terça-feira, 24 de março de 2015

Atividade de intertextualidade com Camões e Legião Urbana

Texto 01: 1 Coríntios 13


1. Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine. 
2. E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria. 
3. E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria. 
4. O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece. 
5. Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal;
6. Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade;
7. Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. 
8. O amor nunca falha; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas. cessarão; havendo ciência, desaparecerá; 
9. Porque, em parte, conhecemos, e em parte profetizamos;
10. Mas, quando vier o que é perfeito, então o que o é em parte será aniquilado.
11. Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria como menino, mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino.
12. Porque agora vemos por espelho em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei como também sou conhecido. 
13. Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, mas o maior destes é o amor. 

Texto 02: 

Amor é fogo que arde sem se ver
É ferida que dói e não se sente
É um contentamento descontente
É dor que desatina sem doer.

É um não querer mais que bem querer
É solitário andar por entre a gente
É não contentar-se de contente
É cuidar que se ganha em se perder

É querer estar preso por vontade
É servir a quem vence, o vencedor
É ter com quem nos mata, lealdade

Mas como causar pode seu favor
Nos corações humanos amizade
Se tão contrário a si é o mesmo Amor? 

(Luís de Camões) 

Texto 03: Monte Castelo

Ainda que eu falasse a língua dos homens
E falasse a língua dos anjos, sem amor eu nada seria

É só o amor, é só o amor
Que conhece o que é verdade
O amor é bom, não quer o mal 
Não sente inveja ou se envaidece

O amor é o fogo que arde sem se ver 
É ferida que dói e não se sente
É um contentamento descontente
É dor que desatina sem doer

Ainda que eu falasse a língua dos homens
E falasse a língua dos anjos, sem amor eu nada seria

É um não querer mais que bem querer 
É solitário andar por entre a gente
É um não contentar-se de contente
É cuidar que se ganha em se perder 

É um estar-se preso por vontade
É servir a quem vence, o vencedor
É um ter com quem nos mata, lealdade
Tão contrário a si é o mesmo amor

Estou acordado e todos dormem, todos dormem, todos dormem
Agora vejo em parte, mas então veremos face a face

É só o amor, é só o amor
Que conhece o que é verdade

Ainda que eu falasse a língua dos homens
E falasse a língua dos anjos, sem amor eu nada seria.

(Renato Russo)


01)  Por que o texto 02 não tem título? Crie um para ele:

02) Quais as metáforas utilizadas para o amor, no texto de Camões? De qual delas você gostou mais? Por quê? 

03) Transcreva do texto três exemplos de paradoxo, explicando seu raciocínio:

04) Por que podemos afirmar que o texto 02 é um soneto? 

05) Responda à pergunta feita no último terceto do texto 02: 

06) Copie do texto 02 um par de antítese, justificando sua resposta: 

07) Observe que a letra de música (texto 03) é uma adaptação do Soneto de Camões e da Primeira Carta de São João aos Coríntios. Qual a intenção de utilizar tais textos na canção? Que nome se dá a esse diálogo entre dois ou mais textos? 

08) Qual a importância dos tantos paradoxos utilizados para o contexto? 

09) A que estilo literário pertence o texto 02? Justifique sua resposta, levantando características desse estilo que lhe deram a "pista":

10) Explique o título empregado no texto 03: 

11) Que diferenças e semelhanças existem entre a visão do amor do poema de Camões e a de I Coríntios, capítulo 13, que aparecem na letra da música?

12) Que sentimento do texto 01 foi substituído na letra de música pelo amor? Existe característica comum entre esses dois sentimentos?

13) O que seria "a língua dos homens"? E a "dos anjos"?

14) Você concorda com a afirmação "Sem amor eu nada seria"? Por quê?

15) Que mensagem os três textos transmitiram? 

16) E você? Consegue definir o que é o amor? Tente...

segunda-feira, 9 de março de 2015

Atividade sobre a música "Maria Maria", de Milton Nascimento


Maria Maria

Maria, Maria
É um dom, uma certa magia
Uma força que nos alerta
Uma mulher que merece
Viver e amar
Como outra qualquer do planeta

Maria, Maria
É o som, é a cor, é o suor
É a dose mais forte e lenta
De uma gente que ri
Quando deve chorar
E não vive, apenas aguenta

Mas é preciso ter força
É preciso ter raça
É preciso ter gana sempre
Quem traz no corpo a marca
Maria Maria
Mistura a dor e a alegria

Mas é preciso ter manha
É preciso ter graça
É preciso ter sonho sempre
Quem traz na pele essa marca
Possui a estranha mania 
De ter fé na vida

(Milton Nascimento e Fernando Brant)

01) Justifique o título da canção, aproveitando para sugerir um outro:

02) Na primeira estrofe, há dois versos que colocam Maria em igualdade às outras mulheres. Copie-os:

03) Transcreva da música dois pares de rima, dizendo sua importância para o contexto:

04) Copie da música uma antítese, justificando sua resposta:

05) Por que você acha que o autor escolheu o nome Maria e não um outro? 

06) Baseando-se no texto, utilize 5 (cinco) adjetivos para caracterizar a protagonista: 

07) Copie da música a metáfora de que você mais gostou, explicando o porquê: 

08) Explique o que significa a palavra em negrito no texto:

09) Que mensagem a canção transmite?

10) Quantas estrofes e quantos versos compõem a música analisada?

11) Diga a que classe gramatical pertence cada palavra sublinhada no texto: 

sexta-feira, 6 de março de 2015

Atividade sobre a música "Mulher (Sexo frágil?)", de Erasmo Carlos


Mulher (Sexo frágil?) 

Dizem que a mulher é sexo frágil
Mas que mentira absurda! 
Eu que faço parte da rotina de uma delas
Sei que a força está com elas

Vejam como é forte a que eu conheço
Sua sapiência não tem preço
Satisfaz meu ego, se fingindo submissa,
Mas no fundo me enfeitiça

Quando eu chego em casa à noitinha
Quero uma mulher só minha
Mas pra quem deu luz, não tem mais jeito
Porque um filho quer seu peito

O outro já reclama a sua mão
E o outro quer o amor que ela tiver
Quatro homens dependentes e carentes
Da força da mulher

Mulher, Mulher
Do barro de que você foi gerada
Me deu inspiração
Pra decantar você nesta canção

Mulher, Mulher
Na escola em que você foi ensinada
Jamais tirei um dez
Sou forte, mas não chego aos seus pés!

(Erasmo Carlos)

01) Por que há uma indagação entre parênteses no título dessa música? 

02) Aproveite para respondê-la, justificando sua resposta:

03) Por que você acha que alguns consideram a mulher o sexo frágil? Por que ela não o é?

04) O que significa fingir ser submissa e, de fato, sê-lo? O que isso revela?

05) Quais são os quatro homens dependentes a que o texto se refere? 

06) Quais as qualidades da mulher são resssaltadas na canção?

07) Que mensagem a música em questão lhe transmitiu?

terça-feira, 3 de março de 2015

Atividade sobre o texto "O gato e a barata", de Millôr Fernandes

O gato e a barata

A baratinha velha subiu pelo pé do copo que, ainda com um pouco de vinho, tinha sido largado a um canto da cozinha, desceu pela parte de dentro e começou a lambiscar o vinho. Dada a pequena distância que nas baratas vai da boca ao cérebro, o álcool lhe subiu logo a este. Bêbada, a baratinha caiu dentro do copo. Debateu-se, bebeu mais vinho, ficou tonta, debateu-se mais, bebeu mais, tonteou mais e já quase morria quando deparou com o carão do gato doméstico que sorria de sua aflição, do alto do copo. 
-- Gatinho, meu gatinho -- pediu ela --, me salva, me salva. Me salva que assim que eu sair daqui eu deixo você me engolir inteirinha, como você gosta. Me salva. 
-- Você deixa mesmo eu engolir você? -- disse o gato.
-- Me saaaalva! -- implorou a baratinha. -- Eu prometo.
O gato então virou o copo com uma pata, o líquido escorreu e com ele a baratinha que, assim que se viu no chão, saiu correndo para o buraco mais perto, onde caiu na gargalhada.
-- Que é isso? -- perguntou o gato. -- Você não vai sair daí e cumprir sua promessa? Você disse que deixaria eu comer você inteira. 
-- Ah, ah, ah -- riu então a barata, sem poder se conter. -- E você é tão imbecil a ponto de acreditar na promessa de uma barata velha e bêbada? 

MORAL: Às vezes a autodepreciação nos livra do pelotão.

(Millôr Fernandes)

01) Justifique o título do texto:

02) O que aconteceu com a barata?

03) Segundo o autor, por que o vinho subiu logo à cabeça da barata?

04) Explique o porquê da ortografia usada na palavra em destaque no texto:

05) Copie do texto um vocativo:

06) Transcreva do texto uma passagem irônica:

07) O que você achou do fato de o gato acreditar na promessa feita pela barata? Comente:

08) Que mensagem o texto transmite?

09) Explique a moral da história com as suas palavras:

10) Crie um novo final para a fábula em questão:

segunda-feira, 2 de março de 2015

Atividade sobre a música "Lilás", de Djavan


Lilás

Amanhã Outro dia Lua sai Ventania
Abraça uma nuvem que passa no ar Beija Brinca E deixa passar
E no ar De outro dia Meu olhar Surgia nas pontas De estrelas perdidas no mar Pra chover de emoção Trovejar
Raio se libertou Clareou Muito mais Se encantou Pela cor lilás Prata na luz do amor Céu azul
Eu quero ver o pôr do sol Lindo como ele só E gente pra ver e viajar No seu mar De raio

(Djavan)

01) Justifique o título empregado na canção acima:

02) O que seria "viajar no seu mar de raio"? 

03) Copie da música um substantivo derivado, dizendo de que outra palavra ele derivou: 


04) Transcreva da canção versos que indicam que a relação vivida foi efêmera, explicando seu raciocínio:

05) Que mensagem a música lhe transmitiu? 

06) Diga a que classe gramatical pertence cada palavra sublinhada no texto: 

Atividade sobre o texto "Maneira de amar", de Carlos Drummond de Andrade


Maneira de amar

O jardineiro conversava com as flores, e elas se habituaram ao diálogo. Passava manhãs contando coisas a uma cravina ou escutando  o que lhe confiava o gerânio. O girassol não ia muito com sua cara, ou porque não fosse homem bonito, ou porque os girassóis são orgulhosos de natureza.
Em vão o jardineiro tentava captar-lhe as graças, pois o girassol chegava a voltar-se contra a luz para não ver o rosto que lhe sorria. Era uma situação bastante embaraçosa, que as outras flores não comentavam. Nunca, entretanto, o jardineiro deixou de regar o pé de girassol e de renovar-lhe a terra, na ocasião devida.
O dono do jardim achou que seu empregado perdia muito tempo parado diante dos canteiros, aparentemente não fazendo coisa alguma. E mandou-o embora, depois de assinar a carteira de trabalho.
Depois que o jardineiro saiu, as flores ficaram tristes e censuravam-se porque não tinham induzido o girassol a mudar de atitude. A mais triste de todas era o girassol, que não se conformava com a ausência do homem. “Você o tratava mal, agora está arrependido?” “Não”, respondeu, “estou triste porque agora não posso tratá-lo mal. É a minha maneira de amar, ele sabia disso, e gostava”.

(Carlos Drummond de Andrade)

 01) O jardineiro continuou a cuidar do girassol, apesar de sua atitude indiferente e altiva. Na sua opinião, o que essa atitude nos ensina? 

02) Com o tempo o girassol se tornou mais amável? Justifique sua resposta com uma passagem do próprio texto:  

03) Por que o jardineiro entendia o comportamento agressivo do girassol? Se você fosse continuaria tratando bem dele também ou mudaria de atitude? Se sim,  o que faria? 

04) Qual é a sua opinião sobre a atitude do dono do jardim, ao despedir o jardineiro? Concorda que ele ficava mesmo à toa? 

05) Transcreva do texto uma única palavra que comprove que, com sensibilidade e atenção, há quem perceba que, ao contrário do seu patrão, o jardineiro trabalhava muito:  

06) Justifique o título do texto, aproveitando para sugerir um outro:

07) Você conhece alguma pessoa que, como o girassol, evita expressar seus sentimentos por puro orgulho? Esclareça sua resposta: 

08) Você concorda que existem várias maneiras de amar e que todas elas são eficazes? Comente: 

09) Escreva um bilhete para o jardineiro, pedindo para que ele volte a exercer as suas funções. O remetente pode ser uma das flores, o patrão ou até mesmo o girassol. Você escolhe! Seja lá quem for, capriche! Arrase! 

10) Que mensagem o texto lhe transmitiu? 

11) Diga a que classe gramatical pertence cada palavra destacada no texto: