domingo, 26 de fevereiro de 2012

Atividade sobre a crônica "Linda de morrer", de Leo Cunha

Linda de morrer 

O pai resolveu abrir uma funerária.
-- Tem muita gente morrendo. É negócio de futuro! 
Ao que a mãe acrescentou:
-- Gente que nunca morreu tá morrendo...
O filho perdeu a paciência. 
-- Dá pra parar com as piadinhas sem graça? Abrir um negócio não é brincadeira não. 
O pai sorriu condescendente. Sabia que o filho estava bem-intencionado. Mas é que o rapaz tinha acabado de concluir um desse MBAs da vida, e só conseguia raciocinar em termos mercadológicos. 
-- Calma, filho. Você só fala de critérios, métodos, empredorismo... não sei nem falar esse troço. 
-- Empreendedorismo, pai.
-- Pois é. Estou querendo pôr o nome de "Funerária Vai com Deus".
-- Pelo amor de Deus! 
-- Também é bom, mas "Vai com Deus" é melhor. 
-- Não, pai, pelo amor de Deus, não põe um nome desses! 
E olhou ansioso pra mãe, pedindo socorro. A mãe nem tchum. 
-- Acho que é um nome interessante, filho. Diferente. Ousado. 
O pai respondeu:
-- Imaginem só o slogan: Na hora de morrer, "Vai com Deus".
A mãe soltou uma gargalhada. 
-- Vocês dois parem com isso! -- o filho já estava vermelho. -- Que coisa mórbida! Vamos pensar com um mínimo de... 
-- Empredee... dorismo...
-- Do... rimos! 
-- Doritos! 
-- Empreendedorismo! -- o filho berrou. 
-- Ah é. Quer ver outro nome bom? Funerária Sete Palmos...
-- Passagem de Ida! -- a mãe entrou na tabela. 
-- Último Adeus! -- o pai emendou. 
Agora os dois já riam solto. O filho olhando pro chão, besta. Já estava calculando os prejuízos. 
O pai não parava. 
-- "Funerária Último Adeus: uma empresa linda de morrer". 
-- Uma empresa linda de morrer! -- a mãe repetiu, saboreando cada palavra. 
-- Linda de morrer... -- o filho repetiu, mordendo as palavras. -- Nem Freud explica vocês dois... 
-- Engano seu, filho. Você sabia que o Freud era fanático por humor negro? Ele adorava o anúncio de uma funerária americana que falava assim: "Pra que viver, se você pode ser enterrado por dez dólares?"
-- Sensacional! -- a mãe já batia as mãos na mesa, de tanto rir. 
-- E lembra aquele cemitério que tinha um slogan assim: "Se você não pode saber quando, sabia pelo menos onde". Dessa vez, até o filho deixou escapar uma risada:
-- É verdade. Essa propaganda eu lembro. Engraçado, na época eu achei esse slogan muito bom. É claro que eu não tinha conhecimento de...
-- Perdedorismo...
-- Predadorismo...
-- O filho saiu batendo os pés, resmungando para si mesmo: posicionamento, agregação, downsizing, rightsizing e, acima de tudo, empreendedorismo. Seu pai nunca ia mesmo dar conta daquelas palavras lindas de morrer. 

(Leo Cunha)

01) Justifique o título dado à crônica: 

02) Quem são os personagens principais da história? 

03) Que palavra o pai não conseguia pronunciar de jeito nenhum? 

04)  Quais são os três nomes cogitados para colocar na funerária? De qual deles você mais gostou? Por quê? 

05) Em que reside o humor na crônica? Comente:

06) Que recurso o autor utiliza para dar agilidade ao caso? 

07)  Circule no texto todos os vocativos, dizendo sua importância para o contexto:

08) Transcreva do texto uma interjeição, dizendo o que ela expressa: 

09) Onde há uma falha na comunicação entre pai e filho? Comprove com uma passagem do texto: 

10) Justifique as aspas utilizadas no texto: 

11) O que a mãe e o pai tinham em comum? 

12) O que é humor negro? O que você pensa a respeito disso?

13) Explique a utilização das duas palavras em negrito no texto: 

14) Copie da crônica uma passagem irônica, explicando seu raciocínio: 

15) Por que algumas palavras apareceram em itálico no texto? 

16) Retire do texto um par de antítese, explicando: 

17) Copie do texto marcas de oralidade: 

18) Explique a expressão "linda de morrer", considerando o contexto:

19) Que mensagem o texto transmite? Comente:

20) Localize no texto:

a) um advérbio de tempo:
b) um advérbio de intensidade:
c) dois substantivos próprios:
d) um pronome possessivo:
e) um numeral, classificando-o:
f) um pronome demonstrativo:

Vídeos para complementar o Quinhentismo!

Compartilho aqui alguns vídeos que considero ótimos estímulos para incrementar as aulas sobre o estilo literário denominado QUINHENTISMO! Espero que gostem! E quem tiver algum a mais para indicar, por favor, vou amar!

 

 

 

sábado, 25 de fevereiro de 2012

Vídeo-aulas - Quinhentismo

 



Apesar de disponibilizar os vídeos acima, também bem bonzinhos, sobre o QUINHENTISMO, eu já separei os vídeos que eu pretendo passar para os meus primeiros anos na segunda-feira à noite, se for possível e se a escola já tiver providenciado um laptop para usar o data-show! Um deles é o que consta no excelente DVD entitulado "Literatura e outras linguagens", do Cereja, da Atual Editora, que, infelizmente, não encontrei no You Tube, e o outro foi um indicado no Curso de Aperfeiçoamento oferecido pelo Estado, que é este abaixo, dos Seminovos, que eu adoro! Fica aqui a dica!


quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Ampliando a leitura...

Eu sou APAIXONADA por todos os vídeos produzidos pela professora MARA RUTE, mas este aqui, em especial, que aborda a interpretação de charges, tirinhas, propagandas e poesia concreta, me marcou! Seleção ma-ra-vi-lho-sa de material, que vale a pena ser visto! Compartilho com vocês! Apreciem! Apesar de ainda faltar muuuuuuuuuuuuito, um dia ainda chego lá! (risos)

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Atividade sobre a poesia "Desejos", de Carlos Drummond de Andrade

Desejos

Desejo a você
Fruto do mato
Cheiro de jardim
Namoro no portão
Domingo sem chuva
Segunda sem mau humor
Sábado com seu amor
Filme do Carlitos
Chope com amigos 
Crônica de Rubem Braga
Viver sem inimigos
Filme antigo na TV
Ter uma pessoa especial
E que ela goste de você
Música de Tom com letra de Chico
Frango caipira em pensão do interior
Ouvir uma palavra amável
Ter uma surpresa agradável
Ver a Banda passar
Noite de lua cheia
Rever uma velha amizade
Ter fé em Deus
Não ter que ouvir a palavra não
Nem nunca, nem jamais e adeus. 
Rir como criança
Ouvir canto de passarinho
Sarar de resfriado 
Escrever um poema de amor
Que nunca será rasgado
Formar um par ideal
Tomar banho de cachoeira
Pegar um bronzeado legal
Aprender uma nova canção 
Esperar alguém na estação
Queijo com goiabada
Pôr do sol na roça
Uma festa 
Um violão 
Uma seresta
Recordar um amor antigo 
Ter um ombro sempre amigo
Bater palmas de alegria
Uma tarde amena 
Calçar um velho chinelo
Sentar numa velha poltrona
Tocar violão para alguém
Ouvir a chuva no telhado 
Vinho branco
Bolero de Ravel
E muito carinho meu.

(Carlos Drummond de Andrade)

01) Justifique o título dado à poesia acima:

02) Quantos desejos existem no texto? O que isso revela?

03) De qual desejo você mais gostou? Justifique sua resposta: 

04) Copie do texto uma antítese, explicando seu raciocínio: 

05) Que mensagem o texto transmite?

06) Elabore um texto semelhante, contendo tudo o que você deseja a quem você ama!

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Atividade com o "Hino Nacional Brasileiro"

Hino Nacional Brasileiro

Ouviram do Ipiranga as margens plácidas
De um povo heróico o brado retumbante
E o sol da liberdade, em raios fúlgidos,
Brilhou no céu da pátria nesse instante
Se o penhor dessa igualdade
Conseguimos conquistar com braço forte
Em teu seio, ó liberdade
Desafia o nosso peito a própria morte!
Ó pátria amada
Idolatrada
Salve! Salve!
Brasil, um sonho intenso, um raio vívido
De amor e de esperança à terra desce
Se em teu formoso céu, risonho e límpido
A imagem do cruzeiro resplandece
Gigante pela própria natureza
És belo, és forte, impávido colosso
E o teu futuro espelha essa grandeza
Terra adorada
Entre outras mil
És tu, Brasil
Ó pátria amada!
Dos filhos deste solo és mãe gentil
Pátria amada
Brasil!
II
Deitado eternamente em berço esplêndido 

Ao som do mar e à luz do céu profundo
Fulguras, ó Brasil, florão da América
Iluminado ao sol do novo mundo!
Do que a terra mais garrida
Teus risonhos, lindos campos têm mais flores
“Nossos bosques têm mais vida”
“Nossa vida” no teu seio “mais amores”
Ó pátria amada
Idolatrada
Salve! Salve!
Brasil, de amor eterno seja símbolo
O lábaro que ostentas estrelado
E diga o verde-louro dessa flâmula
Paz no futuro e glória no passado
Mas, se ergues da justiça a clava forte
Verás que um filho teu não foge à luta
Nem teme, quem te adora, a própria morte
Terra adorada
Entre outras mil
És tu, Brasil
Ó pátria amada!
Dos filhos deste solo és mãe gentil
Pátria amada
Brasil!

(Compositor: Poema: Joaquim Osório Duque Estrada / Música: Francisco Manoel da Silva)
01) O que o Hino Nacional representa para o nosso país? Que valor você dá a ele?

02) Quando o Hino foi composto? Pesquise:

03) O Hino Nacional apresenta muitas palavras de difícil entendimento, por isso procure no dicionário o significado das palavras a seguir:
Plácidas:
Ipiranga:
Brado:
Retumbante:
Fúlgido:
Penhor:
Idolatrada:
Vívido:
Formoso:
Límpido:
Cruzeiro:
Resplandece:
Impávido:
Colosso:
Espelha:
Gentil:
Fulguras:
Florão:
Garrida:
Lábaro:
Ostentas:
Flâmula:
Clava:
04) Cite algumas  qualidades do Brasil apresentadas no Hino:
05) Por que o rio Ipiranga foi citado no Hino Nacional? 
06) Analise o verso a seguir: "Iluminado ao sol do novo mundo!" e diga por que o autor usou a expressão “Novo Mundo” na letra do Hino: 
07) O verso” E o sol da liberdade, em raios fúlgidos” expressa a ideia de que o país foi liberto, porém como essa liberdade foi conquistada? Explique com elementos extraídos do próprio texto: 
08) Nos versos“Verás que um filho teu não foge à luta / Nem teme, quem te adora, a própria morte” há uma referência que o brasileiro dá a vida por seu país. Na sua opinião essa é uma afirmação verdadeira ou falsa? Explique:

09) Analise os versos "Se o penhor dessa igualdade / conseguimos conquistar com braço forte” e observe que neles há uma afirmação de que os brasileiros conseguiram fazer do Brasil um país livre e independente. Você acha que o Brasil é, de fato, independente? Justifique sua resposta:
10) Você concorda que o Brasil é uma pátria amada por todos? Comente: 
11) Você ama seu país? Se considera uma pessoa patriota? O que seu país tem de melhor? Que carcaterísticas o nosso povo tem?
12) Escolha uma estrofe do Hino Nacional e faça  a ilustração bem bonita: 

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Para refletir com a Ana Jácomo


"Que as dificuldades que eu enfrentar ao longo do caminho 
não me roubem a capacidade de encanto..."
 
(Ana Jácomo)

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Atividade sobre o texto "A lenda das três árvores"


A lenda das três árvores 

Havia, no alto da montanha, três pequenas árvores que sonhavam o que seriam depois de adultas. 
A primeira, olhando as estrelas, disse:
-- Eu quero ser o baú mais precioso do mundo, cheio de tesouros. Para tal, até me disponho a ser cortada. 
A segunda olhou para o riacho e suspirou:
-- Eu quero ser um grande navio para transportar reis e rainhas. 
A terceira árvore olhou o vale e disse:
-- Eu quero ficar aqui no alto da montanha e crescer tanto que as pessoas, ao olharem para mim, levantem seus olhos e pensem em Deus. 
Muitos anos se passaram e, certo dia, vieram três lenhadores e cortaram as três árvores. Todas ficaram muito ansiosas em serem transformadas naquilo com que sonharam, mas lenhadores não costumam ouvir e nem entender sonhos. Que pena! 
A primeira árvore acabou sendo transformada num cocho de animais, coberto de feno. A segunda virou um simples e pequeno barco de pesca, carregando pessoas e peixes todos os dias. E, a terceira, mesmo sonhando em ficar no alto da montanha, acabou sendo cortada em altas e resistentes vigas e foram colocadas de lado em um depósito. E todas as três se perguntavam desiludidas e tristes com a surpresa que o destino lhes reservou: -- Para que isso? 
Mas numa certa noite, iluminada em sua plenitude pela luz do luar e das estrelas, onde havia mil melodias no ar, uma jovem mulher colocou seu neném recém-nascido naquele cocho de animais. E de repente a primeira árvore percebeu que continha o maior tesouro do mundo! 
A segunda árvore, anos depois, acabou transportando um homem que acabou dormindo no barco, mas, quando a tempestade quase afunda o pequeno barco, o homem se levantou e disse: -- Paz! E num relance a segunda árvore entendeu que estava carregando o Rei dos Céus e da Terra.
Tempos mais tarde, numa sexta-feira, a terceira árvore se espantou quando suas vigas foram unidas em forma de cruz e um homem foi pregado nela. Logo, sentiu-se horrível e cruel, mas, no domingo, o mundo vibrou de alegria e a terceira árvore entendeu que nela havia sido pregado um homem que fora destinado para a Salvação da Humanidade e que as pessoas sempre se lembrariam de Deus e de Seu Filho Jesus Cristo ao olharem para ela. 

As árvores tinham tido sonhos, mas as realizações foram mil vezes melhores do que aqueles sonhos que tiveram tempos atrás. 

(Autor desconhecido)

01) Justifique o título do texto acima:

02) Quais são as três personagens do texto? O que elas estariam representando no contexto? 

03) Explique a função dos travessões utilizados no texto: 

04) Podemos afirmar que as três árvores conseguiram realizar os seus sonhos? Justifique sua resposta:

05) Você já se sentiu como as árvores? Como lidou com isso? Comente: 

06) Você tem algum sonho? Cite alguns: 

07) Que mensagem o texto transmite? 

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Texto para reflexão: "A cenoura, o ovo e o café"


A cenoura, o ovo e o café

Uma filha se queixou a seu pai sobre sua vida e de como as coisas estavam difíceis para ela.  Ela já não sabia mais o que fazer e queria desistir. Estava cansada de lutar e combater.  Parecia que assim que um problema estava resolvido um outro surgia. Seu pai, um "chef", levou-a até a cozinha dele. 


Encheu três panelas com água e colocou cada uma delas em fogo alto. Logo as panelas começaram a ferver. Numa ele colocou cenouras, noutra colocou ovos e, na última, pó de café. Deixou que tudo fervesse, sem dizer uma palavra. A filha deu um suspiro e esperou impacientemente, imaginando o que ele estaria fazendo.

Cerca de vinte minutos depois, ele apagou as bocas de gás. Pescou as cenouras e colocou-as numa tigela. Retirou os ovos e colocou-os em outra tigela. Então pegou o café com uma concha e colocou-o numa xícara. Virando-se para ela, perguntou:

- Querida, o que você está vendo? 


- Cenouras, ovos e café - ela respondeu.

Ele a trouxe para mais perto e pediu-lhe para experimentar as cenouras.  Ela obedeceu e notou que as cenouras estavam macias. Então, pediu-lhe que pegasse um ovo e o quebrasse.  Ela obedeceu e depois de retirar a casca verificou que o ovo endurecera com a fervura. Finalmente, ele lhe pediu que tomasse um gole do café.  Ela sorriu ao provar seu aroma delicioso.  Ela perguntou humildemente:

- O que isto significa, pai?

Ele explicou que cada um deles havia enfrentado a mesma adversidade, água fervendo, mas que cada um reagira de maneira diferente. A cenoura entrara forte, firme e inflexível. Mas depois de ter sido submetida à água fervendo, ela amolecera e se tornara frágil. Os ovos eram frágeis. Sua casca fina havia protegido o líquido interior. Mas depois de terem sido colocados na água fervendo, seu interior se tornou mais rijo. O pó de café, contudo, era incomparável. 


Depois que fora colocado na água fervente, ele havia mudado a água.

- Qual deles é você? - ele perguntou à sua filha.

Quando a adversidade bate à sua porta, como você responde? Você é uma cenoura, um ovo ou um pó de café? 



  (Autor Desconhecido)

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Três vídeos muito legais para o acolhimento 2012!!!

Tentei acolher todas as minhas turmas, das três escolas, usando estes três pequenos vídeos ("Convivência", "O menino e a árvore" e "O poder das palavras") e o resultado foi interessante e acho que bem empolgante, graças a Deus!!! 

 


 

Nas minhas turmas de Redação, na nova escola, pedi, ainda, que produzissem um texto em cima do tema: "Tudo que é preciso saber sobre mim" e estou, até agora, gostando muito do resultado... Muito bom ter a chance de, através de tais produções, detectar por onde começar para ajudá-los e, de quebra, conhecer um pouquinho mais de cada um! 

Obrigada, Senhor, por cada turma que tenho, por cada aluno, por cada colega, porque sei que tudo tem um porquê... e NINGUÉM está no nosso caminho por acaso e sim pela Sua Vontade!!! Que a convivência seja tranquila, respeitosa, que tenhamos espírito de UNIÃO, de parceria e que saibamos fazer sempre a diferença!!!

Exercícios - Orações Subordinadas Adjetivas

01) Divida e classifique as orações abaixo:

a) Duro é o sofrimento que nasce do vício.
b)  A água, que é incolor, é indispensável.
c) Comprei um papagaio que fala muito.
d) Deus, que é o pai de todos, sabia da luta que ele tivera.
e)  As pessoas que fingem não são dignas de confiança.
f)  Há coisas que nos comovem.
g) O vulcão, que parecia extinto, voltou a dar sinal de vida.
h)  É teu tudo quanto aqui existe.
i)  Os bois da região, que contraíram febre aftosa, serão examinados.
j)  O livro que li é muito bom.
k) A Lua, que é satélite da terra, inspirou muitos poetas.
l) A neve, que é fria, provocou a morte da vegetação.
m) Infeliz é o homem que não age honestamente.
n) Os homens que tem seu preço são fáceis de corromper.
o) Os idosos, que gostam de dançar, se divertiram muito.
p) O professor indicou os livros que deviam ser lidos.
q) Conhece a casa onde moro?
r)  Espinhosa é a estrada por onde passamos.
s) João, que era bom aluno, está desempregado.
t) Todos adoram espelhos que se deformam.
u) Os carros que não tiverem placa serão multados. 
v) O homem, que é um ser mortal, tem uma missão sobre a Terra.
w) Os alunos que chegarem atrasados serão advertidos.
x) A vida, que é curta, deve ser bem aproveitada. 
y) A perseverança, que é a marca dos fortes, leva a sucessos na vida. 
z) Quero somente as fotos que saírem perfeitas.

aa) Pedra que rola fica lisa.
bb) Os imigrantes, que buscavam novas terras, viveram situações difíceis.
cc) As casas que eu visitei são em estilo barroco.
dd) A Quaresma, que é uma festa religiosa, representa a ressurreição de Cristo.
ee) As músicas, cujas letras Juliana estranhou, são do Carnaval.
ff) O extraterrestre a que me refiro chama-se Arc.
gg) A imagem que apresenta cores fortes é de grande beleza.
hh) Eu escolhi os alunos que são interessados no estudo.
ii) A cidade a qual visitamos é linda!
jj) As nuvens que cortavam o céu eram tão azuis!
kk) O jogador de futebol que se machucou não voltou ao campo.
ll) Este é o livro de que lhe falei.
mm) O local onde os deputados trabalham tem uma decoração luxuosa.
nn) O parque, que está todo florido, foi obra de um paisagista famoso.
oo) O futebol, que é o esporte do povo, traz muitas alegrias e muitas decepções.
pp) O homem que trabalha merece recompensa.
qq) O aluno que se esforça aprende.
rr) Os adolescentes que estavam fantasiados desceram a avenida.
ss) Os adolescentes, que estavam fantasiados, desceram a avenida. 

domingo, 5 de fevereiro de 2012

Atividade sobre o texto "Cão! Cão! Cão!", de Millôr Fernandes


Cão! Cão! Cão!

Abriu a porta e viu o amigo que há tanto não via! Estranhou apenas que ele, amigo, viesse acompanhado por um cão. Cão não muito grande, mas bastante forte, de raça indefinida, com toda efusão. "Quanto tempo!". O cão aproveitou as saudações, se embarafustou casa adentro e logo o barulho na cozinha demonstrava que ele tinha quebrado alguma coisa. O dono da casa encompridou um pouco as orelhas, o amigo visitante fez um ar de que a coisa não era com ele. "Ora, veja você, a última vez que nos vimos foi...". "Não, foi depois, na..." "E você, casou também?". O cão passou pela sala, o tempo passou pela conversa, o cão entrou  pelo quarto e novo barulho de coisa quebrada. Houve um sorriso amarelo por parte do dono da casa, mas perfeita indiferença por parte do visitante. "Quem morreu definitivamente foi o tio... Você se lembra dele?" "Lembro, ora era o que mais.... não?" O cão saltou sobre um móvel, derrubou o abajur, logo trepou com as patas sujas no sofá (o tempo passando) e deixou lá as marcas digitais de sua animalidade. Os dois amigos, tensos, agora preferiam não tomar conhecimento do dogue. E, por fim, o visitante se foi. Se despediu, efusivo como chegara, e se foi. Mas ainda ia indo, quando o dono da casa perguntou: "Não vai levar o seu cão?" "Cão? Cão? Cão? Ah, não! Não é meu, não. Quando eu entrei, ele entrou naturalmente comigo e eu pensei que fosse seu. Não é seu, não?" 

MORAL: Quando notamos certos defeitos nos amigos, devemos sempre ter uma conversa esclarecedora.  
(Millôr Fernandes)

01) Por que o dono da casa estranhou que o amigo viesse acompanhado por um cão?

02) Por que o dono da casa fingia ignorar a presença do cão?

03) Por que o visitante fingia ignorar a presença do cão?

04) Que expressão do texto comprova que se trata de um cão vira-lata?

05) "Houve um sorriso amarelo por parte do dono da casa...". Que sentimento expressa o termo destacado? 

06) Justifique o emprego das reticências nas falas dos amigos:

07) Num determinado momento da narrativa, o tempo da ação aparece personificado, como se fosse mais um personagem. Destaque a frase em que isso oorre:

08) Que fato é responsável pelo humor desse texto?

09) Você concorda com a moral apresentada pelo autor: Comente-a: 

10) Justifique o título escolhido, aproveitando para dar um outro: 

11) O que você teria feito no lugar do  dono da casa? E no do visitante?