terça-feira, 26 de novembro de 2013

Atividade sobre cartum do Caulos - Uma Biografia


01) Justifique o título do cartum:

02) O que representa o primeiro quadrinho? E por que foi escolhido o ponto de interrogação?

03) O que acontece no segundo quadrinho? Por que o ponto de exclamação foi o escolhido?

04) O terceiro quadrinho simboliza que fase da vida da pessoa? Explique o símbolo utilizado:

05) Você acha que o que ocorreu no terceiro quadrinho corresponde mesmo à metade do caminho percorrido? Por quê? 

06) O que o quarto quadrinho representa? O que o símbolo está ali simbolizando? 

07) O que o quinto quadrinho nos mostra? O que isso representa? Por que foi utilizado o ponto final? 

08) Que mensagem o cartum transmitiu? Comente:

09) O que o dono da biografia acima demonstra valorizar sempre?

10) Podemos afirmar que há uma passagem do tempo em cada quadrinho?

11) A que etapa da vida cada um deles corresponde? Explique, enumerando-os:

12) Que mensagem tal cartum transmite? Comente:

13) Você acha que vale a pena passar a vida toda sonhando com algum bem material? Justifique sua resposta: 

14) Que tipo de linguagem foi utilizada em ambas as biografias: verbal ou não-verbal? Justifique sua resposta:

15) De qual das duas biografias você gostou mais? Por quê?

16) Transforme as duas imagens em dois pequenos textos narrativos, absorvendo todos os detalhes:

Atividade sobre a música "É', de Gonzaguinha


É!

É! 
A gente quer valer o nosso amor
A gente quer valer nosso suor
A gente quer valer o nosso humor
A gente quer do bom e do melhor...

A gente quer carinho e atenção
A gente quer calor no coração
A gente quer suar, mas de prazer
A gente quer é ter muita saúde
A gente quer viver a liberdade
A gente quer viver felicidade...

É! 
A gente não tem cara de panaca
A gente não tem jeito de babaca
A gente não está
Com a bunda exposta na janela
Pra passar a mão nela...

É! 
A gente quer viver pleno direito
A gente quer viver todo respeito
A gente quer viver uma nação
A gente quer é ser um cidadão
A gente quer viver uma nação...

É! É! É! É! É! É! É! 

(Gonzaguinha) 

01) Justifique o título dado à música, sugerindo um outro:

02) Qual é o tema presente na canção? Comente: 

03) Podemos afirmar que praticamente toda a música é construída por anáfora? Por quê? 

04) O que a música critica? Justifique sua resposta: 

05) Interprete o verso que se encontra em negrito no texto: 

06) Copie da canção marcas de oralidade: 

07) Que mensagem a música transmitiu? 

08) Existe, na música, um pedido implícito. Qual? E a quem ele é feito?

09) De que verso você mais gostou? Por quê? 

10) Diga a que classe gramatical pertence cada palavra em destaque no texto: 

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Atividade sobre a crônica "Comunicação", do Luís Fernando Veríssimo

Comunicação

É importante saber o nome das coisas. Ou, pelo menos, saber comunicar o que você quer. Imagine-se entrando numa loja para comprar um... um... como é mesmo o nome?
-- Posso ajudá-lo, cavalheiro?
-- Pode. Eu quero um daqueles, daqueles...
-- Pois não?
-- Um... como é mesmo o nome?
-- Sim...
-- Pomba! Um... um... Que cabeça a minha. A palavra me escapou por completo. É uma coisa simples, conhecidíssima.
-- Sim, senhor.
-- O senhor vai dar risada quando souber.
-- Sim, senhor.
-- Olha, é pontuda, certo?
-- O quê, cavalheiro?
-- Isso que eu quero. Tem uma ponta assim, entende? Depois vem assim, assim... faz uma volta, aí vem reto de novo e na outra ponta tem uma espécie de encaixe, entende? Na ponta tem outra volta, só que esta é mais fechada. E tem um... um... uma espécie de, como é que se diz? De sulco. Um sulco onde encaixa a outra ponta, a pontuda, de sorte que o, a, o negócio, entende, fica fechado. É isso. Uma coisa pontuda que fecha. Entende?
-- Infelizmente, cavalheiro...
-- Ora, você sabe do que eu estou falando.
-- Estou me esforçando, mas...
-- Escuta. Acho que não podia ser mais claro. Pontudo numa ponta, certo?
-- Se o senhor diz, cavalheiro.
-- Como, se eu digo? Isso é má vontade. Eu sei que é pontudo numa ponta. Posso não saber o nome da coisa, isso é um detalhe. Mas sei exatamente o que eu quero.
-- Sim, senhor. Pontudo numa ponta.
-- Isso. Eu sabia que você compreenderia. Tem?
-- Bom, eu preciso saber mais sobre o, a, essa coisa. Tente descrevê-la outra vez. Quem sabe o senhor desenha para nós?
-- Não. Eu não sei desenhar nem casinha com fumaça saindo da chaminé. Sou uma negação em desenho.
-- Sinto muito.
-- Não precisa sentir. Sou técnico em contabilidade, estou muito bem de vida. Não sou um débil mental. Não sei desenhar, só isso. E hoje, por acaso, me esqueci do nome desse raio. Mas, fora isso, tudo bem. O desenho não me faz falta. Lido com números. Tenho algum problema com os números mais complicados, claro. O oito, por exemplo. Tenho que fazer um rascunho antes. Mas não sou um débil mental, como você está pensando.
-- Eu não estou pensando nada, cavalheiro.
-- Chama o gerente.
-- Não será preciso, cavalheiro. Tenho certeza de que chegaremos a um acordo. Essa coisa que o senhor quer é feita do quê?
-- É de, sei lá. De metal.
-- Muito bem. De metal. Ela se move?
-- Bem... É mais ou menos assim. Presta atenção nas minhas mãos. É assim, assim, dobra aqui e encaixa na ponta, assim.
-- Tem mais de uma peça? Já vem montado?
-- É inteiriço. Tenho quase certeza de que é inteiriço.
-- Francamente.
-- Mas é simples! Uma coisa simples. Olha: assim, assim, uma volta aqui, vem vindo, vem vindo, outra volta e clique, encaixa.
-- Ah, tem clique. É elétrico.
-- Não, clique que eu digo, é o barulho de encaixar.
-- Já sei!
-- Ótimo!
-- O senhor quer uma antena externa de televisão.
-- Não! Escuta aqui. Vamos tentar de novo...
-- Tentemos por outro lado. Para o que serve?
-- Serve assim para prender. Entende? Uma coisa pontuda que prende. Você enfia a ponta pontuda por aqui, encaixa a ponta no sulco e prende as duas partes de uma coisa.
-- Certo. Esse instrumento que o senhor procura funciona mais ou menos como um gigantesco alfinete de segurança e...
-- Mas é isso! É isso! Um alfinete de segurança!
-- Mas do jeito que o senhor descrevia parecia uma coisa enorme, cavalheiro!
-- É que eu sou meio expansivo. Me vê aí um... um... Como é mesmo o nome?

(Luís Fernando Veríssimo)



01) Justifique o título dado ao texto acima, aproveitando para explicar por que o assunto contradiz essa afirmação: 

02) Copie dele três exemplos da forma nominal chamada GERÚNDIO, explicando que efeito eles dão ao texto: 

03) Transcreva da crônica uma passagem que comprove hesitação: 

04) Circule no texto dois exemplos de VOCATIVO: 

05) Copie do texto uma frase que traga a palavra NÃO sem o valor de negação: 

06) Retire do texto dois exemplos de interjeição, dizendo que sentimento eles expressam: 

07) Copie do texto um exemplo de locução verbal, substituindo-a por um único verbo que lhe seja equivalente: 

08) Por que podemos afirmar que praticamente todo o texto é um diálogo? Quem faz parte da conversa? 

09) Qual é a grande dificuldade do comprador? 

10) Coloque-se no lugar das duas personagens. Quem você acha que deveria estar mais nervoso? Por quê? 

11) Você conseguiu descobrir do que se trata o objeto desejado pelo comprador, sem ter lido o final? Que característica, na sua opinião, poderia ter sido esclarecedora logo no início? 

12) Você concorda com o comprador quando ele afirma que não saber o nome da coisa é um detalhe? Justifique sua resposta: 

13) Que pedido do vendedor deixou o comprador bastante irritado? 

14) Esse pedido, na sua opinião, foi descabido? Por quê? 

15) Antes de saber o final da história, em que objeto ou objetos você pensou? 

16) Que outro título você daria ao texto? 

17) Você acha que situações desse tipo são fictícias ou podem realmente acontecer na realidade? Justifique: 

18) Transcreva do texto dois exemplos da forma nominal do verbo chamada INFINITIVO: 

19) Copie do texto uma palavra que se apresente no diminutivo: 

20) Que mensagem o texto transmite? Comente: 

21) Numere as palavras destacadas no texto para, em seguida, dizer a que classe gramatical cada uma delas pertence:

terça-feira, 19 de novembro de 2013

Atividade sobre a música "Camila Camila", de Nenhum de nós


Camila Camila

Depois da última noite de festa
Chorando e esperando amanhecer, amanhecer
As coisas aconteciam com alguma explicação 
Com alguma explicação 

Depois da última noite de chuva
Chorando e esperando amanhecer, amanhecer
Às vezes peço a ele que vá embora
Que vá embora

Camila,
Camila, Camila

Eu que tenho medo até de suas mãos
Mas o ódio cega e você não percebe
Mas o ódio cega

E eu que tenho medo até do seu olhar
Mas o ódio cega e você não percebe 
Mas o ódio cega

A lembrança do silêncio
Daquelas tardes, daquelas tardes
Da vergonha do espelho 
Naquelas marcas, naquelas marcas

Havia algo de insano
Naqueles olhos, olhos insanos
Os olhos que passavam o dia 
A me vigiar, a me vigiar

Camila
Camila, Camila

Camila
Camila, Camila 

E eu que tinha apenas 17 anos
Baixava a minha cabeça pra tudo 
Era assim que as coisas aconteciam
Era assim que eu via tudo acontecer

(Nenhum de Nós)

01) Explique o título dado à música acima:

02) Utilize cinco adjetivos para caracterizar a Camila:

03) Que crítica social a canção faz? Explique, aproveitando para comprovar sua resposta com elementos do próprio texto: 

04) Por que a protagonista pediria para a pessoa ir embora? Levante hipóteses:

05) Por que ela  teria medo das mãos e do olhar? O que isso pode indicar?

06) Você concorda que "o ódio cega"? O que se pode inferir dessa afirmação?

07) Que mensagem a música transmite? Comente: 

Atividade sobre a poesia "Resgate", de Alzira Rufino

Resgate

Sou negra 
Ponto final
Devolvo-me a identidade
Rasgo a minha certidão

Sou negra 
Sem reticências
Sem vírgulas
Sem ausências

Sou negra balacobaco
Sou negra, noite, cansaço
Sou negra 
Ponto final.

(Alzira Rufino)

01) Justifique o título utilizado na poesia acima:

02) Por que a autora utiliza os nomes dos sinais de pontuação? Que ideias eles transmitem? 

03) Quantas estrofes e quantos versos compõem o poema? 

04) Qual o objetivo da poesia? Ele foi atingido?

05) O que ela denuncia? Justifique sua resposta:

06) Que mensagem a poesia transmite? Comente: 

Atividade sobre a música "Tente outra vez", de Raul Seixas


Tente outra vez

Veja!
Não diga que a canção 
Está perdida
Tenha fé em Deus
Tenha fé na vida
Tente outra vez!

Beba! (Beba!)
Pois a água viva
Ainda está na fonte
Você tem dois pés
Para cruzar a ponte
Nada acabou! 
Não, não, não! 

Oh! Oh! Oh! Oh! 
Tente! 
Levante sua mão sedenta
E recomece a andar
Não pense que a cabeça aguenta
Se você parar
Não, não, não!
Não, não, não! 

Há uma voz que canta 
Uma voz que dança
Uma voz que gira
 Bailando no ar
Uh! Uh! Uh! 

Queira! (Queira!)
Basta ser sincero
E desejar profundo
Você será capaz
De sacudir o mundo 
Vai! 
Tente outra vez! 

Tente! (Tente!)
E não diga 
Que a vitória está perdida
Se é de batalhas 
Que se vive a vida
Tente outra vez! 

(Raul Seixas)

01) Justifique o título dado à música acima:

02) Qual o tema da canção? Justifique sua resposta:

03) Circule na música todos os verbos no modo imperativo e diga a importância dos mesmos para o contexto: 

04) O que seria a "água viva" mencionada na canção? 

05) Interprete os versos em negrito no texto: 

06) Copie da canção um verso carregado de esperança: 

07) O que significa "levante a sua mão sedenta"? Explique: 

08) Que mensagem a música transmite? Comente: 

09) O eu lírico afirma que a vida é feita de batalhas. Você concorda com ele? Justifique seu ponto de vista:

10) Você acha que vale mesmo a pena sempre tentar outra vez? Por quê? 

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Atividade sobre a música "Fico assim sem você", com Adriana Calcanhoto


Fico assim sem você

Avião sem asa
Fogueira sem brasa
Sou eu assim sem você
Futebol sem bola
Piu-piu sem Frajola
Sou eu assim sem você

Por que é que tem que ser assim?
Se o meu desejo não tem fim
Eu te quero a todo instante
Nem mil auto-falantes
Vão poder falar por mim

Amor sem beijinho
Buchecha sem Claudinho
Sou eu assim sem você
Circo sem palhaço 
Namoro sem amasso
Sou eu assim sem você

Tô louca pra te ver chegar
Tô louca pra ter ter nas mãos
Deitar no teu abraço
Retomar o pedaço
Que falta no meu coração

Eu não existo longe de você
E a solidão é o meu pior castigo
Eu conto as horas pra poder te ver
Mas o relógio tá de mal comigo
Por quê? Por quê?

Neném sem chupeta
Romeu sem Julieta
Sou eu assim sem você
Carro sem estrada
Queijo sem goiabada
Sou eu assim sem você...

(Cacá Moraes e Abdullah)

01) Justifique o título dado à música, aproveitando para sugerir um outro:

02) Explique o verso em destaque na quinta estrofe:

03) Transcreva da música uma hipérbole, explicando seu raciocínio:

04) Copie do texto marcas de oralidade:

05) Circule no texto todos os substantivos:

06) Justifique o emprego dos dois porquês destacados na música:

07) De que dupla citada você mais gostou? Por quê?

08) Que comparação mencionada na música você mais curtiu? Justifique sua resposta:

09) Que mensagem a canção transmite? Comente:

10) Localize no texto:

a) dois pronomes possessivos:
b) um advérbio de modo:
c) dois substantivos próprios:
d) um numeral:
e) um advérbio de negação:
f) um pronome de tratamento:
g) um advérbio de lugar:

11) Faça uma HQ contendo todos os detalhes da música:

domingo, 10 de novembro de 2013

Atividade sobre a música "Garota de Ipanema", de Tom Jobim e Vinícius de Moraes


Garota de Ipanema

Olha que coisa mais linda
Mais cheia de graça
É ela, a menina
Que vem e que passa
Num doce balanço
A caminho do mar

Moça do corpo dourado
Do sol de Ipanema
O seu balançado 
É mais que um poema
É a coisa mais linda
Que eu já vi passar

Ah, por que estou tão sozinho?
Ah, por que tudo é tão triste? 
Ah, a beleza que existe...
A beleza que não é só minha
Que também passa sozinha...

Ah, se ela soubesse
Que quando ela passa
O mundo inteirinho
Se enche de graça
E fica mais lindo
Por causa do amor... 

(Tom Jobim e Vinícius de Moraes)

01) Justifique o título dado à música acima:

02) Como é a moça de Ipanema, com suas palavras?

03) Por que ela tem o corpo dourado?

04) Que qualidades de tal garota são ressaltadas na música?

05) Explique a importância das interrogações feitas na canção:

06) Interprete o verso destacado na música:

07) Circule no texto as interjeições, dizendo o que elas transmitem:

08) Que mensagem a canção transmite?