Mostrando postagens com marcador Estereótipos. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Estereótipos. Mostrar todas as postagens

sábado, 12 de setembro de 2020

Atividade sobre o filme "Mulheres perfeitas" (1 h 33 min)


Sinopse: Joanna, executiva de TV, é demitida e sofre um colapso nervoso. Com o intuito de ajudar a esposa, o marido de Joanna a leva para uma cidade do interior Steford, junto com seus dois filhos. Nesta comunidade tudo parece perfeito: as casas são computadorizadas, a vizinhança nunca dá problemas, as crianças são alegres e as mulheres são excelentes donas de casa., obedecendo os maridos com grande dedicação. A executiva fica desconfiada de tanta perfeição e começa a investigar a cidade. (Duração: 1 h 33 min)

01) Justifique o título dado ao filme:

02) Por que tentaram matar a Joanna?

03) Por que razão Joanna surtou? O que você pensa com relação a isso?

04) O que caracteriza a "família tradicional americana", segundo o filme?

05) O que significa o fato de os homens irem para a "Associação dos homens" e as mulheres para o "Centro de beleza"? Que estereótipos são reforçados através disso? 

06) Com quem que Joanna logo se identifica e faz amizade? Por quê?

07) Por que você acha que é possível numa cidade não ter "crime nem pobreza nem assalto"? Que crítica social encontra-se embutida nessa afirmação? 

08) Pode-se afirmar que há comentários e comportamentos machistas ao longo do filme? Com que intenção: reforçar ou criticar tais comportamentos? 

09) Que transformações ocorreram com o Roger? O que, na verdade, aconteceu com ele?

10) O que o cachorro pensa que é um osso? O que Joanna acaba descobrindo com isso?

11)  Que mudança Joanna percebe que ocorreu com a sua amiga Bobbie? O que isso revela?

12) O que o discurso do marido de Joanna, Walter, revela?

13) O que seria o método de "Sistema de melhoria da mulher"? O que você pensa a respeito disso?

14) O que todos os homens da associação tinham em comum? Qual era o projeto deles?

15) O que você achou do desfecho do filme? Explique bem:

16) O que lhe causou mais surpresa no final da história?

17) Que mensagem o filme transmite? Comente:

18) De que parte do filme você mais gostou? Por quê?

19) Você se sentiria feliz vivendo num mundo repleto de padronizações? Justifique sua resposta:

(Filme indicado pela minha querida amiga Zizi Cassemiro)

sábado, 16 de novembro de 2019

Atividade para quebrar estereótipos e diminuir os pré-conceitos













01) Quantos e quais foram os "rótulos" (julgamentos) utilizados em cada uma das personagens acima? 

02) Você vai tentar, respectivamente, bancar o "advogado de acusação" e "justificar" o rótulo dado a cada personagem, ou seja, vai pensar o que pode ter levado alguém a dar esse rótulo para cada uma delas: 

03) Agora a sua tarefa é ser uma espécie de "advogado de defesa" de cada uma dessas pessoas, aproveitando os detalhes fornecidos pela linguagem não verbal para "inocentá-la" e ajudar a se livrar do "rótulo" recebido: 

04) Qual rótulo dado à personagem que mais incomodou você? Por quê? 

05) Foi mais difícil a tarefa de reforçar o rótulo fornecido ou a de fazer a defesa da personagem? Justifique a sua resposta:

06) Na sociedade, de um modo geral, o que as pessoas mais têm feito: rotulam ou tentam desfazer rótulos e julgamentos? Como solucionar essa problemática? 

07) Que mensagem a atividade transmite? Que lição de moral ela fornece? 

08) Que crítica a atividade faz e a quem? Comente:

09) Você já recebeu algum rótulo que também tenha gerado desconforto ou que tenha sido injusto? Compartilhe, se quiser:

10) Agora você vai jogar cada rótulo fora e substituir por um outro, que seja o antídoto para o anterior! 

sexta-feira, 23 de agosto de 2019

Atividade sobre o texto "Duas rainhas", do Dalton Trevisan


Duas rainhas

Duas gorduchinhas, filhas de mãe gorda e pai magro. Não sendo gêmeas, usam vestido igual, de preferência encarnado com bolinha. Sob o travesseiro mil bombons, o soalho cheio de papelzinho dourado.
Rosa tem o rosto salpicado de espinhas. Dois anos mais moça, Augusta é engraçadinha, para quem gosta de gorda. Três vezes noiva de sujeitos cadavéricos, esfomeados por aquela montanha de doçuras gelatinosas. Os amores desfeitos pela irmã.
(...) Duas pirâmides invertidas que andassem, largas na vértice e fininhas na base. Manchas roxas pelo corpo de se chocarem nos móveis. Lamentam-se da estreiteza das portas. Sua conversa predileta sobre receita de bolo. Nos aniversários, primeiras a sentarem-se à mesa ou, para lhes dar passagem, todos têm de se levantar. 

(Dalton Trevisan)

01) Qual a característica principal das protagonistas do textículo? O que elas têm em comum?

02) Tal característica é apontada de uma forma preconceituosa ou não? Justifique sua resposta, utilizando palavras ou expressões do próprio texto:

03) Explique a importância da passagem “não sendo gêmeas” para o contexto:

04) Que ditado popular podemos associar a uma passagem do texto? Que passagem seria essa?

05) O que a irmã poderia ter feito para estragar os noivados da outra?

06) Extraia do texto duas metáforas importantes que se relacionam à ideia de tamanho:

07) O texto aborda alguma espécie de estereótipos? Se sim, qual (quais)? Comente:

08) Reflita um pouco sobre os nomes que o autor deu a cada personagem. A que pode remeter o nome Rosa? E o nome Augusta? (Faça associação de ideias)

09) A que conclusão se pode chegar a partir das associações obtidas?

10) O narrador vai mostrando as duas personagens a partir de alguns contrastes ironicamente concebidos. Aponte-os:

11) Retire do texto um diminutivo. Ele foi empregado com carinho ou indica tamanho? Justifique sua resposta:

12) Transcreva do texto dois exemplos de antítese:

13) Localize no texto um bom exemplo de hipérbole:

14) Copie do texto quatro adjetivos, dizendo a que substantivo cada um deles se refere:

15) O texto é narrativo ou descritivo? Justifique sua resposta:

16) Copie uma passagem do texto que represente a descrição objetiva, explicando por quê:

17) Copie uma passagem do texto que simbolize a descrição subjetiva, explicando:

18) Que mensagem o texto transmite? Comente: 

terça-feira, 16 de maio de 2017

Atividade sobre o artigo de opinião "Um amor GG. Gorda, linda, amada e feliz. Por que não?", da Mìnica Raouf El Bayeh

Um amor GG. Gorda, linda, amada e feliz. Por que não?



- - Você tem um rosto lindo...

Se você é magra, fique feliz. É um elogio. Se você é gorda, pode se preparar. Essa frase é sibilada, traiçoeira. Só o início do rançoso discurso de sempre. Mais do mesmo. O velho discurso que, no fundo, quer dizer:

-- Ai que pena você ser gorda e desperdiçar um rosto tão bonito nesse corpo redondo.

Ou ainda:

-- Toma vergonha! De que adianta esse rosto tão bonito num corpo tão feio?

Assim são tratados os gordos. Como uns sem-vergonha. Com pouco caso e acidez. O interessante da situação é que outras pessoas têm suas características também. No entanto, são piedosamente poupadas de comentários desse tipo.

Baixinhos, por exemplo, não escutam: -- Você tem um rosto lindo, devia dar uma crescida. Altos não são abordados com frases: -- Você tem o rosto lindo, por que não encolhe um pouco?

Ser gorda é grande defeito? Falta de vergonha? De cuidado com a saúde, a aparência? Uma deliciosa opção de vida? Ou apenas uma feia sacaneada da mãe natureza?

Sim. A natureza é madrasta de gordos. Injusta. Fria e cruel. Enquanto comemos o equivalente a cinco cadernos universitários de folhas de alface, há magros que se esbaldam no rodízio de pizzas sem engordar meio grama.

Só de respirar fundo, já engordo meio quilo. Se inveja engordar, pode somar mais uns quilos extras aí na minha conta. Engordo de inveja dos que, sem regime, emagrecem mais em dois dias do que a gente em um mês inteiro de penúria e fome.

Sem falar nos odiosos que perdem a fome e definham quando estão com algum problema. Fala sério. Problemas existem para você mergulhar numa panela de brigadeiro e chorar lá dentro! Adoçando sua angústia sem ligar a mínima para que o mundo vai pensar. E, claro, sofrer ainda mais pelos quilos recém adquiridos.

Corpo gordo é feio? Por quê? Para quem? Aos olhos de quem? Nos bons tempos em que éramos moda, fomos musas. Pinturas, escrituras, escritos nos desejavam abertamente. Gorduchas eram vistas como frutas macias e suculentas. Mesmo fora de moda, ainda somos. Não se envergonhem de conferir.

Atração é bicho solto. Não segue regras, nem padrões. Não somos piores! Isso não existe. Merecemos os melhores, tanto quanto nossas amigas magras. Porque vejo o veneno escorrendo de bocas traiçoeiras que comentam pelas costas: -- Ele é muito bonito para ela.

Nossa moça de hoje está triste. Descrente dos homens e do amor. Seu coração GG não tem sido correspondido. Ela está cheia dos que só gostam da cara. Precisa de alguém que lhe goste por inteiro. Não decapitada num rosto bonito. Nem ser amada na promessa de um corpo futuro. Isso não é amor. Seu corpo já está esculpido. À moda antiga, à la Botticceli ou Botero. Uma gorducha sensual, por que não? Inteira e bonita, sim. De rosto, de corpo e de alma. Uma alma que anda murcha querendo uma parceria. E pode encontrar. Claro que pode. Há amor de todos os tamanhos. Só precisa é ficar atenta.

Moça, quem quer  te mudar, não te quer. Se você, um dia, resolver emagrecer, que seja por você. Nunca pelos outros. Gordinhos têm seus fãs também. Abra os olhos, sorria, se ilumine e acredite. Olhe em volta. Há pessoas lindas e magras na mesma busca que a sua. Solidão não sobe em balança. Cabe em qualquer um. Não se deixe encolher pelo preconceito. Forma é questão de gosto. Uns gostam de menores, outros de maiores. Uns de corpos mais angulosos, outros de curvas mais abundantes. Uns de carecas, outros de cabeludos de coque.

Não importa o jeito, peso, tamanho ou circunferência. Importa o sabor. Importa a doçura, a capacidade de encantar e deixar saudade. O que seria da pêra, se todos só gostassem do caqui?

Não se aflija, moça. Sempre há bons sapatos para pés animados. Acredite, há um para o seu número também. Um amor GG. Gorda, linda, amada e feliz. Por que não? Boa sorte.

(Monica Raouf El Bayeh – “Extra”, em 14/05/15)
https://extra.globo.com/mulher/um-dedo-de-prosa/um-amor-gg-gorda-linda-amada-feliz-por-que-nao-16152569.html

01) Copie do texto dois exemplos de opinião e um que corresponda a um fato:

02) Copie do texto seis exemplos de antítese, explicando seu raciocínio:

03) O que o texto critica? Justifique sua resposta:

04) A autora se considera gorda? Comprove sua resposta com uma passagem do texto:

05) Copie do texto uma passagem que comprova que ser gordo ou magro não necessariamente tem a ver com a quantidade de comida que se come, posicionando-se sobre essa questão:

06) Qual a “solução”, para a autora, dos problemas? Você percebeu ironia ou não presente nisso? Comente:

07) Justifique o emprego dos três porquês destacados no texto:

08) Transcreva do texto uma passagem que comprove que as gordinhas já foram associadas à beleza, segundo os padrões da sociedade, posicionando-se sobre isso:

09) Copie do texto um exemplo de vocativo, explicando a importância dele para o contexto:

10) Circule no texto uma palavra incorretamente acentuada, explicando o porquê:


11) Que mensagem o texto em questão lhe transmitiu? Comente: 

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Atividade sobre a música "Loka" - Simone & Simaria


Loka

Cadê você, que ninguém viu? 
Desapareceu, do nada sumiu
Tá por tentando esquecer
O cara safado que te fez sofrer

Cadê você? Onde se escondeu?
Por que sofre se ele não te mereceu?
Insiste em ficar em cima desse muro
Espera a mudança em quem não tem futuro

Deixa esse cara de lado
Você apenas escolheu o cara errado
Sofre no presente por causa do seu passado
Do que adianta chorar pelo leite derramado?

Põe aquela roupa e o batom
Entra no carro, amiga, aumenta o som

E bota uma moda boa
Vamos curtir a noite de patroa
Azarar uns boys, beijar na boca
Aproveitar a noite, ficar louca

Esquece ele e fica louca, louca, louca...

(Simone & Simaria)

01) Observe que, na música, há duas grafias para a palavra "louca". Qual seria a justificativa para isso? Explique seu raciocínio: 

02) A música emprega a linguagem formal ou informal? Justifique sua resposta, incluindo passagens do texto:

03) Qual a importância dos verbos no modo imperativo para o contexto apresentado?

04) Podemos afirmar que há traços do Romantismo, do Realismo ou de ambos no texto? Justifique sua resposta: 

05) A quem a música se dirige? Comente:

06) Que conselhos são dados? O que você pensa sobre eles? 

07) Há algum estrangeirismo no texto? Se sim, qual? O que isso revela?

08) Copie do texto um exemplo de vocativo, explicando o emprego do mesmo: 

09) Qual o significado da palavra em destaque no texto? Você costuma usá-la nesse sentido ou em outro? Qual? Comente:

10) Que mensagem o texto lhe transmitiu?

11) Você agora vai se colocar no lugar de quem recebeu os conselhos dados e, de forma romântica, vai tentar responder a esse recado, sem deixar passar nenhum detalhe: 

12) Diga a que classe gramatical pertence cada palavra destacada no texto:

13) Agora observe a paródia que fizeram em cima do clipe original e diga o que você achou, respondendo, principalmente, qual foi o objetivo dela, se isso foi ou não atingido e se achou engraçada ou ofensiva (justificando seu ponto de vista):


Gorda

Cadê você? Já desistiu?
Na academia, você sumiu.
Tá por aí tentando emagrecer, 
mas não consegue parar de comer.

Cadê você que não emagreceu?
E essa dieta que não procedeu?
Insiste em alimentando esse bucho,
Sai dessa vida que não tem futuro...

Deixa a gordura de lado
Você apenas escolheu o cardápio errado
Buchada de bode, isso é coisa do passado
Acho melhor te aconselhar
Ovo com frango desfiado

Baixe essa bola e mude o tom
Sou uma gordinha charmosa
Igual a Marrom
E me traga a comida boa
Que eu vou viver minha vida de patroa
Porque sou eu que mando na minha boca 
Eu sou feliz assim, eu sou é gooooorda! 

Pois traga essa comida boa
Que ela vive vida de patroa
Pois ela é quem manda na sua boca
Ela é feliz assim sendo gorda! 

Esqueça a dieta e fica gorda! Gorda! Gorda!
A Marília Mendonça também é gorda! Gorda! Gorda! 
Maiara e Maraísa também é gorda! Gorda! Gorda!
A Simone da Simaria também é gorda! Gorda! Gorda!

(Tirulipa)

14) Vale a pena fazer de tudo para ficar magra e corresponder aos padrões de beleza da sociedade, ainda que infeliz? Comente: 

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Atividade sobre a música "Burguesinha" , do Seu Jorge


Burguesinha

Vai no cabeleireiro
No esteticista
Malha o dia inteiro
Pinta de artista

Saca dinheiro
Vai de motorista
Com seu carro esporte
Vai zoar na pista

Final de semana
Na casa de praia
Só gastando grana
Na maior gandaia

Vai pra balada
Dança bate estaca
Com a sua tribo
Até de madrugada

Burguesinha, burguesinha
Burguesinha, burguesinha
Burguesinha
Só no filé
Burguesinha, burguesinha

Burguesinha, burguesinha
Burguesinha
Tem o que quer
Burguesinha, burguesinha

Burguesinha, burguesinha
Burguesinha
Do croissant
Burguesinha, burguesinha

Burguesinha, burguesinha
Burguesinha
Suquinho de maçã

(Seu Jorge)

01) Justifique o título dado à música acima:

02) Baseando-se nas informações dadas pelo texto, utilize seis adjetivos que caracterizam a protagonista: 

03) Tal personagem é retratada de forma pejorativa ou positiva? Por quê? Comprove com passagens do texto:

04) Existe na canção algum exemplo de estrangeirismo? Qual? Por que você acha que ele aparece no texto? Qual a sua aparente função? 

05)  Explique a importância da presença de tantos diminutivos e repetições neste texto: 

06) Qual o sentido da palavra sublinhada na primeira estrofe? Que outra poderia substituir, sem causar prejuízo à frase? 

07) Produza mais duas frases em que a mesma palavra apareça com sentidos diferentes, explicando-os:

08) Diga a que classe gramatical pertence cada um dos sentidos para ela:

09) Que mensagem a música em questão transmite? Comente: 

10) Que crítica social encontra-se presente na canção? Explique: 

11) Como seria a versão masculina equivalente à mulher descrita na música? 

12) Transforme a letra de música em uma HQ, tentando não perder nenhum detalhe: 

segunda-feira, 25 de julho de 2016

Para refletir e debater. a questão dos estereótipos...



"Eu ensinei a todos eles. Lecionei no ginásio durante dez anos. No decorrer desse tempo, dei tarefas a, entre outros, um assassino, um evangelista, um pugilista, um ladrão e um imbecil.
O assassino era um menino tranquilo que se sentava no banco da frente e me olhava com seus olhos azuis-claros; o evangelista era o menino mais popular da escola, liderava as brincadeiras dos jovens; o pugilista ficava perto da janela e, de vez em quando, soltava uma risada rouca que espantava até os gerânios; o ladrão era um jovem alegre com uma canção nos lábios; e o imbecil, um animalzinho de olhos mansos, que procurava as sombras.
O assassino espera a morte na penitenciária do Estado; o evangelista já um ano jaz sepultado no cemitério da aldeia; o pugilista perdeu um olho numa briga em Hong Kong; o ladrão, se ficar na ponta dos pés, pode ver minha casa da janela da cadeia municipal; e o pequeno imbecil, de olhos mansos de outrora, bate a cabeça contra a parede acolchoada do asilo estadual.
Todos esses alunos outrora sentaram-se em minha sala, e me olhavam gravemente por cima de mesas marrons. Eu devo ter sido muito útil para esses alunos – ensinei-lhes o plano rítmico do soneto elisabetano, e como diagramar uma sentença complexa".
(PULLIAS, E. V. & YOUNG,)

01) Após a leitura do texto, faça uma “tempestade de ideias”:
02) Que tema(s) podemos extrair dele?
03) Num primeiro momento, como se espera que seja o comportamento de cada um dos cinco alunos citados no texto?
04) Esse comportamento se confirmou com a leitura do depoimento do professor? Justifique sua resposta:
05) Analise e comente o desfecho de cada um desses cinco personagens citados pelo autor:
06) Você percebe alguma possível IRONIA presente no texto? Se sim, onde? Qual?
07) Que "pistas textuais" indicam essa possível ironia? Sublinhe no texto, se possível:
08) O quer seria um “professor útil”? Até que ponto um professor, por mais bem intencionado que seja, pode alterar o destino de seus alunos?
09) Que mensagem o texto lhe transmitiu? Comente:
10) Dê uma espécie de título ao texto: 
11) Crie um parágrafo dissertativo-argumentativo sobre um dos temas levantados na questão 01 e 02:

segunda-feira, 16 de maio de 2016

Atividade sobre a crônica "O mulherão", de Martha Medeiros


O mulherão

Peça para um homem descrever um mulherão. Ele imediatamente vai falar no tamanho dos seios, na medida da cintura, no volume dos lábios, nas pernas, bumbum e cor dos olhos. Ou vai dizer que mulherão tem que ser loira, 1 metro e 80, siliconada, sorriso colgate. Mulherões, dentro deste conceito, não existem muitas. Agora pergunte para uma mulher o que ela considera um mulherão e você vai descobrir que tem uma em cada esquina. 
Mulherão é aquela que pega dois ônibus para ir para o trabalho e mais dois para voltar, e quando chega em casa encontra um tanque lotado de roupa e uma família morta de fome. Mulherão é aquela que vai de madrugada pra fila garantir matrícula na escola e aquela aposentada que passa horas em pé na fila do banco pra buscar uma pensão de 200 reais. Mulherão é a empresária que administra dezenas de funcionários de segunda a sexta, e uma família todos os dias da semana. Mulherão é quem volta do supermercado segurando várias sacolas depois de ter pesquisado preços e feito malabarismos com o orçamento. Mulherão é aquela que se depila, que passa cremes, que se maquia, que faz dieta, que malha, que usa salto alto, meia-taça, ajeita o cabelo e se perfuma, mesmo sem nenhum convite para ser capa de revista. Mulherão é quem leva os filhos na escola, busca os filhos na escola, leva os filhos pra natação, busca os filhos da natação, leva os filhos pra cama, conta histórias, dá um beijo e apaga a luz. Mulherão é aquela mãe de adolescente que não dorme enquanto ele não chega, e que de manhã bem cedo já está de pé, esquentando o leite. 
Mulherão é quem leciona em troca de um salário mínimo, é quem faz serviços voluntários, é quem colhe uva, é quem opera pacientes, é quem lava roupa pra fora, é quem bota a mesa, cozinha o feijão e à tarde trabalha atrás de um balcão. Mulherão é quem cria filhos sozinha, quem dá expediente de oito horas e enfrenta menopausa, TPM e menstruação. Mulherão é quem arruma os armários, coloca flores nos vasos, fecha a cortina para o sol não desbotar os móveis, mantém a geladeira cheia e os cinzeiros vazios. Mulherão é quem sabe onde cada coisa está, o que cada filho sente e qual o melhor remédio para azia. 
Longa vida às mulheres lindas de morrer, mas mulherão é quem mata um leão por dia. 

(Martha Medeiros)

01) Justifique o título utilizado na crônica:

02) O que significa o aumentativo empregado nele e em todo o texto? Justifique sua resposta: 

03) Qual a diferença básica entre homens e mulheres definirem um "mulherão"? 

04) Copie do texto uma antítese, justificando: 

05) Transcreva uma palavra utilizada com sentido conotativo, explicando: 

06) Copie uma passagem que faz uma crítica à pensão, aproveitando para se posicionar sobre isso: 

07) Copie do texto marcas de oralidade:

08) O que é "matar um leão por dia"? 

09) Que mensagem o texto transmite? Comente: 

10) E qual seria a sua definição de "mulherão"? 

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Atividade sobre o texto "Sereia ou baleia?"

Uma academia de São Paulo colocou um outdoor que dizia o seguinte:

Neste verão, qual é que você vai ser? Sereia ou baleia?

Uma mulher enviou-lhes a sua resposta e distribuiu o seguinte email:
“Ontem vi um outdoor com a foto de uma moça escultural de biquíni e a frase: Neste verão, qual é você vai ser? Sereia ou Baleia?

Respondo:

As Baleias estão sempre cercadas de amigos.

As Baleias têm a vida sexual activa, engravidam e têm filhotes lindos.

As Baleias amamentam.
As Baleias andam por aí a cruzar os mares e a conhecer lugares fixes como a Antárctida e os recifes de coral da Polinésia.
As Baleias tem amigos golfinhos.

As Baleias comem camarão à brava.

As Baleias esguicham água e brincam muito. As Baleias cantam muito bem.

As Baleias são enormes e quase não tem predadores naturais.
As Baleias são bem resolvidas, lindas e amadas.
As Sereias não existem…
Se existissem viveriam em crise existencial: Sou um peixe ou um ser humano? Não têm filhos pois matam os homens que se encantam com a sua beleza.
São lindas mas tristes e sempre solitárias…
Querida academia, prefiro ser baleia!”

(A referida academia retirou o outdoor na mesma semana!)

“Muitas vezes o ser humano importa-se tanto com o exterior de uma pessoa (criticando a gordura) e a posse de bens materiais, e esquece que o mais importante é o interior, os sentimentos daquela pessoa…



Vamos valorizar mais o que somos e não o que os outros visualizam pois cada um sabe como quer estar ou fazer de si…

E só assim seremos felizes.”
(Autor desconhecido)


01) O que você achou da ideia da academia? Justifique sua resposta:

02) Qual a provável intenção de quem a criou? 

03) Como outras pessoas interpretaram tal anúncio? 

04) Como VOCÊ interpretaria, se passasse na rua, e lesse? 

05) O que você achou da resposta que a mulher enviou à academia por e-mail? Ela foi eficaz? Foi coerente? 

06) A academia fez bem em ter retirado o outdoor? Por quê? 

07) O que a academia poderia ter feito, após esse ocorrido? 

08) Que mensagem o texto lhe transmitiu? Comente: 

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Atividade sobre o texto "Tropeções da inteligência", de Rubem Alves


Tropeções da inteligência

Há a história dos dois ursos que caíram numa armadilha e foram levados para um circo. Um deles, com certeza mais inteligente que o outro, aprendeu logo a se equilibrar na bola e a andar no monocilo, o seu retrato começou a aparecer em cartazes e todo o mundo batia palmas: "Como é inteligente!" O outro, burro, ficava amuado num canto e, por mais que o treinador fizesse promessas e ameaças, não dava sinais de entender. Chamaram o psicólogo do circo e o diagnóstico veio rápido: "É inútil insistir. O QI é muito baixo..."
Ficou abandonado num canto, sem retratos e sem aplausos, urso burro, sem serventia... O tempo passou. Veio a crise econômica e o circo foi à falência. Concluíram que a coisa mais caridosa que se poderia fazer aos animais era devolvê-los às florestas de onde haviam sido tirados. E, assim, os dois ursos fizeram a longa viagem de volta. 
Estranho que, em meio à viagem, o urso tido como burro parece ter acordado da letargia, como se ele estivesse reconhecendo lugares velhos, odores familiares, enquanto seu amigo de QI alto brincava com a bola, último presente do circo. Finalmente chegaram e foram soltos. O urso burro sorriu, com aquele sorriso que só os ursos entendem, deu um urro de prazer e abraçou aquele mundo lindo de que nunca se esquecera. O urso inteligente subiu na sua bola e começou o número que sabia tão bem! Era só o que sabia fazer! Foi então que ele entendeu, em meio às memórias de gritos de crianças, cheiro de pipoca, música de banda, saltos de trapezistas e peixes mortos servidos na boca, que há uma inteligência que é boa para circo. O problema é que ela não presta para viver! 

(Rubem Alves)

01) Justifique o título empregado no texto:

02) Podemos afirmar que tal texto é uma fábula? Justifique sua resposta, inclusive com palavras do texto que serviram como "pistas textuais": 

03) Quais são as metáforas utilizadas no texto? Explique da melhor forma possível: 

04) Copie do texto uma passagem carregada de preconceito, justificando seu ponto de vista: 

05) Justifique o emprego das aspas no texto:

06) Transcreva do texto uma antítese, explicando-a:

07) Por que o circo foi à falência? O que isso revela, para o contexto?

08) Explique a passagem destacada no texto:

09) Interprete a parte final do texto, posicionando-se sobre ela:

10) Que mensagem o texto transmitiu? Comente:

11) Com que urso você se identificou mais? Por quê?

12) Qual a diferença entre inteligência e sabedoria? Qual delas você acha mais útil? Por quê?

13) Como o texto aborda a questão dos estereótipos? Como você lida com isso? 

14) Quantas frases compõem o texto? 

15) Divida o texto em períodos e em orações: 

16) Classifique, de forma organizada, todos os períodos do texto, justificando um a um: 

terça-feira, 5 de julho de 2011

Atividade de produção textual: "Fábulas ao contrário"

O objetivo dessa proposta é você trocar o sinal de positivo para o de negativo. Como assim???  Todas as possibilidades que se criaram em torno de histórias tradicionais a gente se aproveita e inverte a situação, dando-nos mais uma possibilidade de invenção. Por exemplo: "Chapeuzinho vermelho é má e o lobo é bom" ou "Branca de Neve encontra num bosque os sete gigantes" ou "Cinderela é tão ruim que leva a sua madrasta ao desespero"... 

Enfim, o aluno deverá escolher alguma fábula ou conto de fadas e inverter a direção!

Quem começa?!? Vamos lá?!?