terça-feira, 27 de novembro de 2018

Atividade sobre o artigo científico "Exercícios intensos são mais eficazes na perda de medidas", de Paula Perdiz

Exercícios intensos são mais eficazes na perda de medidas

Todo mundo que deseja reduzir as medidas sabe que o segredo do sucesso está em gastar mais energia do que se consome, mas será que resolver essa equação é tão simples como parece? Apesar de parecer que não, pode respirar aliviado porque a resposta é sim, e o melhor: para perder peso de maneira eficaz não é preciso malhar durante horas infindáveis. De acordo com um estudo do Colégio Americano de Medicina do Esporte, não é só a genética e a dieta alimentar que influenciam no emagrecimento, mas a intensidade com que se pratica o treino também traz efeitos incríveis para o corpo. 
Para demonstrar que a intensidade supera a duração do exercício em relação à perda de peso, os pesquisadores avaliaram três grupos de mulheres com obesidade abdominal que, divididos aleatoriamente, praticaram algum tipo de treino aeróbico como caminhada ou corrida ao longo das 16 semanas. O primeiro grupo se exercitou cinco vezes por semana, com intensidade moderada, por aproximadamente 1 hora. O segundo grupo se exercitou intensamente três vezes por semana, durante menos tempo. O terceiro grupo não praticou nenhum exercício. No final, o resultado apontou que o grupo que havia praticado exercícios mais intensos tinha perdido muito mais "barriga" do que as que fizeram moderados pelo dobro do tempo. 
Essa questão ainda ajuda a entender por que tanta gente malha, malha e não consegue emagrecer. Outro  ponto abordado é o tipo de exercício praticado. Para o gasto calórico ocorrer de forma eficiente, é preciso investir em exercícios aeróbicos como a corrida / caminhada, pedalada ou natação, uma vez que eles aumentam o uso de oxigênio na produção de energia. No entanto, de nada vai adiantar você se matar na academia até atingir o seu objetivo e depois desistir dos treinos, afinal, o que vai garantir a transformação no seu corpo é a frequência com que você continuará praticando os exercícios de maior intensidade.
Segundo Arthur Weltman, um dos responsáveis pelo estudo, a explicação para o efeito emagrecedor do exercício curto e intenso está no período de recuperação, já que o hormônio de crescimento estimula a queima de gordura durante o esforço físico. "Não devemos levar em conta apenas as calorias efetivamente gastas durante o exercício", explica o pesquisador, que completa: "Quando o exercício é intenso, o corpo precisa de muitas calorias para se recuperar. É nesse momento de recuperação que ele queima mais gordura". Ou seja, quanto mais intenso o exercício, mais hormônio do crescimento é liberado. 
Gostou da ideia de não ter que se matar uma hora na esteira e mais uma hora na sala de ginástica, mas não sabe bem ao certo quais os exercícios que possuem alta intensidade? Se levarmos a pesquisa à risca, os circuitos são os exercícios mais indicados. Porém, o spinning, a natação e a própria musculação, se praticadas com intervalos curtíssimos entre as séries, também podem trazer resultados bem parecidos. 
(Paula Perdiz)

01) Segundo o texto, qual é a maneira mais eficaz de emagrecer? O que você pensa com relação a isso? 

02) O que influencia o emagrecimento? 

03) Em que tal pesquisa foi baseada? Comente: 

04) O que a repetição do verbo "malha" sugere? 

05) Copie do texto uma antítese, explicando seu raciocínio: 

06) Por que os exercícios aeróbicos 

07) Localize no texto uma palavra empregada no sentido conotativo, explicando sua escolha: 

08) Que palavra aparece em itálico no texto? Por quê? 

domingo, 25 de novembro de 2018

Atividade sobre o cordel "Viver é um desafio", de Nilo Cordel

Viver é um desafio

Viver é um desafio
Desafiar é viver
Por isso eu vou vivendo
Sempre buscando aprender
Para não ser devorado
Pela falta de saber.

Se posso dou um sorriso
Se não posso, um lamento
Mas não fico esperando
Sonhando sou avarento
E busco sonhar meus sonhos
Até no sopro do vento.

Nas gotas fracas da chuva
Que a  terra vai borrifando
E faz levantar o cheiro
De chuva que vou cheirando
Eu sonho dias melhores
E levo a vida cantando.

(Nildo Cordel)

01) Determine o número de versos e de estrofes do texto acima:

02) Encontre no texto três pares de rima:

03) Por que podemos afirmar que o texto lido pertence ao gênero lírico?

04) Para o cordelista, por que viver é um desafio? 

terça-feira, 20 de novembro de 2018

Atividade sobre o texto "Operário em construção", de Vinícius de Moraes


Operário em construção

E o Diabo, levando-o a um alto monte, mostrou-lhe num momento de tempo todos os reinos do mundo. E disse-lhe o Diabo: 
- Dar-te-ei todo este poder e a sua glória, porque a mim me foi entregue e dou-o a quem quero; portanto, se tu me adorares, tudo será teu. 
E Jesus, respondendo, disse-lhe: 
- Vai-te, Satanás; porque está escrito: adorarás o Senhor teu Deus e só a Ele servirás. 
(Lucas, cap. V, vs. 5-8.)

Era ele que erguia casas 
Onde antes só havia chão. 
Como um pássaro sem asas 
Ele subia com as casas 
Que lhe brotavam da mão. 
Mas tudo desconhecia 
De sua grande missão: 
Não sabia, por exemplo 
Que a casa de um homem é um templo 
Um templo sem religião 
Como tampouco sabia 
Que a casa que ele fazia 
Sendo a sua liberdade 
Era a sua escravidão. 


De fato, como podia 
Um operário em construção 
Compreender por que um tijolo 
Valia mais do que um pão? 
Tijolos ele empilhava 
Com pá, cimento e esquadria 
Quanto ao pão, ele o comia... 
Mas fosse comer tijolo! 
E assim o operário ia 
Com suor e com cimento 
Erguendo uma casa aqui 
Adiante um apartamento 
Além uma igreja, à frente 
Um quartel e uma prisão: 
Prisão de que sofreria 
Não fosse, eventualmente 
Um operário em construção. 

Mas ele desconhecia 
Esse fato extraordinário: 
Que o operário faz a coisa 
E a coisa faz o operário. 

De forma que, certo dia 
À mesa, ao cortar o pão 
O operário foi tomado 
De uma súbita emoção 
Ao constatar assombrado 
Que tudo naquela mesa 
- Garrafa, prato, facão - 
Era ele quem os fazia 
Ele, um humilde operário, 
Um operário em construção. 
Olhou em torno: gamela 
Banco, enxerga, caldeirão 
Vidro, parede, janela 
Casa, cidade, nação! 
Tudo, tudo o que existia 
Era ele quem o fazia 
Ele, um humilde operário 
Um operário que sabia 
Exercer a profissão. 

Ah, homens de pensamento 
Não sabereis nunca o quanto 
Aquele humilde operário 
Soube naquele momento! 
Naquela casa vazia 
Que ele mesmo levantara 
Um mundo novo nascia 
De que sequer suspeitava. 
O operário emocionado 
Olhou sua própria mão 
Sua rude mão de operário 
De operário em construção 
E olhando bem para ela 
Teve um segundo a impressão 
De que não havia no mundo 
Coisa que fosse mais bela. 

Foi dentro da compreensão 
Desse instante solitário 
Que, tal sua construção 
Cresceu também o operário. 
Cresceu em alto e profundo 
Em largo e no coração 
E como tudo que cresce 
Ele não cresceu em vão 
Pois além do que sabia 
- Exercer a profissão - 
O operário adquiriu 
Uma nova dimensão: 
A dimensão da poesia. 

E um fato novo se viu 
Que a todos admirava: 
O que o operário dizia 
Outro operário escutava. 

E foi assim que o operário 
Do edifício em construção 
Que sempre dizia sim 
Começou a dizer não. 
E aprendeu a notar coisas 
A que não dava atenção: 

Notou que sua marmita 
Era o prato do patrão 
Que sua cerveja preta 
Era o uísque do patrão 
Que seu macacão de zuarte 
Era o terno do patrão 
Que o casebre onde morava 
Era a mansão do patrão 
Que seus dois pés andarilhos 
Eram as rodas do patrão 
Que a dureza do seu dia 
Era a noite do patrão 
Que sua imensa fadiga 
Era amiga do patrão. 

E o operário disse: Não! 
E o operário fez-se forte 
Na sua resolução. 

Como era de se esperar 
As bocas da delação 
Começaram a dizer coisas 
Aos ouvidos do patrão. 
Mas o patrão não queria 
Nenhuma preocupação 
- "Convençam-no" do contrário - 
Disse ele sobre o operário 
E ao dizer isso sorria. 

Dia seguinte, o operário 
Ao sair da construção 
Viu-se súbito cercado 
Dos homens da delação 
E sofreu, por destinado 
Sua primeira agressão. 
Teve seu rosto cuspido 
Teve seu braço quebrado 
Mas quando foi perguntado 
O operário disse: Não! 

Em vão sofrera o operário 
Sua primeira agressão 
Muitas outras se seguiram 
Muitas outras seguirão. 
Porém, por imprescindível 
Ao edifício em construção 
Seu trabalho prosseguia 
E todo o seu sofrimento 
Misturava-se ao cimento 
Da construção que crescia. 

Sentindo que a violência 
Não dobraria o operário 
Um dia tentou o patrão 
Dobrá-lo de modo vário. 
De sorte que o foi levando 
Ao alto da construção 
E num momento de tempo 
Mostrou-lhe toda a região 
E apontando-a ao operário 
Fez-lhe esta declaração: 
- Dar-te-ei todo esse poder 
E a sua satisfação 
Porque a mim me foi entregue 
E dou-o a quem bem quiser. 
Dou-te tempo de lazer 
Dou-te tempo de mulher. 
Portanto, tudo o que vês 
Será teu se me adorares 
E, ainda mais, se abandonares 
O que te faz dizer não. 

Disse, e fitou o operário 
Que olhava e que refletia 
Mas o que via o operário 
O patrão nunca veria. 
O operário via as casas 
E dentro das estruturas 
Via coisas, objetos 
Produtos, manufaturas. 
Via tudo o que fazia 
O lucro do seu patrão 
E em cada coisa que via 
Misteriosamente havia 
A marca de sua mão. 
E o operário disse: Não! 

- Loucura! - gritou o patrão 
Não vês o que te dou eu? 
- Mentira! - disse o operário 
Não podes dar-me o que é meu. 

E um grande silêncio fez-se 
Dentro do seu coração 
Um silêncio de martírios 
Um silêncio de prisão. 
Um silêncio povoado 
De pedidos de perdão 
Um silêncio apavorado 
Com o medo em solidão. 

Um silêncio de torturas 
E gritos de maldição 
Um silêncio de fraturas 
A se arrastarem no chão. 
E o operário ouviu a voz 
De todos os seus irmãos 
Os seus irmãos que morreram 
Por outros que viverão. 
Uma esperança sincera 
Cresceu no seu coração 
E dentro da tarde mansa 
Agigantou-se a razão 
De um homem pobre e esquecido 
Razão porém que fizera 
Em operário construído 
O operário em construção.

(Vinícius de Moraes) 

01) Justifique o título do texto:

02) Copie do texto uma antítese, justificando sua resposta: 

03) O que significam os versos em negrito na segunda estrofe? 

04) Explique a passagem "Que o operário faz a coisa e a coisa faz o operário": 

05) Transcreva do texto versos que comprovem o momento exato em que o operário finalmente "acorda" e reconhece o seu valor: 

06) Copie do texto um trecho que demonstra que é necessário haver união entre os semelhantes: 

07) Podemos afirmar que existe um paradoxo na passagem em negrito na primeira estrofe? Justifique sua resposta da maneira mais completa possível: 

08) Localize no texto uma passagem carregada de injustiça, explicando seu raciocínio: 

09) Transcreva versos que contenham um sentimento de revolta, justificando seu ponto de vista: 

10) Copie do texto uma comparação, dizendo se ela foi ou não bem empregada: 

11) Transcreva do texto uma passagem que contém uma certa ironia: 

12) O que seria encontrar "a dimensão da poesia"? Explique: 

13) Que mensagem o texto transmitiu? Comente: 

14) Localize no texto:

a) um numeral ordinal:
b) um advérbio de lugar: 
c) uma conjunção adversativa:
d) um advérbio de negação: 
e) três substantivos:
f) uma interjeição:
g) dois adjetivos, dizendo a que substantivo cada um se refere:
h) um advérbio de tempo:
i) uma conjunção explicativa: 
j) um pronome possessivo:

P.S.: Dá para fazer um trabalho bem legal de intertextualidade com a atividade sobre a obra "Operários", de Tarsila do Amaral, abordada AQUI neste blog, com a da música "Cidadão", com o Zé Ramalho, presente AQUI, e, ainda, com a música "Construção", do poderoso Chico Buarque, que também temos AQUI, para quem se interessar! 

domingo, 4 de novembro de 2018

Proposta de Redação do ENEM 2018: O que você achou?!?



Os temas de redação do ENEM sempre tiveram como característica o chamado "elemento surpresa", porém, no ano passado, a SURDEZ, limitando bastaaaaante a questão das deficiências, surpreendeu além da conta, resultando em muita fuga ao tema ou tangenciamento, ou seja, à nota zero. Este ano não parece ser diferente, só que ocorreu o inverso: ampliaram demais um tema! 

Muita gente lamentavelmente parece ter confundido o tema proposto com "fake news", algo bastante explorado, especialmente nas últimas eleições para a presidência, tanto do Trump (EUA) quanto do Bolsonaro (aqui no Brasil). Se a pessoa apenas citou as notícias falsas para comprovar o quão perigoso esse recurso de manipulação pode ser, menos mal! Mas se deixou de se situar no universo das informações pessoais dos usuários das redes, pesquisas, dados de publicações e assuntos de interesse desses usuários que o Google, Facebook, Instagran e outros usam para direcionar conteúdo e propagandas, "dançou"!!! :-(

Daria até para abordar a questão das "bolhas sociais", já que cada usuário analisado vai formando grupos, "bolhas", com outros com gostos semelhantes... mas tinha que passar pelo ponto ESSENCIAL de abordar essa manipulação citada e que é mais perigosa ainda (por ser mais sutil) do que simples "fake news" que circulam e que podemos não ler, ou pesquisar a fonte para confirmarmos. Enfim... 

Ao meu ver, os textos motivadores foram bem focados no tema proposto, sem apresentar nenhum distrator, e o último, inclusive, já dava um excelente ponto de partida para a construção da tese do texto dissertativo-argumentativo: "decisão informada versus obediência influenciada". O que você, afinal, prefere?!?

Registro aqui que gostei do tema, embora tenha considerado complexo demais para os candidatos, além de também ter sido meio "elitista" e perfeito para quem usa e abusa da internet, desconsiderando que há áreas do nosso país que sequer têm acesso a isso! É a ressalva que eu faço! 

No mais, pelo que observei, nenhum site acertou o tema deste ano, embora alguns estejam "forçando barra" de novo, a exemplo do ano passado!!! he he he