Mostrando postagens com marcador Canção. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Canção. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 28 de outubro de 2020

Atividade sobre a música "Canção do filme", de Fernanda Takai


Canção do filme 

Quando estou com você eu me transformo, eu não sei 
Se é amor, se foi pancada na cabeça que levei
Quando te vi jamais imaginei o que seria
Na alegria e no calor da sua companhia 
Tudo é melhor, eu descobri o que é amor

Felicidade mora em mim
Se for clichê, que seja enfim
O que importa é estar contigo 

Assim que te beijei, um novo eu apareceu
Já me esqueci de quem eu fui
De quem eu sou, de quem serei
O que importa é que agora somos um ou dois ou três
Na alegria e no calor da sua companhia
Tudo é melhor, eu descobri o que é amor

(Fernanda Takai)

 
01) Justifique o título dado à música:

02) Qual o assunto principal da canção? Justifique sua resposta: 

03) Copie uma passagem do texto que reúne os três tempos verbais: 

04) Explique a importância dos numerais empregados na canção: 

05) Transcreva um exemplo de polissíndeto: 

06) Que mensagem o texto transmite? Comente: 

segunda-feira, 26 de outubro de 2020

Atividade sobre a música "Cariocas", de Adriana Calcanhoto


 Cariocas

Cariocas são bonitos
Cariocas são bacanas
Cariocas são sacanas
Cariocas são dourados
Cariocas são modernos 
Cariocas são espertos
Cariocas são diretos
Cariocas não gostam de dias nublados

Cariocas nascem bambas
Cariocas nascem craques
Cariocas têm sotaque
Cariocas são alegres
Cariocas são atentos
Cariocas são tão sexys
Cariocas são tão chatos
Cariocas não gostam de sinal fechado

(Adriana Calcanhoto)

01) Justifique o título da música: 

02) Quantas vezes aparece no texto a palavra "cariocas"? Por que tanta repetição assim?

03) Circule na canção todos os adjetivos que encontrar: 

04) Predomina no texto características boas ou ruins dos cariocas? 

05) Localize na música a figura de linguagem chamada anáfora e explique sua importância para o contexto: 

06) Que crítica aos cariocas encontra-se diluída no texto? Explique: 

07) Que mensagem a canção transmite? Comente: 

08) Divida toda a letra de música em orações, dizendo quantas você encontrou: 

sábado, 24 de outubro de 2020

Atividade sobre a música "Só tem eu", de Zé Felipe


Só tem eu 

Cê tá achando que vai 
Não vai me esquecer não
Eu ainda
Dentro do seu coração 

Na foto que cê não apagou 
Na legenda que falava de amor 
Escuta seu coração, por favor 

Se não sou eu vai ser quem
O amor teu
você não percebeu 
Que só tem eu! 

Volta, pelo amor de Deus 
Você sabe que eu te amo 
Ninguém te ama mais que eu 
Pode tentar me esquecer 
Mas o teu coração é meu 

Nem o brilho das estrelas, nem a lua, nem o mar
Nada disso se compara ao amor que sei te dar 

(Zé Felipe)


01) Justifique o título dado à música: 

02) Que apelo o eu lírico faz à pessoa amada? 

03) Por que o eu lírico ainda acha que tem chance? O que você pensa a respeito disso? 

04) Copie do texto fortes marcas de oralidade, mencionando que efeito elas derem à canção: 

05) Com que intenção o eu lírico cita os elementos da natureza? 

06) Que mensagem a canção transmite? Comente: 

07) Diga a que classe gramatical pertence cada uma das palavras destacadas na música: 

sexta-feira, 23 de outubro de 2020

Atividade sobre a música "A carne", com Elza Soares


A carne 

A carne mais barata do mercado é a carne negra
A carne mais barata do mercado é a carne negra
A carne mais barata do mercado é a carne negra
A carne mais barata do mercado é a carne negra

Que vai de graça pro presídio 
E para debaixo do plástico 
Que vai de graça pro subemprego
E pros hospitais psiquiátricos 

A carne mais barata do mercado é a carne negra
A carne mais barata do mercado é a carne negra
A carne mais barata do mercado é a carne negra
A carne mais barata do mercado é a carne negra

Que fez e faz história
Segurando esse país no braço
O cabra aqui não se sente revoltado 
Porque o revólver já está engatilhado
E o vingador é lento 
Mas muito bem intencionado
E esse país
Vai deixando todo mundo preto 
E o cabelo esticado 

Mas mesmo assim 
Ainda guardo o direito 
De algum antepassado da cor
Brigar sutilmente por respeito 
Brigar bravamente por respeito 
Brigar por justiça e por respeito 
De algum antepassado da cor 
Brigar, brigar, brigar...

A carne mais barata do mercado é a carne negra
A carne mais barata do mercado é a carne negra
A carne mais barata do mercado é a carne negra
A carne mais barata do mercado é a carne negra

(Seu Jorge, Marcelo Yuca e Wilson Capellete) 

01) Justifique o título dado à música, sugerindo um outro para ela:

02) Por que "a carne mais barata do mercado é a carne negra"? 

03) Que sensação tal afirmação despertou em você? Comente: 

04) Por que razão ela é tão repetida na canção? Qual o objetivo dessa repetição? 

05) Como reverter esse tipo de situação? Levante hipóteses: 

06) O que a segunda estrofe da canção aponta? Explique com suas palavras quais são os caminhos mais comuns para os negros em nossa sociedade: 

07) Copie do texto fortes marcas de oralidade:

08) Que denúncia social é feita nos versos em negrito na música? O que você pensa a respeito disso? 

09) Explique as diferenças existentes nos versos sublinhados no texto: 

10) Que mensagem a canção transmite? Comente:

(Música indicada pela querida amiga de grupo: Dani Belotto)

quarta-feira, 21 de outubro de 2020

Atividade sobre a música "Chegança", de Antônio de Nóbrega


 Chegança

Sou Pataxó,
Sou Xavante e Cariri,
Ianonami, sou Tupi
Guarani, sou Carajá.
Sou Pancaruru,
Carijó, Tupinajé,
Potiguar, sou Caeté,
Ful-ni-o, Tupinambá.

Depois que os mares dividiram os continentes
quis ver terras diferentes.
Eu pensei: "Vou procurar
um mundo novo, 
lá depois do horizonte,
levo a rede balançante
pra no sol me espreguiçar".

Eu atraquei 
num porto muito seguro,
céu azul, paz e ar puro...
Botei as pernas pro ar. 
Logo sonhei 
que estava no paraíso,
onde nem era preciso
dormir para se sonhar. 

Mas de repente 
me acordei com a surpresa:
uma esquadra portuguesa
veio na praia atracar. 
De grande-nau,
um branco de barba escura, 
vestindo uma armadura
me apontou pra me pegar. 

E assustado
dei um pulo da rede, 
pressenti a fome, a sede,
eu pensei: "vão me acabar".
Me levantei de borduna já na mão
Aí senti no coração:
O Brasil vai começar!

(Antônio de Nóbrega) 

01) Justifique o título dado à canção acima:

02) Circule no texto todas as tribos indígenas mencionadas: 

03) Quantas tribos foram circuladas? Qual o efeito dessa enumeração? 

04) Justifique as aspas utilizadas na música: 

05) Copie do texto marcas de oralidade: 

06) A que episódio histórico o texto faz menção? Comprove com uma passagem da música: 

07) Transcreva do texto uma expressão que se refere à chegada dos portugueses: 

08) Explique bem o verso em destaque na canção: 

09) De quem é a "voz" presente no texto? Justifique sua resposta: 

10) Que mensagem a música transmite? Comente: 

11) Localize no texto uma passagem irônica, justificando sua escolha: 

12) Que crítica social há na canção? Explique seu raciocínio: 

13) Que sentimento a música despertou em você? Discorra um pouco sobre ele: 



14) De que forma a tirinha acima dialoga com a canção? Justifique: 

15) Tal tirinha transmite que mensagem? O que você pensa a respeito disso? 

16) Escolha uma das tribos citadas na canção para pesquisar um pouco mais sobre ela: 

quinta-feira, 15 de outubro de 2020

Atividade sobre a música "Anjos da guarda", de Leci Brandão


Anjos da guarda 

Professores, protetores das crianças do meu país
Eu queria, gostaria de um discurso bem mais feliz 
Porque tudo é Educação 
É matéria de todo o tempo

Ensinem a quem sabe de tudo
A entregar o conhecimento 
Ensinem a quem sabe de tudo 
A entregar o conhecimento 

Na sala de aula 
É que se forma um cidadão 
Na sala de aula 
É que se muda uma nação
Na sala de aula 
Não há idade, nem cor
Por isso aceite e respeite 
O meu professor 

Batam palmas pra eles
Batam palmas pra eles
Batam palmas pra eles 
Porque eles merecem 
Batam palmas pra eles
Batam palmas pra eles
Batam palmas pra eles
Porque eles merecem

(Leci Brandão)

01) Justifique o título dado à canção acima:

02) Que "discurso mais feliz" o eu lírico queria? Por que isso não é possível? 

03) Você concorda que "é na sala de aula que se forma um cidadão"? Justifique sua resposta: 

04) Como se consegue "mudar uma nação" através da Educação? Comente: 

05) Você acha que os professores merecem palmas? Por que motivos? Cite-os: 

06) Segundo algumas crenças cristãs, toda pessoa tem um anjo da guarda para protegê-la durante sua vida. De que maneira professores podem ser considerados como anjos da guarda das crianças?

07) A valorização do professor é o primeiro passo para garantir uma educação de qualidade. Você concorda com essa afirmação? 

08) Que valores podem -- e devem -- ser aprendidos na escola? 

09) Qual é o papel da escola na vida dos estudantes? 

10) Quais as situações de desrespeito que muitos professores enfrentam diariamente no exercício de sua profissão?

11) Por que, geralmente, fala-se em Educação pelo lado negativo? 

12) Que mensagem a música transmite? Comente: 

13)  Qual a finalidade dessa canção? Ela foi alcançada? 

14) A falta de valorização do professor faz com que jovens optem por carreiras "mais prestigiadas" e com salários mais atrativos. Na sua opinião, por que isso acontece? 

15) O prestígio da profissão de professor ultrapassa a questão salarial. Que mais falta ao professor para que se sinta valorizado? 

16) Se você pudesse criar uma lei de valorização dos professores, que itens colocaria? 

17) Você tem (ou já teve) professores que foram verdadeiros "anjos da guarda"? Em que situações isso ocorreu? 

(Música indicada pela minha querida amiga Regina Maria
e questões feitas em parceria com a amiga Ana Cristina Pontes)

Atividade sobre a música "Tamo junto (Não desista)", de Carlinhos Brown e Lexa


Tamo junto (Não desista) 

Não abandone o seu futuro
Dê duro, lute por ele 
(Você não tá sozinho)
Não abandone o seu destino
Só o ensino te leva lá
(Você não tá sozinho)
Não abandone você mesmo 
Recarregue pra recomeçar
(Você não tá sozinho)

Agora tá difícil, irmão,
Aprender com escola de mão
Mas vai passar, vai passar
Quem não parar vai chegar lá

Não desista, resista sim
Não desista, desista não
Não desista do seu futuro
Não desista da Educação

Se não dá pra ir pra escola agora
Não deixe a escola ficar longe de você
Ligue, clique, se conecte
Não desista do direito... seu direito de aprender

O mundo parou, parou,
Mas ninguém vai te parar 
Tá chato, tá - tá - tá - tá
Tá dureza, tá - tá- tá - tá
Mas uma certeza, tem - tem - tem - tem
Quem não parar vai chegar lá, meu bem 

Não desista, resista sim
Não desista, desista não
Não desista do seu futuro
Não desista da Educação

(Carlinhos Brown e Sérgio Valente) 

01) Justifique o título dado à canção acima:

02) Quem é o interlocutor? Que palavra traz essa informação? 

03) Transcreva da canção uma passagem que faz menção à pandemia: 

04) Copie da música todos os verbos no modo imperativo, justificando esses empregos: 

05) Que versos se referem diretamente à modalidade do ensino remoto? 

06) Encontre marcas de oralidade nos versos, explicando qual a intencionalidade dessa escolha: 

07) Na terceira estrofe, há palavras que se repetem. Que nome se dá a isso? O que essa repetição representa? 

08) Localize os versos que fazem referência aos meios de comunicação por meio da tecnologia: 

09) Explique os versos destacados na quinta estrofe da canção, dizendo qual é o propósito de tudo isso: 

10) Copie da música um par de antítese: 

11) O texto fez uso da linguagem culta ou coloquial? Por quê? 

12) Circule no texto os vocativos presentes: 

13) Explique o duplo sentido presente na passagem "Recarregue pra recomeçar": 

14) Quando se afirma que "você não tá sozinho", quem está com você quando diz que "tamo junto"? 

15) Que crítica social é feita na música? Justifique sua resposta: 

16) Com a pandemia, a evasão escolar se tornou um assunto urgente. Por quê?

17) Independente de pandemia, a evasão escolar já era um problema frequente? Justifique sua resposta: 

18) O verso "ligue, clique, se conecte" denuncia uma dificuldade enfrentada por muitos estudantes brasileiros. Que dificuldade é esta? Justifique: 

19) Em "Só o ensino te leva ", a que corresponde a palavra destacada? Onde se pode chegar por meio da Educação? 

20) A gente se alimenta de esperança. Que versos comprovam isso? 

21) Você acredita que o mundo e as pessoas serão as mesmas depois de tudo isso passar? Justifique: 

22) "Resistir" e "desistir" podem ser considerados antônimos? Por quê? 

23) Que mensagem a canção transmite? Comente:

24) De acordo com a letra da música, qual a importância do estudo na vida das pessoas? O que você pensa a respeito disso? 

25) A Educação é um direito fundamental de todo indivíduo. Como você pode fazer valer esse direito? 

26) Desistir é abrir mão voluntariamente de algo. Você sentiu vontade de desistir da escola este ano? Em que momento? Por quê? 

27) O que contribui para a desmotivação dos alunos? 

28) Quais são os recursos que deveriam ser mais explorados nesse período de isolamento?

29) A música convoca os estudantes a estudar mesmo remotamente. Você tem conseguido acompanhar as aulas remotas? Como tem sido essa experiência? 

30) Que sentimento a música despertou em você? Justifique sua resposta: 

31) A canção motivou você a prosseguir mesmo diante das dificuldades do ensino remoto? Por quê? 

32) Indiscutivelmente, o saber adquirido na escola pode transformar a sociedade. Você concorda com essa afirmação? Justifique: 

33) Você acha que a letra de música atingiu o objetivo desejado? De que forma ela pode influenciar os alunos? 

34) Elabore cinco frases motivadoras relacionadas ao ensino remoto, a exemplo de "Não desista do seu futuro": 

(Atividade feita em parceria com as queridíssimas amigas 
Ana Cristina Pontes e  Zizi Cassemiro

quarta-feira, 14 de outubro de 2020

Atividade sobre a música "Da laia do lama", de Eliana Printes


 Da laia do lama 

Eu sou da laia, da laia, do lama
Da laia da lama, do lado de cá
Mas tô muito a fim dessa dama
Eu quero o nirvana agora, já

Depois que Deus fez a terra
Esculpiu no barro os ossos de Adão
Retirou a parte mais bela
E fazendo a mulher inventou a paixão
Ao criar tal divisão 
Fez o homem mover a engrenagem da história
Pra curar sua solidão 
E salvar sua Helena de Tróia

Mas se o homem é de barro
Cuidado com o andor
Esse santo não pode quebrar
Já diria o provérbio de raro valor
Quem tem pressa vai devagar

Eu sou da laia, da laia, do lama
Da laia da lama, do lado de cá
Mas tô muito a fim dessa dama
Eu quero o nirvana agora, já

Fui descer ao porão da matéria 
Beliscar alimento pagão
Resolver a humana miséria 
Religar minha religião
Com os pés enterrados na lama 
Busquei claridade na escuridão 
Fiz meu coração em pedaços
Colei os meus cacos e me sinto são 

Porque se o homem é de barro
Cuidado com o andor
Esse santo não pode quebrar
Já diria o provérbio de raro valor
Quem tem pressa vai devagar
Eu sou da laia...

(Eliane Printes)

01) Justifique o título da música acima:

02) O que significa dizer que "alguém (não) é da laia de alguém"?

03) Que trocadilho encontra-se presente na canção? Explique-o: 

04) Explique o verso destacado na primeira estrofe da música: 

05) Retire da canção uma antítese: 

06) Copie do texto fortes marcas de oralidade: 

07) Encontre no texto dois exemplos de intertextualidade, explicando seu raciocínio: 

08) A que provérbio a canção se refere? Qual é o original? Qual o sentido dele? 

09) Existe, no verso destacado na quinta estrofe, uma antítese ou um paradoxo? Por quê? 

10) Explique a diferença entre as conjunções sublinhadas em dois momentos da música: 

11) Que mensagem a canção transmite? Comente: 

sexta-feira, 9 de outubro de 2020

Atividade sobre a "Oração de São Francisco de Assis", com Maria Bethânia

Estava aqui pensando que foram raras as vezes em que abordei o gênero ORAÇÃO aqui no blog e mais ainda em minhas aulas, talvez por medo de polemizar ou de ser mal interpretada, considerando que o Estado é laico. Porém, hoje compartilho aqui uma oração que eu acho linda e tão profunda... e convido cada um a analisá-la como texto, independente de religião e de crenças... Combinado?!? E com a voz da poderosa Maria Bethânia então... "Matou a pau", como diriam meus queridos amigos Eraldo MaiaIgor Ravasco! he he he


 Oração de São Francisco de Assis

Senhor, fazei-me um instrumento de vossa paz 
Onde houver ódio que eu leve o amor
Onde houver ofensa que eu leve o perdão
Onde houver discórdia que eu leve a união
Onde houver dúvida que eu leve a fé
Onde houver erro que eu leve a verdade
Onde houver desespero que eu leve a esperança
Onde houver tristeza que eu leve a alegria
Onde houver trevas que eu leve a luz

Ó Mestre, fazei que eu procure mais 
Consolar que ser consolado
Compreender que ser compreendido 
Amar que ser amado
Pois é dando que se recebe
É perdoando que se é perdoado
E é morrendo que se vive para a vida eterna.


01) Que características são típicas desse gênero textual? 

02) Pode-se afirmar que todo o texto é composto por antíteses? Justifique sua resposta: 

03) Circule no texto os vocativos, dizendo a quem eles se referem: 

04) Que mensagem o texto transmite? Comente: 

05) Qual a finalidade desse gênero textual? 

06) De que verso você mais gostou? Por quê? 

07) Você acha que é fácil ou difícil ser um instrumento de paz? Justifique sua resposta: 

08) O que a segunda estrofe do texto revela? Explique: 

09) Posicione-se sobre a passagem destacada na oração, argumentando bem: 

10) Existe alguma contradição no último verso presente no texto? Por quê? 

11) Pesquise sobre a vida de São Francisco de Assis:

Atividade sobre a música "Milagreiro", com Cássia Eller e Djavan


Milagreiro

Agora vamos ter os girassóis do fim do ano
E o calor vem desumano
Tudo irá se expandir
Crescer com as águas
Quiçá, amores nos corações

E um santeiro, milagreiro
Prevê a dor
De terceiros
E diz que a vida
É feita de ilusão

E um santeiro, milagreiro
Prevê a dor
De terceiros
E diz que a vida
É feita de ilusão

Aquela que um dia o fez sonhar
Se foi com o outro
No dia em que os dois
Se casariam por amor
Ele aluou

Hoje o seu pesar
Cintila nos varais
Usou as sete vidas
E não foi feliz jamais

Toda a imensidão
Passou pela vida
E foi cair na solidão

Mais um santo para esculpir é o que lhe vale
Pra evitar que o rancor suas ervas espalhe

(Djavan)

01) Justifique o título dado à música:

02) O que aconteceu com o eu lírico? 

03) Que papel tem os girassóis para o contexto? 

04) Qual é a esperança do eu lírico? Comprove com uma passagem do texto:

05) O que significa o verbo "aluou"? 

06) Explique o trecho "Usou as sete vidas": 

07) Você concorda que "a vida é feita de ilusão"? Justifique sua resposta: 

08) Que mensagem a canção transmite? Comente:

09) Diga a que classe gramatical pertence cada palavra sublinhada no texto:

quinta-feira, 8 de outubro de 2020

Atividade sobre a música "Norte Nordeste Me Veste", de RAPadura


Norte Nordeste Me Veste

[O nordeste é poesia
Deus quando fez o mundo 
Fez tudo com primazia
Formando o céu e a terra
Cobertos com fantasia
Para o sul deu a riqueza
Para o planalto a beleza
E ao nordeste a poesia]

Rasgo de leste a oeste como peste do sul ao sudeste
Sou rap agreste norte-nordeste epiderme veste
Arranco roupas das verdades poucas das imagens foscas
Partindo pratos e bocas com tapas mato essas moscas
Toma! Eu meto lacres com backs derramo frases, ataques
Atiro charques nas bases dos meus sotaques
Oxe! Querem entupir nossos fones a repetirem nomes
Reproduzindo seus clones se afastem dos microfones
Trazem um nível baixo, para singles fracos, astros de cadastros
Não sigo seus rastros, negados padrastos
Cidade negada como madrasta, enteados já não arrasta
Esses órfãos com precatas, basta! Ninguém mais empata
Meto meu chapéu de palha, sigo pra batalha
Com força agarro a enxada se crava em minhas mortalhas
Tive que correr mais que vocês pra alcançar minha vez
Garra com nitidez, rigidez me fez monstro camponês
Exerce influência, tendência, em vivência em crenças destinos
Se assumam são clandestinos, se negam não nordestinos
Vergonha do que são, produção sem expressão própria
Se afastem da criação, morrerão porque são cópias
Não vejo cabra da peste, só carioca e paulista
Só frestyleiro em nordeste não querem ser repentistas
Rejeitam xilogravura , o cordel que é literatura
Quem não tem cultura  jamais vai saber o que é rapadura.
Foram nossas mãos que levantaram os concretos os prédios
Os tetos os manifestos, não quero mais intermédios
Eu quero acesso direto às rádios palcos abertos
Inovar em projetos protestos arremesso fetos
Escuta! A cidade só existe porque viemos antes
Na dor desses retirantes com suor e sangue imigrante
Rapadura eu venho do engenho rasgo os canaviais
Meto o norte nordeste o povo no topo dos festivais, toma! 

Êha! ei! Nortista, agarra essa causa que trouxeste
Nordestino, agarra a cultura que te veste
Eu digo norte, vocês dizem nordeste:
norte nordeste, norte nordeste 

Minhas irmãs, meus irmãos, se assumam como realmente são
Não deixem que suas matrizes, que suas raízes morram por falta de irrigação
Ser nortista & nordestino, meus conterrâneos, num é ser seco nem litorâneo
É ter em nossas mãos um destino nunca clandestino para os desfechos metropolitanos
Devasto as galerias tão frias cuspo grafias em vias
Espalho crias nas linhas trilhas discografias
Arrasto Ips's, ep's, cds, dvds
Cachês, clichês, surdez, vocês? Não desta vez! 
Esmago boicotes com estrofes em portes cortes nos flogs
Poetas pobres em montes dão choques em hip hop
Versos ferozes em vozes dão mortes aos tops blogs
Repente forte do norte sacode em trotes galopes
Meto o fita embolada do engenho em bilhetes de states
Dou breaks em fakes enfeites cacete nas mixes tapes
Bloqueio esses eixos os deixo sem alimentação
Alheios fazem feio nos meios de comunicação
Essas rádios que não divulgam os trabalhos criados em nossos estados
Ouvintes abitolados é o que produz
Contratos que pagam eventos forçados com pratos sobre enlatados
Plágios sairão entalados com esse cuscuz
Ao extremo venho ao terreno me empenho em trampo agrônomo
Espremo tudo que tenho do engenho a um campo autônomo
Juntos fazemos demos oxigênios anônimos
E não gêmeos fenômenos homogêneos homônimos
Caros exteriores agrários são os criadores
Diários com seus labores contrários a importação
São raros nossos autores amparo para agricultores
Calcários pra pensadores preparo pra incitação
Sou coco e faço cocado embolada bolo na hora
Minha fala é a bala de agora é de aurora e de alvorada
Cortando o céu da estrada do nada eu faço de tudo 
Com a enxada aro esse mundo e no estudo faço morada
Sou doce lá dos engenhos e venho com essa doçura
Contenho poesia pura, a fartura de rima tenho
Desenho nossa cultura por cima e não por de baixo
Não sabe o que é cabra macho? Me apresento Rapadura
Espanco suas calças largas com vagas para calouros 
Estranha o som do Gonzaga, a minha sandália de couro
Que esmaga cigarras besouros mata nos criadouros
Meu povo o maior tesouro amor regional duradouro
Recito os ribeirinhos o mara - baixo em vivência 
Um morte com essência não enxerga essa concorrência
São tão iguais ouvi vários e achei que era só um
Se no nordeste num tem grupo bom
Não tem em lugar nenhum, toma!

Êha! ei! Nortista, agarra essa causa que trouxeste
Nordestino, agarra a cultura que te veste
Eu digo norte, vocês dizem nordeste:
norte nordeste, norte nordeste 

[O nordeste é poesia
Tocou a mãe natureza
Com toda filosofia
Fez o sol e a lua
O sol quente a lua fria 
Para o sul deu fartura 
Para o centro, agricultura
Pro nordeste, a poesia]

(Francisco Igor Almeida dos Santos / RAPadura XC)


01) Justifique o título dado à canção acima:

02) Ela se inicia com a declamação de uma poesia na voz de Patativa do Assaré , cantor e poeta nordestino. Segundo ele, o que Deus ofertou ao Nordeste quando criou o mundo? Você concorda com ele? Por quê? 

03) Que comparação logo é feita no começo da música? Com que intenção? 

04) O eu lírico se mostra indignado com uma dada situação e tal fato é marcado pelo uso de uma interjeição.  Que situação é essa? E qual é a interjeição? 

05) Por que o eu lírico se sente assim? Explique: 

06) Explique a escolha do verbo sublinhado no primeiro verso da canção: 

07) É evidente que a cultura do Norte e do Nordeste é valorizada na música. Nela existe uma simples simpatia ou uma identificação por parte do eu lírico? Comprove com passagens do texto: 

08) Há uma espécie de conflito entre o eu lírico e os interlocutores que não valorizam, não incentivam e não divulgam a produção cultural nordestina. Quem são esses interlocutores? Localize passagens do texto em que há essa opressão: 

09) Qual a mensagem do rapper aos nortistas e aos nordestinos? Em que parte do texto ela se encontra mais fortemente? 

10) Circule no texto dois exemplos de vocativo, revelando sua importância: 

11) Que verbos no modo imperativo o eu lírico usa para dar o seu recado? 

12) Explique a importância do verso destacado no texto: 

13) O eu lírico propõe um resgate cultural. Como isso é possível? 

14) Além da rapadura, que outros produtos ligados ao Norte e ao Nordeste você conhece? 

15) Transcreva da canção dois pares de antítese: 

16) "Cabra da peste" e "cabra macho" são expressões comumente usadas em tais regiões. Que outras você conhece? Cite-as: 

17) Que características do Modernismo brasileiro encontram-se no texto? Explique: 

18) Explique a importância da sonoridade presente no verso em destaque na segunda parte da música: 

19) Por que você acha que a canção trouxe tantos estrangeirismos? 

20) Que mensagem a música transmite? Comente: 

21) Por que se escolheu também terminar o rap com trechos de Patativa do Assaré? 


(Música indicada pela querida Dani Bertollo e atividade feita em parceria
com as amigas Maria Aparecida e Marisa Silveira)

segunda-feira, 5 de outubro de 2020

Atividade sobre a música "Quase nada", do Zeca Baleiro


Quase nada 

De você sei quase nada
Pra onde vai ou por que veio
Nem mesmo sei 
Qual é a parte da tua estrada
No meu caminho

Será um atalho ou um desvio?
Um rio raso
Um passo em falso
Um prato fundo
Pra toda fome
Que há no mundo 

Noite alta que revele 
O passeio pela pele
Dia claro, madrugada de nós dois
Não sei mais nada

(De você sei quase nada...)

Se tudo passa como se explica
O amor que fica nessa parada
Amor que chega sem dar aviso
Não é preciso saber mais nada 

(Zeca Baleiro)


01) Justifique o título dado à música: 

02) Explique o verso destacado no texto, dizendo que figura de linguagem existe nele: 

03) Copie da canção dois pares de antítese, explicando seu raciocínio: 

04) O que seria a pessoa ser um atalho? E um desvio? 

05) Transcreva da música marcas de oralidade: 

06) Que mensagem a canção transmite? Comente: 

07) É bom ou ruim não se saber quase nada de alguém? Justifique sua resposta: 

08) De que verso você mais gostou? Por quê? 

09) Diga a que classe gramatical pertence cada palavra sublinhada na música: 

Atividade sobre a música "Tiro certo", de Zé Felipe


 Tiro certo

Amar não tava nos meus planos
Não tava procurando, mas eu encontrei 
Agora tô aqui falando 
Foi o erro mais lindo que eu acertei

Você virou o meu mundo de ponta cabeça
Se um dia do amor duvidei, hoje eu tenho certeza

Tiro certo bem na mosca
Eu nem mirei quando acertei sua boca
Tiro certo bem na mosca
Era pra ser só uma noite, eu acertei
Tiro certo bem na mosca
Eu nem mirei quando acertei sua boca
Tiro certo bem na mosca
Era pra ser só uma noite, eu acertei

Ai ai ai ai ai ai
Era pra ser só uma noite
Eu acertei e foi uma vida toda

(Zé Felipe) 

01) Justifique o título dado à música acima:

02) Há alguma contradição no verso destacado na canção? Justifique sua resposta: 

03) O que significa a expressão "bem na mosca"? Ela se encontra no sentido denotativo ou conotativo? Por quê? 

04) Copie do texto exemplos de oralidade: 

05) O que aconteceu de forma inesperada na vida do eu lírico? 

06) Ele, afinal, gostou ou não desse fato? Por quê? 

07) Que mensagem a canção transmite? Comente: 

quinta-feira, 1 de outubro de 2020

Atividade sobre a música "Na minha história Rapunzel tem dread", de MC Soffia


Minha Rapunzel tem dread

Num conto de fadas a Rapunzel joga suas tranças
Na minha história, ela tem dread e é africana
Agora vou contar o meu conto para vocês
Como todas as histórias começa com "era uma vez"

Era uma vez uma princesa rastafari que nasceu no reino de Sabá
Na minha história quem disse que a bruxa é ?
Meninas unidas pode tudo mudar. 

Aqui inimiga não vai rolar
Ah, é, não vai rolar
Aqui inimiga não vai rolar

Na minha história a Rapunzel tem dread
Ela é negra e é rastafari 
Não precisa de um príncipe pra se salvar
Ela é empoderada e pode tudo conquistar

O seu cabelo dread tinha força e poder
Sua beleza africana não tinha o que dizer
Essa história eu inventei porque não vi princesa assim
Só me mostraram uma, aí isso não dá pra mim

Princesa Etiópia, esse nome eu batizei
País que desfruta tudo que eu pesquisei 
Estou muito feliz de ver a história acontecer
Crie uma princesa que pareça com você 

Crie uma princesa que pareça com você
Crie uma princesa que pareça com você

Aqui inimiga não vai rolar
Ah, é, não vai rolar
Aqui inimiga não vai rolar

(MC Soffia) 

01) Justifique o título dado à canção acima: 

02) Com que história famosa a música em questão dialoga? 

03) O que ela tem de diferente da tradicional? Por quê? 

04) Qual foi a única coisa que a autora manteve da história tradicional? 

05) Copie do texto o que seria um grave desvio para a norma culta, explicando bem: 

06) Transcreva do texto uma antítese, justificando sua escolha: 

07) Localize na canção fortes marcas de oralidade: 

08) O que representa o verso destacado no texto? 

09) Por que houve necessidade de se recorrer à invenção dessa história?

10) Qual a importância dos dreads para o contexto e caracterização da princesa? 

11) Que palavras do campo semântico das histórias tradicionais são mantidas no rap? 

12) Que dois tipos de preconceitos muito comuns em nossa sociedade são combatidos na música? Comprove com passagens do texto: 

13) Explique a escolha dos nomes Etiópia e Sabá para o contexto: 

14) Copie da canção um trecho que comprova a importância da chamada SORORIDADE:  

15) Que conselho é dado na música? A quem? Por quê? 

16) Transcreva da canção uma passagem que revela a importância da identificação, da representatividade na vida das pessoas: 

17) Justifique a importância da segunda passagem destacada no texto: 

18) Por que na nova história a bruxa não é má? Levante hipóteses: 

19) Qual foi provavelmente a princesa que mostraram à autora? Qual foi o problema? 

20) Que mensagem a música transmite? Comente: 

21) Que crítica social aparece fortemente na canção? Explique: 

22) Diga a que classe gramatical pertence cada uma das palavras sublinhadas no texto: 

terça-feira, 29 de setembro de 2020

Atividade sobre a música "Não esqueça", de Fernanda Takai


Não esqueça 

Eu te digo, minha filha,
Não esqueça de sempre sorrir
Não esqueça de ligar pra mim
Se por acaso conseguir
Não esqueça que é tudo ilusão
Não esqueça de lavar as mãos

Eu te digo, minha filha,
Não esqueça de se apaixonar
Não esqueça de ligar pra mim
Dizer a que horas vai voltar

Eu te digo, minha filha,
Não esqueça do que você quer 
Não esqueça de querer aquilo
Que vai te fazer feliz

Não esqueça que a vida é pra viver
Lembre sem medo de esquecer
Não espere saber como vai ser
Saiba que nunca vai saber

Não esqueça que a vida é pra viver
Lembre sem medo de esquecer
Não espere saber como vai ser
Saiba que nunca vai saber 

Não esqueça que é tudo ilusão
Não esqueça de lavar as mãos

(Fernanda Takai)


01) Justifique o título dado à música:

02) Que conselho você achou mais importante? Por quê? 

03) Que conselho parece ser repetido? O que isso revela? 

04) Explique o verso destacado no texto: 

05) Circule na música um vocativo: 

06) Qual é a mensagem transmitida pela canção? Comente:

07) Que verso mais dialoga com o momento de isolamento e de pandemia que estamos vivendo? 

08) Diga a que classe gramatical pertence cada palavra destacada no texto: 

domingo, 27 de setembro de 2020

Atividade sobre a música "Bolacha de água e sal", de Paulo Tatit


Bolacha de água e sal 

Gosto quando vou brincar na rua
Gosto quando encontro meu amigo 
Gosto quando a mãe do meu amigo 
Me oferece uma bolacha
De água e sal 

Gosto de bolacha sem açúcar
Gosto de bolacha sem recheio
Gosto de bolacha sem perfume
Gosto do que é normal 
Uma bolacha de água e sal
 
É... uma coisa natural 
É... barata e não faz mal 
De qualquer marca
É tudo igual 

Quando a gente está meio enjoado
Quando a gente está passando mal 
Quando a gente fica aperreado 
Bolacha de água e sal 

Quando a minha avó era criança 
Quando a vida era sempre igual 
Lá na roça acordavam cedo
Pra comer bolacha de água e sal 

Quando o meu avô era criança 
Veio num navio de Portugal 
A viagem ficou na lembrança
Só comiam bolacha de água e sal 

O meu gosto é radical 
Gosto porque é fundamental 
Farinha, fermento, água e sal 
Simplicidade, no trivial

Se um dia você for lá em casa
Pra brincar comigo no quintal
Vamos combinar um pic nic 
Pra comer bolacha 
De água e sal 

(Paulo Tatit)

01) Justifique o título dado à música:

02) O eu lírico é adulto ou criança? Comprove com uma passagem do texto: 

03) Por que o eu lírico chama de "normal" a bolacha de água e sal? O que você pensa a respeito disso?

04) Você concorda que esse tipo de bolacha é tudo igual? Justifique sua resposta: 

05) Quando o eu lírico prefere bolachas de água e sal? E você? 

06) Qual a provável intenção de se citar o avó e a avó? 

07) Que mensagem a canção transmite? Comente:

08) Qual a intenção do eu lírico com essa música? Ela foi alcançada? 

segunda-feira, 21 de setembro de 2020

Atividade sobre a música "Uai", de Marcelo Costa


Uai

Sou brasileiro que nasceu na roça
Num lar modesto, mas de muito amor 
E não me zango quando fazem troça
Com meu sotaque do interior 

A vida toda vou falar uai, uai!
A vida toda vou falar ocê 
Assim falava o meu avô, meu pai
Sou caipira, logo já se vê 

Ai que saudade do meu tempo de criança 
Correndo pelo pasto pra pegar a esperança 
Com um cabestro eu armava um barbicacho,
Depois montava a pelo
Cavalgava pro riacho

Aí então eu voltava pro arraial
Empinava a esperança pra mostrar que era o tal
Maria Rosa, a menina que eu gostava,
Sorrindo toda prosa da janela me acenava

A vida toda vou falar uai, uai!
A vida toda vou falar ocê 
Assim falava o meu avô, meu pai
Sou caipira, logo já se vê 

Vim pra cidade, trabalhei e estudei 
E por isso atualmente já me chamam de doutor
Mas o sotaque que eu sempre carreguei
Não deixa enganar: eu vim do interior 

Mas não faz mal, só assim eu sou matuto
Meu ocê não é fajuto, sai assim ao natural
E se me espanto meu sotaque logo trai 
Pois surpreso, do meu canto, sem querer eu digo uai 

(Marcelo Costa) 

01) Justifique o título da canção:

02) Qual é o tema abordado na música? Justifique sua resposta: 

03) Você já ouviu falar na expressão "fazer troça"? O que ela significa? 

04) Observe o verso destacado no refrão e diga se a palavra UAI pertence ou não à mesma classe gramatical, explicando bem: 

05) Copie do texto fortes marcas de oralidade: 

06) Tem valor polisssêmico o verso em destaque na terceira estrofe?  Se sim, que palavra é responsável por isso? 

07) Que crítica encontra-se embutida no verso destacado na última estrofe? Comente: 

08) Transcreva da canção passagens que comprovem o orgulho do eu lírico em ser do interior: 

09) Localize no texto exemplos de regionalismos: 

10) Por que a infância foi tão significativa para o eu lírico? 

11) Que recordações dessa fase ele mais tem saudade?

12) Se a música estivesse em linguagem culta causaria a mesma receptividade no leitor? Justifique:

13) Copie do texto uma passagem que indica uma desilusão amorosa: 

14) Que mensagem a música transmite? Comente:

15) Por que é tão comum "implicarem" com o sotaque do interior? Levante hipóteses: 

16) Existe algum desvio gramatical no texto? Justifique sua resposta: 

17) Essa música configura um bom exemplo de variação linguística? Por quê? 

(Atividade feita em parceria com a querida amiga Zizi Cassemiro)

terça-feira, 15 de setembro de 2020

Atividade sobre a música "Farol", de Vitor Kley



Farol

O mesmo céu que chove é o mesmo céu que faz sol
Quando a escuridão vier te abraçar, encontre o seu farol

E você é o meu, ô ô ô ô ô
E você é o meu, ô ô ô ô ô

Quando a solidão for te encontrar
Crie asas e comece a voar
Temos o mundo inteiro a descobrir
Sei que é difícil de entender
Mas a vida é feita para se viver
Abra um sorriso e faça alguém sorrir

O mesmo céu que chove é o mesmo céu que faz sol
Quando a escuridão vier te abraçar, encontre o seu farol

E você é o meu, ô ô ô ô ô
E você é o meu, ô ô ô ô ô
E você é o meu! 

(Vitor Kley) 

01) Justifique o título dado à canção acima:

02) A palavra FAROL encontra-se com sentido denotativo ou conotativo? Justifique sua resposta

03) O primeiro verso contém uma contradição. Trata-se, portanto, de uma antítese ou de um paradoxo? Por quê?

04) Com que intenção tal figura de linguagem foi empregada? 

05) Copie do texto uma expressão usada com sentido conotativo, explicando:

06) Por que um farol pode ser um símbolo importante para o contexto?

07) O que seria uma pessoa ser um farol para outra?

08) Baseando-se na afirmação acima, quem seriam os seus faróis?

09) Que mensagem a música transmite? Comente:

10) O que você acha mais importante: sorrir ou fazer alguém sorrir? Justifique sua resposta:

11) Associe a canção ao "Setembro Amarelo": 

(Atividade feita em parceria com a colega de grupo: Márcia Lacerda)

segunda-feira, 14 de setembro de 2020

Atividade sobre a música "Agradece", de Marina Peralta


Agradece

Só agradece a esse dia que foi dado 
Agradece à natureza e o cuidado 
Agradece: novo dia, nova chance de recomeçar

Graças te damos pela vida
Pela oportunidade de cantar e ser ouvida
Graças te damos pelo amor
Esperança que inspira, luta contra o opressor

Amarelou, oi, janela abriu e o sol entrou
Trazendo vida, inspiração, luz que foi Jah Jah que mandou
Ingratidão, desenvolve a missão
Dá de cara com o sistema que te julga, não te dá opção

Não tem progresso sem acesso
Pense no gueto e é isso que eu te peço
A quebrada produz, e é de qualidade
Em agradecimento faz a arte da realidade

Damos graças e louvores
Agradecemos, independente das dores

Só agradece a esse dia que foi dado 
Agradece à natureza e o cuidado 
Agradece: novo dia, nova chance de recomeçar

(Marina Peralta)

01) Justifique o título dado à canção acima:

02) O que significa a expressão "Amarelou"? Costuma ser algo positivo ou negativo?

03) A que sistema a música se refere? Que julgamentos ele faz?

04) Copie do texto fortes marcas de oralidade:

05) O que significa "desenvolve a missão"?

06) O que se pode entender por "quebrada", no contexto?

07) Quem seria o "opressor" mencionado na letra de música?

08) Que mensagem a música transmite? Comente:

09) Você se considera uma pessoa grata? Justifique sua resposta:

10) Pelo que você costuma agradecer diariamente?

11) Diga a que classe gramatical pertence cada uma das palavras destacadas na canção:


12) Copie da tirinha acima uma interjeição, dizendo o que ela expressa:

13) Onde está faltando uma vírgula na tirinha? Por quê?

14) Você acha que é possível aprendermos a agradecer até por aquilo que não parece ser para o nosso bem? Justifique sua resposta: 



15) Que mensagem a imagem acima transmite? Comente:

16) Você já se sentiu assim como a pessoa presente nela? Por quê?

17) Qual a solução para evitarmos esse tipo de pensamento limitante?

18) Considerando a pandemia e o isolamento, que motivos você tem para agradecer por esses momentos tão atípicos? Enumere-os: 


19) Você acha que o menino acima tem mesmo motivo para ser grato? Por quê?

20) Que mensagem a charge transmite? Comente:

sábado, 12 de setembro de 2020

Atividade sobre a música "Brasil com P", de GOG


Brasil com P 

Pesquisa publicada prova
Preferencialmente preto
Pobre prostituta pra polícia prender
Pare, pense: por quê?
Prossigo
Pelas periferias praticam perversidades parceiros
PM,s
Pelos palanques políticos prometem prometem
Pura palhaçada
Proveito próprio
Praias programas piscinas palmas
Pra periferia
Pânico pólvora pa pa pa 
Primeira página
Preço pago
Pescoço peitos pulmões perfurados
Parece pouco
Pedro Paulo
Profissão pedreiro
Passatempo predileto: pandeiro
Pandeiro parceiro
Preso portando pó passou pelos piores pesadelos
Presídio porões problemas pessoais
Psicológicos perdeu parceiro passado presente
Pais parentes principais pertences
PC
Político privilegiado preso
Parecia piada
Pagou propina pro plantão policial
Passou pela porta principal
Posso parecer psicopata
Pivô pra perseguição
Prevejo populares portando pistolas
Pronunciando palavrões
Promotores públicos pedindo prisões
Pecado! 
Pena prisão perpétua
Palavras pronunciadas
Pelo poeta Periferia
Pelo presente pronunciamento pedimos punição para peixes pequenos poderosos
Pesos pesados
Pedimos principalmente paixão pela pátria prostituída pelos portugueses
Prevenimos! 
Posição parcial poderá provocar
Protesto paralisações piquetes
Pressão popular
Preocupados?
Promovemos passeatas pacíficas
Palestra panfletamos
Passamos perseguições
Perigos por praças palcos
Protestávamos por que privatizaram portos pedágios
Proibido! 
Policiais petulantes pressionavam
Pancadas pauladas pontapés
Pangarés pisoteando postulavam prêmios 
Pura pilantragem! 
Padres pastores promoveram procissões pedindo piedade paciência pra população 
Parábolas profecias prometiam pétalas paraíso
Predominou predador
Paramos pensamos profundamente 
Por que pobre pesa plástico papel papelão pelo pingado pela passagem pelo pão?
Por que proliferam pragas pelo país? 
Por que presidente, por quê?
Predominou predador. 
Por quê? 

(GOG)

01) Justifique o título dado ao poema acima:

02) De que maneira ele foi construído? O que achou desse método?

03) Sobre o que fala o poema? O que você pensa a respeito disso?

04) Que pesquisa publicada foi essa, mencionada na canção?

05) Quem são os alvos preferidos dos policiais? O que isso revela?

06) Que tipo de sentimento o eu lírico sente com relação aos PM's? Por quê?

07) Ao generalizar alguns grupos, como, por exemplo, os PM's, também não é discriminar? Justifique sua resposta: 

08) Justifique o emprego dos porquês destacados no final do texto:

09) O que os políticos prometem? São atitudes comuns? Comprove com uma passagem do texto:

10) Copie do texto uma onomatopeia, dizendo a que ela se refere:

11) Circule no poema um vocativo, explicando por que foi mais difícil reconhecê-lo:

12) O que quer dizer quando se afirma que para a periferia resta a primeira página?

13) A que fato histórico se faz menção no texto? Comprove com uma passagem do mesmo:

14) Transcreva do texto marcas de oralidade:

15) O que aconteceu com Pedro Paulo? Você acha que ele existe ou é uma figura inventada?

16) Um político e um pedreiro são presos. Quais as diferenças narradas no desenrolar das duas histórias? 

17) Quem é o "Poeta Periferia"? Ele existe? 

18) Quem é o PC? Ele existe ou foi inventado? 

19) O que quer dizer quando se pede punição para peixes pequenos e poderosos pesos pesados? Qual a sua opinião sobre isso? 

20) O que significa, nesse caso, "posição parcial"? 

21) Você sentiu falta de algumas pontuações? Comente, dizendo como você pontuaria:

22) Localize no poema uma passagem que remete à violência:

23) Há alguma crítica quanto à religião no texto? Justifique sua resposta:

24) Quais são as formas de protesto adotados pelo povo mencionadas na música?

25) Há uma ironia aos PM's? Comprove com uma passagem do texto:

26) O que significa o verso "Predominou predador"?

27) Existem desvios gramaticais no rap? Explique bem:

28) Que mensagem o texto transmite? Comente:

29) O que o rap denuncia? Justifique sua resposta, com algumas passagens do texto:

30) Por que esse texto lembra o Modernismo? Explique bem:

31) Produza um texto semelhante ao analisado, escolhendo uma outra letra qualquer: