quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Atividade sobre a música "Ouro de tolo", de Raul Seixas e Paulo Coelho


Ouro de tolo

Eu devia estar contente 
Porque eu tenho um emprego 
Sou o dito cidadão respeitável 
E ganho quatro mil cruzeiros por mês
Eu devia agradecer ao Senhor
Por ter tido sucesso na vida como artista
Eu devia estar feliz 
Porque consegui comprar um Corcel 73

Eu devia estar alegre e satisfeito 
Por morar em Ipanema
Depois de ter passado fome por dois anos
Aqui na Cidade Maravilhosa
Ah, eu devia estar sorrindo e orgulhoso
Por ter finalmente vencido na vida
Mas eu acho isso uma grande piada
E um tanto quanto perigosa

Eu devia estar contente
Por ter conseguido tudo o que eu quis
Mas confesso, abestalhado
Que eu estou decepcionado 
Porque foi tão conseguir
E agora eu me pergunto: "E daí?"
Eu tenho uma porção de coisas grandes pra conquistar
E eu posso ficar ali parado

Eu devia estar feliz pelo Senhor
Ter me concedido o domingo
Pra ir com a família no jardim zoológico 
Dar pipoca aos macacos
Ah, mas que sujeito chato sou eu 
Que não acha nada engraçado:
Macaco, praia, carro, jornal, tobogã...
Eu acho tudo isso um saco! 

É você olhar no espelho
E se sentir um grandessíssimo idiota
Saber que é humano, ridículo, limitado
E que só usa 10% de sua cabeça, animal
E você ainda acredita que é um doutor, 
Padre ou policial
Que está contribuindo com sua parte
Para nosso belo quadro social 

Eu é que não me sento no trono de um apartamento 
Com a boca escancarada, cheia de dentes
Esperando a morte chegar
Porque longe das cercas
Embandeiradas que separam quintais 
No cume calmo do meu olho que vê 
Assenta a sombra sonora de um disco voador

(Raul Seixas e Paulo Coelho)

01) Justifique o título dado à música em questão:

02) Copie do texto uma interjeição, dizendo o que ela transmite:

03) Justifique as aspas usadas na música:

04) Por que, mesmo afirmando que conseguiu tudo o que queria na vida, o eu lírico está decepcionado? 

05) Que figura de linguagem está presente no último verso da música? E o que tal verso transmite? O que ele significa? 

06) Por que o eu lírico não vê graça nos passeios com a família, por exemplo?

07) Que mensagem a música transmite? Comente:

08) Você, no lugar do eu lírico, estaria contente com todas as suas conquistas? Por quê?

09) De que passagem da canção você mais gostou? Justifique sua escolha:

10) Localize na letra de música:

a) três adjetivos:
b) dois numerais:
c) um verbo no gerúndio:
d) dois substantivos próprios:
e) dois substantivos comuns:
f) duas marcas de oralidade:
g) um advérbio de tempo:
h) um advérbio de negação:

terça-feira, 26 de agosto de 2014

Atividade sobre a música "O quereres", de Caetano Veloso com Maria Gadú


 O quereres

Onde queres revólver, sou coqueiro
E onde queres dinheiro, sou paixão
Onde queres descanso, sou desejo
E onde sou só desejo, queres não 
E onde não queres nada, nada falta
E onde voas bem alto, eu sou o chão
E onde pisas o chão, minha alma salta
E ganha liberdade na amplidão

Onde queres família, sou maluco
E onde queres romântico, burguês
Onde queres Leblon, sou Pernambuco
E onde queres eunuco, garanhão
Onde queres o sim e o não, talvez 
E onde vês, eu não vislumbro razão 
Onde o queres o lobo, eu sou o irmão
E onde queres cowboy, eu sou chinês

Ah! Bruta flor do querer
Ah! Bruta flor, bruta flor

Onde queres o ato, eu sou o espírito 
E onde queres ternura, eu sou tesão 
Onde queres o livre, decassílabo
E onde buscas o anjo, sou mulher
Onde queres prazer, sou o que dói 
E onde queres tortura, mansidão
Onde queres um lar, revolução
E onde queres bandido, sou herói

Eu queria querer-te amar o amor
Construir-nos dulcíssima prisão
Encontrar a mais justa adequação
Tudo métrica e rima e nunca dor
Mas a vida é real e de viés 
E vê só que cilada o amor me armou
Eu te quero (e não queres) como sou
Não te quero (e não queres) como és

Ah! Bruta flor do querer
Ah! Bruta flor, bruta flor

Onde queres comício, flipper-vídeo
E onde queres romance, rock n' roll
Onde queres a lua, eu sou o sol
E onde a pura natura, o inseticídio
Onde queres mistério, eu sou a luz 
E onde queres um canto, o mundo inteiro 
Onde queres quaresma, fevereiro
E onde queres coqueiro, eu sou obus

O quereres estares sempre a fim
Do que em mim é de mim tão desigual
Faz-me querer-te bem, querer-te mal 
Bem a ti, mal ao quereres assim
Infinitivamente pessoal 
E eu querendo querer-te sem ter fim
E, querendo-te, aprender o total
Do querer que há e do que não há em mim

(Caetano Veloso)

01) Justifique o título dado à música acima: 

02) A letra de música é predominantemente composta por antíteses. Com que intenção?

03) Localize no texto todas as antíteses que puder e diga quantas você encontrou: 

04) De todas elas, qual a que mais lhe chamou a atenção? Por quê? 

05) Encontram-se na música mais substantivos abstratos ou concretos? Analise e explique seu raciocínio: 

06) Copie do texto um bom exemplo de paradoxo, justificando sua resposta: 

07) Há, na música, uma concepção romântica de amor? Explique:

08) A expressão "querendo querer-te sem ter fim" consiste em um pleonasmo vicioso ou em uma redundância? Por quê? 

09) Qual foi a intenção discursiva do poeta ao empregá-la? 

10) Qual o processo de formação de palavras que ocorre na construção "quereres e estares"?

11) Copie da música uma interjeição, dizendo o que ela transmite: 

12) Que mensagem a canção transmite? Comente: 

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Atividade sobre Quinhentismo no Brasil


01) A obra de arte acima chama-se "Nau capitânia de Cabral" (ou "Índios a bordo da Capitânia de Cabral"), de Oscar Pereira da Silva. Em que lugar se passa a cena?

02) Quem comanda a cena na tela? O que indica a posição de superioridade dessa personagem? 

03) Qual parece ser o estado de espírito dos portugueses? Justifique sua resposta, indicando o que fazem e como agem:

04) Qual é a posição e o estado de espírito dos índios retratados na obra? Comente: 

"O Capitão, quando eles vieram, estava sentado em uma cadeira, e uma alcatifa aos pés por estrado; e bem vestido, com um colar de ouro mui grande ao pescoço. E Sancho de Tovar e Simão de Miranda e Nicolau Coelho e Aires Correia e nós outros que aqui na nau com ele íamos, assentados no chão dessa alcatifa. 
Acenderam tochas e eles entraram e não fizeram nenhuma menção de cortesia nem de falar ao Capitão nem a ninguém. Porém um deles pôs olho no colar do Capitão a acenar com a mão para a terra, e depois para o colar, como que nos dizendo que havia em terra ouro. E também viu um castiçal de prata e assim mesmo acenava para a terra e então para o castiçal como que havia lá também prata."

(Carta de Pero Vaz de Caminha)

05) Quais os pontos de contato e diferenças em relação à obra de arte e o trecho da Carta?

06) Copie um arcaísmo do texto acima:

07) Transcreva uma espécie de polissíndeto, explicando o seu provável surgimento ali na Carta:

08) Por que os índios não trataram o Capitão da maneira esperada? O que isso revela? Como isso foi interpretado? 

09) Localize no trecho passagens que revelam "achismo" e incertezas, explicando seu ponto de vista: 

10) O que esse encontro revela, de fato? Comente: 

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Atividade sobre o texto "Reforma ortográfica", de Cynthia Feitosa

Reforma ortográfica

Eis aqui um programa de cinco anos para resolver o problema da falta de autoconfiança do brasileiro na sua capacidade gramatical e ortográfica.
Em vez de melhorar o ensino, vamos facilitar as coisas, afinal, o português é difícil demais mesmo. 
Para não assustar os poucos que sabem escrever, nem deixar mais confusos os que ainda tentam acertar, faremos tudo de forma gradual.
No primeiro ano, o "Ç" vai substituir o "S" e o "C" sibilantes, e o "Z" substituirá o "S" suave. 
Peçoas que aceçam a internet com frequência vão adorar, principalmente os adoleçentes.
O "C" duro e o "QU" em que o "U" não é pronunciado cerão trokados pelo "K", já ke o com é ekivalente. Iço deve akabar kom a konfuzão, e os teklados de komputador terão uma tekla a menos, olha co  ke koisa prática e ekonômika!
Haverá um aumento do entuziasmo do públiko no çegundo ano, kuando o problemátiko "H" mudo e todos os acentos, inkluzive o TIL, çeraum eliminados. O "CH" cera çimplifikado para "X" e o "LH" para "LI" ke da no mesmo e e mais fácil. Iço fará kom ke palavras como “onra” fikem 20% mais kurtas e akabara kom o problema de caber komo ce eskreve xuxu, xá e xatiçe. Da mesma forma, o "G" co cera uzado kuando o com for komo em “gordo”, e çem o "U" porke naum cera preçizo, já ke kuando o çom for igual ao de "G" em “tigela”, uza-çe o "J" para facilitar ainda mais a vida da gente.
No terçeiro ano, a açeitaçaum publika da nova ortografia devera atinjir o estajio em ke mudanças mais complikadas çeraum possíveis. O governo vai enkorajar a remoçaum de letras dobradas que alem de desneçeçarias çempre foraum um problema terivel para as peçoas, que akabam fikando kom teror de soletrar. Alem diço, todos kokordaum ke os çinais de pontuaçaum komo virgulas dois pontos aspas e traveçaum çaum difíceis de usar e preçizam kair e olia falando cério já vaum tarde.
No kuarto ano todas as peçoas já çeraum reçecptivas a koizas komo a eliminaçaum do plural nos adjetivo e nos substantivo e a unifikaçaum do U nas palavra toda ke termina kom L como fuziu xakau ou kriminau ja ke afinau a gente fala tudo iguau e açim fica mais façiu. Os kariokas talvez naum gostem de akabar kom o plurau porke eles gosta de eskrever xxx nos finau das palavra vaum akabar entendendo. Os paulista vaum adorar. Os goiano vaum kerer aproveitar para akabar com o D nos jerundio mas ai tambem ja e eskuliambaçaum.
No kinto ano akaba a ipokrizia de ce kolocar R no finau dakelas palavras no infinitivo ja ke ninguem fala mesmo e tambem U ou I no meio das palavra ke ningem pronunçia como U ou I, i ai im vez di çi iskreve pur ezemplu kem ker falar kom ele vamu iskreve kem ke fala kum eli ki e muito milio çertu? Os çinau di interogaçaum i di isklamaçaum kontinuam pra gente cabe kuando algem ta fazendu uma pergunta ou ta isclamandu ou gritandu kom a jenti i o pontu pra jenti sabe kuandu a fraze akabo.
Naum vai te mais problema ningem vai ter mais Eça barera pra çua açençaum çoçiau i çegurança pçikolojika todu mundu vai iskreve sempri çertu o çi intendi muitu melio i di forma mais façiu e finaumenti todu mundo no Brazil vai cabe iskreve direitu ate us jornalista us publicitariu us blogeru us advogado us iskrito i ate us pulitiko i us exprezidenti olia co ki maravilia!

(Cynthia Feitosa)

01) Mesmo com algumas inadequações, segundo a gramática normativa, foi possível entender todo o texto? 

02) Reescreva o texto, "consertando" tudo o que for possível:

03) Será que houve uma "evolução" na ortografia, com as novas regras? Comente:

04) Justifique o título do texto, sugerindo um outro:

05) Copie do texto uma passagem carregada de ironia: 

06) Localize no texto dois numerais, classificando-os:

07) Que crítica o texto em questão mais faz? Comente: 

08) Que mensagem podemos extrair após a leitura desse texto? 

09) Trata-se de uma crônica narrativa ou argumentativa? Por quê? 

10) Que proposta a autora faz? Você acha que ela é séria ou está sendo irônica? 

11) O que foi acontecendo em cada parágrafo? O último parágrafo, com todas as regras presentes, foi de fácil leitura? 

12) Você concorda com a afirmação destacada no começo do texto? Por quê? 

13) Quais são suas maiores dificuldades na escrita da Língua Portuguesa? Cite-as: 

14) Que "alfinetadas" a autora dá na pronúncia de cariocas, paulistas e goianos? O que você pensa a respeito disso? 

15) Você acha que as características da fala estão relacionadas apenas a esses estados? Comente: 

16) Você conhece o internetês, linguagem que segue algumas das regras desta proposta? O que você acha dele? 

17) Observe a charge abaixo e a relacione ao texto: 



18) Copie da charge um vocativo, justificando:

19) Localize na charge dois estrangeirismos, fazendo a "tradução" deles para palavras existentes em nossa Língua:

20) A professora demonstra ter entendido a fala do menino? Justifique sua resposta: