos desperdícios,
Na queima dos artifícios
Que cega a população.

Tenho pavor da justiça
E medo da igualdade,
Me banho na vaidade
Da modelo desnutrida
Da renda mal dividida
Na mão do cheque sem fundo,
Sou pesadelo profundo
Do sonho do boia fria
E almoço todo dia
Nos cinco estrelas do mundo. 

Se vocês continuarem
Me caçando nas favelas,
Nos lamaçais das vielas,
Nunca vão me encontrar
E eu vou continuar
Usando o terno xadrez
Metendo a bola da vez,
Atrofiando e matando,
Me escondendo e zombando 
Da burrice de vocês.

(Antônio Francisco T. de Mello)

01) Justifique o título empregado no texto acima:

02) Que dilema é vivenciado pelo eu-lírico?

03) Como o eu-lírico imaginava que fosse a fome? E como ela realmente era?

04) Por que ele não conseguia encontrar onde residia a fome?

05) Em que estrofe o poeta descreve a caridade e de que maneira faz isso?

06) Que outros problemas sociais, além da fome, podemos detectar no poema? Cite-os:

07) Localize e transcreva os versos que fazem crítica à corrupção, opinando sobre isso:

08) Em que momento do texto o eu-lírico percebeu que estava procurando a fome no lugar errado?

09) Reflita sobre a última estrofe do poema e forneça uma explicação plausível para ela:

10) Por que a reação do mendigo pode causar, a alguns, uma certa estranheza? O que isso revela?

11) Copie do texto uma prosopopeia, explicando seu raciocínio:

12) Interprete o verso destacado no texto, explicando bem:

13) Transcreva do poema um exemplo de cacófato, que tende a ser desprezado pela norma culta da Língua: 

14) Que metáfora o poeta usa para a fome? O que você pensa a respeito disso? 

15) Circule os verbos empregados no gerúndio e explique a importância deles para o contexto: 

16) Que mensagem o texto transmite? Comente:

17) Considerando a mensagem geral do texto, na sua opinião, que fatores podem ser associados ao agravamento da fome no país? 

18) Aproveitando-se das ideias do texto e da resolução da atividade, produza um texto dissertativo-argumentativo falando sobre as consequências causadas pela fome no Brasil e no mundo e como resolver esse tão grave problema social: 

(Atividade feita em parceria com o querido colega de grupo Leandro Samuel)

P.S.: Seria muito interessante trabalhar a intertextualidade presente neste outro cordel AQUI! Não deixe de ver e de explorar! 

domingo, 26 de julho de 2020

Atividade sobre o texto "Espelho vaidoso", de Marcus Di Bello


Espelho vaidoso

(Castelo. Bruxa usando um pretinho-nada-básico. Está no final da maquiagem. Arruma o cabelo em frente ao espelho. Olha por diversos ângulos.)

BRUXA: Espelho, espelho meu. Existe alguém nesse reino mais bela do que eu? 
ESPELHO: Não, senhora. 
BRUXA: Senhora? Pode me chamar de você.
ESPELHO: Desculpa. 
BRUXA: Não exite ninguém mais bela, não é mesmo? Mas essa pesquisa foi feita no modo avançado?
ESPELHO: Positivo. 
BRUXA: Posso confiar?
ESPELHO: Pode, sim senhora. Digo, você pode sim. 
BRUXA: As minhas concorrentes eram bonitas? Porque não adianta nada eu ser a mais bela se todas forem feias, é como ter um olho em terra de cego ou ter um metro e quarenta em casa de sete anões. 
ESPELHO: As concorrentes eram bonitas. 
BRUXA: Muito bonitas?
ESPELHO: Muito bonitas. 
BRUXA: Mas qual era a média de idade? Às vezes são bonitas para a idade delas.
ESPELHO: Idades variadas. 
BRUXA: E mesmo assim eu sou a mais bela?
ESPELHO: Sim.Você é a mais bela de todas. 
BRUXA: Mas a pesquisa levou em conta os cremes de beleza que eu uso?
ESPELHO: Positivo. 
BRUXA: Mais alguma concorrente também usa ou sou a única?
ESPELHO: Várias usam. 
BRUXA: Alguma alisa o cabelo?
ESPELHO: Alisar o cabelo?
BRUXA: Eu fiz definitiva, mas eu juro que foram apenas duas vezes. Isso não faz eu perder a coroa, faz?
ESPELHO: Várias concorrentes alisaram o cabelo. 
BRUXA: Então eu sou, de fato, a mais bela do reino?
ESPELHO: Positivo. 
BRUXA: Mas eu não quero! 
ESPELHO: Como não quer? 
BRUXA: Qual será o meu plano de carreira? Preciso de alguém para superar. Caso essa pesquisa seja verdadeira e eu realmente seja a mais bonita, vou acabar estagnada. Não vou cuidar da minha beleza, vou achar que ninguém pode comigo e, no fim, serei vencida de maneira humilhante. Alguém precisa ser mais bonita do que eu. 
ESPELHO: Mas você é a mais bonita.
BRUXA: Eu não aceito! Espelho, faça o favor de pesquisar uma boa receita de maçã envenenada. Quero algo que faça com que a pessoa que morder fique muito mais bonita. Preciso de concorrência, e das boas. 
ESPELHO: Lá vamos nós. 
BRUXA: Espelho, espelho meu. Existe alguém nesse reino com possibilidade de ser mais bela do que eu? 
ESPELHO: Sim. A Branca de Neve tem grandes chances. 
BRUXA: Maravilha! Então ao trabalho. 

(Risada maléfica)
(A luz vai se apagando lentamente...)

(Marcus Di Bello)

01) Justifique o título dado ao texto, aproveitando para sugerir um outro:

02) O que a passagem "um pretinho-nada-básico" já sinaliza? 

03) Com que história famosa o texto em questão dialoga? Como você percebeu isso? 

04) Quais são as semelhanças e as diferenças entre ambas as histórias? Comente: 

05) Por que você acha que a Bruxa se incomodou ao ser chamada de "senhora"? 

06) Que modernidades são acrescentadas ao texto? Com que provável intenção? 

07) De fato, o espelho que era vaidoso? Justifique sua resposta: 

08) Quais foram os argumentos utilizados pela Bruxa para convencer o Espelho? Eles funcionaram?

09) Você concorda com o ponto de vista da Bruxa? Por quê? 

10) Que mensagem o texto transmite? Comente: 

(Atividade feita em parceria com a querida colega de grupo Aline Nonato)

terça-feira, 14 de julho de 2020

Atividade sobre a música "Menina veneno", do Ritchie



Menina veneno

Meia-noite no meu quarto
Ela vai subir
Ouço passos na escada
Eu vejo a porta abrir

Um abajur cor de carmim
Um lençol azul
Cortinas de seda
O seu corpo nu

Menina veneno,
O mundo é pequeno 
Demais pra nós dois 
Em toda cama que eu durmo
Só dá você, só dá você

Seus olhos verdes no espelho
Brilham para mim
Seu corpo inteiro é um prazer
Do princípio ao sim

Sozinho no meu quarto
Eu acordo sem você
Fico falando com as paredes
Até anoitecer

Menina veneno,
Você tem um jeito sereno de ser
E toda noite no meu quarto 
Vem me entorpecer
Entorpecer
Entorpecer

Você vem não sei de onde
Eu sei, vem me amar
Eu nem sei qual o seu nome
Mas nem preciso chamar

Menina veneno,
Você tem um jeito sereno de ser
E toda noite no meu quarto 
Vem me entorpecer
Entorpecer
Entorpecer

Menina veneno
Menina veneno...

(Ritchie)

01) Justifique o título da música acima:

02) Explique os versos destacados na canção, mencionando se eles estão no sentido denotativo ou conotativo: 

03) Circule no texto o vocativo, dizendo a quem ele se refere: 

04) Transcreva da música marcas de oralidade: 

05) Copie do texto a passagem mais descritiva que você encontrar: 

06) De que maneira essa música dialoga com o estilo literário chamado Naturalismo? 

07) Se no lugar da palavra SIM estivesse o vocábulo FIM, haveria uma antítese? Por quê?

08) O que a escolha pelo SIM revela? Explique seu raciocínio:

09) Tal palavra é um substantivo ou um advérbio de afirmação? Justifique sua resposta: 

10) Em que lugar você acha que se passa a história? Que pistas textuais apontaram para isso? 

11) Que mensagem a canção transmite? Comente: 


12) De que maneira a HQ acima dialoga com a música?

13) Podemos afirmar que o desenhista conseguiu dar um clima de suspense à HQ? Por quê?

14) Além da intertextualidade musical, ainda há uma referente a filme. De qual se trata? Em que quadrinho isso fica mais evidenciado?

15) Acrescente uma onomatopeia coerente a cada um dos quatro quadrinhos, dizendo a que elas se referem: 

16) O que gera o humor na criação? Explique: 

17) Agora você vai escolher um trecho de uma outra música qualquer para ilustrar: 

(Atividade feita em parceria com a amiga Else Portilho)

Atividade sobre o texto "Minha mãe não dorme enquanto eu não chegar", de Moacyr Scliar

Minha mãe não dorme enquanto eu não chegar

O título desta crônica foi tirado de um samba do grande Adoniran Barbosa: um rapaz explica à namorada que "não posso ficar mais nenhum minuto com você / sinto muito, amor, mas não pode ser", porque a mãe não dorme enquanto ele não chegar. 
De maneira geral, pais não dormem. Podem deitar, fechar os olhos, podem até roncar -- mas na verdade não estão dormindo. Quando os filhos são pequenos, estão atentos a qualquer chorinho, a qualquer gemido: quando os filhos são maiores, ao contrário, é o silêncio que os mantém despertos: o ominoso silêncio do quarto vazio: o filho ou a filha não estão, foram a um aniversário, a uma festa. Que terminará... Quem sabe quando termina uma festa de adolescentes? Para eles a vida é uma festa permanente, na qual o relógio é um corpo estranho. 
Enquanto isso, os pais esperam. Poderiam não estar esperando, claro; poderiam ter dado a chance ao filho ou à filha. Mas dar a chave é um gesto simbólico para o qual os genitores nem sempre estão preparados, e que, de qualquer modo, não garante um repouso reparador: este só pode ter início do abençoado ruído da dita chave girando na fechadura. 
O que fazem os pais enquanto esperam? Uns fingem dormir. Outros rolam na cama, inquietos. E há os que se levantam e vão preencher estas horas, que afinal são parte de sua vida, com algo que alivie a ansiedade, e que seja útil. Conheço uma senhora que usa esse tempo para ler a "Enciclopédia Britânica"; já está no volume 16 e ainda não recuperou a tranquilidade. Há um pai que vê todos os filmes do madrugadão; segundo ele, uma noite dessas o James Cagney o mirou na tela e disse: "Vai dormir, rapaz! Já estou farto de te ver aí todas as noites!"
Mas os pais não dormem. Como Macbeth, eles ouviram a ordem fatídica: "Sleep no more!" (ainda que, diferente de Macbeth, eles não tenham culpa alguma; ou talvez tenham: quem sabe o que se passa no coração dos pais?). Seu suplício nada tem a ver com a idade do filho. Amigo meu, divorciado, voltou a morar com os pais: precisava de um tempo para se recuperar do trauma. Um tempo que ele teve, contudo, de abreviar -- porque, cada vez que saía, a mãe lhe dizia: "Não vá voltar tarde, meu filho!" E, cada vez que o programa noturno estava a ponto de gerar um romance, ele se lembrava da mãe acordada, a esperá-lo, e voltava. A insônia dos pais é eterna e incurável. 

(Moacyr Scliar) 

01) Justifique o título dado ao texto:

02) Qual o assunto do texto? Justifique sua resposta:

03) Explique o que significam as reticências empregadas no segundo parágrafo:

04) Copie do texto uma antítese, explicando seu raciocínio:

05) Circule no texto todos os vocativos encontrados:

06) Exlique a passagem destacada no texto:

07) Transcreva da crônica um trecho carregado de humor:

08) Posicione-se sobre a passagem destacada no final do texto, argumentando:

09) Que mensagem o texto transmite? Comente:

10) Existe alguma intertextualidade no texto? Explique:

domingo, 28 de junho de 2020

Atividade sobre Anúncio Publicitário - Homem e as queimadas


01) Qual o objetivo do anúncio publicitário acima? Ele foi alcançado?

02) Quem é o anunciante?

03) Que comparação existe no anúncio? Que efeito ela causa?

04) Que crítica social o anúncio faz? Justifique sua resposta:

05) O que a parte verde representa? E a parte marrom?

06) Que mensagem o anúncio transmite? Comente:



07) Há alguma semelhança entre o anúncio acima e o anterior a ele? Explique:

08) Podemos afirmar que ele usa uma pergunta retórica? Por quê?

09) A quem tal pergunta é feita? Com que objetivo?

10) Que conselho é dado ao interlocutor? 



11) Qual a finalidade do cartaz acima? Ela foi alçançada?

12) Há a presença da linguagem verbal ou não-verbal? Por quê?

13) Existe alguma ambiguidade no anúncio? Explique seu raciocínio:

14) O que as imagens possuem em comum? Comente:

15) Qual dos anúncios você considerou mais interessante e eficaz? Justifique sua resposta:

sexta-feira, 26 de junho de 2020

Atividade sobre o texto "Em defesa da maçã", de Patrícia Cassemiro

A postagem de hoje é bem rica e (especialmente) emocionante, pois ela envolve pessoas que me são caras e, inclusive, reforça a relação entre mãe e filha, confirmando o ditado popular que diz que "filho de peixe, peixinho é"! Zizi é minha amiga virtual há trocentos anos e é a expressividade em pessoa! E é com tamanho prazer que constato que a sua filha, Patrícia, herdou isso dela, e o texto abaixo é a prova cabal disso! E em pensar que tantas e tantas vezes uma simples imagem mexe com nossas emoções e a gente acaba deixando passar... Patrícia magicamente não deixou quando viu a imagem abaixo. Sorte a dela, sorte a NOSSA! Confiram! E espero que vocês se encantem tanto quanto eu...!!!!


Em defesa da maçã

Maçã da Eva
Maçã do Pecado
Do pecado que rubra as maçãs do rosto. 
Maçã de Newton
Maçã dos Beatles
Maçã do Raul
Maçã da Apple
Maçã de Tróia 
O pomo da discórdia.
Maçã do amor
Maçã envenenada
Maçã da torta
Que você não deveria ter comido.
Maçã com chocolate
Prato do dia: te confondue.

Se o pecado quando foi descoberto
Foi tampado com folhas de figueira
Então é o Figo
O fruto proibido:
Figo é flor
Flor é órgão
Órgão é sexo
Sexo é multiplicação do Ser
É quando a Criatura
Passa a ser o Criador
Em defesa da maçã, eu vou digo:
"Foi o Figo!"
Nem adianta fazer figas
Desde os romanos "Mano Fico!"
Pra atrair a fertilidade.
Cruzando dedo médio
Com o indicador 
Anunciando o ato que viria a ser
E afastando o mau agouro

Por isso repito: "Foi o Figo!"
A maçã foi a laranja
Balança figueira, quero ver cair
O Figo foi a flor que se disfarçou
De fruta pra ser comida
A maçã não foi tocada
Não houve pecado
O figo foi dissimulado
Bote-o na conserva!
Libertem-se da culpa!
E tomem tento com o tomate
Ele anda dizendo por aí 
Que é fruta só porque 
Se parece com o caqui.

(Patrícia Cassemiro)

01) Justifique o título dado ao texto acima: 

02) Quantas vezes a palavra MAÇÃ aparece no texto? Com que intenção? 

03) Por que existe no texto uma palavra em itálico? O que ela significa? 

04) Por que a autora tenta "incriminar" o FIGO? O que você pensa com relação a isso? 

05) Os argumentos usados por ela foram convincentes? Justifique sua resposta:

06) Explique a primeira passagem em negrito no texto: 

07) Justifique as aspas utilizadas no texto, respectivamente: 

08) Interprete o verso destacado na terceira estrofe, mencionando se está no sentido denotativo ou conotativo: 

09) Copie do texto uma prosopopeia, explicando seu raciocínio:

10) Por que se deveria desconfiar do Tomate? Ele se parece mais com a maçã ou com o caqui? 

11) Transcreva do texto uma passagem que transmite humor: 

12) Há palavras que parecem iguais, mas não formam pares, como: tesouro / tesoura, pois têm significados distintos. Localize no texto um exemplo semelhante:

13) Encontre no texto um exemplo de catacrese, explicando seu raciocínio:

14) Localize no texto um arcaísmo e um regionalismo, justificando sua resposta:

15) Explique a ambiguidade presente no verso que se encontra sublinhado no texto:

16) Transcreva do texto um trocadilho, mencionando sua provável intenção:

17) O que significa a expressão "Mano Fico" mencionada no texto e qual a origem dela?

18) Pode-se afirmar que no texto há intertextualidade? Justifique sua resposta:

19) Localize um trecho em primeira pessoa e comente por que ele foi utilizado:

20) A partir das informações do texto, quais são as referências bíblicas, mitológicas, históricas e ficcionais mencionadas? Explique seu raciocínio:

21) A autora contesta uma informação bíblica e justifica seu ponto de vista. Localize tal informação e o argumento utilizado:

22) Há, no texto, uma referência a um famoso conto de fada. Identifique-o e informe qual a sua relação com o tema do texto:

23) Forme uma linha do tempo e mencione a importância da maçã em cada época envolvida:

24) Que mensagem o texto transmite? Comente:

25) Invente um parágrafo no qual a maçã seja a vilã. Ao invés de defendê-la, você irá acusá-la, com base em argumentos consistentes:

26) Elabore um textículo tentando defender o pobre do Figo:

27) Agora você vai criar um pequeno texto incriminando o Tomate:

28) Leia a imagem a seguir e diga de que forma ela dialoga com o texto lido: 


29) Quais personagens você consegue reconhecer nela? Cite-os:

30) O que todos esses personagens têm em comum? Comente: 

31) Pode-se afirmar que a Maçã seria uma espécie de protagonista? Justifique sua resposta:

(Atividade feita em parceria com as queridas Zizi Cassemiro e Patrícia Cassemiro)