segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Atividade sobre o texto "Sereia ou baleia?"

Uma academia de São Paulo colocou um outdoor que dizia o seguinte:

Neste verão, qual é que você vai ser? Sereia ou baleia?

Uma mulher enviou-lhes a sua resposta e distribuiu o seguinte email:
“Ontem vi um outdoor com a foto de uma moça escultural de biquíni e a frase: Neste verão, qual é você vai ser? Sereia ou Baleia?

Respondo:

As Baleias estão sempre cercadas de amigos.

As Baleias têm a vida sexual activa, engravidam e têm filhotes lindos.

As Baleias amamentam.
As Baleias andam por aí a cruzar os mares e a conhecer lugares fixes como a Antárctida e os recifes de coral da Polinésia.
As Baleias tem amigos golfinhos.

As Baleias comem camarão à brava.

As Baleias esguicham água e brincam muito. As Baleias cantam muito bem.

As Baleias são enormes e quase não tem predadores naturais.
As Baleias são bem resolvidas, lindas e amadas.
As Sereias não existem…
Se existissem viveriam em crise existencial: Sou um peixe ou um ser humano? Não têm filhos pois matam os homens que se encantam com a sua beleza.
São lindas mas tristes e sempre solitárias…
Querida academia, prefiro ser baleia!”

(A referida academia retirou o outdoor na mesma semana!)

“Muitas vezes o ser humano importa-se tanto com o exterior de uma pessoa (criticando a gordura) e a posse de bens materiais, e esquece que o mais importante é o interior, os sentimentos daquela pessoa…



Vamos valorizar mais o que somos e não o que os outros visualizam pois cada um sabe como quer estar ou fazer de si…

E só assim seremos felizes.”
(Autor desconhecido)


01) O que você achou da ideia da academia? Justifique sua resposta:

02) Qual a provável intenção de quem a criou? 

03) Como outras pessoas interpretaram tal anúncio? 

04) Como VOCÊ interpretaria, se passasse na rua, e lesse? 

05) O que você achou da resposta que a mulher enviou à academia por e-mail? Ela foi eficaz? Foi coerente? 

06) A academia fez bem em ter retirado o outdoor? Por quê? 

07) O que a academia poderia ter feito, após esse ocorrido? 

08) Que mensagem o texto lhe transmitiu? Comente: 

domingo, 6 de dezembro de 2015

Atividade sobre o texto "Da difícil arte de redigir um telegrama", do Jô Soares

Da difícil arte de redigir um telegrama

Há uma história famosa a respeito de uns parentes que tinham que comunicar por telegrama, a uma senhora que estava viajando, o falecimento de uma irmã. Reuniram-se em volta de uma mesa e toca a escrever. Primeiro foi o primo quem redigiu a nota. Depois de alguns minutos mostrou o resultado do seu trabalho: "INTERROMPA VIAGEM E VOLTE CORRENDO. TUA IRMÃ MORREU". Todos leram e um dos tios fez o seguinte comentário: 
-- Eu acho que não está bom. Afinal de contas, vocês sabem que ela é cardíaca, está viajando e um telegrama assim pode ser um choque.  
Todos concordaram, inclusive um outro primo afastado que era meio sovina e achou o telegrama muito longo: 
-- Depois, com o preço que se paga por palavra, isso não é mais um telegrama, é um telegrana.
Ninguém riu do infame trocadilho, mesmo porque velório não é lugar para gargalhadas. Foi a vez de o cunhado tentar redigir uma forma mais amena que não assustasse a senhora em passeio. Sentou-se e escreveu: INTERROMPA VIAGEM E VOLTE CORRENDO. SUA IRMÃ PASSANDO MUITO MAL". Novamente o telegrama não foi aprovado. Um irmão psicólogo observou:
-- Não sejamos infantis. Se ela não está viajando pela Europa e recebe esta notícia, não vai acreditar na história de "passando muito mal". Sobretudo com "volte correndo" no meio. 
-- Também concordo -- falou o primo afastado sempre pensando no custo. Então o genro aproximou-se:
-- Acho que tenho a forma ideal. 
Pegou no bloco e rabiscou rapidamente:
"INTERROMPA VIAGEM E VOLTE DEVAGAR. TUA IRMÃ PASSANDO MAIS OU MENOS". Todos examinaram atentamente o telegrama. A filha reclamou: 
-- Vocês acham que mamãe é boba? Se a gente escrever que a titia está passando mais ou menos e que ela pode voltar devagar, ela já vai adivinhar que todas estas precauções são pelo fato de ela ser cardíaca e que na realidade a irmã dela morreu! 
-- Concordo plenamente -- disse o facultativo da família que era também sobrinho da senhora em questão. Resolveu, como médico, escrever o telegrama: "PACIENTE FORA DE PERIGO. VOLTE ASSIM QUE PUDER. PACIENTE TUA IRMÃ". De todas as fórmulas até então apresentadas esta foi a que causou mais revolta. 
-- Que troço imbecil -- gritou o netinho que passava pela sala no momento em que a mensagem era lido. 
Puseram o menino para fora da sala, mas no íntimo a família concordava com ele. 
-- Não, isso não. Se a gente manda dizer que ela está fora de perigo, para que vamos pedir que ela interrompa a viagem? -- argumentou o tio. 
-- Também acho -- responderam todos num coro de aprovação. O filho mais velho resolveu tentar: Pensou bem, ponderou, sentou-se, molhou a ponta do lápis na língua e caprichou: "SE POSSÍVEL VOLTE. TUA IRMÃ SAUDOSA. PASSANDO QUASE MAL. POR FAVOR ACREDITE. CUIDADO CORAÇÃO. VENHA LOGO. SAUDADES SURPRESA". 
-- Realmente, esse bate todos os recordes! -- disse uma nora professora. -- Em primeiro lugar, não é "se possível", ela tem que voltar mesmo. Em segundo lugar, "saudosa" tem duplo sentido. Em terceiro lugar, ninguém passa "quase mal". Ou passa mal ou bem. "Quase mal" e "quase bem" é a mesma coisa. "Por favor acredite" é um insulto à família toda. Ninguém aqui é mentiroso. Depois, "cuidado coração" não fica claro. Como telegrama não tem vírgula, ela pode pensar que a gente está dizendo "cuidado, coração", já que a palavra "coração" também é usada como uma forma carinhosa de chamar os outros. Por exemplo: "oi, coração, tudo bem?". E finalmente a palavra "surpresa" no telegrama chega a ser um requinte de crueldade. Qual é a surpresa que ela pode esperar?
-- Ela pode pensar que a titia está esperando neném -- falou um sobrinho. 
-- Aos noventa anos de idade?
Abandonaram a ideia rapidamente. Seguiu-se um longo período de silêncio em que a família andava de lá para cá, pensando numa solução. Pela primeira vez estavam se dando conta de que não era tão fácil assim mandar um telegrama. Serviu-se o costumeiro cafezinho, enquanto cada qual do seu lado procurava uma maneira de escrever para a senhora em viagem sem que isto tivesse consequências desastrosas. De repente o irmão psicólogo explodiu num grito eurekiano de descoberta: 
-- Achei! 
Escreveu febrilmente no papel. O telegrama passou de mão em mão e foi finalmente aprovado por todo mundo. Seu texto dizia: "SIGA VIAGEM. DIVIRTASE. TUA IRMÃ ESTÁ ÓTIMA".

(Jô Soares)

01) Justifique o título do texto acima:

02) O que motivou a família a tentar escrever um telegrama? 

03) Quantos tentaram redigir? Qual deles você achou mais sem noção? Por quê? 

04) Quem você acha que escreveu melhor? Justifique sua resposta: 

05) Como você redigiria esse telegrama? Capriche! 

06) Copie do texto um neologismo, explicando como ele surgiu: 

07) Transcreva do texto uma passagem carregada de humor: 

06) Você gostou do telegrama que agradou a todos? Por quê? 

07) Por que você acha que ele agradou a todos? Explique: 

08) Que mensagem o texto transmite? 

segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Atividade sobre a fábula "Os animais e a peste", de Monteiro Lobato

Os animais e a peste

Em certo ano terrível de peste entre os animais, o leão, apreensivo, consultou um mono de barbas brancas.
-- Esta peste é um castigo do céu -- respondeu o mono, e o remédio é aplacarmos a cólera divina sacrificando aos deuses um de nós. 
-- Qual? -- perguntou o leão.
-- O mais carregado de crimes. 
O leão fechou os olhos, concentrou-se e, depois duma pausa, disse aos súditos reunidos em redor:
-- Amigos! É fora de dúvida que quem deve sacrificar-se sou eu. Cometi grandes crimes, matei centenas de veados, devorei inúmeras ovelhas e até vários pastores. Ofereço-me, pois, para o sacrifício necessário ao bem comum.
A raposa adiantou-se e disse:
-- Acho conveniente ouvir a confissão das outras feras. Porque, para mim, nada do que Vossa Majestade alegou constitui crime. Matar veados -- desprezíveis criaturas; devorar ovelhas -- mesquinho bicho de nenhuma importância; trucidar pastores -- raça vil, merecedora de extermínio! Nada disso é crime. São coisas que até muito honram o nosso virtuosíssimo rei leão.
Grandes aplausos abafaram as últimas palavras da bajuladora -- e o leão foi posto de lado como impróprio para o sacrifício. 
Apresentou-se em seguida o tigre e repete-se a cena. Acusa-se ele de mil crimes, mas a raposa prova que também o tigre era um anjo de inocência. 
E o mesmo aconteceu com todas as outras feras. 
Nisto chega a vez do burro. Adianta-se o pobre animal e diz:
-- A consciência só me acusa de haver comido uma folha de couve na horta do senhor vigário.
Os animais entreolharam-se. Era muito sério aquilo. A raposa toma a palavra:
-- Eis, amigos, o grande criminoso! Tão horrível o que ele nos conta, que é inútil prosseguirmos na investigação. A vítima a sacrificar-se aos deuses não pode ser outra, porque não pode haver crime maior do que furtar a sacratíssima couve do senhor vigário.
Toda a bicharada concordou e o triste burro foi unanimemente eleito para o sacrifício. 

Aos poderosos tudo se desculpa; aos miseráveis nada se perdoa. 
(Monteiro Lobato)

01) Por que está sendo realizado um julgamento?

02) O leão apresenta-see confessa seus crimes, mas a raposa defende-o veemente. 

a) Que argumento ela utiliza?
b) Que palavra foj utilizada para caracterizar a raposa?

03) Depois do leão, outros animais se apresentaram. Num certo momento, o narrador utiliza uma ironia para referir-se a uma das feras. Indique a passagem em que isso ocorre:

04) Na confissão do burro, o autor do texto usou uma palavra que nos transmite, antecipadamente, a noção de que ele é sincero e inocente. Que palavra é essa?

05) Em relação à confissão do burro:

a) Qual é a reação dos animais?
b) Qual é o significado dessa reação?

06) Em relação à raposa:

a) Que argumento ela usa para considerar o burro um grande criminoso?
b) Releia com atenção a última fala da raposa e responda: que palavra ela usa para realçar o "crime" do burro e condená-lo definitivamente?

07) Os animais concordaram, unanimemente, com o sacrifício do burro. Como você classificaria essa atitude? Justifique sua resposta:

08) Que tipos humanos os animais representam nesse texto? Cite o papel de cada um:

09) Podemos afirmar que esse texto é uma fábula? Por quê?

10) Analise a frase final, que resume a moralidade da história. Qual é a questão central exposta?

11) Que mensagem o texto lhe transmitiu? Podemos dizer que ele é atual? 

12) Que sinal de pontuação é utilizado para indicar a fala do personagem?

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Atividade sobre Literatura de Cordel


Literatura de cordel

A literatura de cordel é uma espécie de poesia popular que é impressa e divulgada em folhetos ilustrados com o processo de xilogravura, que é a arte de gravar em madeira. É uma espécie de carimbo, no qual uma gravura é entalhada na madeira com auxílio de objeto cortante e, na sequência, utiliza-se de um rolo de borracha com tinta (normalmente preta), que penetra somente nas partes onde está a gravura (entalhe). Então a parte em que fica a gravura, é colocada em contato com a superfície a ser ilustrada. Após alguns minutos, retira-se a madeira, que deixa a imagem impregnada no local. Essa técnica é também chamada de impressão em alto relevo. 

Em Portugal, eram expostos para o povo amarrados em cordões, estendidos em pequenas lojas de mercados populares ou até mesmo nas ruas. A literatura de cordel chegou ao Brasil no século XVIII, através dos portugueses. Aos poucos, foi se tornando cada vez mais popular. 

Nos dias de hoje, podemos encontrar esse tipo de literatura principalmente na região Nordeste do Brasil. Ainda são vendidos em lonas ou malas estendidas em feiras populares. Uma das características desse tipo de produção é a manifestação da opinião do autor a respeito de algo dentro de sua sociedade. Os cordéis não têm a característica de serem impessoais ou imparciais, pelo contrário, na maioria das vezes usam várias técnicas de persuasão e convencimento para que o leitor acate a ideia proposta. Muitas vezes esses poemas são acompanhados de violas e recitados em praças com a presença do público. 

Um dos poetas mais famosos da literatura de cordel foi Leandro Gomes de Barros (1865-1918) e acredita-se que ele tenha escrito mais de mil folhetos. Existem também os poetas José Alves Sobrinho, Homero do Rego Barros, Patativa do Assaré (Antônio Gonçalves da Silva), Téo Azevedo, Zé Melancia, Zé Vicente, José Pacheco da Rosa, Gonçalo Ferreira da Silva, Chico Traíra, João de Cristo Rei e Ignácio da Catingueira. 

01) O que é literatura de cordel? Por que ela tem esse nome?

02) O que é xilogravura e qual a sua importância para a literatura de cordel?

03) Por que tal literatura é chamada de popular? 

04) Quais as principais características da literatura de cordel? 

05) Qual o poeta mais famoso que representa esse tipo de literatura? 

06) Dos nomes citados, quais você já tinha escutado falar? 

07) Em que região do Brasil tal literatura predomina? Por quê? 

Atividade sobre a música "De repente Califórnia", de Lulu Santos


De repente Califórnia

Garota, eu vou pra Califórnia
Viver a vida sobre as ondas
Vou ser artista de cinema
O meu destino é ser star

O vento beija meus cabelos
As ondas lambem minhas pernas
O sol abraça o meu corpo
Meu coração canta feliz

Eu dou a volta, pulo o muro
Mergulho no escuro
Sarto de banda
Na Califórnia é diferente
É muito mais do que um sonho

A vida passa lentamente
E a gente vai tão de repente
Tão de repente que não sente
Saudades do que já passou

Na minha vida ninguém manda não
Eu vou além desse sonho
Garota, eu vou pra Califórnia...

(Lulu Santos)

01) Justifique o título utilizado na canção:

02) Circule na música um vocativo, explicando seu raciocínio:

03) Justifique a presença de uma palavra em itálico no texto e diga o que ela significa:

04) Copie do texto duas prosopopéias, justificando:

05) Transcreva da música uma gíria, adequando à linguagem formal:

06) Que mensagem a música transmitiu?

07) Podemos afirmar que a passagem em negrito no texto corresponde a um pleonasmo? Justifique sua resposta da melhor maneira possível: 

08) Localize na canção:

a) um substantivo próprio:
b) um advérbio de tempo:
c) um pronome, classificando-o:
d) um advérbio de intensidade:
e) um artigo definido:

segunda-feira, 16 de novembro de 2015

Atividade sobre a música "O pequeno burguês", de Martinho da Vila


O pequeno burguês

Felicidade! 
Passei no vestibular!
Mas a faculdade
É particular
Particular!
Ela é particular.
Particular!
Ela é particular.
Livros tão caros
Tanta taxa pra pagar
Meu dinheiro muito raro
Alguém teve que emprestar
O meu dinheiro
Alguém teve que emprestar
Morei no subúrbio
Andei de trem atrasado
Do trabalho ia pra aula
Sem jantar e bem cansado
Mas lá em casa
À meia-noite
Tinha sempre a me esperar
Um punhado de problemas
E criança pra criar
Pra criar... 
E só criança pra criar!
Mas felizmente eu consegui me formar
Mas da minha formatura
Não cheguei participar
Faltou dinheiro pra beca
E também pro meu anel
Nem o diretor careca
Entregou o meu papel
O meu papel...
Meu canudo de papel
E depois de tantos anos
Só decepções, desenganos
Dizem que sou um burguês
Muito privilegiado
Mas burgueses são vocês
Eu não passo
De um pobre coitado
E quem quiser ser como eu
Vai ter é que penar um bocado
Um bom bocado! 
Vai penar um bocado
Um bom bocado! 

(Martinho da Vila)

01) Justifique o título dado à canção:

02) Qual o assunto abordado no texto? Comente:

03) Quais foram as dificuldades enfrentadas pelo eu lírico?

04) Você acha que esse personagem é um caso isolado ou representa muitas pessoas? Justifique sua resposta:

05) Que tipo de universitário não passa por esse tipo de obstáculo? Cite:

06) Como foi a vida dessa pessoa depois que ela se formou?

07) O que era o "canudo de papel" a que se refere a personagem? Por que ela não recebeu?

08) Vários versos foram começados pela conjunção "mas". O que ela significa? Que efeito essas repetições provocou no texto? 

09) Por que dizem que a personagem é privilegiada? Você concorda com isso? Explique:

10) Que mensagem a música transmite? Comente:

terça-feira, 10 de novembro de 2015

Atividade sobre obras de arte com autorretratos - Frida Kahlo

A pintora mexicana Frida Kahlo sempre gostou de se retratar em suas pinturas, como nas duas obras selecionadas, que marcaram momentos bem dolorosos de sua vida, no corpo e na alma. Pesquise sobre esses momentos para ajudar a responder às questões sobre elas: 

("Coluna quebrada" - Frida Kahlo - 1944)

("As duas Fridas" - Frida Kahlo - 1939)


01) A que fato marcante na vida de Frida se refere a primeira obra? O que lhe deu essa "pista"? 

02) O que a paisagem revela sobre o estado de espírito da pintora? 

03) O que, na obra, remete à dor? Ela demonstra algum tipo de sofrimento?

04) Justifique o título das duas obras analisadas:

05) O que transmite a segunda obra em questão? Que análise se pode fazer dela?

06) Que duas Fridas seriam essas? Por quê? No que diferem? Estão interligadas?

07) De qual das duas obras você mais gostou? Por quê? 

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Atividade sobre a música "Admirável gado novo", de Zé Ramalho


Admirável gado novo

Vocês que fazem parte dessa massa
Que passa nos projetos do futuro
É duro tanto ter que caminhar
E dar muito mais do que receber

E ter que demonstrar sua coragem
À margem do que possa parecer
E ver que toda essa engrenagem
sente a ferrugem lhe comer

Êeeeeeh! Oh! Oh! 
Vida de gado
Povo marcado
Êh! 
Povo feliz

Lá fora faz um tempo confortável
A vigilância cuida do normal
Os automóveis ouvem a notícia
Os homens a publicam no jornal

E correm através da madrugada
A única velhice que chegou
Demoram-se na beira da estrada
E passam a contar o que sobrou...

(Refrão)

O povo foge da ignorância
Apesar de viver tão perto dela
E sonham com melhores tempos idos
Contemplam essa vida numa cela
Esperam nova possibilidade
De verem esse mundo se acabar

A Arca de Noé, o dirigível
Não voam nem se pode flutuar
Não voam nem se pode flutuar

(Refrão)

(Zé Ramalho)

01) Justifique o título utilizado na canção:

02) A quem se refere o termo "Vocês", presente no verso "Vocês que fazem parte dessa massa"? Você se inclui? Por quê?

03) Posicione-se sobre o verso "E dar muito mais do que receber", justificando sua opinião:

04) Existe no texto alguma antítese? Se sim, qual? Explique:

05) Que "engrenagem" seria essa, de que o eu lírico fala? Comente:

06) A que corresponderia a "ferrugem"? Justifique sua resposta:

07) Explique o que você entendeu do refrão:

08) Transcreva as interjeições da música, dizendo o que elas expressam: 

09) Que mensagem a música lhe transmitiu? 

10) Diga a que classe gramatical pertence cada palavra destacada no texto:

P.S.: Vale a pena trabalhar a intertextualidade com os alunos, utilizando também a música "Admirável chip novo", da cantora Pitty, cuja atividade também existe aqui no blog. Experimente! Só clicar no link! 

quarta-feira, 4 de novembro de 2015

Atividade sobre o uso dos porquês


- Por que (separado e sem acento): deve ser usado no início das perguntas, diretas e indiretas, aindaque neste último caso haja dúvidas, ou como equivalente a "pelo qual" e suas variantes. 

Exemplos: Por que você não veio à festa? / Queria saber por que você não compareceu. 

- Por quê (separado e com acento): deve ser utilizado no final das interrogações  ou em isolado em frases. 

Exemplos: Você veio, por quê? / Você faltou ontem. Por quê? 

- Porque (junto e sem acento): utilizado nas respostas, pois corresponde à conjunção causal. 

Exemplo: Vim porque eu quis. 

- Porquê (junto e com acento): trata-se do substantivo, sinônimo de "motivo", então é o único que terá plural. 

Exemplo: Queria saber o porquê de ter vindo cedo. 

01) Complete as frases a seguir, preenchendo as lacunas coma forma adequada e justificando, para fixar:

a) Meu amor, fui sequestrado por um bando de terroristas, nem sei explicar _________________.

b) Tem gente que se acha honesta só ___________________ não sabia da mamata.

c) _________________ o ideal do aficionado da fotografia é possuir a melhor máquina para tirar fotos de miseráveis?

d) Nem sempre os motivos ______________ se luta são tão meritórios como parecem.

e) Qual o __________________ de Cabral ter descoberto o Brasil, se podia ter descoberto outro país?

f) A infância é a idade dos __________________.

g) Não sei ________________ ele usa chapéu se não tem cabeça para nada. 

h) Não trabalhamos _____________ gostamos, mas _____________ precisamos. 

i) Desconhecemos o __________________ da revolta dos policiais. 

j) Consegui o documento _____________ lutei todos esses anos. 

terça-feira, 3 de novembro de 2015

Atividade sobre a música "Marvin", dos Titãs


Marvin

Meu pai não tinha educação
Ainda me lembro, era um grande coração;
Ganhava a vida com muito suor
Mas mesmo assim não podia ser pior;

Pouco dinheiro pra poder pagar
Todas as contas e despesas do lar.
Mas Deus quis vê-lo no chão
Com as mãos levantadas pro céu
Implorando perdão.

Chorei, meu pai disse: "Boa sorte",
Com a mão no meu ombro
Em seu leito de morte
E disse:

"Marvin, agora é só você,
não vai adiantar
Chorar vai me fazer sofrer".

Três dias depois de morrer
Meu pai, eu queria saber.
Mas não botava nem um pé na escola
Mamãe lembrava disso a toda hora.

Todo dia antes do sol sair
Eu trabalhava sem me distrair.
Às vezes acho que não vai dar pé.
Eu queria fugir, mas onde eu estiver
Eu sei muito bem o que ele quis dizer.
Meu pai, eu me lembro, não me deixa esquecer
Ele disse:

"Marvin, a vida é pra valer.
Eu fiz o meu melhor
E o seu destino eu sei de cor".

E então um dia uma forte chuva veio
E acabou com o trabalho de um ano inteiro
E aos treze anos de idade eu sentia
todo o peso do mundo em
minhas costas
Eu queria jogar, mas perdi a aposta.
Trabalhava feito um burro nos campos
Só via carne se roubasse um frango.
Meu pai cuidava de toda a família
Sem perceber segui a mesma trilha
Toda noite minha mãe orava.

"Deus, era em nome da fome
que eu roubava".

Dez anos passaram, cresceram
meus irmãos
E os anjos levaram minha mãe
pelas mãos.
Chorei, meu pai disse: "Boa sorte”·
Com a mão no meu ombro
Em seu leito de morte

E disse: "-- Marvin, agora é só você
E não vai adiantar
Chorar vai me fazer sofrer".

-- Marvin, a vida é pra valer
Eu fiz o meu melhor
E o seu destino eu sei de cor“

(Titãs)
  
01) Justifique o título usado em tal canção:

02) Utilize apenas adjetivos para caracterizar o Marvin, de acordo com as pistas dadas na música:

03) Que característica da vida de tal personagem impossibilitou sua ascensão social? Comente: 

04) Que transgressão à ordem social é confessado por Marvin? Como ele  se justifica?

05) “Mamãe lembrava disso a toda hora”. De que sua mãe se lembrava? Por quê?

06) Explique por que o pai de Marvin podia saber o destino do filho:

07) Você concorda com esse pai? É, de fato, impossível mudar o nosso destino? Justifique sua resposta: 

08) Que mensagem a música transmite? Comente: 

09) Localize no texto:

a) um substantivo próprio:
b) um advérbio de tempo:
c) um pronome possessivo:
d) um vocativo:
e) dois adjetivos:
f) dois numerais:

10) Copie do texto um eufemismo, dizendo o que ele representava: 

11) Explique o verso que se encontra em negrito no texto: 

12) A vida de Marvin não foi nada fácil, então como você acha que ele chegou à fase adulta e como sofreu ou superou as suas adversidades? Comente: 

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

Exercícios sobre Literatura Africana


"Estou voltando..."  (um conto africano)

Um jovem angolano caminhava solitário pela praia. Parou por alguns instantes para agradecer aos deuses por aquele momento milagroso: o deslumbramento de sua terra natal. O silêncio o fez adormecer em seu âmago, despertando inesperadamente com o bater das ondas sobre as pedras. De repente, surgiram das matas homens estranhos e pálidos que o agarraram e o acorrentaram. Sua coragem e o medo travaram naquele momento uma longa batalha... Ele chamou pelos seus pais e clamou pelo seu Deus. Mas ninguém o ouviu. Subitamente mais e mais rostos estranhos e pálidos se uniram para rirem de sua humilhação. Vendo que não havia saída, o jovem angolano atacou um deles, mas foi impedido por um golpe. Tudo se transformou em trevas.  (...)

(Agamenon Troyan)

01) A que fato histórico este trecho do conto faz referência? 

02) Transcreva a passagem do poema que sugere a ideia de pertencimento por meio de identificação com elementos da natureza local:

03) Justifique o título dado ao texto:

04) Copie do texto um exemplo de sujeito composto, explicando seu raciocínio:

05) Quem seriam os "homens estranhos e pálidos"? O que fizeram? 

quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Atividade sobre a música "O poeta aprendiz", com Adriana Calcanhoto


O poeta aprendiz

Ele era um menino
Valente e caprino
Um pequeno infante
Sadio e grimpante
Anos tinha dez
E asas nos pés

Com chumbo e bodoque
Era plic e ploc
O olhar verde gaio
Parecia um raio
Pra tangerina
Pião ou menina 

Seu corpo moreno
Vivia correndo 
Pulava no escuro 
Não importa que muro
Saltava de anjo
Melhor que marmanjo
E dava o mergulho
Sem fazer barulho

Em bola de meia
Jogando de meia-direita ou de ponta
Passava da conta
De tanto driblar
Amava era amar

Amava Leonor
Menina de cor
Amava as criadas
Varrendo as escadas 
Amava as gurias
Da rua, vadias

Amava suas primas
Com beijos e rimas
Amava suas tias
De peles macias
Amava as artistas
Das cine-revistas
Amava a mulher
A mais não poder

Por isso fazia 
Seu grão de poesia 
E achava bonita
A palavra escrita
Por isso sofria
De melancolia
Sonhando o poeta
Que quem sabe um dia 
Poderia ser 

(Vinícius de Moraes e Toquinho) 

01) Justifique o título dado à música:

02) O que significa "ter asas nos pés"?

03) Copie do texto duas onomatopeias, dizendo a que elas podem estar se referindo:

04) Explique o efeito sonoro causado por "Amava era amar":

05) Copie do texto um trecho que comprova que o menino não tinha nenhum preconceito, explicando sua escolha:

06) Que mensagem a canção transmite? Comente:

07) Localize no texto:

a) um substantivo próprio:
b) um substantivo composto:
c) um numeral:
d) um advérbio de dúvida:
e) um advérbio de negação:
f) dois verbos no gerúndio:

Atividade sobre o filme "Central do Brasil" (1 h 45 min)


Sinopse: O filme conta a história de Dora, uma professora primária aposentada, que resolveu escrever cartas para analfabetos na estação Central do Brasil, no centro do Rio de Janeiro, quando conhece Josué, um menino cuja mãe acabou de morrer atropelada e que tem um sonho de conhecer o pai, que mora no interior do Nordeste. (Duração: 1 h 45 min)

01) Que ideia a personagem Dora teve para ganhar um dinheirinho extra? Como ela lidava com isso? 

02) Por que o menino Josué acabou ficando sozinho no mundo? Como Dora o conheceu?

03) Utilize 4 (quatro) adjetivos para caracterizar Dora, sendo duas qualidades de dois defeitos: 

04) Como Dora conseguiu dinheiro para comprar uma TV? O que você pensa sobre isso?

05) Por que o menino achava que Dora não valia nada? Você concorda com ele?

06) Dora "vendeu" o menino pensando se tratar de quê? E do que se tratava, afinal? 

07) O que ela fez para tentar "resgatar" Josué? 

08) Que missão Dora acabou tomando para ela? Ela obteve êxito? 

09) Em um momento do filme, Dora e Josué ficam tentando imaginar quem do ônibus é pai. O que seria então "ter cara de pai"? Como isso seria, para você? 

10) Josué pergunta à Dora e à Irene quem cuida delas, já que não têm marido. Você achou essa postura  dele machista? Justifique sua resposta:

11) E na passagem em que ele diz que Dora parece homem, que não se pinta e que por isso nunca se casou? Que impressão lhe causou? 

12) Dora brigou com Josué quando ele roubou algumas coisas no mercadinho, mas logo em seguida ela fez a mesma coisa. Como você explicaria isso? 

13) Por que você acha que o caminhoneiro resolveu ajudar Dora no mercadinho? 

14) Por que Dora, no banheiro da lanchonete, decidiu se pintar? O que estava subentendido nisso? 

15) Por que você acha que o caminhoneiro resolveu ir embora, deixando Dora e Josué pra trás? 

16) Na expressão "Já tenho caju demais pra comer isso daí", existe um regionalismo. Qual? O que ele significa? 

17) Por que você acha que Dora acrescentou o nome de Josué à carta deixada pelo pai? Você acha que ela fez bem? Justifique sua resposta:

18) Você achou correto o fato de Dora deixar Josué para trás e com os irmãos dele? Por quê?

19) Afinal de contas, você acredita que Jesus, o pai de Josué, voltou? Justifique sua resposta:

20) Justifique o nome do filme, dizendo que outro você daria, e também que mensagem ele transmitiu: 

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Atividade sobre o poema "Os ombros suportam o mundo", de Carlos Drummond de Andrade

Os ombros suportam o mundo 

Chega um tempo em que não se diz mais: meu Deus.
Tempo de absoluta depuração. 
Tempo em que não se diz mais: meu amor. 
Porque o amor resultou inútil.
E os olhos não choram. 
E as mãos tecem apenas o rude trabalho.
E o coração está seco.

Em vão mulheres batem à porta, não abrirás. 
Ficaste sozinho, a luz apagou-se,
mas na sombra teus olhos resplandecem enormes. 
És todo certeza, já não sabes sofrer. 
E nada esoeras de teus amigos. 

Pouco importa venha a velhice, que é a velhice?
Teus ombros suportam o mundo
e ele não pesa mais que a mao de uma criança.
As guerras, as fomes, as discussões dentro dos edifícios
provam apenas que a vida prossegue
e nem todos se libertaram ainda. 
Alguns, achando bárbaro o espetáculo, 
preferiririam (os delicados) morrer. 
Chegou um tempo em que não adianta morrer. 
Chegou um tempo em que a vida é uma ordem. 
A vida apenas, sem mistificações. 

(Carlos Drummond de Andrade)

01) Justifique o título dado ao poema acima:

02) De acordo com o texto, não se diz mais duas expressões. Quais? O que você pensa sobre isso?

03) O que representariam tais expressões em "outro tempo"?

04) Pode-se afirmar que o eu lírico está sensível e sofrendo com a nova fase? Por quê?

05) A solidão do eu lírico é desejada? Justifique-se:

06) Como se pode entender a passagem "suportar o mundo"?

07) Qual a saída que o eu lírico identifica para todos os problemas citados?

08) Que problemas, afinal, seriam esses? Cite-os:

09) Que mensagem o texto transmite? Comente:

10) Quais as características modernistas presentes no texto? Explique-as:

terça-feira, 6 de outubro de 2015

Atividade sobre a música "Aquarela do Brasil", com Gal Costa


Aquarela do Brasil

Brasil, meu Brasil brasileiro
Meu mulato inzoneiro
Vou cantar-te nos meus versos
O Brasil, samba que dá!
Bamboleiro que faz gingá
O Brasil do meu amor
Terra de Nosso Senhor
Brasil, Brasil
Pra mim, pra mim

Ahh, abre a cortina do passado
Tira a mãe preta do serrado
Bota o rei congo no congado
Brasil, Brasil 
Deixa cantar de novo o trovador
A merencória luz da lua
Toda a canção do meu amor
Quero ver a "sá dona" caminhando
Pelos salões arrastando
O seu vestido rendado
Brasil, Brasil
Pra mim, pra mim

Brasil, terra boa e gostosa
Da morena sestrosa
De olhar indiscreto
O Brasil, verde que dá!
Para o mundo se admirá 
O Brasil do meu amor
Terra de Nosso Senhor
Brasil, Brasil
Pra mim, pra mim

Ô, esse coqueiro que dá coco
Ô, onde amarro a minha rede
Nas noites claras de luar
Brasil, Brasil
Ahhh, ouve essas fontes murmurantes
Onde eu mato a minha sede
E onde a luz vem brincá
Ahhh, esse Brasil lindo e trigueiro
É o meu Brasil brasileiro
Terra do samba e pandeiro
Brasil, Brasil
Pra mim, pra mim

(Ari Barroso)


01) Justifique o título dado ao texto:

02) Circule na música um vocativo, explicando sua importância para o contexto:

03) Trascreva da canção marcas preciosas de oralidade: 

04) Copie do texto um substantivo primitivo e o seu derivado: 

05) Que mensagem a música transmite? 

terça-feira, 29 de setembro de 2015

Atividade sobre a música "Dias melhores", de Jota Quest


Dias melhores

Vivemos esperando 
Dias melhores
Dias de paz, dias a mais
Dias que não deixaremos para trás

Vivemos esperando
O dia em que seremos melhores
Melhores no amor
Melhores na dor
Melhores em tudo

Vivemos esperando 
O dia em que seremos para sempre
Vivemos esperando 

Dias melhores pra sempre
Dias melhores pra sempre 

(Jota Quest)

01) Justifique o título da canção:

02) Que espécie de crítica a música faz? Comente:

03) Como seríamos melhores no amor?

04) Como seríamos melhores na dor?

05) O que tem faltado para que os seus "dias melhores" sejam hoje?

06) Que mensagem a música transmite?

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Atividade sobre a música "Aluga-se", de Raul Seixas


Aluga-se 

A solução pro nosso povo eu vou dar
Negócio bom assim nunca ninguém viu
Tá tudo pronto aqui
A solução é alugar o Brasil

Nós não vamos pagar nada

É tudo free, tá na hora
Agora é free, vamo embora
Dar lugar pros gringo entrar 

Que esse imóvel tá pra alugar

Os estrangeiros, eu sei que vão gostar
Tem o Atlântico, tem vista pro mar
A Amazônia é o jardim do quintal
E o dólar deles paga o nosso mingau

(Raul Seixas)

01) Justifique o título dado à música: 

02) Que duas belezas do Brasil são citadas no texto? O que elas têm em comum?

03) Copie do texto marcas de oralidade:

04) Por que você acha que se sugere alugar o Brasil? Levante hipóteses:

05) Há desvios gramaticais na música? Com que intenção eles foram empregados?

06) Por que existe uma palavra em itálico no texto? Por que não usou a expressão "de graça"?

07) Segundo o texto, o que o Brasil oferece aos gringos? Você concorda com isso?

08) No último verso, que significado se pode dar a "mingau"?

09) Que crítica a música faz? Explique-a:

10) Que mensagem a canção transmite? Comente:

domingo, 27 de setembro de 2015

Atividade sobre a música "Dia branco", de Geraldo Azevedo


Dia branco

Se você vier
Pro que der e vier
Comigo
Eu te prometo o sol 
Se hoje o sol sair
Ou a chuva
Se a chuva cair
Se você vier
Até onde a gente chegar
Numa praça na beira do mar
Num pedaço de qualquer lugar
Nesse dia branco
Se branco ele for
Esse tanto esse canto de amor
Se você quiser e vier
Pro que der e vier comigo.

(Geraldo Azevedo)

01) Justifique o título utilizado na canção:

02) A felicidade do eu lírico depende de uma condição básica. Qual? Comprove com versos do próprio texto: 

03) O que você pensa com relação a isso? Comente:

04) O que seria um "dia branco"?

05) Copie do texto uma antítese, explicando seu raciocínio:

06) Transcreva da canção versos que transmitem dúvida:

07) Que mensagem a música transmitiu?