sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Exercícios sobre ROMANTISMO



01) Identifique as gerações românticas a que pertencem os textos seguintes:

I - "Adeus, meus sonhos, eu pranteio e morro!
     Não levo da existência uma só saudade."

II - "Ó guerreiros da Tribo Tupi,
       Ó guerreiros, meus cantos ouvi."

III - "Quebre-se o cetro do Papa,
         Faça-se dele uma cruz!
         A púrpura sirva ao povo
         Pra cobrir os ombros nus."

(A) primeira geração, segunda geração, terceira geração
(B) primeira geração, terceira geração, segunda geração
(C) segunda geração, terceira geração, primeira geração
(D) terceira geração, segunda geração, primeira geração
(E) segunda geração, primeira geração, terceira geração

02) "Já da morteo palor me cobre o rosto,
        Nos lábios meus o alento desfalece,
        Surda agonia o coração fenece,
        E devora meu ser de mortal desgosto!"

Nesse fragmento, notam-se as características da tendência romântica conhecida por:

(A) Mal-do-século
(B) Bucolismo
(C) Condoreira
(D) Nacionalismo
(E) Indianismo

03) Circule nos versos da questão anterior cinco palavras que comprovem a sua resposta:

04) Assinale a alternativa em que e encontram três características do movimento literário ao qual se dá o nome de Romantismo:

(A) predomínio da razão, perfeição formal, imitação dos antigos gregos e romanos.
(B) reação anticlássica, busca de temas nacionais, sentimentalismo e imaginação.
(C) anseio de liberdade criadora, busca de verdades absolutas e universais, arte pela arte.
(D) desejo de expressar a realidade objetiva, erotismo, visão materialista do universo.
(E) preferência por temas medievais, rebuscamento de conteúdo e de forma, tentativa de expressar a realidade inconsciente.

05) Com relação à poesia romântica brasileira, só NÃO se pode afirmar que:

(A) abandona a sintaxe tipicamente lusitana, procurando aproximar-se da fala brasileira.
(B) tem no nacionalismo um dos pontos principais do seu programa estético.
(C) rejeita o egocentrismo típico do mal-do-século europeu.
(D) valoriza a paisagem brasileira.

06) A escolha do tema de caráter coletivo e o gosto da eloquência e da oratória são características da poesia romântica de:

(A) Gonçalves Dias
(B) Castro Alves
(C) Álvares de Azevedo
(D) Casimiro de Abreu
(E) Sousândrade

07) Castro Alves, uma das figuras que melhor interpretou e expressou o lirismo do povo brasileiro, defendeu, através de suas poesias, principalmente:

(A) as excelências da vida campestre em contraposição à vida urbana.
(B) a necessidade econômica do trabalho escravo.
(C) o direito de liberdade para o negro.
(D) a independência do Brasil.
(E) a necessidade de domar a inspiração.

08) Das características abaixo, assinale a que NÃO se refere ao Romantismo:

(A) poesia encarada como expressão dos estados da alma.
(B) valorização do mundo interior do artista.
(C) estabelecimento de rígidas leis artísticas.
(D) liberdade de expressão.
(E) exaltação da natureza.

09) Mal-do-século é a expressão que designa:

(A) o pessimismo realista que substitui a fantasia romântica.
(B) a angústia modernista em face da necessidade de renovação de uma literatura nacional.
(C) o escândalo em que consistiu o cientificismo naturalista.
(D) a irreverência da poesia de Gregório de Matos, o Boca do Inferno.
(E) os mórbidos excessos do sentimentalismo romântico.

10)  "Minha terra tem palmeiras
        Onde canta o sabiá,
        As aves que aqui gorjeiam,
        Não gorjeiam como lá."

A característica romântica que NÃO se encontra nos versos acima é:

(A) ilogismo
(B) escapismo
(C) culto da natureza
(D) nacionalismo exagerado
(E) mal-do-século e spleen

11) O ultra-romantismo brasileiro é bem representado por Álvares de Azevedo, cujas características principais são:

(A) poesia noturna e subjetiva, gosto por temas mórbidos.
(B) poesia lítica e ingênua, gosto por temas singelos.
(C) poesia indianista e nacionalista, gosto por temas políticos.
(D) poesia panteísta e naturalista, gosto por temas da natureza.
(E) poesia condoreira e político-social, gosto por temas revolucionários.

12) Assinale a característica NÃO aplicável à poesia romântica:

(A) o artista goza da liberdade na metrificação e na distribuição rítmica.
(B) o importante é o culto da forma, a arte pela arte.
(C) a poesia é primordialmente pessoal, intimista e amorosa.
(D) enfatiza-se a auto-expressão, o subjetivismo, o individualismo.
(E) a linguagem do poeta é a mesma do povo: simples e espontânea.

13)  "Ontem plena liberdade...
        A vontade por poder...
        Hoje cûmulo de maldade!
        Nem são  livres pra... morrer!
        Prende-os a mesma corrente
        Férrea, lúgubre serpente
        Nas roscas da escravidão...

        Senhor Deus dos desgraçados!
        Dizei-me  vós, Senhor Deus!
        Se eu deliro... ou se é verdade
        Tanto horror perante os céus..."

Sobre o texto acima só NÃO é correto afirmar que:

(A) mostra o traço romântico do inconformismo.
(B) pode ser identificado com a poesia abolicionista de Castro Alves.
(C) dá tratamento eloquente à linguagem para tratar do tema da escravidão.
(D) pelo tema que explora, classifica-se na corrente social da poesia romântica.
(E) traduz o pessimismo e o egocentrismo do poeta romântico diante da impossibilidade de mudar o mundo.

14) Marque a alternativa correta:

(A) por ser idealizado, o indianismo romântico não tem valor literário.
(B) por basear-se na realidade, o indianismo romântico perdeu seu valor literário.
(C) embora não retrate fielmente a realidade, o indianismo romântico tem valor literário.
(D) embora se baseie na realidade, o indianismo romântico não tem valor literário.
(E) por ser imitação do medievalismo europeu, o indianismo romântico perdeu seu valor literário.

Atividade sobre a música "Comida", de Arnaldo Antunes



Comida

Bebida é água
Comida é pasto
Você tem sede de quê?
Você tem fome de quê?
A gente não quer só comida
A gente quer comida, diversão e arte
A gente não quer só comida
A gente quer saída para qualquer parte
A gente não quer só comida
A gente quer bebida, diversão, balé
A gente não quer só comida
A gente quer a vida como a vida quer
Bebida é água
Comida é pasto
Você tem sede de quê?
Você tem fome de quê?
A gente não quer só comer
A gente quer comer e quer fazer amor
A gente não quer só comer
A gente quer prazer pra aliviar a dor
A gente não quer só dinheiro
A gente quer dinheiro e felicidade
A gente não quer só dinheiro
A gente quer inteiro e não pela metade.

(Arnaldo Antunes)

01) Qual seria o refrão do texto? Por quê?

02) Os dois versos iniciais do refrão apresentam duas declarações. Elas se referem a necessidades físicas, biológicas, do ser humano. Quais são elas?

03) Os dois versos finais desse mesmo refrão apresentam duas interrogações. Sede e fome, nesse caso, aparecem como necessidades físicas, biológicas? Explique:

04) Que mensagem é transmitida na estrofe com relação às necessidades humanas?

05) Os demais versos do texto falam de outras necessidades e desejos humanos, além da necessidade biológica de comer. Que necessidades são essas?

06) Interprete os dois últimos versos do texto:

07) O texto se apresenta como uma espécie de reivindicação. Que sujeito e que verbo expressam essa ideia?

08) O verso “A gente quer saída para qualquer parte” revela que a situação da “gente” está boa ou ruim? Por quê?

09) E você? Tem sede e fome de quê? Escreva UM parágrafo a esse respeito:

10) Que mensagem a música lhe transmitiu? E explique o título a ela dado: 

terça-feira, 27 de setembro de 2016

Atividade sobre o vídeo "O futuro da humanidade - Escravos da tecnologia", de Steve Cutts

 

01) Justifique o título dado à animação acima:

02) Qual é o tema central do vídeo? Justifique sua resposta: 

03) Liste todas as situações possíveis descritas no curta: 

04) Das várias situações mostradas no vídeo, qual chamou mais a sua atenção? Por quê? 

05) Por que o menino aparece sempre incomodado na história? O que você pensa a respeito disso? 

06) O que as pessoas poderiam ter feito na cena do suicídio? O que elas preferiram fazer? 

07) O que o final do curta revela? Que crítica ele faz? A quem? 

08) Que mensagem o vídeo transmite? Comente: 

09) Em algum momento você já se sentiu escravo da tecnologia? Justifique sua resposta: 

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Atividade com o texto "Conversa fiada", de Diléa Frate

Já perdi a conta de quantos anos não trabalho mais com o Fundamental! Confesso que às vezes sinto falta! A garotada era inquieta, elétrica, mas como a energia era boa! Aí hoje fiz uma atividade bem simples, voltada para esse segmento, para quem ainda com ele trabalha! Espero que seja útil!


Conversa fiada



Era uma vez um homem muito velho que, por não ter muito o que fazer, ficava pescando num lago. Era uma vez um menino muito novo que também não tinha muito o que fazer e ficava pescando no mesmo lago.
Um dia, os dois se encontraram, lado a lado na pescaria, e no mesmo momento, exatamente no mesmo instante, sentiram aquela puxadinha que indica que o peixe mordeu a isca. O menino puxou com força e precisão. O velho usou mais precisão e menos força. Quando apareceram os respectivos peixes, porém, que decepção: o peixe do menino era muito velho e o peixe do velho era muito novo! O velho disse para o menino:
-- Você não pode pescar esse peixe tão velho! Deixe que ele viva o pouco de vida que lhe resta.
O menino respondeu:
-- E o que você vai fazer com este peixe tão novo? Ele é tão pequeno... deixe que ele viva mais um pouco! 
O velho e o menino olharam um para o outro e, sem perder tempo, jogaram os peixes no lago. Ficaram amigos e agora, quando não têm muito o que fazer, vão até o lago, cumprimentam os peixes e matam o tempo jogando conversa fora. 

(Diléa Frate)

01) As personagens foram apresentadas logo no primeiro parágrafo. O que eles tinham em comum? O que tinham de diferente? 

02) Ao sentir o peixe morder a isca, por que o menino puxou com força e precisão e o velho usou mais precisão e menos força? 

03) Por que o velho pediu mais vida para o peixe velho? E por que o menino pediu mais vida para o peixe novo? 

04) Para você, quem tem mais direito à vida: os novos ou os velhos? Explique seu ponto de vista:

05) Na sua opinião, quem pesca contribui com o extermínio dos peixes? Justifique sua resposta:

06) Sobre o que você acha que os dois tanto conversavam? Comente: 

07) Por que o texto traz dois "era uma vez"? Qual o objetivo da autora ao recorrer a isso? 

08) Que mensagem o texto lhe transmitiu?

09) Diga a que classe gramatical cada palavra destacada pertence: 

Atividade sobre a música "Um homem chamado Alfredo", de Toquinho e Vinícius de Moraes


Um homem chamado Alfredo

O meu vizinho do lado
Se matou de solidão
Ligou o gás, o coitado
Último gás do bujão
Porque ninguém o queria
Ninguém lhe dava atenção
Porque ninguém mais lhe abria
As portas do coração
Levou com ele seu louro
E um gato de estimação.

Há tanta gente sozinha
Que a gente mal adivinha
Gente sem vez para amar
Gente sem mão para dar
Gente que basta um olhar
Quase nada
Gente com os olhos no chão
Sempre pedindo perdão
Gente que a gente não vê
Porque é quase nada.

Eu sempre o cumprimentava
Porque parecia bom
Um homem por trás dos óculos
Como diria Drummond
Num velho papel de embrulho
Deixou um bilhete seu
Dizendo que se matava
De cansado de viver
Embaixo assinado Alfredo
Mas ninguém sabe de quê.

(Toquinho e Vinícius de Moraes)

01) Justifique o título dado à canção:

02) Por que Alfredo teria se matado? O que você pensa a respeito disso? 

03) Qual é o assunto principal do texto? Justifique sua resposta: 

04) O que significa "gente que é quase nada"? 

05) Copie da canção um exemplo de anáfora, explicando seu raciocínio: 

06) Com base nas informações da música, descreva, só com adjetivos, o Alfredo: 

07) Que mensagem a música transmite? Comente: 

08) Que sentimento a canção despertou em você? Explique:

09) Transforme a música em uma notícia de jornal: 

domingo, 25 de setembro de 2016

Atividade sobre o texto "O segredo da propaganda é a propaganda do segredo", de Leon Eliachar

O segredo da propaganda é a propaganda do segredo

Depois de tantos anos vendo televisão diariamente, chego a uma conclusão definitiva: é muito mais divertido e mais prático ver os anúncios. Enquanto as outras pessoas ficam aflitas tentando decorar os horários das novelas, das paradas de sucesso e dos chamados programas humorísticos, eu não tenho problema: ligo a televisão em qualquer canal e vejo os anúncios sem preocupação de horário. Vocês talvez achem que é loucura ver os mesmos anúncios diversas vezes, mas posso garantir que os anúncios variam muito mais que as piadas e as músicas que são servidas todos os dias. Pelo menos os anúncios são bem bolados, alguns até inteligentes. A técnica é chatear tanto até ficarem em nosso subconsciente -- se é que alguém consegue ter subconsciente assistindo televisão. 
Os refrigerantes, por exemplo: quase todos fazem as garrafas dançar na nossa frente e tocam uma musiquinha que chega a dar sede. Aí a gente não resiste: vai à geladeira e bebe um copo de água.
Mas bom mesmo é anúncio de sabonete: aparece cada moça bonita que vou te contar. E com uma grande vantagem, as moças não falam, só aparecem, ligam o chuveiro e ficam noivas dentro da espuma. Por mais que a gente saiba que aquilo é anúncio de sabonete, fica sempre aquela dúvida se u dia eles não vão resolver dar o nome daquele chuveiro ou, quem sabe, o telefone da moça. 
Geniais mesmo são as geladeiras que duram toda a vida. Mas muito mais geniais são os textos garantindo que cabe tudinho dentro delas, mas acho que não têm tanta certeza, pois fazem questão de botar uma moça bem bonita pra mostrar a geladeira -- e a gente tem é vontade de comprar a moça, mesmo sem o "certificado de garantia". 
E as televisões, baratíssimas, cada vez mais vendidas, dentro dos novos planos de venda. Ao invés de bolarem uma televisão mais perfeita, ficam é bolando planos de venda. No dia em que inventarem uma televisão que focalize a cara de um sujeito com menos de três orelhas, não precisam nem fazer anúncio: é só exibir, que esgota no mesmo dia. 
Existe anúncio de todo tipo: tecidos que não amarrotam, tecidos que dão prêmios, tecidos que dão desconto, tecidos coloridos que são apresentados em preto-e-branco, tecidos brancos que ficam cada vez mais brancos à medida que vai surgindo um novo sabão em pó. Mas é o que eles pensam: o brando deles, lá em casa, todo mundo tá vendo que é cinza. O mais engraçado são os anúncios de inseticidas que matam todos os insetos, menos as moscas do estúdio. 
Anuncia-se também muita banha, muito pneu, muito perfume, muito sapato, muito automóvel, muita calça, muita bebida e muita pílula pra dor de cabeça. Parece até que um anúncio depende do outro -- é como se fosse uma novela, com a vantagem de a gente sempre saber qual o final de cada anúncio. E não pensem que sou o único a achar os anúncios mais interessantes que os programas: os donos das emissoras também acham -- senão não ocupavam a maior parte do tempo com anúncios. Nos intervalos é que colocam alguns programinhas -- por absoluta falta de mais anúncios. 
Reparem só: os programas de humor mostram o lado negativo das pessoas, os personagens são quase todos fossilizados, gagos, surdos, cegos, velhos borocochõs ou sem sexo definido. As novelas exploram seres anormais dentro de um mundo de misérias e lágrimas. Já os anúncios apresentam um mundo de otimismo, onde tudo é bom e saudável, não quebra, dura toda a vida e qualquer um pode adquirir quase de graça, pagando como puder, no endereço mais próximo da sua casa. O único detalhe que nos deixa um pouco frustrados é que a moça que dá os endereços fala tão preocupada em não errar que a  gente não consegue decorar nenhum endereço. Em compensação, sabe de cor a moça todinha. 
(Leon Eliachar) 

01) Justifique o título dado ao texto acima: 

02) Por que o narrador prefere os anúncios? O que ele acha que os leitores pensam? 

03) Qual a reação do narrador diante do anúncio de refrigerantes? 

04) Como os anúncios de sabonetes, geladeiras e outros produtos tratam a mulher?

05) Que mensagem o texto transmite? Comente: 

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Atividade com a música "Luar do sertão"



Luar do sertão

Não há, ó gente, ó não
Luar como este do sertão.

Ó, que saudades do luar da minha terra
na serra prateando folhas secas pelo chão
Esse luar da cidade, tão escuro
Não tem aquela saudade do luar do meu sertão.

Se a lua nasce por detrás da verde mata
Mais parece um sol de prata prateando a escuridão.
A gente pega na viola que ponteia
E a canção é a lua cheia a nos nascer no coração.

(Catulo da Paixão Cearense)


01) Quantas estrofes possui o poema? E quantos versos?

02) Copie dois pares de rima, que tenham chamado a sua atenção:

03) Qual o tema da música? 

04) Que adjetivo o poeta utilizou para caracterizar o luar da cidade?

05) Que linguagem o poeta utiliza no texto: a linguagem culta ou popular?

06) Com quem ele está "falando" no poema? Justifique sua resposta:

07) Ao que ele compara a lua do sertão? Por quê? 

08) Classifique morfologicamente as palavras em destaque no poema: 

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Atividade sobre "Carta de um marido após vazar nudes de Paulo Zulu"

Texto 01:  Carta de um marido após vazar nudes do Paulo Zulu


Hoje preciso usar esse espaço pra fazer um desabafo: tá difícil ser homem. Se já não bastasse o Rodrigo Hilbert ter um programa de TV onde ele cozinha, lava, limpa, constrói e faz de tudo, agora surge uma foto do Paulo Zulu pelado. O nível de comparação ficou muito alto.

Na boa, quando vazaram os nudes do Stênio Garcia tava de boa, mas o Zulu é sacanagem. E eu já ficava P da vida vendo o Tempero de Família. Ainda esses dias falei pra minha noiva que eu queria comprar uma grelha argentina pra colocar na nossa churrasqueira.


Dias depois ela tava assistindo esse maldito programa e o Rodrigo Hilbert FEZ uma grelha argentina. Sim, ele tirou as medidas, cortou os ferros, lixou e soldou peça por peça. E ficou ótima. Pra onde foi minha moral de comprar uma grelha agora?


Não basta o cara ser loiro, alto, bonito e rico, ele ainda cozinha de tudo e constrói tudo que ele precisa. Pior que depois de cozinhar ele ainda lava a louça e limpa toda a bagunça. O mínimo que ele merece é ser casado com a Fernanda Lima. Até eu queria casar com ele.


Mas pra tudo ir por água abaixo de vez, ontem aparece na internet uma foto do Paulo Zulu pelado. Toda mulher deveria ser proibida de ver aquela foto. Na foto só tem ele na frente de um espelho, sem roupa nenhuma e segurando um iPhone. E o pior, ele tem um iPhone 6. Eu tenho um 4. Ou seja, até o iPhone dele é maior que o meu.


Agora faz sentido o cara se chamar "Zulu". É uma nítida referência afrodescendente. Além disso o cara é todo musculoso. Ele tem 53 anos, surfa e malha todo dia. Sem contar que agora tenho certeza que quando ele chega na academia dizendo que vai malhar perna, o personal diz: - Todas as três?


O que ainda me tranquiliza é que o Paulo Zulu mora em Santa Catarina e o Rodrigo Hilbert nasceu e grava todos os programas em Santa Catarina. Eu também nasci e moro em Santa Catarina. Talvez tenha alguma magia aqui no estado e eu tenha salvação.


Então a partir de hoje vou começar a construir coisas, cozinhar, limpar e ir pra academia todos os dias. E só pra garantir, também vou começar a clicar naqueles e-mails de 'aumente seu pênis'."



(http://www.bombounaweb.net/2016/09/carta-de-um-marido-apos-vazar-nudes-do-paulo-zulu.html?m=1)


01) Copie do texto alguns exemplos de linguagem coloquial, transformando-os, se possível, em linguagem formal:

02) Que desabafo o autor do texto faz? Tem fundamento? Qual a sua opinião sobre isso? Comente:

03) No segundo parágrafo, observe que faltaram aspas. Onde? Por quê? 

04) No terceiro parágrafo, há um desvio gramatical. Qual é ele? Justifique sua resposta: 

05) Neste mesmo parágrafo, por que existe uma palavra toda escrita em maiúscula? Qual o objetivo disso? 

06) Transcreva do quarto parágrafo uma frase que ficou engraçada, explicando o porquê: 

07) No quinto parágrafo, o autor compara duas coisas dele com as do Zulu. O que são? Quem sai em desvantagem? 

08) O que os dois homens citados no texto e o autor têm em comum? Você concorda com o argumento utilizado por este para ficar, dentro do possível, otimista? Ou tem outra teoria? Se sim, qual? Explique, em ambos os casos: 

09) O que você pensa a respeito dos nudes? Comente:

10) E a respeito desse tipo de vazamento de fotos de famosos? Explique seu ponto de vista: 


Texto 02: Paulo Zulu confessa ter postado nude em rede social

(Ator havia afirmado ter sido vítima de hackers)


O ator Paulo Zulu admitiu ter postado uma foto sua pelado em seu Instagram, na semana passada. O "nude" passou alguns minutos no ar antes de ser deletado, e Zulu havia dito ter sido vítima de hackers. 

Ele também alegou ter passado um dia inteiro chorando após a repercussão do "vazamento" e desabafou: "Assim como invadiram minha provacidade, estão querendo se passar por mim. Por favor, me ajudem a acabar com esse tipo de oportunismo mesquinho. Obrigado.", disse ele, dias atrás. 

Na tarde da última sexta-feira, o ator, de 53 anos, esteve na Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática, no Rio de Janeiro, mas não prestou queixa. No entanto, no depoimento que deu aos policiais, confessou que a foto foi publicada por engano: a intenção era mandá-la por mensagem privada para uma usuária do Instagram. 

(http://www.diariodepernambuco.com.br/app/noticia/viver/2016/09/22/internas_viver,666260/paulo-zulu-confessa-ter-postado-nude-em-rede-social.shtml)



11) Por que a palavra NUDE está entre aspas na notícia acima? 

12) Por que você acha que o ator disse que havia sido hackeado e só depois assumiu que foi culpa dele mesmo, ainda que por engano? Que diferença isso faz? Comente:

13) O que levaria uma pessoa a postar um "nude por engano" nas redes sociais? 

14) Que mensagem você mandaria para o Paulo Zulu? 

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Para o dia de hoje não passar em branco...



01) O que a charge acima critica? Comente:

02) O que nela acentua a contradição, a incoerência? Justifique sua resposta:

03) Qual sentimento o homem parece demonstrar? Por quê?

04) O que você faria para proteger a única árvore sobrevivente?

05) O que você faria para resolver o problema das outras árvores?

06) Que solução imediata você encontraria para o moço da charge?

07) Hoje você viu alguma menção significativa sobre o dia da árvore? O que isso revela?

08) Que mensagem você gostaria de mandar para aqueles que não valorizam a natureza, em especial a árvore, no dia de hoje, em especialmente?

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Atividade sobre a música "Nervos de aço", de Lupicínio Rodrigues


Nervos de aço

Você sabe o que é ter um amor, meu senhor?
Ter loucura por uma mulher
E depois encontrar esse amor, meu senhor,
Nos braços de um tipo qualquer?

Você sabe o que é ter um amor, meu senhor,
E por ele quase morrer
E depois encontrá-lo em um braço
Que nem um pedaço do meu pode ser?

Há pessoas de nervos de aço
Sem sangue nas veias e sem coração,
Mas não sei se passando o que eu passo
Talvez não lhes venha qualquer reação

Eu não sei se o que trago no peito
É ciúme, é despeito, amizade ou horror
Eu só sei sinto que quando a vejo
Me dá um desejo de morte ou de dor.

(Lupicínio Rodrigues)

01) Justifique o título empregado na canção:

02) Circule no texto um vocativo, explicando seu raciocínio:

03) Qual a intenção de se começar a música com interrogações?

04) Observe o verso em negrito na terceira estrofe do texto. Qual a transitividade do verbo "haver", ali inserido? Substitua-o pelo verbo "existir" e faça as devidas modificações: 

05) Que espécie de queixa ou crítica o eu lírico da canção faz? 

06) O que seria a pessoa ter "nervos de aço"? Qual a vantagem existente nisso? 

07) Que mensagem a canção lhe transmitiu? Comente:

08) Que conselho(s) você  daria  ao eu lírico?

09) Analise morfologicamente as palavras sublinhadas no texto:

Resultado da Produção Textual dos meus alunos


Um texto bem divertido e criativo criado por dois alunos meus, do Sodré, com alguns ajustes, utilizando os ditados populares, que foi uma proposta de atividade já compartilhada aqui, para trabalhar, dentre outras coisas, COESÃO e COERÊNCIA! Espero que gostem! 

A "brodheragem"

Gabriel foi a uma festa e lá se sentiu "um peixe fora d´água", aí "chutou o balde" e foi embora para casa. Lá chegando, descobriu que um amigo tinha "batido as botas", então ele colocou "as cartas na mesa" e disse que era um "testa de ferro" de um político bastante conhecido. "Acertou na mosca", mas "ficou com o pé atrás", pois suas ideias também "não tinham pé nem cabeça". 

Pra completar, ligaram do hospital onde o seu pai estava internado, e ele pensou que fosse para ele "descascar um abacaxi", mas chegando lá descobriu que o pai tinha "batido as botas" também, depois de ele ter "colocado as barbas de molho" e não adiantava mais "chorar pelo leite derramado". "Engoliu sapo" e foi "procurar pêlo em ovo", porque sentiu "ter pisado na bola", com uma tremenda "pedra no sapato", com vontade de "pendurar as chuteiras" da vida. 

Agora, já que "meteu os pés pelas mãos", parou de "andar na linha", de "tomar chá de cadeira", e, como estava "com a faca e o queijo na mão", foi lavar a mão de um amigo, "soltaram a franga", afinal, "uma mão lava a outra"! Só que ele ficou "marcando touca", "com a corda no pescoço", já que acabou "segurando vela" pro tal amigo. Fez "tempestade em copo d´água", bancou o "João sem braço" e foi "tirar água do joelho", o que foi "uma mão na roda", já que deu tempo de o amigo se livrar da menina, "quebrando o galho" dele. 

Depois de "encherem linguíça", jogando conversa fora, acabaram "entrando pelo cano", pois a consciência pesou por terem "enfiado o pé na jaca". Gabriel ficou cheio de "minhocas na cabeça", mas seu amigo continuou "pintando o sete", já que é um "mala sem alça" e ele, consciente, que acabou "pagando o pato", se sentindo "pisando em ovos" e viu, finalmente, que estava "trocando as bolas", pois tudo isso não passou de um sonho! Acordou! 

(Autores: Iury Silva e Everton Oliveira - Turma 3006)

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Atividade com charge - Cachorro com moto


01) Transcreva da charge dois exemplos de vocativos, justificando sua resposta:

02) Circule na charge uma interjeição, explicando o que ela expressa:

03) Copie da charge um desvio gramatical com relação à regência verbal, explicando e adequando-o:

04) Explique a ambiguidade presente na charge:

05) Reescreva a frase de forma a desfazer essa ambiguidade:

06) Observe bem a expressão do cachorro e crie um balão de pensamento para ele:

07) Crie uma nova fala para o guarda, após a gracinha da mulher:

08) Dê um título à charge:

Atividade sobre caricaturas - Ronaldo Fenômeno

Caricatura 01:


Caricatura 02: 


01) Quem está sendo representado nas imagens acima?

02) O que você observou para responder ao item anterior?

03) Qual foi a característica mais importante para você descobrir quem era a pessoa representada? Por quê? 

04) A que gênero tais imagens pertencem? Quais as características desse gênero?

05) As imagens parecem ser da mesma época? Qual parece ser mais recente? Por quê?

06) De qual das duas você mais gostou? Justifique sua resposta:

07) Qual o objetivo das caricaturas?

08) Pesquise mais duas caricaturas de alguém famoso e compare-as:

domingo, 18 de setembro de 2016

Criando Manchetes...

Faça de conta que as imagens abaixo serão publicadas, individualmente, na primeira página de um jornal. Redija um título bem atraente e uma manchete para cada uma delas, visando chamar a atenção do leitor: 

 Imagem 01: 


Imagem 02:


Imagem 03: 


sábado, 17 de setembro de 2016

Atividade sobre o filme: "Zootopia - Essa cidade é o bicho" (1 h 48 min)


Sinopse: Judy Hopps é a pequena coelha de uma fazenda isolada, filha de agricultores que plantam cenouras há décadas. Mas ela tem sonhos maiores: pretende se mudar para a cidade grande, Zootopia, onde todas as espécies de animais convivem em harmonia, na intenção de se tornar a primeira coelha policial. Judy enfrenta o preconceito e as manipulações dos outros animais, mas conta com a ajuda inesperada da raposa Nick Wilde, conhecida por sua malícia e suas infrações. A inesperada dupla se dedica à busca de um animal desaparecido, descobrindo uma conspiração que afeta toda a cidade.

01) De que parte você mais gostou do filme? Por quê? 

02) E de que parte você menos gostou? Por quê?

03) Você concorda com o patrão da Judy, quando ele fala que "A vida real não é um desenho animado..."? Justifique sua resposta:

04) Você concorda com a afirmação de Nick, que "Em Zootopia você pode ser o que você quiser"? Por quê? 

05) O que Judy faz para convencer a raposa Nick a ajudá-la a desvendar o sumiço do Senhor Lontrosa? 

06) Qual o grande sonho de Judy? Ela consegue realizá-lo? Como? 

07) E qual o seu grande sonho? O que tem feito para realizá-lo? 

08) Por que são todos preguiças trabalhando no setor burocrático? Que crítica está embutida nisso? 

09) De quem era a limusine que levou a lontra desaparecida? 

10) Por que Judy e Nick foram poupados de serem mortos? O que isso revela? 

11) Você concorda com as generalizaçõe, do tipo que "raposas são animais falsos" e "coelhos são frágeis", por exemplo? Por quê? 

12) Qual era o sonho da raposa Nick, aos oito anos de idade? Por que ele desistiu disso e o que ele então se prometeu? 

13) Qual a importância dos sonhos na vida das pessoas, de um modo geral? Não realizá-los pode causar algum tipo de "estrago" na vida delas? Comente:

14) O que você achou do apelido dado pelo leão à ovelha de "Meu suéter"?  E o dado pela raposa à Judy, de "Cenourinha"? Há alguma diferença entre eles? Explique: 

15) Você concorda com a afirmação da gazela de que "não podemos deixar que o medo nos divida"? Por quê? 

16) Por que Judy foi vender cenouras, com os seus pais? O que ela acabou descobrindo lá? Como? 

17) O comportamento da ex-prefeita Bellwether no final do filme surpreendeu você? Que manchete falsa ela pensou em seu plano? Ele deu certo? Por quê? 

18) Afinal, qual era a participação do Leãonardo no plano? 

19) Os animais infectados poderão voltar ao normal? Como? 

20) O que a encenação da Judy no final teve a ver com o começo? Ela teria sucesso como atriz? Comente:

21) Podemos dizer que Judy conseguiu realizar a missão dada a ela, que era de encontrar o Senhor Lontrosa? Ou podemos afirmar que ela foi além? Justifique sua resposta: 

22) O que o filme pôde nos ensinar com relação aos estereótipos que acabam nos atropelando diariamente? Explique: 

23) O que "Zootopia", na verdade, representa? Há possibilidade de vivermos em um lugar assim? Como podemos trazer essa cidade para cá? 

24) Reflita sobre a seguinte passagem do final do filme e tente parafraseá-la, tentando explicar principalmente a parte em destaque e sua importância para o contexto: 

"Quando eu era pequena, eu pensava que Zootopia era um lugar perfeito, onde todos se davam bem e onde você podia ser o que quisesse, só que a vida real é um pouquinho mais complicada que uma frase de para-choque. A vida real é difícil. Todos temos limitações e todos cometemos erros. Então... Ei, olhe o copo meio cheio! Nós todos temos muito em comum e quanto mais tentarmos entender uns aos outros, mais diferenciados cada um de nós será! Mas temos que tentar. Não importa que tipo de animal você é; seja um forte elefante, ou uma raposa fraca. Tentem, tentem fazer o mundo um lugar melhor. Olhe pra dentro de si e percebam que as mudanças começa em vocês, em mim, começa em todos nós."

25) Explique a simbologia do título do filme, aproveitando para mencionar se há alguma ambiguidade nele (se sim, qual?): 

26) Que mensagem o filme lhe transmitiu? Comente: 



(Obrigadão à querida amiga Nívea Marinho pelas sugestões ma-ra-vi-lho-sas de questões!)

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Atividade sobre o filme "O fabuloso Destino de Amelie Poulain" (120 minutos)



Sinopse: Uma jovem que veio do subúrbio se muda para a cidade de Paris, onde após devolver um objeto encontrado ao seu antigo dono resolve ajudar às pessoas que a cercam através de pequenos gestos. 

01) No começo do filme, são citadas coisas de que o pai e a mãe de Amelie não gostam e também coisas de que cada um gosta. Cite três coisas de que você gosta muito e mais três de que você não gosta nada: 

02) Por que o pai de Amelie, mesmo sendo médico, cisma que ela tem uma doença cardíaca? O que, na verdade, era isso? Explique:

03) Pode-se dizer que Amelie foi uma criança como qualquer outra? Justifique sua resposta:

04) Qual o único amigo que Amelie tinha quando era criança? O que a mãe resolveu fazer com ele? O que tentou substituí-lo? Funcionou? 

05) O que Amelie, quando pequena, fez uma vez par se vingar de um vizinho chato? O que você faria?

06) Após a mãe falecer, a que o pai se dedica? 

07) Cite dois pequenos prazeres incomuns de Amelie e aproveite para dizer dois seus:

08) De que doença sofria o pintor amigo de Amelie? 

09) Explique bem que acontecimento mudou a vida de Amelie:

10) O que ela cisma de fazer depois disso?

11) Qual foi o resultado, afinal? 

12) O que, possivelmente, encontrariam na SUA "caixinha de recordações"? Cite, no mínimo, três coisas, explicando a importância de cada uma delas em sua vida: 

13) O que o quadro "A menina do copo" tem a ver com Amelie? 

14) Cite uma boa ação da Amelie que tenha marcado você:

15) Amelie vê na TV uma espécie de filme resumindo a vida dela, inclusive o seu enterro, criando uma espécie de epitáfio. Como seria o seu? 

16) Amelie gosta de quebrar a rotina das pessoas á sua volta, acreditando que isso faz um bem a elas. Baseando-se nessa afirmação, responda às perguntas a seguir:

a) Você concorda ou não com isso? Justifique:

b) O que ela fez para mudar a rotina do pai? Funcionou? Por quê? 

c) O que ela fez para mudar a rotina do chato da feira? Funcionou? Por quê? 

d) O que ela fez para mudar a rotina da zeladora do seu prédio? Funcionou? Por quê?  

17) O amado de Amelie esquece, na correria, um álbum de fotografias instantâneas, 3 x 4, onde reconstrói e cataloga as fotos amassadas, rasgadas e jogadas fora por alguma razão. No álbum, um homem aparece várias vezes e sempre com todas as fotos intactas, como se tirasse apenas para ter o prazer de jogar fora. 

a) Como Amelie analisa esse fato no começo? 

b) O que ela descobre depois? Qual era a verdadeira explicação para isso?

18) Há uma troca de favores entre Amelie e sua amiga aeromoça. Explique qual:

19) O pinto envia uma fita de vídeo e em que diz: "Minha querida Amelie, você não tem ossos de vidro, você pode suportar a vida. Se deixar passar essa chance, com o tempo, o seu coração vai ficar tão seco e quebradiço quanto o meu esqueleto, então vai, pelo amor de Deus". Qual o efeito dessas palavras? 

20) Você acredita mesmo nesse poder que as palavras podem ter para mudar a vida de uma pessoa? Por quê? 

21) O que você achou do filme? Justifique sua resposta, aproveitando para dizer que mensagem ele lhe transmitiu: 

22) De que parte do filme você mais gostou? Por quê? 

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Atividade sobre o artigo de opinião "Para lidar com a dor do outro, é preciso suavidade", da Mônica Raouf


Para lidar com a dor do outro, é preciso suavidade

Primeiro abuso: o pai

Uma criança de treze anos é abusada pelo próprio pai. Engravida. E aí a situação muda de figura. Porque o silêncio que a família faz a respeito do abuso, com uma barriga crescendo, já não é mais possível. A barriga mostra o que a família esconde.

Segundo abuso: a família

Ela denuncia o pai. Consegue, na Justiça, fazer o aborto. Aborto feito, a barriga desfeita, a família pressionou para que ela mentisse e inocentasse o pai. Ela, se vendo sem saída, mentiu e o inocentou.

Nenhuma novidade nisso. Famílias escondem abusadores desde que o mundo é mundo. Muitas não só defendem o abusador. Mas ainda culpam e acusam a criança pelo abuso sofrido.

Já vi mães (mães?) acusarem:

- Ela que seduziu.

- Ela sentava no colo dele. (Mas não é pai dela? Filhos não sentam em cima da gente?)

- Ela abraçava e beijava. (E não é para abraçar e beijar seus pais?)

Já vi mães (mães?) duvidarem. E já vi as que fazem de conta de que não foram comunicadas do fato. Fazem ouvido de mercador e deixam por isso mesmo.

Muitas são as crianças que não contam. Por medo de serem acusadas. Por medo de que não acreditem nelas. Por medo do que essa bomba vai causar na família. Muitas são chantageadas:

- Sua mãe vai me mandar embora. Seus irmãos vão ficar sem pai por sua causa.

- E vocês vão morar onde? Vão sair da minha casa? Essa casa é minha.

Já vi mães ficarem com o homem e mandarem a filha para longe. Casa de avó, madrinha, em outros estados. Acham que resolvem o problema.

Você, só, suportaria toda a família contra você? E contaria com quem? Aos treze anos? Pense bem.

Terceiro abuso: a justiça.

Um exame de DNA no feto comprovou que o bebê era do pai. Imagino que um fato dessa importância deva estar nos autos do processo. Se você é promotor de justiça, não olha o processo antes de sair falando? Pois o Promotor de Justiça do Rio Grande do Sul, Theodoro Alexandre da Silva Silveira, talvez tenha pulado essa folha.

“Pra abrir as pernas e dá o rabo pra um cara tu tem maturidade, tu é autossuficiente e pra assumir uma criança tu não tem?“

Gente, não se fala assim com ninguém. Principalmente com uma menina, uma criança sofrida, vítima de estupro. Se a filha fosse minha, tinha pulado o que fosse e dado na cara dele. Ia presa? Nem ligo.

O triste é que, mais uma vez, a menina não teve ninguém para lhe defender.

Não falamos de uma mulher que escolhe onde, quando e com quem quer resolver seu desejo sexual. Falamos de uma criança! Uma criança não abre as pernas. Não dá o rabo! Olhe bem a diferença.

E o senhor continua:

“Tu é uma pessoa de sorte, porque tu é menor de 18, se tu fosse maior de 18 eu ia pedir a tua preventiva agora, pra tu ir lá na Fase, pra te estuprarem lá e fazer tudo o que fazem com um menor de idade lá."

Fase é fundação de atendimento sócio-educativo. Lá estupram crianças? E ninguém faz nada? E ainda mandam crianças para lá ameaçando com o fato de que serão estupradas? Só eu estranho isso?

Tomo aqui a liberdade de indicar a necessidade urgente de uma avaliação psicológica para esse homem. Ele está destemperado. Fora da caixinha! Há crueldade maior do que a fala desse homem? Que judiação expor uma menina a isso. Eu me pergunto: por que ninguém fez nada?

A juíza Priscila Gomes Palmeiro não se manifestou. Uma juíza que assiste a isso e nada faz é o quê? Tinha dado uma saidinha? Onde estava?

"Tu teve coragem de fazer o pior, matou uma criança, agora fica com essa carinha de anjo".

Cabe uma pergunta que me incomoda. Se o filho é do pai, é filho ou é irmão? Já pensou a respeito? Uma criança na vida de outra. E na certidão o que se colocaria no nome do pai?

"Eu vou me esforçar o máximo pra te pôr na cadeia. Além de matar uma criança, tu é mentirosa? Que papelão, heim? Vou me esforçar pra te ferrar, pode ter certeza disso, eu não sou teu amigo”.

Sobre o aborto, o promotor de Justiça Theodoro Alexandre da Silva Silveira se esquece de que a menor foi estuprada. É um direito que lhe cabe. Não foi crime, foi direito. Artigo 217-A do Código Penal. Esqueceu, promotor? Dá uma revisada aí.

Esse homem fala o que muitos calam. Lamentavelmente, no nosso país, mulher abusada vira ré. A gente tem medo de denunciar. Medo dos olhares de descrédito. Vergonha de ainda passar por culpada quando a gente é apenas vítima.

Até quando vai ser assim? Nós as desavergonhadas. Nós a Eva corrompendo o paraíso. Nós a serpente em pessoa, atentando para o pecado. Nós mortas a cada dia por pedir proteção e não levarem a sério. Basta! É preciso mudar. Respeito é bom e a gente gosta. Aliás, exige.

Essa menina vem passando pelos piores pesadelos. Desrespeitada, abusada, exposta, injuriada. Como é possível que uma pessoa que faz parte da nossa justiça se comporte de modo tão destemperado e insano?

É uma vergonha que episódios como esse aconteçam com esses meninos já tão sofridos. Crianças abusadas precisam ser ouvidas. Se sentir seguras. Respeitadas. Queridas. Não podemos permitir que pessoas despreparadas emocionalmente se envolvam nesses processos.

Abusada pelo pai, pela família e pela justiça. Que Deus tenha piedade dessa criança. Que os homens da lei percebam que é preciso uma escolha de pessoal mais preocupada para quem vai tratar de situações tão delicadas.

Esse caso ocorreu na cidade de Júlio de Castilhos, no Rio Grande do Sul, em fevereiro de 2014. Só agora o caso veio à tona. Antes tarde do que nunca. Mas, acreditem, sempre é tarde para quem sofre. 

Para lidar com a dor do outro, é preciso suavidade. Um olhar mais atento, amoroso. Quem não sabe fazer com carinho, que pelo menos, mantenha distância segura das nossas pequenas vítimas. Muito ajuda quem não atrapalha.

(Mônica Raouf El Bayeh)


01) Qual o assunto extraído desse texto? A que episódio atual ele se refere? 

02) Segundo a autora, quantos e quais foram os abusos sofridos pela menina? Você concorda com a visão dela? Justifique sua resposta:

03) Substitua as expressões coloquiais a seguir por outras mais formais, sem gerar nenhuma perda de sentido:

a) "Aí a situação muda de figura" (segundo parágrafo):
b) "Desde que o mundo é mundo" (quinto parágrafo):
c) "Fazem ouvido de mercador" (décimo parágrafo):
d) "Fora da caixinha!" (parágrafo 25)
e) "Tinha dado uma saidinha?" (parágrafo 26) 

04) Há algum exemplo de antítese nesse segundo parágrafo? Justifique sua resposta:

05) A menina fez bem em abortar? No lugar dela, você também abortaria? Por quê? 

06) No sexto parágrafo, explique a importância do que está entre parênteses, aproveitando para dizer se tal palavra resume toda uma frase (se sim, equivaleria a qual?): 

07) No parágrafo 17, transcreva uma passagem irônica, explicando-a: 

08) Você consegue imaginar alguma pessoa falando do jeito transcrito no parágrafo 18? E um Promotor da Justiça? E diante de uma situação dessas? Comente: 

09) Circule, no texto, dois vocativos, dizendo a importância deles para o contexto: 

10) No parágrafo 20, existe um desvio gramatical. Explique-o e faça as alterações necessárias:

11) No parágrafo 23, além dos desvios morais, sinalize os gramaticais, corrigindo-os:

12) Responda à pergunta (mesmo sendo retórica) feita no parágrafo 24, explicando bem seu ponto de vista:

13) Explique o tipo de porquê empregado no parágrafo 25: 

14) Responda à indagação feita pela autora no parágrafo 28, argumentando o máximo que puder:

15) Explique a passagem destacada no parágrafo 30 do texto, concordando ou não com ela: 

16) Copie do texto um exemplo de FATO e outro que seja um exemplo de OPINIÃO, explicando:

17) Posicione-se sobre a passagem destacada no parágrafo 31, explicando bem: 

18) Transcreva do texto um ditado popular, dizendo quando, em geral, ele é empregado:

19) Dê a sua opinião sobre a passagem em destaque no parágrafo 36, justificando sua resposta:

20) Por que você acha que, em vários momentos, a autora registra o nome todo dos oficiais de Justiça envolvidos? 

21) No parágrafo 26, explique o emprego do verbo ASSISTIR, dizendo se ele foi ou não empregado de forma correta:

22) Que mensagem o texto lhe transmitiu? O que você sentiu após lê-lo? 

23) Elabore um texto dissertativo-argumentativo sobre o tema em questão, nos moldes do ENEM, caprichando, antes de mais nada, nas propostas de intervenção: