sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Finalmente!!!

Saiu hoje o gabarito oficial do terceiro SAERJINHO e até que desta vez não demoraram muito a liberá-lo, se bem que penso que poderiam enviá-lo juntamente com a prova ou, na pior das hipóteses, no dia seguinte à aplicação da mesma, mas... Desta vez só demorou nove dias!!! Urrú!!! Estão aprendendo a ter eficiência!!! (risos)

Desta vez tb não errei quase nada! Ufa! Menos mal! Se bem que encaro essas discordâncias como algo super natural, até porque interpretação de texto é mesmo um caminho escorregadio, múltiplo mesmo, e é por essas e outras que, mesmo sofrendo beeeeeeeeeem mais na hora da correção, eu ainda prefiro as questões discursivas, por não serem tão limitadoras, castradoras, e por permitirem verdadeiras viagens!

Adoro viajar e adoro mais ainda quando noto que meus alunos embarcam comigo... saem do lugar, da inércia, do porto seguro esboçado pela falsa segurança. Prefiro as incertezas e a insegurança. São mais humanos, mais próximos de nossa essência. Que bom que também erramos! Ufa! Que alívio! Somos normais! Também!   

Quem ainda, por algum motivo, não conseguiu os gabaritos do Saerjinho, é só entrar em contato, deixando o e-mail direitinho, que eu envio, tá? Com prazer!

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Atividade sobre "Princípio e fim" - Lasar Segall


01) Justifique o título dessa obra de arte, aproveitando para criar um novo!

02) O que o cavalinho na mão do garoto revela?

03) Faça uma "ponte" entre as duas personagens, dizendo que grau de parentesco uma tem com a outra, seus sonhos, seus medos, idades, nomes...

04) Invente um diálogo bem interessante entre as duas personagens, mas considerando que são a mesma pessoa, em momentos diferentes da vida:

05) Onde você imagina que essas personagens estão? Descreva esse cenário:

06) Escreva o que a criança possivelmente pode estar pensando!

07) Você deverá criar uma espécie de "guerra das idades", fazendo um levantamento com pelo menos dez vantagens e 10 desvantagens para cada lado, para cada personagem:

08) Utilizando recortes de jornal e de revistas, você deverá fazer uma espécie de releitura dessa obra:

09) Crie um parágrafo sobre a imagem usando pelo menos 05 substantivos, 05 verbos e 05 adjetivos:

10) Crie um texto (pode ser um poema)  cujo título seja o mesmo da obra de arte:

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Telefone sem fio!


Que tal brincar de "telefone sem fio" com seus alunos depois de lerem juntos o texto acima, heim?!? E repare que cada uma das velhinhas aceita uma resposta (diferente da dada pelo interlocutor) que encaixe com a pergunta feita por ela... É a questão da INTENCIONALIDADE! Veja o que acontecerá com a brincadeira feita por vocês e dêem boas risadas!!! Boa sorte!!!

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Cada um com a sua cruz!















Há mensagens que não precisam ser explicadas e esta eu penso que seja uma delas! Quanta profundidade presente! Quantos caminhos a serem seguidos no âmbito da interpretação! Quantos possíveis ensinamentos! Sem falar que ainda podemos pedir aos nossos alunos para que, além da criação de um parágrafo argumentativo, transformem tudo em uma narração, sem perder nenhum detalhe! Pode ficar uma tarefa bem interessante! 

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Atividade sobre "Mulher e criança" - Cândido Portinari


01) Crie um parágrafo narrativo usando a obra em questão como estímulo!

02) Descreva, usando o maior número possível de adjetivos, tudo o que você vê em tal imagem:

03) Utilizando a imagem como base, crie três possíveis temas de redação:

04) Por que as personagens estão descalças? O que representa o tamanho desproporcional dos pés e das mãos com relação à cabeça?

05) Qual a condição social das personagens? Justifique sua resposta:

06) Qual local é retratado? Descreva-o:

07) Pode-se afirmar que a personagem representa etnicamente O povo brasileiro? Por quê?

08) Use e abuse da sua criatividade e faça uma releitura dessa obra:

09) Crie um título mais criativo para essa obra de arte:

10) Copie as personagens do primeiro fundo e as coloque num outro cenário, num outro plano:

11) Personalize as personagens da obra de arte, dando-lhes nomes, idade, sonhos, profissão, medos, qualidades, defeitos... tudo o mais que sentir vontade!

domingo, 25 de setembro de 2011

Quando o século XVIII se apaixona pelo século XXI...

Imagine o que aconteceria se um belo rapaz do século XVIII escapasse de um texto da época e se apaixonasse por uma jovem saída das páginas de um texto de ficção científica?!? O rapaz com uma linguagem fora de uso e a jovem com as palavras novas, os neologismos, de sua época. Use os dois tipos de linguagem para caracterizar as personagens! Você pode, ainda, dramatizar o seu texto! Capriche! 

sábado, 24 de setembro de 2011

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Preconceito sutil!!!


Eu já tinha ficado bastante intrigada com esse comercial da Caixa Econômica que trazia um Machado de Assis branco, em vez de mulato, que eu sinceramente achei mais parecido com José de Alencar, mas achei que fosse implicância minha, ou algo do tipo, mas confesso que fiquei beeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeem feliz e aliviada quando, lendo o blog DE TUDO UM POUCO, me deparei com essa notícia:


Menos mal, menos mal. Não sou implicante. Sou detalhista e exigente, como muitas pessoas ainda. Graças a Deus! Enfim... Viva Machado negão!!!

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Balanço do terceiro Saerjinho!

Gostei muito da prova do SAERJINHO deste bimestre voltada para o primeiro ano do Ensino Médio, mas acredito que tenha sido porque os três gêneros citados no Currículo Mínimo ajudam a dar a leveza que senti em tal prova. Meus alunos também. Não houve cansaço, como sempre. Só senti falta de ao menos uma charge. Não entendi por que um gênero assim tão gostoso e tão rico acabou ficando de fora! :-(

Gostei muito das tirinhas escolhidas, mas considerei muitas ali muito mal exploradas, tendo sido usadas como pretextos, já que um monte só trouxe uma mera questãozinha. Não sei se penso assim porque vivo tentando aproveitar ao máximo cada texto, para até economizar papel, xérox... ou porque realmente aprendi que devemos aproveitar cada gota de tudo, sempre.
As propagandas achei simplórias demais... não observei NENHUMA que tivesse despertado em mim aquela sensação de "Que bem bolada!", sinceramente, sem falar que considerei mesmice demais a exploração de um mesmo tema: vacina, gripe, resfriado. Ficou meio chatinho.

Vou colocar aqui o gabarito provisório que eu fiz para a prova de modelo C1002, e gostaria muito de encontrar colegas que queiram trocar ideias... sanar dúvidas... discutir acerca disso. Ok? Amanhã vou tentar resolver as provas dos outros anos e, claro, soltar o verbo. Se não não seria eu!!! (risos)

14) E ; 15) E; 16) D;  17) A; 18) C. 19) C; 20) B;  21) E;  22) C;  23) A;  24) D;  25) C;  26) E;  40) C; 41) D; 42) A; 43) E;  44) E;  45) D; 46) C;  47) A;  48) E; 49) D;  50) B;  51) C;  52) D;  

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Atividade sobre a música "Estudo errado" - Gabriel O Pensador


Estudo errado

Eu tô aqui pra quê?
Será que é pra aprender?
Ou será que é pra aceitar me acomodar e obedecer?
Tô tentando passar de ano pro meu pai não me bater
Sem recreio de saco cheio porque eu não fiz o dever
A professora tá de marcação comigo porque sempre me pega
Disfarçando, espiando, colando toda a prova dos colegas
E ela esfrega na minha cara um zero bem redondo
E quando chega o boletim eu me escondo
Eu quero jogar botão, vídeo-game, bola de gude
Mas meus pais só querem que eu “vá pra aula” e “estude”
Então dessa vez eu vou estudar até decorar cumpadi
Pra me dar bem e minha mãe deixar ficar acordado até mais tarde
Ou quem sabe aumentar minha mesada pra eu comprar mais revistinha
(do Cascão?)
Não. De mulher pelada.
A diversão é limitada
E o meu pai não tem tempo pra nada
E a entrada do cinema é censurada (vai pra casa pirralhada)
A rua é perigosa então eu vejo televisão (Ta lá mais um corpo estendido no chão)
Na hora do jornal eu desligo porque não sei o que é inflação – Ué não te ensinaram?- Não.
A maioria das matérias que eles dão eu acho inúltil
Em vão, pouco interessantes eu fico puto
Tô cansado de estudar, de madrugar que sacrilégio (vai pro colégio!!)
Então eu fui relendo tudo até a prova começar
Voltei louco pra contar:

Manhê! Tirei um dez na prova
Me dei bem tirei um cem e eu quero ver quem me reprova
Decorei toda lição, não errei nenhuma questão
Não aprendi nada de bom, mas tirei dez (boa filhão)
Quase tudo que aprendi, amanhã já esqueci
Decorei, copiei, memorizei, mas não entendi
Quase tudo que aprendi, amanhã já esqueci
Decorei, copiei, memorizei, mas não entendi

Decoreba: esse é o método de ensino eles me tratam como ameba e assim eu não raciocino
Não aprendo as causas e conseqüências só decoro os fatos
Desse jeito até história fica chato
Mas os velhos me disseram que o “porquê” é o segredo
Então quando eu não entendo nada, eu levanto o dedo
Porque eu quero usar a mente pra ficar inteligente
Eu sei que ainda não sou gente grande, mas eu já sou gente
E sei que o estudo é uma coisa boa
O problema é que sem motivação a gente enjoa
O sistema põe um monte de abobrinha no programa
Mas pra aprender a ser um ingonorante (...)
Ah, um ignorante, por mim eu nem saia da minha cama (Ah, deixa eu dormir)
Eu gosto dos professores e eu preciso de um mestre
Mas eu prefiro que eles me ensinem alguma coisa que preste – O que é a corrupção?
Pra que serve um deputado?
Não me diga que o Brasil foi descoberto por acaso!
Ou que a minhoca é hermafrodita ou sobre a tênia solitária.
Não me faça decorar capitanias hereditárias!! (...)
Vamos fugir dessa jaula “Hoje eu tô feliz” (matou o presidente? Não. A aula.)
Matei a aula porque não dava
Eu não agüentava mais
E fui escutar o Pensador escondido dos meus pais
Mas se eles fossem da minha idade eles entenderiam
(Esse não é o valor que um aluno merecia), Iiih...Sujo (Hein?)
O inspetor! (Acabou a farra, já pra sala do coordenador!)
Achei que ia ser suspenso mas era só pra conversar
E me disseram que a escola era o meu segundo lar
E é verdade, eu aprendo muita coisa realmente
Faço amigos conheço gente, mas não quero estudar pra sempre!
Então eu vou passar de ano
Não tenho outra saída
Mas o ideal é que a escola me prepare pra vida
Discutindo e ensinando os problemas atuais
E não me dando as mesmas aulas que eles deram pro meus pais
Com matérias das quais eles não lembram mais nada
E quando eu tiro um dez é sempre a mesma palhaçada

Manhê! Tirei um dez na prova
Me dei bem, tirei um cem e eu quero ver quem me reprova
Decorei toda lição, não errei nenhuma questão
Não aprendi nada de bom, mas tirei dez (boa filhão!)

Encarem as crianças com mais seriedade
Pois na escola é onde formamos nossa personalidade
Vocês tratam a educação como negócio onde a ganância, a exploração e a indiferença são sócios
Quem devia lucrar só é prejudicado
Assim cês vão criar uma geração de revoltados
Tá tudo errado e eu já estou de saco cheio
Agora me dá minha bola e deixa eu ir embora pro recreio...

(Gabriel O Pensador)

01) Crie um parágrafo dissertativo sobre os possíveis assuntos extraídos da letra de música acima, explorando, especialmente, a dupla possibilidade de se entender o título!

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Cabral e o chicotinho


Baseando-se na charge acima, que foi um presente da minha amiga ÉRICA BISPO, do Curso de Formação Continuada, crie um parágrafo dissertativo sobre o que você acha do plano do governador do Estado do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, em transformar escolas em fábricas e todos os funcionários envolvidos com a Educação em meros robôs, usando e abusando da padronização e esquecendo-se tão velozmente que são as diferenças que nos tornam seres fascinantes, singulares!

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Letra profunda!!!


Classe média

Sou classe média
Papagaio de todo telejornal
Eu acredito
Na imparcialidade da revista semanal
Sou classe média
Compro roupa e gasolina no cartão
Odeio “coletivos”
E vou de carro que comprei a prestação
Só pago impostos
Estou sempre no limite do meu cheque especial
Eu viajo pouco, no máximo um pacote cvc tri-anual
Mais eu “to nem ai”
Se o traficante é quem manda na favela
Eu não “to nem aqui”
Se morre gente ou tem enchente em Itaquera
Eu quero é que se exploda a periferia toda
Mas fico indignado com estado quando sou incomodado
Pelo pedinte esfomeado que me estende a mão
O pára-brisa ensaboado
É camelo, biju com bala
E as peripécias do artista malabarista do farol
Mas se o assalto é em Moema
O assassinato é no “jardins”
A filha do executivo é estuprada até o fim
Ai a mídia manifesta a sua opinião regressa
De implantar pena de morte, ou reduzir a idade penal
E eu que sou bem informado concordo e faço passeata
Enquanto aumenta a audiência e a tiragem do jornal
Porque eu não “to nem ai”
Se o traficante é quem manda na favela
Eu não “to nem aqui”
Se morre gente ou tem enchente em Itaquera
Eu quero é que se exploda a periferia toda
Toda tragédia só me importa quando bate em minha porta
Porque é mais fácil condenar quem já cumpre pena de vida

(Max Gonzaga)

domingo, 18 de setembro de 2011

Uma placa na horta


01) Traduza o que você vê na imagem acima:

02) Você teve dificuldade em entender o texto da placa? Por quê?

03) O texto da placa pertence à norma culta? Justifique:

04) Quando um texto não pertence à norma culta, é correto dizer que a pessoa  que o escreveu não conhece gramática? Justifique sua resposta:

05) Observe os detalhes da placa. O que é possível concluir sobre o lugar onde está a horta? E sobre os proprietários dela?

06) Imagine agora que você seja proprietário dessa horta. Crie um cartaz para anunciar as hortaliças! Capriche!

sábado, 17 de setembro de 2011

Divina Cecília...

Solidão

Imensas noites de inverno,
com frias montanhas mudas,
e o mar negro, mais eterno,
mais terrível, mais profundo.

Este rugido das águas
é uma tristeza sem forma:
sobe rochas, desde fráguas,
vem para o mundo e retorna...

E a névoa desmancha os astros,
e o vento gira as areias:
nem pelo chão ficam rastros
nem, pelo silêncio, estrelas.

(Cecília Meireles)


01) Como o eu lírico retrata a própria solidão?

02) Quantas orações há na segunda estrofe? Que nomes recebem?

03) Transcreva a oração da segunda estrofe que tem sentido de adição, de soma:

04) A ausência de conjunções nas outras orações da segunda estrofe confere que sentido ao texto?

05) Como se chama o período da terceira estrofe? Quantas orações o compõem?

06) Se tivesse que representar a solidão através de um desenho, qual seria? Capriche!

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Um barato!!!


Eu vezes eu

Rafaela tá trancada há dois dias no banheiro
enquanto sua mãe
toma Prozac, enche a cara
e dorme o dia inteiro
Parece muito, mas podia ser...

Carolina pinta as unhas roídas de vermelho
Em vez de estudar
fica fazendo poses
nua no espelho
Parece estranho, mas podia ser...

O que você faz quando
ninguém te vê fazendo
ou que você queria fazer
se ninguém pudesse te ver?

Gabriela e a namorada se divertem no escuro e o seu pai
acha tudo que ele faz
errado e sem futuro
É complicado, mas podia ser...

Mariana gosta de beijar outras meninas
de vez em quando beijar meninos
só pra não cair numa rotina
É diferente, mas podia ser...

(Titãs)

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

"Congresso internacional do medo" (Carlos Drummond de Andrade)

Congresso internacional do medo

Provisoriamente não cantaremos o amor,
que se refugiou mais abaixo dos subterrâneos,
Cantaremos o medo, que esteriliza os abraços,
não cantaremos o ódio, porque esse não existe,
existe apenas o medo, nosso pai e nosso companheiro,
o medo grande dos sertões, dos mares, dos desertos,
o medo dos soldados, o medo das mães, o medo das igrejas,
cantaremos o medo dos ditadores, o medo dos democratas,
cantaremos o medo da morte e o medo de depois da morte,
depois morreremos de medo
e sobre nossos túmulos nascerão flores amarelas e medrosas.

(Carlos Drummond de Andrade)


01) De acordo com o texto, por que o amor dá lugar ao medo?

02) Em que verso o eu lírico sugere que o medo é tão grande que impede até as pessoas de conviver?

03) Na sua opinião, o medo é um sentimento mais forte e incontrolável que o ódio? Por quê?

04) No poema, em que verso se percebe que o medo faz parte do cotidiano das pessoas?

05) Na sua opinião, por que se sente medo dos ditadores e medo dos democratas?

06) Qual é o sujeito presente na primeira oração do poema? Classifique-o, justificando sua resposta:

07) Classifique o sujeito da última oração do texto, explicando seu raciocínio:

08) Copie o predicado presente nesta mesma oração, classificando e justificando bem:

09) Quantos períodos existem no texto? Justifique sua resposta:

10) Divida e classifique os períodos encontrados no texto, classificando-os:

11) Que mensagem o texto lhe transmitiu? 

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

SAERJINHO: boicotar ou não??

Ainda não sei se sou contra ou a favor do boicote proposto, já que me sinto meio dividida com relação a isso, confesso, e, além de tudo, nem é meu dia na escola, é minha folga, mas concordo com muitos argumentos levantados no panfleto abaixo! E fico imaginando que o dinheiro que alegam não ter para nos dar um aumento digno é boa parte gasto em gráficas caríssimas e em profissionais "importados" de outros estados, que desconhecem a nossa realidade, que devem cobrar beeeeem mais do que o mísero salário que cada um de nós recebe. Fora que é gabarito que não vem... pressões e mais pressões... e agora a maior delas é TER de usar esa prova como um dos instrumentos avaliativos do bimestre, sem nem sermos consultados quanto a isso, como sempre! Será que vamos receber a nota a tempo, se essa ideia (idiota e ditadora) vingar?!? Porque para nós é tudo para ONTEM e para eles é um prazo pra lá de imenso, e cheio de falhas, quando vem!

Não sei, sinceramente, se o boicote é a solução... só sei que não sei qual é e sei mais ainda que a insatisfação é grande e o descaso com o professor e com a escola pública tem que acabar! Fica aqui a minha indignação! Diga o que você pensa a respeito também... 

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Jura que ele lê Marx?!?


01) Por que podemos afirmar que a cena é doméstica?

02) Que personagens aparecem no cartum? Que papeis eles têm no cenário?

03) Imaginando-se as ótimas condições financeiras do proprietário, pode-se conceber que falte na casa uma escada? Que significado você atraibui à posição do empregado?

04) O patrão tira um livro da estante. Que importância tem o título do mesmo para o sentido do cartum?

05) Que figura de linguagem o autor usou neste cartum? Explique:

06) Escreva um bilhete dirigido ao patrão, comentando sua atitude! Capriche!

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Atividade sobre a música "Se eu quiser falar com Deus" - Gilberto Gil

Há dias em que a gente meio que desanima... desanima de só oferecer, sem nada receber em troca... mas há dias em que não me importo com isso, e oferto de forma incondicional, sem nada esperar. Oscilo.

Tenho reparado que este blog está crescendo, e confesso que mais rapidamente do que eu esperava, e noto, pelo contador aqui instalado, que ele recebe diariamente muitos visitantes, mas são poucos os que deixam um recadinho, um comentário, e é mais raro ainda encontrar quem esteja disposto a TROCAR. Sorte que isso não é impossível! Ainda bem que não!

Hoje me animei em vir aqui atualizar este espaço, graças a um comentário de uma pessoa chamada ZÉLIA CUNHA, que, além de um carinhoso recadinho, me enviou também uma música que eu adoro e umas atividades sobre a mesma. É essa atividade de hoje que compartilho com vocês (tomei a liberdade de acrescentar mais algumas questões), renovada, acreditando que ainda tem gente que acredita no poder das TROCAS! Obrigada, Zélia, o post de hoje é especialmente para voce... Volte sempre!



Se eu quiser falar com Deus

Se eu quiser falar com Deus
Tenho que ficar a sós
Tenho que apagar a luz
Tenho que calar a voz
Tenho que encontrar a paz
Tenho que folgar os nós
dos sapatos, da gravata,
do desejos, dos receios
Tenho que esquecer a data
Tenho que perder a conta
Tenho que ter mãos vazias
Ter a alma e o corpo nus

Se eu quiser falar com Deus
Tenho que aceitar a dor
Tenho que comer o pão
que o diabo amassou
Tenho que virar um cão
Tenho que lamber o chão
dos palácios, dos castelos
suntuosos do meu sonho
Tenho que viver tristonho,
Tenho que me achar medonho
E, apesar do mal tamanho,
alegrar meu coração

Se eu quiser falar com Deus
Tenho que me aventurar
Tenho que subir aos céus
sem cordas para segurar
Tenho que dizer adeus
dar as costas, caminhar
Decidido pela estrada
que ao findar vai dar em nada,
nada, nada, nada, nada,
nada, nada, nada, nada,
nada, nada, nada, nada,
do que eu esperava encontrar.

(Gilberto Gil)

01) O texto é a letra de uma canção do início da década de 80, que trabalha com um tema universal e atemporal. Qual é ele? Justifique com elementos do próprio texto:

02) Há no texto um confronto de elementos concretos e abstratos que representa a tensão das oposições que formam o homem como um todo. Indique esses elementos:

03) Qual é o verso que sintetiza a dualidade apontada na questão anterior?

04) Como o poeta encara a existência?

05) Pra "falar com Deus", o poeta tem que fazer uma série de esforços que, no fim, vão "dar em nada". Qual é a ideia de religião que assim se explicita? Justifique:

06) Chama-se antítese a oposição de palavras. Transcreva uma passagem do texto em que ela ocorra:

07) Transcreva uma passagem da primeira estrofe em que elementos concretos e abstratos são associados ao mesmo verbo:

08) Como você interpreta esses elementos concretos e abstratos?

09) Relacione versos do texto às seguintes ideias:

a) silêncio:
b) resignação:
c) submissão:
d) serenidade:
e) isolamento:
f) libertação em relação ao tempo:
g) otimismo:

10) Que sensação os versos "Tenho que subir aos céus/ sem cordas para me segurar" transmitem a você? Por quê?

11) O final do texto nos leva a concluir que, após uma longa busca, uma longa caminhada, a estrada vai dar em nada, isto é, não chegamos a lugar nenhum? Justifique sua resposta:

12) Por que provavelmente o autor fez questão de reforçar a presença da primeira pessoa em todo o texto?

13) Para você, o que seria "falar com Deus"? Você tem esse costume?

14) Ne segunda estrofe, o autor menciona o diabo, em nítida oposição a Deus. Nessa mesma estrofe, há uma outra palavra que também pode ser usada para noear o diabo. Qual é ela?

15) O que você entende por "comer o pão que o diabo amassou"?

16) Há, no texto, indícios de que se trata de uma personagem feminina ou masculina? Justifique sua resposta:

17) Justifique a flexão do adjetivo NUS no verso "Ter a alma e o corpo nus":

18) Reescreva a primeira estrofe do texto substituindo o pronome EU pelo TU:

19) Reescreva a segunda estrofe substituindo o EU pelo ELAS:

20) Reescreva a terceira estrofe substituindo o pronome EU por NÓS:  

domingo, 11 de setembro de 2011

Figuras e linguagem literária

Serão de Junho

Ouve: -- alguém bateu na porta...
Janelas brilham no escuro.
Cada casa é uma estrelinha.
Cada estrela é uma família.

E o minuano, pobre diabo,
que não quer ficar no escuro,
bate, bate, empurra a porta,
praguejando como um doido:
-- Pelo amor de Deus, eu quero
a esmola rubra do fogo!

Mas ninguém abre ao minuano.
Que noite fria lá fora...
Cada casa é uma estrelinha.
Há mais estrelas na terra
do que no céu, Deus do céu!
Lá fora que noite fria...

E o minuano, pobre diabo,
andando sempre, andarengo,
para enganar a miséria,
geme e dança pela rua
enquanto assovia - chora,
e enquanto chora - assovia.

(Augusto Meyer)

01) Podemos perceber três vozes diferentes nesse poema. Indique quais são elas. Justifique:

02) Por causa dessas vozes, de onde "vemos" a cena? Justifique:

03) Que características o minuano apresenta no poema?

04) Como é sugerida a força do vento?

05) Transcreva a comparação que aparece no poema e justifique o paralelo entre os elementos comparados:

06) Identifique no poema:

             a) uma sequência de metáforas:

             b) um pensamento hiperbólico, exagerado:

             c) uma sequência de ações ou atitudes opostas, antitéticas:

07) Você acha que o minuano foi personificado? Justifique sua resposta:

08) O que você achou o poema? Que outro título daria a ele?

sábado, 10 de setembro de 2011

É rir pra não chorar...

A longevidade das professoras - O segredo


Um médico saiu para caminhar e viu essa velhinha da foto sentada num banco de praça, se aproximou e perguntou:
-- Nota-se que é tão feliz... Qual é o seu segredo?
Ela responde:
-- Sou professora, durmo às 3 da manhã corrigindo provas e planejando atividades, me levanto às 6 da manhã. Meu dia começa muito cedo... Gostaria muito de descansar vez ou outra... mas nos fins de semana não tenho tempo para praticar nenhuma atividade física e quase não me divirto. Trabalho muito, fazendo projetos, corrigindo trabalhos, provas, revisando exercícios ou atualizando meu blog. Todo final de semana e se segunda é feriado, aproveito para dormir um pouquinho mais, porque quando a folga acaba vem a dura rotina... Não tomo café, não almoço e nem janto direito, porque não dá tempo!
O doutor então exclamou:
-- Mas isso é extraordinário! Quanto dinamismo! Quantos anos a senhora tem?
-- Sou jovem ainda. Tenho 39 anos! -- respondeu a velhinha.
(Autor desconhecido)

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Atividade sobre "A grande família" - Magritte


01) Qual será a relação entre o título e a imagem em questão?

02) Qual o mais provável significado da imagem? Que imagem sobressai no quadro? O que ela simboliza?

03) Que outros elementos você observa no quadro?

04) Que cores aparecem no quadro? A cor predominante é alegre ou sombria?

05) O que você nota de estranho, de surpreendente na imagem?

06) Há um forte contraste entre a imagem e o cenário. Qual? Comente:

07) Por que razão Magritte teria dado a sua obra esse título?

08) Que sensação a obra de arte despertou em você? Avalie a mesma:

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Mais provérbios da informática...

A pressa é inimiga da digitação.
Antigamente servidor era apenas um funcionário público.
Dedo mole em tecla dura, tanto bate até que acostuma.
Em briga de namorados virtuais não se mete o mouse.
Em casa de programador, espeto é de fibra ótica.
O barato sai caro e lento.
Olho por olho, clique por aqui.
Mouse sujo se lava em casa.
Placa-mãe só tem uma.
Quando um não quer, dois não teclam.
Quem cala, ou consente ou tecla com alguém mais interessante.

Quem envia o que quer, recebe o que não quer.
Quem faz backup amigo é.
Quem não clica se trumbica.
Quem não clica, não petisca.
Quem semeia e-mail colhe spam.
Quem vê nick não vê cara e muito menos coração.
Um é pouco, dois é bom, três é chat.
Uma imagem vale por 1024 palavras.
Se correr o hacker pega, se ficar o hacker come.
Vamos no pique que atrás vem clique.

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Põe ilegal nisso!


01) O que você entendeu da charge acima? Explique da melhor maneira possível:

02) Que sensações a imagem desperta em você?

03) Quais as possíveis leituras que podem ser feitas a partir dessa charge?

04) Discuta sobre o contexto sócio-histórico de produção dessa charge:

05) Elabore um possível pensamento para a mulher, assim que ela abriu o armário:

06) Discorra sobre os efeitos dos desmatamentos:

07) Justifique o título da charge, aproveitando para criar um outro título:

08) Em sua sincera opinião, que tipo de punição quem provoca o desmatamento deve sofrer?

09) Que mensagem podemos extrair da charge em questão?

10) O que você faria se estivesse no lugar da mulher?

11) Elabore uma notícia de jornal que utilize a charge como imagem:

12) De que cores o chargista se utiliza? O que isso revela? Explique:

13) Que imagens vemos em primeiro plano? E em segundo?

14) Elabore um possível pensamento para o pássaro encontrado no ninho:

15) O que simboliza o desenho do cifrão em diversos pontos da charge e o que isso pode ter a ver com o fato de a mulher estar portando uma bolsa?

16) Por que apenas a mulher e o objeto de consumo estão coloridos na charge?

sábado, 3 de setembro de 2011

Importantíssima!

A vírgula

A virgula pode ser uma pausa... ou não.
Não, espere.
Não espere..

Ela pode sumir com o seu dinheiro.
23,4
2,34

Pode criar heróis...
Isso só, ele resolve.
Isso só ele resolve.

Ela pode ser a solução.
Vamos perder, nada foi resolvido.
Vamos perder nada, foi resolvido.

A vírgula muda uma opinião.
Não queremos saber.
Não, queremos saber.

A vírgula pode condenar ou salvar.
Não tenha clemência!
Não, tenha clemência!

Uma vírgula muda tudo.

(Associação Brasileira de Imprensa)

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Propaganda...


01) O que a propaganda acima divulga?

02) Qual foi a imagem utilizada no anúncio? Por que o anunciante escolheu essa imagem?

03) O que o texto verbal diz ao leitor?

04) O que há em comum entre a imagem e o texto do anúncio?

05) A qual leitor se dirige o anúncio?

06) Que argumento foi utilizado no anúncio para convencer o leitor?

07) Que tipo de função da linguagem predomina no anúncio? Por quê?

08) Por que o anúncio pode convencer o leitor? Você foi convencida(o)?

09) Para convencer os leitores, os anunciantes usaram estratégias especiais. Qual foi a principal delas?

10) Que comportamento é esperado do leitor convencido pelas informações do anúncio?

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Contribuição (maravilhosa) da Denize Alvarenga!

(Charge de Aroeira, 01/09/2011, Jornal O DIA)

A palavra “BONDE” tem duplo significado no Rio de Janeiro:
Bonde – meio de transporte sobre trilhos
Bonde – quadrilha de malfeitores

Na figura acima, identificamos (de cima para baixo) as caricaturas de:

Jacqueline Roriz, deputada federal absolvida pela Câmara dos Deputados, apesar de um vídeo em que aparece apanhando grana); Muamar Kadafi, ditador da Líbia; Julio Lopes , secretário dos transportes do Estado do Rio de Janeiro que, após investigar o acidente do bondinho, concluiu que a culpa era do motorneiro; Luiz Antonio Pezão, vice-governador do Estado do Rio de Janeiro (chamado pelos seus desafetos de “Mão-Grande”); Sérgio Cabral Filho, governador do Estado do Rio de Janeiro, também chamado de “O Peregrino”, Pinóchio e outros adjetivos, por vários motivos; Eduardo Paes, prefeito da Cidade do Rio de Janeiro, ardente defensor da manutenção da aposentadoria dos servidores municipais, tendo assinado um decreto neste sentido, o que comoveu às lágrimas o corpo funcional do município.

Com base na figura e no texto acima, responda:

01. Identifique na figura o meio de transporte e a quadrilha de malfeitores.

02. Traduza a fala de Kadafi para o português (se for palavrão, pode deixar em branco):

03. Por que Jacqueline Roriz perguntou se era o último bonde?

04. Correlacione a fala de Pezão com a do Prefeito Eduardo Paes

05. Quem você retiraria dos trilhos? Por quê?

06. Cite 10 (dez) personagens brasileiros que deveriam ficar amarrados aos trilhos. (OBS: sogra não vale...)