sexta-feira, 7 de outubro de 2016

Nossa Língua Portuguesa


A língua é algo mutável. De outra forma ainda estaríamos falando indo-europeu. A internet, porém, sobretudo em seus programas de conversação chamado de chats, está criando uma nova linguagem. 

A oralidade e a pressa com que as pessoas conversam, principalmente se se levar em consideração a lentidão da rede, fazem com que se desconsiderem regras básicas da gramática e da ortografia. Assim, não é incomum observar uma vírgula entre sujeito e predicado, em português, crime de lesa-sintaxe, ou mesmo alguns absurdos como "faser" ou "anciosamente", que são casos em que fica difícil diferenciar o erro de digitação do erro ortográfico.

Quando se considera que é a elite do país que tem acesso a computadores, a situação torna-se ainda pior. Se as pessoas mais ricas e que estudam nos melhores colégios do país não conseguem escrever dentro das boas normas gramaticais e ortográficas -- por mais contaminações orais que se possam admitir --, há certamente algo de errado com o ensino. 

Ninguém exige, é óbvio, que cada aluno da elite brasileira seja um latinista ou um helenista, mas escrever dentro da norma do português com todas as variações admissíveis é o mínimo que se deveria exigir de qualquer profissional de qualquer área. 

A Internet ainda suscita outros problemas de linguagem. Escrever em letras maiúsculas é mais ou menos o mesmo que gritar. Existem também outros problemas como as chamadas caracteretas. São quase que como uma linguagem simbólica representada por desenhos que em certos aspectos se assemelha aos hieróglifos egípcios. Uma risonha composta por acentos e símbolos significa, por exemplo, felicidade. 

Seja em português, em inglês ou qualquer outra língua do planeta, a Internet já começa a modificar os usuais meios de comunicação reputados como corretos. É melhor pensar nas implicações desse fenômeno antes que seja tarde demais e as línguas já estejam descaracterizadas pela extrema e cada vez mais rápida popularidade da rede. 

(Editorial da Folha de São Paulo, 15/08/1996)

01) Se considerarmos o primeiro parágrafo como a introdução de um texto dissertativo, a ideia básica defendida ao longo do texto seria: 

(A) a internet pressupõe que seus usuários dominem tanto o Latim como o Grego.
(B) a internet não interfere na linguagem que está sendo criada.
(C) a internet não estabelece o que seja correto ou adequado.
(D) a internet está criando uma nova linguagem.
(E) a internet não é o problema, mas os usuários é que primam pela linguagem.

02) Se considerarmos o último parágrafo como a conclusão, qual seria a ideia final?

03) Há coerência entre as ideias defendidas na introdução e na conclusão? Justifique sua resposta:

04) Qual o argumento utilizado no desenvolvimento do quinto parágrafo?

05) O autor do texto trabalha com a tese e conclusão de âmbito universal, mas argumenta a partir de exemplos particularizados (a língua portuguesa, que dá título ao editorial do jornal). Que frase retoma o caráter universal do texto?

06) Releia o último parágrafo e responda: Você acredita que as línguas possam ser descaracterizadas diante da rápida popularidade da Internet? 

07) A palavra destacada no primeiro parágrafo, seguindo as regras ortográficas atuais, está adequada? Justifique sua resposta:

08) Por que a palavra "chats" encontra-se no texto em itálito? De que outra maneira ela poderia aparecer registrada?

09) A palavra destacada no segundo parágrafo está de acordo com as normas gramaticais? Ela deveria mesmo estar no plural? Por quê? 

10) Você acredita que, na internet, existem mais casos de erro de digitação, de erro ortográfico ou de ambos? Explique seu raciocínio:

11) Observe as duas imagens a seguir para relacioná-las, de alguma forma, ao texto lido e à discussão por ele levantada: 




Leia o texto abaixo: 

Pontuação

Insiste o autor em combater a ideia, muito divulgada, de que a pontuação é problema de ouvido, que assinala a pausa e, por isso, dispensa ao escritor os conhecimentos rudimentares de gramática. 

Bem sabe que ouvido e gramática estão aqui unidos como dois braços de um abraço; mas o excessivo privilegiamento que se concede à pausa sobre as relações sintáticas que os termos da frase mantêm entre si, constantemente leva a pessoa a cometer enganos grosseiros no uso da vírgula, muitas vezes com resultados desastrosos na comunicação adequada da mensagem. 

Uma frase não é um amontoado desordenado de palavras, da mesma forma que um automóvel não é um amontoado de peças: tudo aí está interligado por força da funcionalidade de seus elementos constitutivos, que ordena o fundamental e o acessório que a gramática procura descrever, explicitando os princípios que regen o bom emprego da vírgula e de outros sinais de pontuação. 

(Evanildo Bechara, na apresentação do livro "A vírgula", do professor Celso Luft)

12) Por que uma vírgula entre sujeito e predicado, em português, pode ser considerado crime de lesa-sintaxe? 

13) Todos os itens apresentam o uso correto da vírgula, exceto o item D. Por quê? 

(A) "Dolorosas ferroadas de abelhas, quem diria, podem funcionar como um excelente complemento terapêutico para uma série de enfermidades".
(B) "A França, definitivamente, está em estado de guerra aberta".
(C) "A frágil vida intelectual que o professor pretende construir nesta planície varrida pelos tufões emocionais esboroa-se como aquelas casinhas de madeira usadas para as experiências atômicas."
(D) "Atividades específicas do campo cultural, também têm espaço nos programas de dois candidatos à Prefeitura do Rio."
(E) "Os Tupinambás sentiam-se vencedores no combate quando conseguiam dominar o campo de betalha e faziam os inimigos fugirem pelos arredores, embrenhando-se pela mata, ou evcuando o local de canoas." 

(Algumas questões foram retiradas de uma prova da UFF e outras foram por mim elaboradas!)

23 comentários:

  1. Olá, adorei os textos e as questões!!! Gostaria do gabarito, como consigo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Feliz que tenha gostado da atividade! Quanto ao gabarito, não tenho o costume de fazer, até porque a proposta do blog é ajudar a professores da área de Língua Portuguesa, que, em tese, sabem as respostas (ou deveriam). Um abraço!

      Excluir
    2. Professora Andreia adorei os exercícios, são excelentes. Gostaria do gabarito dos exercícios para correção, se puder me enviar meu email é dudualmeidap87@gmail.com
      Desde já agradeço

      Excluir
    3. Obrigada pelo comentário e pelo elogio, Eduardo! Infelizmente não posso enviar o gabarito, pois, além de não ser essa a proposta do blog, não tenho o hábito de elaborar um, fora que ainda me falta tempo de fazer essr tipo de coisa, pois como a vida de professor é corrida! Desculpe. Um abraço.

      Excluir
  2. Olá professora Andreia, me chamo Luciana e gostei muito dos exercicios, poderia me enviar o gabarito para que eu possa corrigí-los?? Meu email é: luh7ocean@gmail.com Muito obrigada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Luciana, tudo bem? Feliz que tenha gostado dos exercícios! Quanto ao gabarito, não tenho o costume de fazer, até porque a proposta do blog é ajudar a professores da área de Língua Portuguesa, que, em tese, sabem as respostas (ou deveriam). Desculpe não poder ajudar nesse sentido! Um abraço!

      Excluir
  3. Bom dia,muito bom todo o execício.gostaria do gabarito para corrigir o meu exercício.desde já agradeço. email getuliohenriques@yahoo.com.br.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jean, que legal ter gostado do exercício, mas infelizmente não tenho o hábito de criar gabarito, ainda mais quando as questões são abertas (e nem tenho tempo, devido à correria que é a vida de professor -- nem sei como ainda consigo atualizar de vez em quando este espaço). Desculpe não poder ajudar nesse sentido.

      Excluir
  4. Olá,tudo bem.Muito obrigado pela sua atenção,fique com Deus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada por entender, querido! Um abraço e fique também com Ele. :-)

      Excluir
  5. Olá, sou aluna da UFF é enquanto estudava e tirava algumas dúvidas pela internet cheguei até essa pág.
    Me responde uma coisa: é vc quem copia as provas elaboradas pela UFF é responde como suas ou a UFF tem utilizado suas questões sem usar as devidas referências do seu site?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Sara! Tudo bem? Em momento algum coloquei que todo o material que tem aqui é de minha autoria. Alguns são retirados de livros ou de provas; outros não, e são de minha autoria. Este aqui foi retirado de uma prova, mas repare que criei algumas questões extras, inclusive incluí as charges, que não deve ter, obviamente, na sua prova. Um abraço!

      Excluir
  6. Respostas
    1. Não é proposta do blog fornecer gabarito... Obrigada pela compreensão!

      Excluir
  7. Alguém poderia me ajudar com a questão nº5, não quero resposta só uma explicação se possível. Obrigada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E a nº8 também.

      Excluir
    2. Não tem como explicar sem não dar a resposta. A questão está muito clara no que ela pede. Copiar uma frase que retome a ideia de universalidade (algo maior do que o particular dos argumentos).

      E na oitava é só você reparar que a palavra em questão se trata de um estrangeirismo, portanto...

      Beijos! Espero que tenha aproveitado a "deixa"!!! :-)

      Excluir
  8. Olá, como poderia fazer a questão número 13? Alguém pode me ajudar?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jully, só você explorar a questão de que a vírgula não pode separar o sujeito do seu predicado. Esse é o X da questão. O resto você enfeita, desenvolve. Um abraço.

      Excluir
    2. Muito obrigada pela ajuda. Abraço.

      Excluir

Deixe aqui o seu comentário sobre o blog ou sobre esta postagem em especial!!! Vou amar saber o que você pensa!! Muito obrigada pela visita!!! Volte sempre!!!