sexta-feira, 4 de maio de 2012

Desabafando...

Estou cansada de virar noite corrigindo provas, fechando diários, tentando cumprir o tal do Currículo Mínimo e tentando planejar tudo o que trabalho com meus alunos, atenta ao que deu certo e ao que não deu, para que possa, assim, saber que novos caminhos seguir, mas... Por que tenho sempre a impressão de que estou "remando contra a maré"?!? Governo querendo camuflar limitações e fracassos do sistema, enfiando-as debaixo do tapete, cada dia mais grosso e enoooorme, tudo em nome das "benditas" estatísticas! 

Não aguento mais ver comerciais falando super bem de melhorias na Educação que eu, diretamente dentro dela, não vejo, muito pelo contrário: noto um tremendo mar de facilidades e de retrocesso! Nunca vi tanta nota baixa em toda a minha vida e pior ainda: tanta indiferença dos alunos com relação a isso! Apavoro-me com tal fato; já eles... nem tchum! Nunca precisei dar recuperação da recuperação... e nem assim resolveu! Impotência. Falta de importância. Descrença. Desânimo.

Entristece-me ter de parar algumas aulas para dar broncas, como que se implorasse aos meus alunos para que prestasssem atenção à minha aula, ao meu discurso! Sinto-me incomodá-los, querendo falar sobre determinados assuntos enquanto há uma disputa injusta com a vontade incontrolável de tirar uma foto com seu celular ou conectar-se ao Facebook! E onde eu fico nisso tudo? Fico com vontade de gritar, cada vez mais alto, de me fazer verdadeiramente ouvir... de canto a canto... é uma dor imensa deixar filho pequeno em casa, privando-nos da presença um do outro, e sobrecarregando a minha mãe, e a mim, em três escolas, pra quê? Para ter que ainda convencer alguém de que a solução para todas essas mazelas está na Educação?!? 

Enquanto o grito quer sair, cada dia mais forte, sonoro, sinto-me vítima do volume decrescente... e vou diminuindo, recuando... até que um dia a paciência e a esperança pedirão licença para saírem de cena (até quando?) e aí me lançarei ao silêncio. Total. Talvez assim, às avessas, como estão tantos valores, eu me faça, naturalmente, ouvir. Ou nem mesmo assim...

Estou sozinha nesta ou alguém aí me entende?!?

segunda-feira, 30 de abril de 2012

Barroco no Brasil

Pesquisando já algumas coisinhas interessantes para o eixo bimestral do Primeiro Ano do Ensino Médio, referentes ao estilo literário denominado BARROCO, para ver se consigo tornar mais atraentes minhas aulinhas! Aceito indicações, sugestões dos meus ilustres seguidores e visitantes, viu!

O Barroco é justamente o período da Literatura que mais me atrai, talvez por tanto me identificar com ele e suas dualidades, contradições, antíteses, paradoxos, dúvidas... Sim, eu sou assumidamente barroca. Sou a única?!? (risos)

Um abraço a todos. Bom feriado!




domingo, 29 de abril de 2012

Proposta de Redação: Mafalda e a vitrine


Elabore um texto, de até 15 linhas, contando com suas palavras a situação vivida pela menina diante da vitrine!  Não deixe escapar nenhum detalhe, combinado? Não se esqueça também de dar um título bem interessante e criativo ao seu textículo! Arrase!

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Tentando inovar...

O texto a seguir me foi apresentado por um colega de Geografia, Afonso, e, assim que bati os olhos nele, senti que poderia dar um bom "caldo", de tão interessante e desafiador que o considerei. Lembrei-me de "Circuito fechado", de Ricardo Ramos, tão bom quanto! Fica aqui a dica!
Sorria! 

Deposite aqui. Aguarde. Ficha no caixa.
Leve três. Aceitamos todos os tíquetes.
Só com RG. Não pise
na faixa. Pague dois. Por quilo.
Facilite o troco. Até o vencimento.
Débito automático. Fila única.
Não tem chave. Não insista. Crédito
obrigatório. Confira. Buzine.
Conforme instruções. Relaxe.
É lei. Digite a senha. Silêncio. À vista.
Visite nossa cozinha. Senha não confere.
Obrigada. Atenção. Em jejum.
Fale com nossas operadoras.
Não desligue. Por favor. Não perfure.
Cuidado. Não rasure. Pare. Não amasse.
Bloqueado. Deseja salvar?
Sorria! Você está sendo filmado.

(Fernando Bonassi)


01) Quantas frases existem no texto? Organize-as de acordo com a possível profissão de quem teria feito uso delas:

02) Crie uma pergunta criativa para que pudesse ser respondida com uma dessas frases:

03) Há, no texto, uma palavra que foi nitidamente “aportuguesada”. Qual é ela? E a que língua ela pertencia?

04) Que mensagem o texto lhe transmitiu?

05) Quais as situações diárias de nossa vida reveladas nesse texto?

06) Crie um texto como este de um dia da sua vida:

07) Reorganize melhor o texto para que ele fique coeso e coerente:

08) O título está de acordo com o contexto da historia? Explique:

09) No texto, aparecem vários verbos no imperativo. Qual ou quais sentidos o autor quis despertar no leitor?

10) No texto lido, qual a função da linguagem predominante? Que marcas linguísticas podem comprovar sua resposta?

11) Em “Só com RG”, embora tenhamos uma ideia completa, não há uma oração. Explique:

12) No texto, existem mais períodos simples ou períodos compostos? Por quê?

13) Crie uma situação de comunicação que contextualizem as frases e expressões abaixo:
- Aceitamos todos os tíquetes.
- Só com RG.
- Não insista.
- Senha não confere.
- Fale com nossas operadoras.
- Deseja salvar?
- Sorria! Você está sendo filmado.

14) Qual tipo textual predomina no texto? Justifique:

15) Apesar de não haver elementos coesivos, podemos perceber claramente uma sequência textual. Explique por que isso ocorre:

16)  Existe mesmo possibilidade de o povo sorrir recebendo tantas ordens, tantos comandos? Ou você acredita que o povo reclame, questione tudo isso? Comente:

17) Qual a classe social que mais se adéqua com o texto? Por quê?

18) A ordem “buzine” existe? Ou é uma sugestão do emissor?

19) Crie uma imagem que ilustre bem o texto:

20) Mencione alguns locais e/ou situações nas quais você se depara com as frases do texto:

21) Escolha cinco frases que você considera simpáticas e outras cinco nem tanto. Justifique:

22) Elabore um gibi expondo as situações nas quais algumas dessas frases aparecem no seu dia-a-dia:

23) Encontre no texto cinco frases nominais e cinco frases verbais:

24) Escolha duas frases verbais e as transforme em nominais:

25) Escolha duas frases nominais e as transforme em verbais:

26) Escolha duas frases com períodos simples e as transforme em períodos compostos:

27) Encontre no texto um exemplo de frase: negativa, afirmativa, interrogativa e exclamativa:

28) Pense em uma pessoa que está diariamente em contato com essas frases. Que perfil essa pessoa teria? Elabore um texto narrativo/descritivo sobre o tema:

29) O que você pensa sobre esse tipo de comunicação indireta? Quais aspectos são positivos? Quais são negativos? Pense nisso e elabore um texto opinativo:

30) Por que este texto não seria, por exemplo, entendido numa zona rural do Amazonas?

(Autores: Andreia Dequinha, Cris Barata, Maria Regina, Édina Moura, Débora Patrícia, Sandra Vitezi, Carmem Lúcia, Vânia Oliveira, Hellem Toledo, Marly Corrêa, Helaine Soares, Sandra Prado e Zizi Cassemiro)

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Alguém ainda duvida do poder da leitura?!?

Conheci o vídeo abaixo graças à indicação da Yara Reis, uma colega do grupo INTEXTOS, do qual tenho o maior orgulho de pertencer, e fiquei muitíssimo encantada! Realmente acredito na importância (tamanha) da leitura e no poder que ela tem de gerar mudanças em cada ser, no mundo, seja ele interior ou exterior. Compartilho! Espero que gostem! Um abraço a todos e me desculpem pelo sumiço e aparente "abandono" deste meu cantinho! Culpa da correria, apenas dela!  


terça-feira, 24 de abril de 2012

Atividade com recortes de jornais ou revistas


Depois de prestar muita atenção no vídeo acima, que tal propor para os seus alunos uma atividade bem dinâmica utilizando recortes de jornais ou revistas?!? Os meus costumam curtir pra valer... sempre fazem  suuuuper animados, apesar do medo inicial por perceberem que praticamente nenhuma palavra tem algo a ver com a outra!!! (e não sabem eles que a intenção é justamente esta!!!)

A mágica de tal atividade é justamente desafiar cada dupla (mas pode fazer individualmente ou em trio, dependendo do gosto do freguês) a usar as dez (ou mais) palavras (e até mesmo frases, se quiser dar uma dificultada básica!) que cada uma recebeu e transformar algo solto em um texto coeso, coerente, bem "costuradinho" e com sentido de unidade!!! Melhor forma de se aprender, na prática, coesão e coerência!!! Recomendo!!! Tente e depois me diga como foi, combinado?!?

quarta-feira, 11 de abril de 2012

Proposta de Redação - Mafalda e a democracia


Sou apaixonada pela Mafalda, que sempre está nos surpreendendo e nos dando verdadeiras lições de moral! Esta tirinha então, sobre a piada que é a democracia em nosso país, é demais! Aposto como ele daria um delicioso tema de redação! Que tal você sugerir dez temas possíveis e dois títulos para cada um deles?!? Arrase!!!

quarta-feira, 28 de março de 2012

"O coveiro" (Millôr Fernandes)


Parece que lá no céu a situação também deve andar meio triste e caótica, precisando de alegria e de criatividade com total urgência, já que, num curto período de tempo, tivemos de nos despedir de dois humoristas talentosos e maravilhosos, como Chico Anísio e agora o Millôr Fernandes. Fico imaginando um diálogo entre eles! Sorrio! Tento não prolongar a minha tristeza, considerando que Deus tem tentado, por alguma razão, montar um time de primeira lá no céu! Adeus, Millôr, e obrigada por cada texto seu, verdadeiras preciosidades que utilizo ao longo de minha carreira com meus alunos e é sempre sucesso na certa! 

Como homenagem e despedida, deixo aqui uma proposta de redação, que é a criação de tal possível diálogo entre os dois comediantes recentemente falecidos, cada qual com sua característica e estilo, mas igualmente fabulosos! E deixo também uma rápida atividade sobre um textículo do Millôr! Espero que gostem! 

O coveiro

Ele foi cavando, cavando, cavando, pois sua profissão - coveiro - era cavar. Mas, de repente, na distração do ofício que amava, percebeu que cavara demais.Tentou sair da cova e não conseguiu. Levantou o olhar para cima e viu que sozinho não conseguiria sair. Gritou. Ninguém atendeu. Gritou mais forte. Ninguém veio. Enrouqueceu de gritar, cansou de esbravejar, desistiu com a noite. Sentou-se no fundo da cova, desesperado. A noite chegou, subiu, fez-se o silêncio das horas tardias. Bateu o frio da madrugada e, na noite escura, não se ouviu um som humano, embora o cemitério estivesse cheio de pipilos e coaxares naturais dos matos. Só pouco depois da meia-noite é que vieram uns passos. Deitado no fundo da cova o coveiro gritou. Os passos se aproximaram. Uma cabeça ébria apareceu lá em cima, perguntou o que havia: O que é que há? 

O coveiro então gritou, desesperado: Tire-me daqui, por favor. Estou com um frio terrível! Mas, coitado! - condoeu-se o bêbado - Tem toda razão de estar com frio. Alguém tirou a terra de cima de você, meu pobre mortinho! E, pegando a pá, encheu-a e pôs-se a cobri-lo cuidadosamente. 

Moral: Nos momentos graves é preciso verificar muito bem para quem se apela.

(Millôr Fernandes) 

01) Qual é o tipo de narrador? Justifique sua resposta:

02) Quais são as personagens dessa historia?

03) Trata-se de um texto narrativo, dissertativo ou descritivo? Por quê? 

04) Onde reside o humor do texto? Comente:

05) Por que a escolha justamente do bêbado para ser uma das personagens foi importante?

06) Por que podemos afirmar que o texto comprova o clichê "por ironia do destino"? Explique:

07) Que outro título você daria a esse texto?

08) Lendo o texto, você conclui que o coveiro:

(A) não gostava do que fazia;
(B) era uma pessoa atenta ao que fazia;
(C) não foi capaz de pedir ajuda;
(D) recebeu ajuda, rapidamente, do bêbado;
(E) não foi bem sucedido no seu ofício;

09) A afirmativa abaixo que melhor expressa a mesma ideia da moral do texto é:

(A) Deve-se pedir ajuda a qualquer pessoa;
(B) Não importa a quem se pede ajuda;
(C) Nunca se precisa de ajuda;
(D) Ao precisar de ajuda, deve-se saber a quem pedir;
(E) Ao ajudar, não se deve cobrar;

10) O bêbado não atendeu ao pedido do coveiro porque:

(A) não ouviu o seu pedido de socorro;
(B) enterrar defunto era o seu ofício;
(C) ele não estava em plena consciência dos seus atos;
(D) ele queria brincar com o coveiro;
(E) ele não era capaz de carregar o coveiro;

11) Ao cair na cova, o coveiro:

(A) ficou sem reação;
(B) não pediu socorro;
(C) recebeu ajuda imediata;
(D) sempre teve esperança;
(E) se viu impotente;

12) Ao dizer "Alguém tirou a terra de cima de você, meu pobre mortinho!", o bêbado:

(A) achou que o coveiro estava se divertindo;
(B) sentiu pena do coveiro por estar coberto de terra;
(C) não entendeu a situação;
(D) tratou o coveiro com palavras indelicadas;
(E) humilhou o coveiro;

13) A caracaterística que NÃO se observou no coveiro foi:

(A) distraído;
(B) trabalhador;
(C) Persistente;
(D) Apavorado;
(E) Preguiçoso;

14) Durante a noite, o coveiro:

(A) ouviu bastantes vozes das pessoas;
(B) presenciou o barulho  dos animais;
(C) sentiu bastante frio;
(D) teve ajuda de várias pessoas;
(E) saiu da cova;

15) O que faz esse texto ficar engraçado é:

(A) o bêbado ter imaginado que o coveiro era um morto e jogar terra para cobri-lo;
(B) o coveiro ficar cavando e sentir frio durante a madrugada;
(C) o homem ficar sentado no fundo enrouquecido de tanto gritar;
(D) o fato de ser justamente um coveiro, de profissão;
(E) o homem ter cavado demais e ficar preso no buraco;

16) O coveiro ficou desesperado porque:

(A) ficou preso no buraco e já era noite;
(B) ouviu uns passos chegando perto do buraco;
(C) sentiu medo de ficar sozinho no cemitério;
(D) pressentiu que ia morrer ali;
(E) viu que o bêbado tinha chegado para ajudá-lo; 

17) Por que o coveiro não percebeu que tinha cavado demais? 

18) Retire do texto uma frase que indique o esforço do coveiro em tentar sair da cova:

19) Explique com suas palavras o que a moral do texto quer dizer:

20) Onde e quando ocorreu a historia?

21) Retire do texto uma frase declarativa, uma interrogativa,  uma exclamativa e uma imperativa:


22) Retire do texto o adjetivo que caracteriza o estado emocional do coveiro quando se viu preso na cova:


23) Analisando a oração "O coveiro gritou mais forte":


a) Destaque o verbo e indique o tempo e o modo verbal:
b) Passe-a para os outros dois tempos verbais:

24) Neste texto predomina a sequência textual narrativa. Assinale a única alternativa que NÃO apresenta uma característica desse tipo de texto:

(A) Fatos em uma sequência, nuam relação de causa e efeito;
(B) Os fatos são vividos por personagens, em um determinado lugar e tempo;
(C) Apresenta fatos e argumentos com a intenção de persuadir o leitor;
(D) Pode apresentar a linguagem em primeira ou terceira pessoa.

segunda-feira, 5 de março de 2012

"Prova de amor", de Marina Colasanti

Prova de amor

"Meu bem, deixa crescer a barba para me agradar", pediu ele.
E ela,  num supremo esforço de amor, começou a fiar dentro de si e a laboriosamente expelir aqueles novos pelos, que na pele fechada feriam caminho.
Mas quando, afinal, doce barba cobriu-lhe o rosto, e com orgulho expectante entregou sua estranheza àquele homem: "Você não é mais a mesma", disse ele.
E se foi.
(Marina Colasanti)

Agora utilize o minitexto acima como estímulo para elaborar um texto dissertativo-argumentativo que se situe entre 20 a 25 linhas.


Aquecimento...

- Você acha que isso acontece bastante na vida das pessoas? Por quê?

- Vale a pena mudar para agradar alguém? Isso é amor ou falta de personalidade, afinal?

- Vale a pena mudar por você?

- O ser humano, em geral, é um ser insatisfeito por natureza? E incoerente? Também é?

- No texto predomina a conotação ou a denotação? Por quê?

- Como você interpreta esse texto? Que mensagem se pode extrair dele? Comente:

- De acordo com o que se conhece até hoje na ciência, a produção voluntária de barba é possível?

- Teria sentido perguntar à autora se essa mulher realmente existe ou existiu e se o fato narrado é verdadeiro? Justifique sua resposta:

domingo, 26 de fevereiro de 2012

Para complementar o Quinhentismo!

Compartilho aqui alguns vídeos que considero ótimos estímulos para incrementar as aulas sobre o estilo literário denominado QUINHENTISMO! Espero que gostem! E quem tiver algum a mais para indicar, por favor, vou amar!

 

 

 

sábado, 25 de fevereiro de 2012

Vídeo-aulas - Quinhentismo

 



Apesar de disponibilizar os vídeos acima, também bem bonzinhos, sobre o QUINHENTISMO, eu já separei os vídeos que eu pretendo passar para os meus primeiros anos na segunda-feira à noite, se for possível e se a escola já tiver providenciado um laptop para usar o data-show! Um deles é o que consta no excelente DVD entitulado "Literatura e outras linguagens", do Cereja, da Atual Editora, que, infelizmente, não encontrei no You Tube, e o outro foi um indicado no Curso de Aperfeiçoamento oferecido pelo Estado, que é este abaixo, dos Seminovos, que eu adoro! Fica aqui a dica!


quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Ampliando a leitura...

Eu sou APAIXONADA por todos os vídeos produzidos pela professora MARA RUTE, mas este aqui, em especial, que aborda a interpretação de charges, tirinhas, propagandas e poesia concreta, me marcou! Seleção ma-ra-vi-lho-sa de material, que vale a pena ser visto! Compartilho com vocês! Apreciem! Apesar de ainda faltar muuuuuuuuuuuuito, um dia ainda chego lá! (risos)

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Amém!


"Que as dificuldades que eu enfrentar ao longo do caminho 
não me roubem a capacidade de encanto..."
 
(Ana Jácomo)

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

A lenda das três árvores


    Havia, no alto da montanha, três pequenas árvores que sonhavam o que seriam depois de adultas. A primeira, olhando as estrelas, disse:
    -- Eu quero ser o baú mais precioso do mundo, cheio de tesouros. Para tal, até me disponho a ser cortada.
    A segunda olhou para o riacho e suspirou:
    -- Eu quero ser um grande navio para transportar reis e rainhas.
    A terceira árvore olhou o vale e disse:
    -- Eu quero ficar aqui no alto da montanha e crescer tanto que as pessoas, ao olharem para mim, levantem seus olhos e pensem em Deus.
    Muitos anos se passaram e, certo dia, vieram três lenhadores e cortaram as três árvores. Todas ficaram muito ansiosas em serem transformadas naquilo com que sonharam, mas lenhadores não costumam ouvir e nem entender sonhos! Que pena!
    A primeira árvore acabou sendo transformada num cocho de animais, coberto de feno. A segunda virou um simples e pequeno barco de pesca, carregando pessoas e peixes todos os dias. E, a terceira, mesmo sonhando em ficar no alto da montanha, acabou cortada em altas e resistentes vigas e foram colocadas de lado com em m depósito. E todas as três se perguntavam desiludidas e tristes com a surpresa que o destino lhes reservou: -- Para que isso?
    Mas numa certa noite, iluminada em sua plenitude pela luz do luar e das estrelas, onde havia mil melodias no ar, uma jovem mulher colocou seu neném recém-nascido naquele cocho de animais. E de repente a primeira árvore percebeu que continha o maior tesouro do mundo!
    A segunda árvore, anos depois, acabou transportando um homem que acabou dormindo no barco, mas, quando a tempestade quase afunda o pequeno barco, o homem se levantou e disse: -- Paz! E num relance a segunda árvore entendeu que estava carregando o Rei dos Céus e da Terra.
    Tempos mais tarde, numa sexta-feira, a terceira árvore se espantou quando suas vigas foram unidas em forma de cruz e um homem foi pregado nela. Logo, sentiu-se horrível e cruel, mas,no domingo, o mundo vibrou de alegria e a terceira árvore entendeu que nela havia sido pregado um homem que fora destinado para a Salvação da Humanidade e que as pessoas sempre se lembrariam de Deus e de Seu Filho Jesus Cristo ao olharem para ela.
    As árvores tinham tido sonhos, mas as realizações foram mil vezes melhores do que aqueles sonhos que tiveram tempos atrás.
(Autor desconhecido)

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

A cenoura, o ovo e o café

Uma filha se queixou a seu pai sobre sua vida e de como as coisas estavam difíceis para ela.  Ela já não sabia mais o que fazer e queria desistir. Estava cansada de lutar e combater.  Parecia que assim que um problema estava resolvido um outro surgia. Seu pai, um "chef", levou-a até a cozinha dele. 

Encheu três panelas com água e colocou cada uma delas em fogo alto. Logo as panelas começaram a ferver. Numa ele colocou cenouras, noutra colocou ovos e, na última, pó de café. Deixou que tudo fervesse, sem dizer uma palavra. A filha deu um suspiro e esperou impacientemente, imaginando o que ele estaria fazendo.

Cerca de vinte minutos depois, ele apagou as bocas de gás. Pescou as cenouras e colocou-as numa tigela. Retirou os ovos e colocou-os em outra tigela. Então pegou o café com uma concha e colocou-o numa xícara. Virando-se para ela, perguntou:

- Querida, o que você está vendo? 


- Cenouras, ovos e café - ela respondeu.

Ele a trouxe para mais perto e pediu-lhe para experimentar as cenouras.  Ela obedeceu e notou que as cenouras estavam macias. Então, pediu-lhe que pegasse um ovo e o quebrasse.  Ela obedeceu e depois de retirar a casca verificou que o ovo endurecera com a fervura. Finalmente, ele lhe pediu que tomasse um gole do café.  Ela sorriu ao provar seu aroma delicioso.  Ela perguntou humildemente:

- O que isto significa, pai?

Ele explicou que cada um deles havia enfrentado a mesma adversidade, água fervendo, mas que cada um reagira de maneira diferente. A cenoura entrara forte, firme e inflexível. Mas depois de ter sido submetida à água fervendo, ela amolecera e se tornara frágil. Os ovos eram frágeis. Sua casca fina havia protegido o líquido interior. Mas depois de terem sido colocados na água fervendo, seu interior se tornou mais rijo. O pó de café, contudo, era incomparável. 


Depois que fora colocado na água fervente, ele havia mudado a água.

- Qual deles é você? - ele perguntou à sua filha.

Quando a adversidade bate à sua porta, como você responde? Você é uma cenoura, um ovo ou um pó de café? 


  (Autor Desconhecido)

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Acolhimento 2012!!!

Tentei acolher todas as minhas turmas, das três escolas, usando estes três pequenos vídeos ("Convivência", "O menino e a árvore" e "O poder das palavras") e o resultado foi interessante e acho que bem empolgante, graças a Deus!!! 

 


 

Nas minhas turmas de Redação, na nova escola, pedi, ainda, que produzissem um texto em cima do tema: "Tudo que é preciso saber sobre mim" e estou, até agora, gostando muito do resultado... Muito bom ter a chance de, através de tais produções, detectar por onde começar para ajudá-los e, de quebra, conhecer um pouquinho mais de cada um! 

Obrigada, Senhor, por cada turma que tenho, por cada aluno, por cada colega, porque sei que tudo tem um porquê... e NINGUÉM está no nosso caminho por acaso e sim pela Sua Vontade!!! Que a convivência seja tranquila, respeitosa, que tenhamos espírito de UNIÃO, de parceria e que saibamos fazer sempre a diferença!!!

Exercícios - Orações Subordinadas Adjetivas

01) Divida e classifique as orações abaixo:

a) Duro é o sofrimento que nasce do vício.
b)  A água, que é incolor, é indispensável.
c) Comprei um papagaio que fala muito.
d) Deus, que é o pai de todos, sabia da luta que ele tivera.
e)  As pessoas que fingem não são dignas de confiança.
f)  Há coisas que nos comovem.
g) O vulcão, que parecia extinto, voltou a dar sinal de vida.
h)  É teu tudo quanto aqui existe.
i)  Os bois da região, que contraíram febre aftosa, serão examinados.
j)  O livro que li é muito bom.
k) A Lua, que é satélite da terra, inspirou muitos poetas.
l) A neve, que é fria, provocou a morte da vegetação.
m) Infeliz é o homem que não age honestamente.
n) Os homens que tem seu preço são fáceis de corromper.
o) Os idosos, que gostam de dançar, se divertiram muito.
p) O professor indicou os livros que deviam ser lidos.
q) Conhece a casa onde moro?
r)  Espinhosa é a estrada por onde passamos.
s) João, que era bom aluno, está desempregado.
t) Todos adoram espelhos que se deformam.
u) Os carros que não tiverem placa serão multados. 
v) O homem, que é um ser mortal, tem uma missão sobre a Terra.
w) Os alunos que chegarem atrasados serão advertidos.
x) A vida, que é curta, deve ser bem aproveitada. 
y) A perseverança, que é a marca dos fortes, leva a sucessos na vida. 
z) Quero somente as fotos que saírem perfeitas.

aa) Pedra que rola fica lisa.
bb) Os imigrantes, que buscavam novas terras, viveram situações difíceis.
cc) As casas que eu visitei são em estilo barroco.
dd) A Quaresma, que é uma festa religiosa, representa a ressurreição de Cristo.
ee) As músicas, cujas letras Juliana estranhou, são do Carnaval.
ff) O extraterrestre a que me refiro chama-se Arc.
gg) A imagem que apresenta cores fortes é de grande beleza.
hh) Eu escolhi os alunos que são interessados no estudo.
ii) A cidade a qual visitamos é linda!
jj) As nuvens que cortavam o céu eram tão azuis!
kk) O jogador de futebol que se machucou não voltou ao campo.
ll) Este é o livro de que lhe falei.
mm) O local onde os deputados trabalham tem uma decoração luxuosa.
nn) O parque, que está todo florido, foi obra de um paisagista famoso.
oo) O futebol, que é o esporte do povo, traz muitas alegrias e muitas decepções.
pp) O homem que trabalha merece recompensa.
qq) O aluno que se esforça aprende.
rr) Os adolescentes que estavam fantasiados desceram a avenida.
ss) Os adolescentes, que estavam fantasiados, desceram a avenida. 

domingo, 15 de janeiro de 2012

No Mínimo, uma vergonha!



01) Você concorda que os setenta e três centavos é só para gozar com a nossa cara? Justifique sua resposta:

02) O que a charge denuncia? O que você pensa a respeito disso?

03) Com apenas um salário mínimo dá para uma família com 4 pessoas sobreviver? Por quê¹

04) Elabore um texto dissertativo-argumentativo a respeito desse aumento fornecido pelo governo:

05) Releia a passagem "apenas para gozar com a nossa cara" para responder:

a) A quem o termo sublinhado se refere? Quem faz parte do grupo?

b) Por que foi utilizado o advérbio APENAS nesse trecho? Explique:

06) Existe algum erro de concordância verbal na fala da personagem? Se sim, conserte-o:

07) Crie um texto argumentativo comentando sobre essa citação (retirado do site Brasil Escola): "O salário mínimo é estabelecido por lei e é reavaliado todos os anos com base no custo de vida da população; sua criação foi feita com base no valor mínimo que uma pessoa gasta para garantir sua sobrevivência":

08) Identifique os seguintes elementos da comunicação na charge:

emissor:
receptor:
mensagem:
canal:
código:
referente:

09) Que função da linguagem predomina na charge em questão? Comente:

10) O uso coloquial está nitidamente presente na fala da personagem da charge. Transfira-o para a linguagem culta, formal:

11) Escreva por extenso os numerais presentes na charge:

12) Que títulos você daria à charge?

13) Explique a ambiguidade presente no título criado para este post que traz a charge desta atividade, desfazendo-a:

14) Identifique os pronomes na charge e classifique os mesmos:

15) Apesar de o valor ser, como diz o nome, mínimo, ainda existem pessoas que recebem menos do que isso. Por que você acha que isso acontece? Qual seria uma possível solução para esse problema?

16) Que mensagem a charge lhe transmitiu? Aproveite para incluir em sua resposta algo que esteja presente na charge abaixo:



(Colaboração das amigas Sinara Soares, Ruth Barbosa, Nalva Kássia, Sandra Vitezi e Vânia Oliveira)

sábado, 14 de janeiro de 2012

Muita incoerência mesmo!



01) Explique o porquê da importância do vocativo presente na charge:

02) Por que a palavra "incoerência" aparece em destaque na fala da personagem?

03) Por que há, segundo a personagem da charge, uma incoerência? Você concorda ou não com ela? Por quê?

04) Qual a sua opinião sobre essa charge? O que ela denuncia?

05) Cite outras incoerências que você conhece no nosso contexto político-social:

06) Qual a classificação dos numerais presentes no texto?

07) Quem você pensa que é a vitima e quem é o vilão? Justifique sua resposta:

08) Refaça a charge invertendo os papéis detectados por você na questão anterior:

09) Com o que o professor está parecendo? Que crítica há embutida nisso?

10) Por que o chargista sentiu necessidade de colocar, inclusive, moscas sobrevoando a personagem? Qual o efeito conseguido com esse detalhe?

11) Por que choca a figura ser justamente de um professor?

12) Você acredita que realmente os alunos só iriam aprender o que é "incoerência" naquele dia, naquele momento? Comente:

13) Diga qual é o gênero textual presente no quadro-negro:

14) Por que existem duas palavras em destaque escritas no quadro-negro? Por que elas assim se encontram?

15) O que o que está escrito no bilhete denuncia? Pense em outras possibilidades de bilhetes, respeitando o contexto da charge:

16) Que mensagem a charge nos transmitiu? Que sentimento ela despertou em você?

17) Crie um texto dissertativo-argumentativo utilizando a charge como tema: 

18) Em sua opinião, por que  o professor recebe um salário tão pequeno, ainda mais se comparado ao papel social importantíssimo que ele tem?

(Participação especial das amigas Zizi Cassemiro, Sandra Vitezi, Sinara Soares e Vânia Oliveira)

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Um tapinha agora dói?!?



01) Procure informações sobre a já famosa "Lei da palmada" e complete com os dados pedidos:

a) O que ela prega:
b) Por que foi criada:
c) Por quem foi criada:
d) Quando foi criada:

02) Qual o objetivo de se "bater" en um recém-nascido?

03) Por que o médico está em dúvida se deve ou não dar uma palmada no bumbum da criança? O que você faria no lugar dele?

04) No que se baseia a charge? Expresse a sua opinião sincera sobre isso:

05) Retire do texto um exemplo de conjunção, classificando  a mesma:

06) Que sugestões você daria ao médico?

07) Crie um texto dissertativo-argumentativo sobre a "Lei da palmada", levando os prós e os contras:

08) Quais os outros meios que podem substituir a palmada? São eficazes?

09) Na sua opinião, bater é certo ou errado? Comente:

10) Qual a principal crítica presente na charge?

(Contribuição das amigas Ruth Barbosa, Nalva Kássia, Sandra Vitezi e Zizi Cassemiro)

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Nem gênio salva!?!



01) Qual é o vocativo presente na charge? Qual a sua importância para o contexto?

02) Por que o garoto fez esses pedidos? O que isso denuncia?

03) Quais seriam os seus tres pedidos se encontrasse a tal lâmpada mágica?

04) Por que o garoto citou justamente essas três disciplinas? Cite duas prováveis causas:

05) Com que palavra você define o pedido do menino? Justifique:

06) Qual outra forma de o garoto conseguir o que deseja sem utilizar a lâmpada?

07) Com que historia a charge faz uma intertextualidade? Quais foram os indícios?

08) Observe o garoto: que idade ele provavelmente teria? O que outros garotos provavelmente pediriam na idade dele?

09) Qual o sujeito presente na fala do menino? Classifique-o, justificando sua resposta:

10) E qual é o sujeito encontrado na fala do gênio? Classifique e justifique-o:

11) Crie uma possível resposta para o gênio dar ao menino:

12) Você acha que o gênio resolveria o problema do menino? Por quê?

13) Que título você daria a essa charge? Por quê?

14) Que sentimentos encontram-se presentes na expressão do menino? E na do gênio? E provavelmente na sua?

15) Classifique os numerais presentes na charge:

16) Considerando a situação dos professores, principalmente nas escolas públicas brasileiras, os pedidos do jovem são justificáveis? Escreva um parágrafo, argumentando sua opinião sobre o assunto:

17) Leia:

"Apesar do déficit de professores que o país vem apresentando, o número de interessados na carreira tem diminuído gradativamente. De acordo com o Censo da Educação Superior de 2007. o números dos alunos graduados nos cursos superiores de formação específica de professores caiu 4,5% se comparado com 2006. A falta de interesse pode estar ligada à desavalorização da profissão e aos baixos salários."

a) O que há em comum entre o texto acima e a charge em análise?

b) Você hoje faria um curso de licenciatura para ser professor? Por quê?

18) Nos pedidos do jovem há o uso repetido da palava UM. Explique a sua importância semântica para o contexto e também aproveite para dizer se é um numeral ou se é um artigo indefinido: 

(Colaboradoras:  Zizi Cassemiro, Sandra Vitezi, Ruth Barbosa, Nalva Kássia e Vânia Oliveira )