quarta-feira, 27 de abril de 2016

Bela, recatada e do lar

Em função da leitura dos textos motivadores e dos conhecimentos assimilados ao longo de sua formação, faça uma dissertação argumentativa sobre “o papel da mulher na sociedade contemporânea”. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.

Instruções:

1. O texto definitivo deve ser escrito à tinta, na folha própria, em até 30 linhas.
2. A redação com até 7 (sete) linhas escritas será considerada “insuficiente” e receberá nota zero.
3. A redação que fugir ao tema ou que não atender ao tipo dissertativo-argumentativo receberá nota zero.
4. A redação que apresentar proposta de intervenção que desrespeite os direitos humanos receberá nota zero.
5. A redação que apresentar cópia dos textos da Proposta de Redação terá o número de linhas copiadas desconsiderado para efeito de correção.

Texto 01:  Marcela Temer: bela, recatada e “do lar”

(A quase primeira-dama, 43 anos mais jovem que o marido, aparece pouco, gosta de vestidos na altura dos joelhos e sonha em ter mais um filho com o vice)

Marcela Temer é uma mulher de sorte. Michel Temer, seu marido há treze anos, continua a lhe dar provas de que a paixão não arrefeceu com o tempo nem com a convulsão política que vive o país - e em cujo epicentro ele mesmo se encontra. Há cerca de oito meses, por exemplo, o vice-presidente, de 75 anos, levou Marcela, de 32, para jantar na sala especial do sofisticado, caro e badalado restaurante Antiquarius, em São Paulo. Blindada nas paredes, no teto e no chão para ser à prova de som e garantir os segredos dos muitos políticos que costumam reunir-se no local, a sala tem capacidade para acomodar trinta pessoas, mas foi esvaziada para receber apenas "Mar" e "Mi", como são chamados em família. Lá, protegido por quatro seguranças (um na cozinha, um no toalete, um na entrada da sala e outro no salão principal do restaurante), o casal desfrutou algumas horas de jantar romântico sob um céu estrelado, graças ao teto retrátil do ambiente. Marcela se casou com Temer quando tinha 20 anos. O vice, então com 62, estava no quinto mandato como deputado federal e foi seu primeiro namorado.

(...) Bacharel em direito sem nunca ter exercido a profissão, Marcela comporta em seu curriculum vitae um curto período de trabalho como recepcionista e dois concursos de miss no interior de São Paulo (representando Campinas e Paulínia, esta sua cidade natal). Em ambos, ficou em segundo lugar. Marcela é uma vice-primeira-dama do lar. Seus dias consistem em levar e trazer Michelzinho da escola, cuidar da casa, em São Paulo, e um pouco dela mesma também (nas últimas três semanas, foi duas vezes à dermatologista tratar da pele).Por algum tempo, frequentou o salão de beleza do cabeleireiro Marco Antonio de Biaggi, famoso pela clientela estrelada. Pedia luzes bem fininhas e era "educadíssima", lembra o cabeleireiro. "Assim como faz a Athina Onassis quando vem ao meu salão, ela deixava os seguranças do lado de fora", informa Biaggi. Na opinião do cabeleireiro, Marcela "tem tudo para se tornar a nossa Grace Kelly". Para isso, falta só "deixar o cabelo preso". Em todos esses anos de atuação política do marido, ela apareceu em público pouquíssimas vezes. "Marcela sempre chamou atenção pela beleza, mas sempre foi recatada", diz sua irmã mais nova, Fernanda Tedeschi. "Ela gosta de vestidos até os joelhos e cores claras", conta a estilista Martha Medeiros.

Marcela é o braço digital do vice. Está constantemente de olho nas redes sociais e mantém o marido informado sobre a temperatura ambiente. Um fica longe do outro a maior parte da semana, uma vez que Temer mora de segunda a quinta-feira no Palácio do Jaburu, em Brasília, e Marcela permanece em São Paulo, quase sempre na companhia da mãe. Sacudida, loiríssima e de olhos azuis, Norma Tedeschi acompanhou a filha adolescente em seu primeiro encontro com Temer. Amigos do vice contam que, ao fim de um dia extenuante de trabalho, é comum vê-lo tomar um vinho, fumar um charuto e "mergulhar num outro mundo" - o que ocorre, por exemplo, quando telefona para Marcela ou assiste a vídeos de Michelzinho, que ela manda pelo celular.

 ...Michel Temer é um homem de sorte.
(Juliana Linhares)
(Disponível em: http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/bela-recatada-e-do-lar)


Texto 02Livre, respeitada e do bar

(Pelo direito de ser E DE NÃO SER bela, recatada e do lar)

Quando a gente acha que já teve náuseas suficientes nos últimos dias, surge uma reportagem sobre a esposa do Michel Temer, intitulada “bela, recatada e do lar”. Antes de tudo, que fique claro, não vejo nenhum problema se uma mulher quiser ser bela, recatada e do lar. Como disse Simone de Beauvoir, “que a liberdade seja a nossa própria substância”. Toda mulher é livre para escolher o caminho que torna-a realizada. Isso só se torna um problema quando um dos maiores veículos de informação do país coloca- ainda que de forma velada- essas características como padrão a ser seguido, e coroam a reportagem dizendo que Temer é um homem de sorte.

Precisamos olhar para isso. Pensar sobre isso. Precisamos repensar esse encardido conceito de “bela”. A boa e velha mulher objeto que tem seu valor diretamente relacionado ao quão agradável ela é aos olhos alheios. O fato de que a primeira análise de uma mulher sempre será a respeito da sua aparência (mesmo quando ela está apresentando um projeto no trabalho ou esperando o ônibus no ponto) é algo que o feminismo tenta extirpar há décadas. Mas o mundo não está interessado em mostrar que a beleza da mulher está muito além da estética.

Mulher bonita é a mulher que luta, meus queridos.Na sequência temos a mulher “recatada”. Essa é a tal mulher que “se dá o respeito” aos olhos machistas e conservadores.  São esses mesmos olhos que acham que a mulher que saiu de saia curta contribuiu para o próprio estupro. Recatada é a mulher que sabe ficar em silêncio em uma discussão “de homem”. 

A mulher que “se recolhe à própria insignificância”. A mulher que se recolhe.

Não. Nós não vamos nos recolher. E isso é só o começo.

E a cereja do bolo: “do lar”. Quando a expressão “do lar” significa trabalhar cuidando da casa, ela é uma característica fantástica e honradíssima, para homens ou para mulheres.  Cuidar da casa é exaustivo, necessário e relevante. Mas quando “do lar” vem depois de “recatada”, sabemos que não se trata de zelar da casa. Trata-se de “não se expor”, de “ser uma boa esposa”, de “ocupar seu lugar de mulher”.

Lugar de mulher. Lugar de mulher é onde ela quiser, amigo.É no bar, tomando whisky. É em casa, lendo jornal e comendo amendoim. É em plataforma de petróleo. É na sala de aula, assistindo e lecionando. É em pista de skate. É na câmara dos deputados.  É dirigindo táxi. É na rua, à noite, sozinha. É no mundo.

(...) O que nós estamos vendo é, além de tudo, uma tentativa de mudança ideológica em muitos campos. Mudança essa que coloca a mulher, a família, os trabalhadores, os gays, os negros e tantos outros no lugar que eles julgam adequado. Isso se chama retrocesso e isso dá medo. Mas, sabem como é, o medo nunca nos impediu de lutar.

Michel Temer é um homem de sorte? Pode ser que seja. Assim como o marido (ou mulher) de uma engenheira. De uma militante feminista. De uma faxineira. De uma stripper. De uma professora de biologia. Mas a existência de uma mulher não serve para ser mero acessório da felicidade de um cônjuge. A nossa existência serve para fazer sentido por si só. Para não se encaixar em modelos ultrapassados. (...) Para sermos livres e respeitadas, seja no lar ou seja no bar. Nós somos muito mais do que eles querem que a gente seja. E é bom que eles estejam prontos para isso.

(Ruth Manus)
(Disponível em: http://vida-estilo.estadao.com.br/blogs/ruth-manus/livre-respeitada-e-do-bar/)

Texto 03:

Nesta semana a revista Veja fez uma matéria com Marcela Temer, esposa de Michel de Temer e, logo na manchete, a definiu assim: bela, recatada e do lar. O texto soava elogioso ao fato de Marcela ser discreta, falar pouco e usar saias na altura do joelho. Para boa feminista, meia imposição basta.

Fica evidente a tentativa da revista de fazer uma oposição ao que Dilma representa. Uma mulher aguerrida, forte, fora do padrão imposto do que se entende que uma mulher deve se comportar. Mas, é como se dissessem: mulher boa é a esposa, a primeira dama, a “que está por trás de um grande homem”.

(...) Destaco que não critico aqui Marcela e mulheres que possuem estilo parecido. O problema é julgar que esse modelo deve ser o padrão.

É não respeitar a mulher como ser humano, alguém que pode estar num lugar de liderança, e que tem o direito de ser como quiser sem julgamentos à sua moral ou capacidade.

(...) O lado bom da reportagem foi a campanha virtual que feministas lançaram logo após a matéria ir ao ar. Várias estão postando fotos fazendo coisas que a sociedade acredita não serem para uma mulher com a hashtag bela, recata e do lar.Há fotos com mulheres bebendo, no bar, trabalhando, com roupas curtas, com o objetivo de mostrar que lugar de mulher deveria ser onde ela escolhe estar. Percebe-se como, apesar de alguns avanços que tivemos, a mentalidade machista perdura e é ainda tão 1792...


Textos 04, 05 e 06:







Um comentário:

  1. Show de bola, como sempre! Adorei! Não podemos mesmo deixar passar nenhuma discussão em nossas aulas! Pena que estou em greve...

    ResponderExcluir

Deixe aqui o seu comentário sobre o blog ou sobre esta postagem em especial!!! Vou amar saber o que você pensa!! Muito obrigada pela visita!!! Volte sempre!!!