terça-feira, 30 de setembro de 2014

Sugestão de Ficha de Leitura (Padrão)

Muitas pessoas estavam me perguntando se eu costumo trabalhar com fichas de leitura, e, se sim, o que eu costumo colocar nelas. Varia muito. Muitas vezes (na maioria delas) eu fecho em cima do livro indicado, pois confesso que acho um barato quem tem coragem de deixar o aluno fazer suas próprias escolhas, mas eu fico insegura e com medo de não dar conta, até porque, com a correria, não consigo ler muito e aí eles podem escolher livros que eu ainda não li e aí não saberei detectar se fui enrolada ou não... (risos)

Quem por acaso consegue trabalhar de maneira mais ampla e democrática, por favor, me dê umas dicas! Agradeço! E hoje aproveito para compartilhar uma ficha de leitura meio genérica, porque pode servir para alguém, pelo menos para tomar como base! Espero que gostem! 

Ficha de leitura

De acordo com leitura que você realizou, responda às questões abaixo:

- Título do livro: 
- Autor:
- Ilustrador: 
- Editora:
- Ano de publicação:
- Quantidade de páginas: 

01) Por que o livro recebeu esse título? 

02) Com suas próprias palavras, faça um pequeno resumo da obra:

03) Quais são as personagens principais? 

04) Quais são as características físicas e psicológicas de cada uma dessas personagens? 

05) Cite outras personagens que também foram importantes na história: 

06) Qual foi a parte da história de que você mais gostou? Por quê? 

07) Tente ilustrar essa parte que você escolheu: 

08) Se pudesse mudar algo na obra, o que seria? Comente: 

09) O que você aprendeu com essa leitura?  

10) De 0 a 10, que nota daria a essa obra? Justifique sua resposta: 

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Atividade sobre o poema "Profissão de fé", de Olavo Bilac

Profissão de fé

Invejo o ourives quando escrevo:
Imito o amor
Com que ele, em ouro, o alto relevo
Faz de uma flor. 

Imito-o. E, pois, nem de Carrara
A pedra firo:
O alvo cristal, a pedra rara,
O ônix prefiro.

Por isso, corre, por servir-me,
Sobre o papel
A pena, como em prata firme
Corre o cinzel.

Corre, desenha, enfeita a imagem, 
A ideia veste:
Cinge-lhe ao corpo a ampla roupagem
Azul-celeste. 

Torce, aprimora, alteia, lima
A frase, e, enfim,
No verso de ouro engasta a rima, 
Como um rubim. 

Quero que a estrofe cristalina,
Dobrada ao jeito
Do ourives, saia da oficina
Sem um defeito.

E que o lavor do verso, acaso,
Por tão sutil,
Possa o lavor lembrar de um vaso 
De Bezerril.

E horas sem conta passo, mudo, 
O olhar atento,
A trabalhar, longe de tudo
O pensamento.

Porque o escrever -- tanta perícia,
Tanto requer,
Que ofício tal... nem há notícia
De outro qualquer. 

Assim procedo. Minha pena
Segue esta norma, 
Por te servir, Deusa serena,
Serena Forma! 

(Olavo Bilac)

01) Justifique o título dado ao poema: 

02) Ele é composto por quantas estrofes? E quantos versos, no total? 

03) Qual é o tema central do texto? Justifique sua resposta: 

04) Do ponto de vista formal, o poema caracteriza-se pela regularidade métrica e rítmica, obedecendo aos critérios clássicos de beleza poética, seguidos pelos parnasianos. Justifique essa afirmação: 

05) Na primeira estrofe, desenvolve-se uma comparação que nos permite perceber a extrema importância da forma para a poesia parnasiana. De que comparação se trata? 

06) Que verbos da quinta estrofe exprimem o pressuposto parnasiano de que a criação literária é fundamentalmente um trabalho intelectual, um debruçar-se sobre a obra em busca da perfeição formal? 

07) Que mensagem o poema transmite? Comente: 

08) Que tipo de linguagem é utilizada no texto? Comprove com uma passagem:

09) Por que o eu lírico inveja o ourives? O que você pensa a respeito disso? 

terça-feira, 23 de setembro de 2014

Atividade sobre a música "Não é proibido", de Marisa Monte


Não é proibido

Jujuba, bananada, pipoca,
Cocada, queijadinha, sorvete,
Chiclete, sundae de chocolate,

Paçoca, mariola, quindim,
Frumelo, doce de abóbora com coco,
Bala Juquinha, algodão-doce e manjar. 

Venha pra cá, venha comigo! 
A hora é pra já, não é proibido.
Vou te contar: tá divertido, 
Pode chegar! 

Vai ser nesse fim de semana 
Manda um e-mail para a Joana vir

Não precisa bancar o bacana
Fala para o Peixoto chegar aí! 

Traz todo mundo, tá liberado, é só chegar.
Traz toda a gente, tá convidado, é pra dançar,
Toda tristeza deixa lá fora; chega pra cá!

(Marisa Monte, Seu Jorge e Dadi)

01) Justifique o título dado à música acima:

02) Nas duas primeiras estrofes da letra, em que aparece uma lista de palavras, do que se está falando? 

03) No texto, a autora fala de "bala Juquinha". Qual seria a diferença de sentido se em vez dessa expressão os autores tivessem usado somente "bala"? Que papel o substantivo Juquinha tem nesse contexto? 

04) Quem você acha que é a Joana? E o Peixoto? 

05) Que mensagem a canção transmite?

06) Por que há palavras que se encontram em itálico no texto?

07) Circule no texto todos os substantivos:

08) Copie todos os substantivos derivados, dizendo de que palavras eles derivaram:

09) Transcreva da música quatro substantivos próprios:

10) Localize na canção um substantivo composto:

11) Copie do texto marcas de oralidade:

terça-feira, 16 de setembro de 2014

Atividade sobre a crônica "Pneu furado", de Luís Fernando Veríssimo

Pneu furado

O carro estava encostado no meio-fio, com um pneu furado. De pé ao lado do carro, olhando desconsoladamente para o pneu, uma moça muito bonitinha. Tão bonitinha que atrás parou outro carro e dele desceu um homem dizendo "Pode deixar". Ele trocaria o pneu. 
-- Você tem um macaco? -- perguntou o homem. 
-- Não -- respondeu a moça.
-- Tudo bem, eu tenho -- disse o homem -- Você tem estepe?
-- Não -- disse a moça.
-- Vamos usar o meu -- disse o homem 
E pôs -se a trabalhar, trocando o pneu, sob o olhar da moça. 
Terminou no momento em que chegava o ônibus que a moça estava esperando. Ele ficou ali, suando, de boca aberta, vendo o ônibus se afastar. 
Dali a pouco chegou o dono do carro.
-- Puxa, você trocou o pneu pra mim. Muito obrigado.
-- É. Eu... Eu não posso ver pneu furado. Tenho que trocar. 
-- Coisa estranha. 
-- É uma compulsão. Sei lá. 
(Luís Fernando Veríssimo)

01) Justifique o título dado à crônica:

02) Copie do texto uma passagem que revela que o homem só ajudou por interesse:

03) O que a mulher poderia ter falado para o homem, após tantas perguntas feitas por ele?

04) Por que você acha que ela não falou logo que o carro não era dela?

05) Quando o homem percebeu que o carro não pertencia à moça? O que você teria feito no lugar dele? 

06) O que você faria se fosse o dono do carro?

07) Em que reside o humor da crônica?

08) Que mensagem o texto transmite?

terça-feira, 9 de setembro de 2014

Atividade sobre a música "Garganta", da Ana Carolina


Garganta

Minha garganta estranha
Quando não te vejo
Me vem um desejo doido de gritar
Minha garganta arranha
A tinta e os azulejos
Do teu quarto, da cozinha, da sala de estar

Venho madrugada perturbar seu sono
Como um cão sem dono
Me ponho a ladrar
Atravesso o travesseiro
Te reviro pelo avesso
Tua cabeça enlouqueço
Faço ela rodar

Sei que não santa
Às vezes vou na cara dura
Às vezes ajo com candura
Pra te conquistar
Mas não sou beata
Me criei na rua
E não mudo a minha postura
Só pra te agradar

Vim parar nesta cidade
Por força da circunstância
Sou assim desde criança
Me criei meio sem lar
Aprendi a me virar sozinha
E se tô te dando linha
É pra depois te abandonar

(Ana Carolina)

01) Justifique o título dado à canção:

02) De onde vem o desejo de o eu lírico gritar?

03) Existe no texto alguma prosopopeia? Se sim, onde? Explique seu raciocínio:

04) Explique a comparação empregada na canção, dizendo se ela foi ou não bem empregada:

05) O que é alguém revirar o outro pelo avesso? Isso é bom ou ruim, afinal?

06) Copie do texto o que a gramática normativa consideraria um desvio, explicando e adequando:

07) Transcreva da canção versos que comprovam uma certa bipolaridade vinda do  eu lírico:

08) O que significa que alguém foi criado na rua? Isso é algo positivo ou negativo? Explique:

09) O que significa a expressão "estar te dando linha"? Qual expressão mais formal poderia substituí-la sem gerar prejuízo à frase?

10) Que mensagem a música lhe transmitiu?

terça-feira, 2 de setembro de 2014

Atividade sobre o texto "O homem faz o clima. E faz mal", de Karen Gimenez

O homem faz o clima. E faz mal. 

A interferência do homem no meio ambiente pode acelerar em milhares de anos os processos naturais de mudanças climáticas e trazer graves consequências à vida na Terra. O consumo desenfreado e a explosão demográfica têm sido fatores de forte influência entre as atividades humanas. 
Em consequência, fenômenos como a elevação da taxa de emissão de gás carbônico (CO2) na atmosfera podem atingir picos incontroláveis em poucas décadas, sem que a vida na Terra consiga se adaptar. Se nada for feito, daqui a um século poderemos viver num ambiente de catástrofe. 
Se a temperatura não parar de subir, daqui a cerca de 100 anos poderemos ter grandes mudanças na ocorrência de fenômenos como tormentas e furacões. A elevação do nível dos oceanos, consequência do aquecimento global, pode levar o mar a invadir parte das grandes cidades litorâneas e se misturar com fontes de água potável, como os rios que nele deságuam, salinizando-as. Águas provenientes do derretimento dos picos das montanhas geladas poderão invadir vales e cidades em seu entorno. Espécies mais sensíveis correm o risco de extinção, causando desequilíbrio nos ecossistemas e nas cadeias alimentares. 
O cenário de catástrofe está desenhado. Resta ao homem fazer alguma coisa para evitar a concretização dessas profecias. 

(Karen Gimenez - "Revista Superinteressante")

01) Qual o assunto do texto? 

02) Justifique o título dele, aproveitando para sugerir um outro:

03) Segundo o texto, quais os fatores de forte influência humana no meio ambiente? O que você pensa a respeito disso? 

04) O que poderá acontecer daqui a um século se a temperatura continuar subindo?

05) Quel a finalidade desse texto? Que mensagem ele transmitiu? 

06) Qual a solução para evitar essas catástrofes? O que você tem feito para ajudar nesse sentido? 


07) O que a charge acima critica, denuncia? 

08) Explique as aspas usadas na fala do menino:

09) Associe tal charge ao texto lido: 

10) Qual dos dois causou mais impacto ao leitor? Por quê?