quarta-feira, 7 de junho de 2017

Dia do Meio Ambiente!

Fim do mundo?

-- Mãe, disseram que o mundo vai acabar.
-- Sim, querida, andam dizendo isso, ___________ é bobagem.
-- Você não acredita?
-- Não.
-- Por quê?
-- Ah... ____________ o mundo não vai acabar assim, de repente.
-- Não?! Não entendi...
-- Não vai, filha. Eu acho que o mundo pode acabar sim, _________ aos pouquinhos, entende?
-- Aos pouquinhos?
-- Sim... por exemplo, se não cuidarmos dele, aí sim o mundo pode acabar. As pessoas andam maltratando muito a natureza, _________ tudo que temos hoje um dia pode acabar, como árvores, alguns animais, água...
-- A professora disse que a água doce do planeta está acabando __________ a gente está poluindo demais.
-- É verdade...
-- Não quero que a água acabe, mãe.
-- Sim, filha. Eu também não quero. Então _______ nós cuidamos da água ______ ela irá acabar.
-- Já sei, mãe! Tive uma ideia! Vou criar uma máquina! Assim a água não vai acabar aos pouquinhos ________ sempre teremos água limpa.
-- Hummm. Que interessante... Uma máquina para reciclar água?!
-- Não... máquina de reciclar o homem, mãe. 
(Gleice Coelho)

01) Invente uma fala para substituir a última fala da filha, criando um novo final para o texto lido:

02) Elabore duas falas para a mãe (uma para complementar o final original e outra para complementar a fala que você criou para a questão anterior!):

03) Preencha as lacunas do texto com as conjunções adequadas: 

04) Você acredita em fim do mundo? Comente a sua resposta: 

05) Circule no texto todos os vocativos, explicando a importância deles para o entendimento do mesmo: 

06) Por que podemos afirmar que o texto foi construído em forma de diálogo? 

07) O que cada charge a seguir critica? Comente: 

08) O que elas têm em comum? E com o texto lido? Explique: 



09) De qual charge você gostou mais? Por quê? 

10) Você acha importante comemorar o "Dia do Meio Ambiente"? Justifique sua resposta: 

sábado, 3 de junho de 2017

Minha caixinha de gêneros textuais!


Hoje peguei uma caixinha de sapato que estava rolando por aqui e a transformei em uma caixinha de gêneros textuais, que pretendo levar para os meus alunos! A questão dos gêneros é bem interessante e a partir dela se pode explorar muitos terrenos, cada qual mais interessante que o outro! Adooooooooooooooro! 

Catei um monte de crônicas, horóscopos, receitas culinárias, charges, obras de arte, notícias de jornais, entrevista, folheto, bula de remédio, propaganda, adivinha, etc... e fui colocando dentro da caixinha, que promete! Dessa forma, rápida, os alunos aprenderão a reconhecer mole mole cada gênero! Aí é partir para as características de cada um deles... explorar tudinho o que se desejar... 

Tomara que sirva de "aquecimento" para ótimas atividades! E fica aqui a dica, pra quem também quiser experimentar! 

quarta-feira, 31 de maio de 2017

Você cairia no golpe do "cartão cronado"?!?



Preconceitos linguísticos à parte, sinceramente, até agora não sei se é pra gente rir ou chorar analisando a situação acima! Na dúvida, fiz ambas as coisas, confesso, e logo depois parti para a reflexão! 

Mesmo vivendo uma época, já há algum tempo, em que não se valoriza a Educação, muito pelo contrário, é inegável a importância da Língua Portuguesa, em se pelo menos se ter um domínio básico dela para conquistar os seus objetivos. 

O objetivo aqui era bem claro: aplicar um golpe! Querer lucrar em cima da inocência de alguns! Ainda bem que a pessoa abordada era esperta e dominava algumas regrinhas básicas, enquanto quem abordou deve ter fugido não só da escola, mas também da leitura de jornal, revista, de mundo. Digo isso porque meu pai não estudou mais do que a quarta série primária, porém, lia muito jornal, revista, livro, tudo o que lhe caía nas mãos... Conclusão: escrevia extremamente bem e de forma impecável. Não falo apenas de escolaridade, mas de cultura, de sabedoria! 

Até para ser golpista é preciso investir um pouquinho no estudo da própria Língua para não pagar esses micos... e fico me perguntando aqui se o receptor também tivesse essa prática, esses vícios... Você acha que ele cairia? Sim ou não? Por quê? Vamos confabular um pouquinho.... he he he 

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Amém! Que assim seja!


Oração de um povo sofrido 

Deus me livre dos corruptos. Dos vendidos. Dos que vendem. Dos que trocam seu povo honesto por qualquer propina e milhão.

Deus me livre dos sonsos e cínicos. Dos que riem e me arrombam a alma. Dos que ganham meu voto e me desprotegem. Dos que só pensam em seu tostão. 

Deus me livre dos que desviam, Tanto que levam a falências. Dos que deixam seu povo à míngua. Humilhado e sem salários

Deus me livre dos que fecham universidades e hospitais. Dos que sucateiam escolas. Dos que trocam seu povo por qualquer anel

Deus me livre das escolhas podres. De me contentar em escolher o menos pior. 

Deus me livre dos ruins. Dos corruptos. Dos sem lei. Dos sem culpa. Sem remorsos. Dos que maltratam por sentir prazer

Deus me livre da cara limpa que esconde a alma suja. Deus me livre da justiça injusta. Dos que olham e fingem não ver. Deus proteja os pobres. Esse povo que ninguém cuida. 

Deus me livre dos homicidas. Eleitos por um povo ingênuo. Deus me livre de todos eles. E perdoe o voto meu. 

Deus olhe por esse povo sofrido. E de volta a esperança que essa gente comeu. 

(Mônica Raouf El Bayeh)

01) Por que a aurora repetiu tantas vezes a expressão "Deus me livre" em seu texto? Isso tem algo a ver com o fato de ser uma "oração"? Justifique sua resposta: 

02) Copie do texto dois pares de antítese: 

03) Transcreva do texto uma espécie de causa e consequência, explicando seu raciocínio:

04) Circule no texto uma passagem que contenha um desvio gramatical, corrigindo-o: 

05) Que mensagem o texto lhe transmitiu? 

06) Diga a que classe gramatical pertence cada palavra destacada no texto:

07) Invente você também agora a sua própria oração!

08) Utilizando o texto como estímulo, crie um texto que responda a esta pergunta: "Onde foi que nós erramos?"

Charges sobre o Judiciário


01) O que a charge acima denuncia? Comente da forma mais completa possível, posicionando-se sobre esse assunto:

02) Que metáfora foi utilizada nela? Foi bem apropriada? Justifique sua resposta:

03) A opinião do chargista com relação ao Judiciário é bem clara. E quanto aos policiais? Você concorda com ele? Acredita que os policiais têm cumprido o seu papel? Explique: 

04) A pessoa que se encontrava na gaiola é qualquer trabalhador? Justifique sua resposta: 

05) Que solução imediata você acha que caberia nessa questão? E a longo prazo? 

06) Como fazer com que o Judiciário e a Polícia trabalhem juntos? Quais os interesses de cada um?

07) Que dois temas possíveis de redação poderiam ser retirados desta charge em especial? 




07) Que crítica a charge acima faz? Posicione-se com relação a isso: 

08) O que significa o fato de a Justiça estar com um olho coberto e um aberto representa? É o que acontece na realidade? Comente: 

09) Você acha que a Justiça deveria ser igual para todos ou deve ter "dois pesos e duas medidas"? Explique seu raciocínio:

10) O que a espada e a balança deveriam simbolizar? E o que tais objetos, de fato, têm representado? 



11) Explique o que você entendeu da charge acima:

12) O que revela a escolha de tais objetos? A que diferenças eles remetem? 



13) O que a charge acima denuncia, em especial? 

14) O que os remendos revelam? E por que eles só aparecem no "verso"? 



15) O que a charge acima denuncia? 

16) Você acha que o povo, de um modo geral, tem feito a sua parte? Tem cobrado? Como fazer a Justiça enxergar? 



17) O que a charge acima critica? Posicione-se sobre ela, explicando seu ponto de vista: 

18) Você acha que a Justiça tem seguido essa ordem que estão dando a ela? Justifique sua resposta, tentando citar situações que comprovem essa visão: 


19) O que se pode entender da charge acima? Você concorda com a visão do chargista? Por quê?

20) Como a Justiça pode se "libertar" e por que você acha que ela não faz isso? 


21) Qual a crítica presente na charge acima? Isso tem mesmo fundamento? Por quê? 

22) Por que será que a Justiça não se envergonha de toda essa exposição? Que vantagens ela pode estar tendo para ir contra muitos e a favor de poucos? 


23) Há alguma incoerência na charge acima? Justifique sua resposta: 

24) Por que há dinheiro para aumentar o salário de alguns e dizem que não há para aumentar o de outros? O que isso revela? Como resolver essa questão? 



25) O que a charge acima revela? Você concorda com ela? Justifique-se: 

26) Qual dos dois tipos de juízes você acha que tem errado mais? Qual deles prejudica mais a população? 

27) Por que o juiz e o político estão se tornando tããããão parecidos? 

28) Retire da charge um exemplo de vocativo: 



29) Que característica da Justiça a charge acima ataca, em especial? Você concorda com isso? Explique seu raciocínio: 

30) Relacione a charge em questão ao famoso ditado popular que diz que "a Justiça tarda, mas não falha", explicando: 



31) O que a charge acima critica e que relação isso tem com a manchete presente no jornal? 

32) Você concorda com a fala da personagem presente na charge? Explique, citando, se possível, alguns exemplos que levaram você a pensar dessa forma: 

33) O que TODAS as charges têm em comum e o que isso revela? Comente: 

34) Agrupe, em pares, as charges que abordam os temas de forma mais semelhante, mais próxima, explicando: 

35) De que charge você mais gostou? Por quê? 

36) Que recado você gostaria de dar para a Justiça, de um modo geral? Capriche!

37) A Justiça é representada por uma mulher, conforme você já deve ter notado. Como você interpreta isso: como uma forma preconceituosa de dizer que mulheres não resolvem nada ou a figura feminina é usada apenas por uma questão gramatical? Justifique sua opinião:


(Agradeço à Nalvinha, colega do grupo Arte e Manhas da Língua, pela questão 37!!!)

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Charges sobre Sistema Carcerário


01) Que problema social a charge denuncia?

02) A que os presídios são comparados? Por quê? Foi uma boa metáfora?

03) O que, segundo a charge, está prestes a acontecer?

04) Como resolver esse problema, em especial?

05) Por que os presídios se encontram superlotados: a quantidade de criminosos que aumentou ou a falta de investimento nessa área? Explique: 

06) Podemos afirmar que a charge a seguir é idêntica à anterior? De qual você gostou mais? Por quê?


07) A charge abaixo tem o mesmo sentido das anteriores? Mas qual metáfora foi usada desta vez? Foi mais apropriada ou não? Justifique sua resposta: 
08) Qual o efeito da charge abaixo, sobre esse mesmo tema? Que desfecho você acha que essa história teria que ter? E qual terá? Há diferenças? Comente: 


09) A charge abaixo dialoga com a anterior? Aponte semelhanças e diferenças entre ambas: 


10) O que a charge a seguir denuncia sobre o nosso sistema carcerário? O que você pensa a respeito disso? Comente: 


11) Que outra denúncia sobre o assunto em questão a charge abaixo faz? Posicione-se sobre isso, explicando bem o seu raciocínio: 


12) De que charge você mais gostou? Por quê?

13) Como resolver todos esses problemas levantados?

14) Aponte dois possíveis temas de redação acerca desse assunto:

domingo, 21 de maio de 2017

Um texto beeeeeem interessante!

A caminho do brejo 

Um país não vai para o brejo de um momento para o outro — como se viesse andando na estradinha, qual vaca, cruzasse uma cancela e, de repente, saísse do barro firme e embrenhasse pela lama. Um país vai para o brejo aos poucos, construindo a sua desgraça ponto por ponto, um tanto de corrupção aqui, um tanto de demagogia ali, safadeza e impunidade de mãos dadas. Há sinais constantes de perigo, há abundantes evidências de crime por toda a parte, mas a sociedade dá de ombros, vencida pela inércia e pela audácia dos canalhas.

Aquelas alegres viagens do então governador Sérgio Cabral, por exemplo, aquele constante ir e vir de helicópteros. Aquela paixão do Lula pelos jatinhos. Aquelas comitivas imensas da Dilma, hospedando-se em hotéis de luxo. Aquele aeroporto do Aécio, tão bem localizado. Aqueles jantares do Cunha. Aqueles planos de saúde, aqueles auxílios moradia, aqueles carros oficiais. Aquelas frotas sempre renovadas, sem que se saiba direito o que acontece com as antigas. Aqueles votos secretos. Aquelas verbas para “exercício do mandato”. Aquelas obras que não acabam nunca. Aqueles estádios da Copa. Aqueles superfaturamentos. Aquelas residências oficiais. Aquelas ajudas de custo. Aquelas aposentadorias. Aquelas vigas da perimetral. Aquelas diretorias da Petrobras. 

A lista não acaba.

Um país vai para o brejo quando políticos lutam por cargos em secretarias e ministérios não porque tenham qualquer relação com a área, mas porque secretarias e ministérios têm verbas — e isso é noticiado como fato corriqueiro da vida pública.

Um país vai para o brejo quando representantes do povo deixam de ser povo assim que são eleitos, quando se criam castas intocáveis no serviço público, quando esses brâmanes acreditam que não precisam prestar contas a ninguém — e isso é aceito como normal por todo mundo.

Um país vai para o brejo quando as suas escolas e os seus hospitais públicos são igualmente ruins, e quando os seus cidadãos perdem a segurança para andar nas ruas, seja por medo de bandido, seja por medo de polícia.

Um país vai para o brejo quando não protege os seus cidadãos, não paga aos seus servidores, esfola quem tem contra-cheque e dá isenção fiscal a quem não precisa.

Um país vai para o brejo quando os seus poderosos têm direito a foro privilegiado.

Um país vai para o brejo quando se divide, e quando os seus habitantes passam a se odiar uns aos outros; um país vai para o brejo quando despenca nos índices de educação, mas a sua população nem repara porque está muito ocupada se ofendendo mutuamente nas redes sociais...
(Cora Ronái)
https://oglobo.globo.com/cultura/a-caminho-do-brejo-20606929

01) O que significa o termo "A vaca foi pro brejo"? Você costuma usá-la? 

02) Você acha que o nosso país ainda está a caminho mesmo do brejo ou já mergulhou nele? Justififque sua resposta: 

03) Qual a solução (imediata) para tirar o país do (caminho do) brejo? E as mais distantes? 

04) Posicione-se sobre as passagens destacadas no texto, explicando seu ponto de vista em cada uma delas:

05) Explique o porquê do emprego do demonstrativo "aquele" e afins no segundo parágrafo e o que isso, de certa forma, revela:

06) Explique as repetições da expressão "Um país vai para o brejo", presentes no texto:

07) De todos os "deslizes" citados na grande lista (e que não termina), qual foi o que você considerou mais grave? Por quê? 

08) Que mensagem o texto lhe transmitiu? 

09) Qual a SUA parcela de culpa nisso tudo? Comente: 

10) Associe o texto à charge abaixo: