sábado, 23 de julho de 2016

Análise da música "Cálice"



Cálice

Pai, afasta de mim esse cálice
Pai, afasta de mim esse cálice
Pai, afasta de mim esse cálice
De vinho tinto de sangue

Como beber dessa bebida amarga
Traga a dor, engolir a labuta
Mesmo calada a boca, resta o peito
Silêncio na cidade não se escuta.
De que me vale ser filho da santa
Melhor seria ser filho da outra
Outra realidade menos morta
Tanta mentira, tanta força bruta

(Refrão)

Como é difícil acordar calado
Se na calada da noite eu me dano
Quero lançar um grito desumano
Que é uma maneira de ser escutado
Esse silêncio todo me atordoa
Atordoado eu permaneço atento
Na arquibancada pra a qualquer momento
Ver emergir o monstro da lagoa

(Refrão)

De muito gorda a porca já não anda
De muito usada a faca já não corta
Como é difícil, pai, abrir a porta
Essa palavra presa na garganta
Esse pileque homérico no mundo
De que adianta ter boa vontade
Mesmo calado o peito, resta a cuca
Dos bêbados do dentro da cidade.

(Refrão)

Talvez o mundo não seja pequeno
Nem seja a vida um fato consumado
Quero inventar o meu próprio pecado
Quero morrer do meu próprio veneno
Quero perder de vez tua cabeça
Minha cabeça perder teu juízo
Quero cheirar fumaça de óleo diesel
Me embriagar até que alguém me esqueça

(Chico Buarque de Holanda)


01) Esta música, dentre outras, passou pelo "crivo" dos censores da Ditadura Militar. Sabendo disso, como deveria estar, de fato, grafada a palavra "Cálice"?

02) Você acha que nos dias de hoje a frase “… de muito gorda a porca já não anda…” serve para representar o governo que não funciona, atua como cabide de emprego para familiares, esconder corrupção e etc. Dê sua opinião:

03) Na época da ditadura, as pessoas saíram as ruas; homens, mulheres, crianças e idosos todos por ideal de se ter um Brasil melhor e menos desigual, onde todos pudessem falar. Por que hoje em dia, poucas são as pessoas que protestam e reclamam? Será que tudo está bom? A vida das pessoas está realmente melhor?

04) Observe o verso destacado na música, na segunda estrofe. Que palavra, na verdade, deveria estar no lugar de OUTRA? O que deu essa pista? 

05) Transcreva do texto um exemplo de vocativo: 

06) Que verso(s) da canção traz mais a ideia de que o eu lírico deseja libertar-se da censura, da imposição política? Justifique sua escolha:

07) Que mensagem a música em questão, como um todo, lhe transmitiu?  



08) A música “Cálice”, por meio de metáforas, apresenta críticas às práticas autoritárias do regime militar. Por extensão, a análise da charge acima também permite que se identifiquem esses procedimentos criticados. Quais são as práticas criticadas na música e na charge? 

(a) abertura democrática / anistia / liberdade de expressão 
(b) censura / tortura a presos políticos / repressão às oposições
(c) apoio à modernização / incentivo à industrialização / distribuição de renda 
(d) autonomia dos poderes / repressão ao tráfico / combate à pobreza 
(e) defesa dos direitos humanos / repressão aos militares / estímulo ao pluripartidarismo.

09) O que o desenho abaixo lhe transmite? Por que ele dialoga com a música analisada? 

(http://sgc.bernoulli.com.br/wordpress/literatublogando2014/category/1a-serie-a/page/3/)

10) Que tal você agora pensar em um desenho, usando o acima como estímulo, que também dialogue com a música "Cálice"?!? Arrase!!! 

2 comentários:

  1. Perfeito!!! Parabéns, querida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, amiga linda, por ter vindo aqui! Adorei! Volte sempre!

      Excluir

Deixe aqui o seu comentário sobre o blog ou sobre esta postagem em especial!!! Vou amar saber o que você pensa!! Muito obrigada pela visita!!! Volte sempre!!!